Freddie Oversteegen, que seduzia nazistas para depois matá-los, morre aos 92

Freddie Oversteegen tinha 14 anos quando se uniu aos grupos de resistência contra o nazismo e deu os primeiros passos na célula feminista mais famosa da Holanda. Considerada um símbolo de heroísmo do período da Segunda Guerra Mundial, ela morreu aos 92 anos, no último dia 5.

A holandesa ganhou notoriedade com a divulgação das táticas utilizadas para combater o regime de extrema direita imposto por Adolf Hitler. A então jovem seduzia os oficiais alemães em bares para depois assassiná-los.

Oversteegen nasceu em Haarlem, perto de Amsterdã, em 6 de setembro de 1925 e ao lado da irmã foi criada pela mãe comunista. A família se escondeu em grupos de judeus na Lituânia e ajudava crianças judias a escapar de campos de concentração.

Acompanhada pela irmã, ela matava oficiais nazistas usando uma arma de fogo escondida na cesta de sua bicicleta. O plano era o seguinte, primeiro elas seduziam os nazistas em bares e perguntavam se eles queriam ‘dar uma volta’. Na sequência, como a própria admitiu em entrevistas, eles eram ‘liquidados’.  

“Tínhamos que fazer isso. Era um mal necessário, matar aqueles que traíram as pessoas boas”, disse em entrevista à Vice.

Freddie Oversteegen morreu um dia antes de completar 93 anos, em função de complicações cardíacas. Ao longo da vida ficou marcada como a grande representante do movimento de resistência feminista holandês. Ela dedicou parte da existência na luta contra nazistas e traidores nas proximidades da capital Amsterdã.

Sua grande amiga, Hannie Schaft, acabou capturada e morta pelos nazis. Sua biografia foi a inspiração para o longa-metragem holandês A garota com cabelo vermelho. Ela foi (re)enterrada com honrarias e a presença da rainha Wilhelmina e do príncipe Bernhard da Holanda. Mais de 15 cidades dos Países Baixos têm ao  menos uma rua nomeada em sua homenagem. Em 1996, Freddie fundou uma organização celebrando a memória de Schaft.

Fotos: Reprodução/fonte:via

Anúncios

Observatório fechado pelo FBI abre especulações sobre alienígenas no EUA

https://cdnbr2.img.sputniknews.com/images/1220/09/12200959.jpg

Um observatório localizado no Novo México, estado próximo ao Texas, está deixando as pessoas intrigadas e até se perguntando sobre a possível presença de alienígenas.

O National Solar Observatory foi fechado no último dia 6 de setembro, de acordo com as autoridades, por questões de segurança. Os funcionários foram realocados sem explicação alguma e o fato do FBI, um dos envolvidos na operação, manter silêncio, dão fôlego para o surgimento de especulações sobre os reais motivos da decisão.

O xerife do condado de Otero foi chamado para auxiliar na operação e confirmou a participação da polícia federal norte-americana. Contudo, assim com o FBI, se nega a comentar pontos específicos sobre a operação. 

O observatório é controlado pela Associação Universal de Pesquisas Astronômicas (AURA, em inglês) e se destacou pelo potencial de alcance do telescópio Dunn Solar. “Nós tomamos a decisão de evacuar o espaço”, confirmou um porta-voz da AURA.

Já são mais de sete dias desde o fechamento do espaço e os moradores não estão nada satisfeitos com escassez de explicações. Eles dizem, inclusive, que não podem entrar em casa.

De acordo com a reportagem do BuzzFedd News, o comando do FBI está gerando confusão, especialmente pela ausência de explicações consistentes. O próprio xerife de Otero manifestou consternação.  A adoção da postura misteriosa por parte do FBI é o que incomoda. Nem mesmo os porta-vozes da AURA sabem exatamente o que está se passando.

“O FBI esteve lá, mas não sabemos o motivo. Nós até os procuramos, mas não obtivemos retorno algum”, encerrou.

O mistério cresceu com os sobrevoos na área de um helicóptero Black Hawk. As teorias da conspiração inundaram perfis no Twitter e Reddit, com pessoas se questionando sobre a suposta atuação de espiões chineses e até mesmo a descoberta de vida extraterrestre pelos potentes radares do observatório.

“Nós vimos sim um observatório e um grupo de pessoas nas torres, mas ninguém nos disse nada. Nós averiguamos o espaço e estava tudo certo. Não existem ameaças. Aliás, não nos especificaram a existência de nada”, completou o xerife.

Por fim, existem informações ainda não confirmadas de indivíduos circulando com roupas projetadas para tratar de derramamento de materiais tóxicos. O curioso é que o xerife do condado não tratou do assunto em sua entrevista.

Fotos: Reprodução/fonte:via