A história dos gatos determinados que nunca desistem de tentar entrar neste museu

gatos museu Hiroshima 5

Os gatos são mesmo seres incríveis. Incapazes de serem totalmente domados pelos seres humanos, eles são inteligentes, misteriosos e têm muito a nos ensinar sobre as relações. Porém, Ken Chan e Gosaku, superam todas as expectativas. Decididos a entrar no Museu de Arte da cidade de Hiroshima – Japão, há 2 anos eles vão diariamente até a porta do museu, sem sucesso.

gatos museu Hiroshima 1

Porém, a determinação da dupla é tão grande, que os próprios funcionários do estabelecimento fizeram a fama dos felinos, agora famosos na internet. Diversos vídeos e fotos publicados no Twitter estão sendo compartilhados e as pessoas estão se perguntando de onde eles vêm e porque cismaram em visitar o museu.

gatos museu Hiroshima 2

A história começou em 2016, na estreia da exposição Cats – Mitsuaki Iwago Photography Exhibition, quando Ken-chan – o gato preto, mostrou que também gosta de arte e foi até a porta na esperança de ser convidado. Sem sucesso e com uma insistência que muita gente inveja, depois de 2 anos ele decidiu pedir a ajuda de seu amigo, Tom Gosaku – de cor champagne, que passou a participar da missão.

gatos museu Hiroshima 3

Não sabemos o motivo de tanta vontade para entrar neste museu, mas uma coisa podemos afirmar: gatos são mesmo incríveis!

gatos museu Hiroshima 5
gatos museu Hiroshima 7

Fotos: Onomichi Museu/ fonte:via

Tapetes reproduzem o fundo do mar e trazem reflexão sobre preservação dos oceanos

tapete fundo do mar 3

Nós adoramos toda e qualquer forma de arte, porém quando ela possui um caráter crítico e nos instiga a pensar sobre determinado ponto, melhor ainda. A artista portuguesa Vanessa Barragão, vem criando tapetes incríveis, que além de nos propor uma reflexão sobre a importância da preservação dos oceanos, recupera técnicas ancestrais de tapeçaria manual. Recriando paisagens do fundo do mar, suas obras são produzidas inteiramente de maneira artesanal e são 100% sustentáveis.

tapete fundo do mar 1

Sediada na cidade de Porto, a artista é natural de Albufeira, litoral do país, portanto o mar sempre foi sua realidade. Após estudar Design de Moda e estar em contato direto com a indústria têxtil, a preocupação com o meio ambiente tornou-se real, já que a indústria da moda é uma das que mais poluem o meio ambiente.

tapete fundo do mar 2

Retratando algas, corais e aspectos da vida marinha que encontram-se em constante ameaça, sua obra não poderia ser mais atual e direta. A complexidade de seu trabalho caminha lado a lado com sua criatividade, trabalhada a partir de técnicas tradicionais, como feltragem, tricô, macramê, crochê e tecelagem, muitas destas que vêm sido engolidas pela industrialização.

tapete fundo do mar 3

Altamente sensoriais e integralmente feitas à mão, todo o material utilizado na composição das suas peças são coletados, limpos e reciclados para serem reinseridos no processo de confecção das obras. Lindo é pouco!

tapete fundo do mar 4
tapete fundo do mar 5
tapete fundo do mar 6
tapete fundo do mar 7
tapete fundo do mar 8

Fotos: Vanessa Barragão/ fonte:via

A felicidade das crianças pelas lentes de quatro fotógrafos consagrados

09“Nós olhamos para o mundo uma vez, quando crianças. O resto é memória”. A frada da poeta norta-americana Louise Glück nos remete às memórias de infância, quando qualquer canto pode ser um bom lugar para se divertir. Ainda que a gente não possa voltar a ser criança, ver os pequenos brincando também é capaz de nos encher de alegria.

Alguns dos mais notáveis fotógrafos da história apontaram suas lentes para as crianças e registraram com maestria a felicidade que é capaz de transbordar por imagens.

O francês Robert Doisneau ficou conhecido por seu olhar poético sobre a vida nas ruas, e seus registros da infância quase são capazes de colorir de alegria as fotos em preto e branco.

Alfred Eisenstaedt foi um fotojornalista norte-americano que gostava de registrar a naturalidade da vida cotidiana, além de ações que aconteciam sem aviso prévio e que só um fotógrafo bem ligado poderia registrar. Autor de imagens que contam histórias, ele também gostava de fotografar a energia natural das crianças.

Outro fotógrafo norte-americano que gostava de registrar sentimentos universais humanos foi Wayne Miller, que também teve uma fase em que focou nas fotografias de crianças, tendo até lançado um livro com imagens que registrou da própria família.

Citar Henri Cartier-Bresson é quase automático ao falar de registros icônicos em fotos. Um dos grandes mestres da fotografia, o francês sempre foi considerado um grande humanista, tendo usado sua arte para fazer registros sociais e se tornando o grande expoente da fotografia cândida, em que as imagens são feitas sem que os fotografados posem para a lente.

Fotos: Reprodução

A felicidade das crianças pelas lentes de quatro fotógrafos consagrados

09“Nós olhamos para o mundo uma vez, quando crianças. O resto é memória”. A frada da poeta norta-americana Louise Glück nos remete às memórias de infância, quando qualquer canto pode ser um bom lugar para se divertir. Ainda que a gente não possa voltar a ser criança, ver os pequenos brincando também é capaz de nos encher de alegria.

Alguns dos mais notáveis fotógrafos da história apontaram suas lentes para as crianças e registraram com maestria a felicidade que é capaz de transbordar por imagens.

