Temos imagens da estação espacial de Elon Musk em Marte. E ela fica pronta em 10 anos

Painéis solares na Base Alfa de Marte (Foto: Reprodução/Twitter Elon Musk)

A exploração espacial é um dos principais projetos do bilionário Elon Musk. Através da empresa SpaceX, ele tem investido na criação de foguetes e sonha com feitos como viabilizar viagens de turismo espacial e a criação de uma base em Marte. E parece ter definido uma meta para fazer essa última acontecer.

Como já se tornou costume, Musk utilizou o Twitter para atualizar o público sobre as atividades da SpaceX. Ele publicou imagens do projeto Mars Base Alpha, literalmente a Base Alfa de Marte, e afirmou a um seguidor que ela provavelmente seria construída em 2028 (mas apagou o tweet horas depois).

Base Alfa de Marte, produzida pela SpaceX (Foto: Reprodução/Twitter Elon Musk)

Musk acredita que seria possível construir uma cidade com um milhão de habitantes num prazo entre 50 e 100 anos. A Mars Base Alpha seria o ponto de partido para enviar materiais e começar a construir a infraestrutura necessária para habitar o planeta.

O projeto de Musk inclui também a construção do BFR, ou Big Falcon Rocket (literalmente “Foguete Grande Falcão”), uma nave espacial com 40 cabines, com capacidade para 6 passageiros em cada uma. Os planos da SpaceX envolvem fazer testes em órbita até 2020, além de planejar uma viagem à Lua em 2022 e uma a Marte em 2024.

Imagens via Elon Musk/fonte:via

Anúncios

Um rolê por dentro do museu dos cérebros humanos na Índia

O cérebro é mais complexo e misterioso órgão do corpo humano, e entender seu funcionamento mecânico não nos aproxima sequer de efetivamente compreende-lo. Ver um cérebro de fato, e mais ainda, segurar o órgão nas mãos, é necessariamente ver nossa própria complexidade humana, e segurar uma vida em toda sua profundidade – e é isso a que nos convida o Instituto Nacional de Saúde Mental e Neurociência, em Bangalore, na Índia. Além de expor uma vasta coleção de cérebros, esse curioso museu permite ao visitante segurar um.

Antes de se tornar sede do Instituto, o local era o asilo para lunáticos de Bangalore, e entre os cérebros expostos há uma série de exemplos de órgãos que sofreram de doenças mentais, como Mal de Parkinson, Alzheimer e esquizofrenia, além de cérebros que viveram ferimentos e hemorragias.

A ideia da visita ao instituto é de ajudar a justamente desmistificar o próprio cérebro e suas doenças. “As pessoas pensam que doenças neurológicas são como espíritos malignos. Nós queremos combater essa ideia”, disse Dr. S. K. Shankar, cientista que há décadas trabalha no instituto.

Além da coleção de cérebros, o local oferece outras atrações de nosso corpo, como o pulmão de um fumante inveterado, pâncreas, rins, um coração e um esqueleto completo.

Todo o acervo do instituto indiano é formado por pessoas que doaram seu corpo para a ciência, e para além dos 300 expostos, há um total de quase 3.000 cérebros no local – essa impressionante massa cinzenta que nos permite viver e pensar.

© fotos: reprodução/fonte:via