Besouro aquático, aranha elétrica e mais 30 novas espécies descobertas na Amazônia

Entre batalhas pela proteção ambiental e a busca por manter a diversidade da fauna amazônica, a floresta mais famosa do mundo continua surpreendendo biólogos e zoólogos por sua incrível variedade de animais – em seu último relatório, a ONG WWF relata terem sido descobertas trinta novas espécies em 2017.

Todas as descobertas foram feitas na porção amazônica que fica em Guiana. Andrew Snyder, um zoólogo especializado em répteis e anfíbios, estava fazendo uma pesquisa quando descobriu acidentalmente uma nova espécie de aranha, a tarântula azul, que foi apelidada ‘aranha elétrica’ por causa de sua cor brilhante.

Seis novas espécies de peixes, cinco de libélulas carnívoras e 15 de besouros aquáticos também estão na lista de descobertas da WWF. Outros destaques são o sapo Groete Creek, que carrega seus ovos nas costas, e a rã dourada de Kaieteur.

A Guiana é um país pequeno, mas com altíssima biodiversidade e com grande parte de sua floresta nativa preservada. Os cientistas acreditam que podem descobrir muitas outras espécies de animais não catalogas por lá e continuam organizando expedições para estudar a fauna local.

Novas espécies de besouros e peixes também foram catalogadas

Fotos: Reprodução/WWF/ fonte:via

Rainha do preto e branco, Vivian Maier tem fotos inéditas coloridas divulgadas

A americana Vivian Maier tornou-se recentemente uma das mais celebradas fotógrafas americanas – ela mesma, porém, não chegou a ver seu sucesso. Tendo trabalhado quase a vida toda como babá, Vivian se dedicava à fotografia no intervalo de seus trabalhos, e muitos de seus negativos não chegaram a ser impressos até 2007, quando primeiro foram descobertos e publicados. Vivian faleceu em 2009, o justo ano em que seu talento começou a ser reconhecido. A vasta maioria de seu trabalho era em preto-e-branco, mas uma série de fotos coloridas foi recentemente finalmente revelada.

Autorretrato colorido

Algumas das fotos de Vivian foram adquiridas em um leilão por somente 380 dólares, que revelaram-se parte de um dos mais sólidos e interessantes corpos de trabalho da história da fotografia. Seus trabalhos em cor, porém, permaneciam um mistério, velados principalmente por questões legais. Aos poucos, porém, as fotos coloridas vão sendo levadas ao público – ilustrando uma das mais interessantes e impressionantes trajetórias artísticas que se tem notícia.

© fotos: Vivian Maier/ fonte:via