O francês Robert Doisneau ficou conhecido por seu olhar poético sobre a vida nas ruas, e seus registros da infância quase são capazes de colorir de alegria as fotos em preto e branco.

Alfred Eisenstaedt foi um fotojornalista norte-americano que gostava de registrar a naturalidade da vida cotidiana, além de ações que aconteciam sem aviso prévio e que só um fotógrafo bem ligado poderia registrar. Autor de imagens que contam histórias, ele também gostava de fotografar a energia natural das crianças.

Outro fotógrafo norte-americano que gostava de registrar sentimentos universais humanos foi Wayne Miller, que também teve uma fase em que focou nas fotografias de crianças, tendo até lançado um livro com imagens que registrou da própria família.

Citar Henri Cartier-Bresson é quase automático ao falar de registros icônicos em fotos. Um dos grandes mestres da fotografia, o francês sempre foi considerado um grande humanista, tendo usado sua arte para fazer registros sociais e se tornando o grande expoente da fotografia cândida, em que as imagens são feitas sem que os fotografados posem para a lente.

Fotos: Reprodução/ fonte:via

Mãe faz uma foto dentro da outra e cria túnel do tempo do crescimento de seu filho

Quando um fotógrafo tem filhos, há apenas uma certeza: a criança terá fotos maravilhosas para registrar diferentes etapas da vida. Nas mãos da fotógrafa Annie Wang, de Taiwan, as imagens de seu filho ganharam um toque extra de criatividade.

Annie simplesmente não estava disposta a se encaixar nas fotos forçadas de uma maternidade perfeita. Ao invés disso, ela decidiu registrar o crescimento de seu filho com um túnel do tempo em que as fotografias tiradas ao longo de 17 anos vão se sobrepondo e criando um retrato fiel da infância e adolescência do menino.

2001 – O dia anterior ao nascimento

Assim surge a série “A mãe enquanto criadora“, que busca falar não apenas sobre a maternidade, mas também incitar o papel do artista. O primeiro clique foi feito enquanto o garoto ainda estava na barriga (foto acima), mas as imagens continuaram formando uma bela imagem da maternidade ao longo de diferentes fases da vida.

Confere só o resultado!

2002 – Apertando o disparador da câmera juntos

2003 – Com a perna engessada

2004 – No Natal

2005 – Primeira exibição

2006 – Trabalho duro

2010 – De mudança

2011 – Criando sonhos

2014 – Do mesmo tamanho

2018 – Brigando pela liberdade

Fotos: Annie Wang/ fonte:via

Fotógrafo canadense mostra como o inverno pode ser incrível

canada4

Quem vive em lugares mais frios sabe bem como reclamar quando o tempo esfria de vez. O inverno pode até ser uma estação menos confortável do que as outras, mas certamente não perde nada quando o quesito é beleza. É o que o fotógrafo Stevin Tuchiwsky pretende mostrar com suas fotografias do inverno canadense.

Ele vive em Calgary, onde as temperaturas chegam a -30 ºC durante o inverno, o que faz com que o fotógrafo conheça bem as paisagens geladas do país. “Há tantas atividades para se fazer no inverno quanto no verão. Esqui, snowboarding, caminhadas, usar raquetes de neve, andar em motos de neve, trenós puxados por cães, fazer pesca no gelo“, lembra ele.

O trabalho de Stevin é uma mostra de todo o potencial da estação mais fria do ano e nos brinda com montanhas cobertas de neve e muitos lagos congelantes. Vem ver como o clima frio também pode ser lindo:

canada1
canada2
canada3
canada4
canada5
canada6
canada7
canada8
canada10
canada12
canada13
canada15

Todas as fotos © Stevin Tuchiwsky/ fonte:via

A incrível história do menino brasileiro que cresceu brincando com onças

Tiago Jácomo Silveira, de 12 anos, cresceu brincando com onças-pintadas. Ele não é uma daquelas crianças que foram criadas por animais, nem nada do tipo. Tiago é filho dos biólogos Anah Tereza Jácomo e Leandro Silveira responsáveis pelo Instituto Onça-Pintada, um órgão que luga pela preservação destes animais.

Ainda pequeno, Tiago amamenta uma onça bebê

Em entrevista à BBC, a família conta que o convívio do garoto com os animais começou quando ele era somente um bebê. A história se tornou viral após uma foto do menino ao lado de duas onças ser compartilhada nas redes sociais.

Tiago, 12 anos, aparece em um lago ao lado de duas onças-pintadas

Leandro, Tiago e Anah caminham ao lado de uma onça-pintada

Como os pais viviam no Intituto Onça-Pintada, cuidando de três onças recém-nascidas, o convívio de Tiago com os felinos ocorreu naturalmente. Desde muito pequeno, ele era instruído sobre como lidar e respeitar os limites dos animais.

Ao lado da mãe, Tiago aproxima o rosto de uma onça-pintada

À reportagem, o pai conta que costumava viajar de caminhonete com o menino e as onças juntos. No trajeto, faziam diversas paradas para dar mamadeira a Tiago e aos filhotes de animais. Mesmo assim, o garoto nunca ficou sozinho com os felinos e a família garante que nunca houve nenhum incidente que o colocasse em risco.

Tiago recebe “um abraço” de uma onça maior do que ele

Embora estejam presentes em cerca de 21 países, quase metade das onças-pintadas vivem em solo brasileiro. Apesar disso, o respeito a estes animais não é um consenso. O próprio exército chochou muita gente ao abater uma onça em Manaus e, no Pará, um caçador foi preso após matar dezenas de animais da espécie.

Fotos: Arquivo Pessoal /fonte:via