Sobreviventes de acidentes posam para conscientizar sobre direção segura


sobreviventes acidentes 4



Em 2017, a obrigatoriedade do uso de cinto de segurança no Brasil completou 20 anos. Quem viveu nos anos 1990 sabe que, naquela época os carros eram muito menos seguros que os de hoje e, as pessoas não estavam nem um pouco preocupadas em garantir sua proteção. Entretanto, se o número de acidentes já diminuiu consideravelmente, ainda existem aqueles que não levam a segurança no trânsito tão a sério, por isso a importância de uma campanha como esta.

sobreviventes acidentes 1

Já que uma imagem vale mais do que mil palavras, a NZ Transport Agency (NZTA) – a Agência de Transporte da Nova Zelândia, criou uma campanha forte e decisiva, com o objetivo de reduzir o número de mortes nas estradas do país. Segundo eles, 90 pessoas morrem a cada ano porque não estavam usando o cinto de segurança e a maioria delas são homens jovens em áreas rurais.

sobreviventes acidentes 2

Para tornar a ação mais incisiva, eles utilizaram 10 sobreviventes de acidentes reais e recriaram seus ferimentos com a ajuda da empresa de maquiagem SFX PROFX. Usar o cinto de segurança já deveria fazer parte do cotidiano de, absolutamente todas as pessoas do mundo, mas infelizmente ainda não faz. Vamos mudar esta realidade?

sobreviventes acidentes 3
sobreviventes acidentes 4
sobreviventes acidentes 5
sobreviventes acidentes 6
sobreviventes acidentes 7
sobreviventes acidentes 8
sobreviventes acidentes 9
sobreviventes acidentes 10

Fotos: (NZTA) fonte:via

Rio de Janeiro vai receber maior coleção de arte iorubá fora da África

O Monumento a Zumbi do Palmares, localizado na Avenida Presidente Vargas, no Rio de Janeiro, é o pilar para que a cidade maravilhosa receba a maior coleção de arte iorubá fora da África.

Centenas de peças e artefatos milenares serão exibidos ao público na Casa de Herança Oduduwa, um centro de estudos da língua iorubá, de arte e claro, ligação permanente entre Brasil e a África iorubana.

A ideia partiu de uma confusão envolvendo o Monumento a Zumbi dos Palmares e o rei de Ifé. Ojaja II, de 44 anos, percebeu certo desconhecimento dos brasileiros sobre os antepassados africanos.

O Monumento a Zumbi é um grande mistério

Em 2015, o então empresário Adeyeye Enitan Babatunde Ogunwusi foi escolhido por integrantes de seis famílias como o rei de Ifé. O susto veio dois anos depois, em meio a uma campanha para unir os iorubás espalhados no mundo.

Ao ver uma mensagem vinda do Brasil, o rei ficou em choque ao notar a semelhança entre seu próprio rosto e nada menos que o Monumento a Zumbi dos Palmares, instalado na Avenida Presidente Vargas no Rio de Janeiro.

Acontece que o busto não retrata Zumbi. O rei de Ifé veio conhecer a escultura de perto em 2018 e se alegrou ao perceber seus traços na cabeça de bronze. A turnê impactou o rei, que consultou os guias espirituais e decidiu enviar para o Brasil imagens e peças do acervo milenar da cidade.

O rei de Ifé se impressionou com o monumento a Zumbi dos Palmares

Não dá para cravar que a imagem em bronze de 3 metros de altura e 800 quilos seja inspirada no rei de Ifé. Desde a inauguração em 1986, o mistério permanece. O jornal O Globo chegou a dizer que não se tratava de uma homenagem ao líder do Quilombo dos Palmares.

“A escultura é réplica de uma cabeça nigeriana esculpida entre os séculos XI e XII. Descoberta em 1938, ela hoje está no British Museum de Londres”.

O mais importante é o estreitamento dos laços entre brasileiros e iorubanos. Também chamados de nagôs, eles foram maioria entre os escravizados pelos portugueses e trazidos ao Brasil Colônia. Os iorubás são fundamentais para o nascimento do Candomblé, da Umbanda e outras religiões de matriz africana.

Fotos: foto 1: Reprodução/foto 2: EBC/fonte:via