Este homem quer transformar um navio de cruzeiro em lar para sem-teto

Apenas no Brasil, 33 milhões de pessoas não têm onde morar. A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) revela que entre 2016 e 2017, subiu em 1,4% o número de invasões no país.

Nos Estados Unidos e Europa o cenário não é diferente e acaba se agravando pela postura anti-imigratória de governantes como Donald Trump, que insistem na aplicação de medidas discriminatórias para evitar o desembarque de famílias em situação de vulnerabilidade social.

No caminho contrário, Kenneth Capron está determinado em pensar métodos eficazes para auxiliar a vida dos sem-teto. Durante fala no conselho da cidade de Portland, nos Estados Unidos, o rapaz revelou a existência de um projeto que pretende transformar em lar um navio de cruzeiro abandonado.

“Estamos de olho nas pessoas sem-teto, com baixo poder aquisitivo e imigrantes que precisam de uma casa. Eles necessitam de oportunidades de emprego e treinamento. Por isso, pretendemos oferecer tudo isso dentro do navio”, ressaltou.

Assim que conseguiu permissão de representantes da prefeitura do município, Capron viabilizou a injeção de 250 mil dólares feita pela Fundação Robert Wood para estimular os estudos que transformarão o navio em casa.

Por hora, o navio de cruzeiro não é visto como uma solução definitiva, entretanto seu valor se dá pelo fato de poder proporcionar abrigo para os que precisam com urgência. Portland registra um déficit habitacional de 1 mil unidades e o navio pode oferecer pelo menos 800 apartamentos e serviços de apoio social.

“Não sei se esta é a ideia mais louca ou mais brilhante que já ouvi. Porém, o que mais me atrai é o aspecto criativo para conseguir uma saída para este problema crônico”.

Foto: Reprodução/fonte:via

Mãe vira escudo humano para proteger bebê durante tempestade de gelo

Uma mãe passou por poucas e boas para garantir a segurança de sua pequena filha. Fiona Simpson estava dirigindo em Kingaroy, na Austrália, com a bebê  e a avó quando uma das janelas do carro acabou estilhaçada.

O vidro não resistiu a força dos ventos provocados por um tornado e se partiu. Com isso, a bebê ficou exposta ao frio, vidro e gelo. Fiona não pensou duas vezes e para protegê-la, a mãe envolveu a criança em seu corpo, se transformando em um verdadeiro escudo humano.

“A janela desapareceu, deixando pedaços de vidro espalhados pelo carro. Eu tirei meu cinto de segurança, sentei no banco de trás e fiquei em cima dela esperando a tempestade cessar”, declarou ao jornal Ten Daily.  

Com queimaduras provocadas pelas pedras de gelo (algumas do tamanho de uma bola de tênis), Fiona disse não ter tido tempo para sentir dor.

“Eu não podia focar na dor. Só tinha tempo de permanecer sobre a bebê e protegê-la. Não houve tempo para pensar em outra coisa”, finalizou. Apesar dos esforços da mãe, a criança acabou machucando a cabeça sem gravidade.  

Fotos: Reprodução/fonte:via