Há anos, esta loja da Ikea serve como abrigo para cães que vivem na rua dormirem

Nenhum ser vivo merece dormir sem um teto sobre sua cabeça, e para oferecer abrigo e proteção contra o frio aos cachorros de rua da cidade de Catania, uma filial italiana da IKEA já há anos abre suas portas para que os animais possam descansar e tirar uma soneca devidamente sob o conforto de quatro paredes. E a visita dos cães não acontece fora do horário comercial: são os próprios clientes quem mais postam fotos dos animais deitados entre móveis à venda na loja.

Além do abrigo, os cães recebem comida da loja e, claro, carinhos e mimos, dos funcionários e clientes dentro da IKEA. A relação com os animais é de tal forma amorosa que até um grupo de veterinários mantém os cachorros saudáveis, vacinados e remediados. No verão, o ar condicionado alivia o calor; no inverno, o calor da loja protege os bichanos do frio.

O destino dos animais de rua não é, em Catania, alterado somente pela proteção que a IKEA oferece: não é incomum que, além do amor que recebem dos clientes, alguns dos cachorros encontrem uma família e uma nova casa, através de adoções que os clientes realizam. Abrir as portas, oferecer comida e carinho, há de ser um exemplo para todo mundo.

© fotos: reprodução/fonte:via

Anúncios

Gigantesca “prisão de baleias” ilegal é filmada na Rússia, apontando para indústria de exploração animal

Autoridades russas estão investigando uma “prisão de baleias” com mais de 100 animais capturados e mantidos em pequenos recintos, onde supostamente aguardam venda para parques temáticos chineses.

A instalação de contenção marítima fica próxima da cidade de Nakhodka, no sudeste da Rússia. De acordo com o portal VL.ru, que obteve várias fotos do local, a instalação é monitorada por homens armados, enquanto os animais são mantidos em jaulas submarinas formadas por redes.

Sob o direito internacional, baleias podem ser capturadas para certos fins científicos, educacionais e culturais, mas a exportação comercial – neste caso, supostamente para venda a aquários chineses e parques de entretenimento – é estritamente proibida.

De acordo com o jornal britânico The Telegraph, uma orca pode valer US$ 6 milhões no mercado negro chinês, e há uma grande demanda pelo espécime. Enquanto a China já tem cerca de 60 parques marinhos, mais uma dúzia está em construção.

Captura recorde

Ao que tudo indica, 11 orcas e 90 belugas estão presas na estrutura marítima.

O jornal russo independente Novaya Gazeta informou que esse número representa uma captura recorde para as quatro empresas responsáveis: LLC Oceanarium DV, LLC Afalina, LLC Bely Kit e LLC Sochi Dolphinarium.

O relatório destaca que a atividade praticamente não regulamentada dessas quatro empresas controla o mercado de captura e exportação de animais marinhos, com algumas das baleias sendo mantidas em confinamento desde julho.

“Pegando-as nesse ritmo, corremos o risco de perder toda a nossa população de orcas”, disse o coordenador de pesquisa do Greenpeace na Rússia, Oganes Targulyan, ao The Telegraph. “A cota de captura agora é de 13 animais por ano, mas ninguém está levando em conta que pelo menos uma orca é morta para cada baleia capturada”.

Situação precária

Embora as alegações atuais façam parte de uma investigação em aberto, surgiram na esteira de um escândalo anterior sobre o tráfico de baleias envolvendo a exportação ilegal de 15 orcas da Rússia para a China entre 2013 e 2017.

Enquanto os promotores investigam, também há preocupações quanto ao modo como os animais estão sendo mantidos e transportados. Vídeos no YouTube mostram baleias sendo movidas entre tanques, enquanto filmagens de drones fornecem uma ideia de quão apertadas são as condições cativas. 

fonte:via [ScienceAlert]