Paz e esperança no incrível Festival Internacional da Pipa, na França

Existe uma certa magia em observar uma pipa entre as nuvens, naquele eterno movimento de ir e vir. Porém, mais mágico ainda é ter a sorte de poder observar uma verdadeira festa no céu, com milhares de pipas, de todos os formatos e cores que você pode imaginar, dançando e oferecendo um espetáculo para quem está embaixo. Foi exatamente isso que aconteceu na vigésima edição do Festival Internacional da Pipa, na França.

No mês de setembro, um júri composto por mais de 35 pessoas dos 5 continentes, uniu-se na cidade de Dieppe, ao norte da França, para selecionar as melhores pipas, dentre mais de 530. Engana-se quem pensa que este é um festival nanico, pois em 10 dias de pura festa, a cidade recebeu mais de 700 mil turistas , que lotaram todos os hotéis da região.

Em meio à tanta coisa difícil que o mundo está vivendo, o festival é um sucesso há mais de vinte anos e, Sandrine Frébourg – uma das organizadoras, explica: “Um espírito de paz e serenidade paira neste encontro internacional. Amizade, diversidade cultural e o contato entre diferentes gerações, são os principais valores do festival”

Fotos: CGTN /fonte:via

Anúncios

Fotógrafo retrata o isolamento de pessoas solitárias em série poética e melancólica

Quanto tempo você aguentaria passar sem energia elétrica, celular, internet ou televisão? Muitas pessoas responderiam que não aguentariam sequer um dia, porém outras passam a vida inteira longe da tecnologia, como os moradores da intocada região de Trás os Montes – Portugal. Muitas aldeias possuem apenas 10 moradores, outras apenas um e, a grande maioria é idosa, já que os jovens partiram em busca de seus sonhos.

Entretanto, a falta de tecnologia é o menor dos problemas que esses idosos enfrentam. Extremamente solitários, muitas vezes eles passam meses sem ver e falar com alguém, principalmente com as baixas temperaturas do inverno, que os obriga a passarem dias trancados em casa. Vivendo principalmente da produção agrícola e da criação de ovelhas, a vida dessas pessoas encantou o fotógrafo português Ricardo Ramos, que capturou a beleza que habita na solidão.

Durante dias, ele ouviu histórias sobre abandono da família, amores fracassados, perdas e solidão. Algumas pessoas pararam no tempo e vivem como se ainda estivessem na década de 1950, outras gostariam de voltar a ter 20 anos, porém alguns apenas convivem diariamente com a solidão, transformando-a em arte e aceitação.

Fotos: Ricardo Ramos /fonte:via