Funcionário com síndrome de Down comemora 30 anos de trabalho no McDonald’s

Se hoje as pessoas com síndrome de Down precisam enfrentar desafios causados pelo preconceito, há 30 anos as barreiras eram ainda maiores. Mas o australiano Russell O’Grady passou por cima delas e já acumula mais de três décadas de trabalho em uma filial do McDonald’s.

De acordo com seu pai, Russell é a pessoa mais conhecida da cidade de Northmead, perto de Sydney. “As pessoas o param na rua para cumprimenta-lo. Ele é muito afetuoso, muito amado e estimado. Chega a um ponto que nem podemos acreditar”, conta.

Russell começou no emprego quando tinha 18 anos, como uma forma de estágio, mas logo ele mostrou seu valor e passou a ser contratado para embalar caixas para festas. Desde então ele passou por outras funções, entre limpeza, cozinha e a sua favorita: cumprimentar os clientes.

O pai de Russell conta que o emprego mudou a forma como o filho vê a vida: “Quando perguntavam se ele tinha alguma deficiência ele respondia que costumava ser quando ia para a escola, mas que agora trabalhava no McDonald’s. Ele percebeu que era tão normal como as outras pessoas que trabalhavam lá”.

Ele está há tanto tempo no emprego que os filhos de um antigo colega agora trabalham junto com ele. Em 2016, Russell ganhou uma festa para comemorar os 30 anos de serviços prestados, além de poder inspirar e abrir as mentes de todos que cruzam seu caminho.

Fotos: Reprodução/fonte:via

Anúncios

Egito encontra múmias de gatos de 6 mil anos de idade

Você provavelmente já sabia que os gatos eram considerados sagrados no Antigo Egito. Acontece que, depois de arqueólogos encontrarem uma fábrica de cerveja com mais de 4 mil anos na região, agora foi a vez de outro achado: dezenas de gatos mumificados estavam em um sarcófago com pelo menos 6 mil anos de história.

Você provavelmente já sabia que os gatos eram considerados sagrados no Antigo Egito. Acontece que, depois de arqueólogos encontrarem uma fábrica de cerveja com mais de 4 mil anos na região, agora foi a vez de outro achado: dezenas de gatos mumificados estavam em um sarcófago com pelo menos 6 mil anos de história.

A descoberta foi anunciada pelo Ministério das Antiguidades do Egito, através do Twitter (ver acima). Os egípcios eram tão apaixonados por gatos que realizavam diversas homenagens e oferendas para os felinos em templos religiosos.

Dezenas de gatos mumificados encontrados no Egito

Os animais mumificados foram encontrados no sítio arqueológico de Sacara, próximo do Cairo. Os sarcófagos estavam lacrados e as múmias foram ocupavam pelo menos três tumbas no interior deles.

Estátua de madeira de um gato encontrado no Egito

Além disso, os gatinhos estavam na companhia de 100 estátuas de madeira em sua homenagem, bem como esculturas representando um leão, uma vaca e um falcão.

Uma coleção de escaravelhos mumificados também fez parte da descoberta. No Antigo Egito, estes insetos eram considerados como amuletos.

fonte:via Fotos: Reprodução Twitter/Ministério das Antiguidades do Egito