Moradores de vilarejo afastado constroem estrada entre falésia com as próprias mãos

Quem vive em grandes centros urbanos nem imagina que ainda existem pessoas que são obrigadas a atravessar 8 vilarejos ou, se aventurar no meio de um penhasco para chegar na cidade mais próxima. Era essa a realidade dos moradores de Shenlongwan, uma vila isolada na província de Shanxi – norte da China. Insatisfeitos com a dificuldade de chegar à civilização, eles decidiram construir uma estrada com as próprias mãos, em 1985.

Com 1526 metros de comprimento, ela é uma verdadeira maravilha da engenharia, construída de maneira rudimentar, porém milagrosa. A estrada, que passa entre as falésias, levou 15 anos para ficar pronta, após muito esforço da comunidade, que não contou com a ajuda do governo. Agora, no entanto, ela vem atraindo milhares de turistas para a região.

Desde a inauguração, em 2000, a região tornou-se um um importante polo de turismo da província. Somente no ano passado, mais de 300 mil turistas sedentos por passar pela estrada mágica, viajaram para Shenlongwan, que há poucos anos era apenas uma vila remota e sem recursos do norte da China. Hoje, a vila saiu da pobreza graças à estrada, que já injetou mais de U$ 7 milhões na economia do local.

Fotos: News.cn /fonte:via

Navio naufragado mais antigo do mundo é descoberto no Mar Negro

2400 anos sob a água, mas ainda praticamente intacto. Acredite se quiser, mas essa é a condição em que arqueólogos encontraram um navio naufragado no Mar Negro, que fica no leste europeu.

A embarcação tem 23 metros de comprimento e os pesquisadores acreditam que tenha sido construída na Grécia Antiga. O navio está com mastro, lemes e bancos de remo bastante preservados, provavelmente por estar a cerca de 1,6km da superfície, num local com pouco oxigênio.

Os arqueólogos acreditam que o navio fosse usado comercialmente, e dizem que só se conhecia embarcações parecidas com essa graças à arte grega, principalmente às pinturas em objetos de cerâmica, como o chamado Vaso de Sereia, que está exposto no Museu Britânico, em Londres.

A intenção dos pesquisadores é que o navio seja mantido onde está e, caso seja estudado, isso aconteça mesmo debaixo do mar. Um pedaço da embarcação foi levada para a Universidade de Southampton, na Inglaterra, e passou por uma datação por carbono, que indicou a idade aproximada de 2400 anos, o que o transforma no navio naufragado mais antigo já descoberto.

A equipe de arqueólogos está em uma missão de três anos que tem como objetivo explorar o Mar Negro e entender melhor como mudanças no nível do mar durante a pré-história impactaram a humanidade. Até agora, mais de 60 navios naufragados foram encontrados durante o processo.

Foto do navio: Divulgação Científica

Foto do vaso via British Museum/fonte:via