Papagaio ‘preso’ após avisar chegada da Polícia é transferido para zoobotânico

Esse é mais um daqueles casos em que se lê a chamada e se presume que só pode ter acontecido no Brasil. Mas, apesar de parecer cômico, há muito de trágico em retirar um animal de sua vida normal para apreendê-lo.

O papagaio apreendido pela PM em uma casa que funcionaria como ponto de drogas na Vila Irmã Dulce, Zona Sul de Teresina (PI), foi encaminhado para o Zoobotânico da cidade. Segundo os policiais que atenderam a ocorrência do caso na segunda-feira (22), o pássaro foi responsável por avisar os tutores sobre a chegada da PM, gritando: “Mamãe, polícia!”. Desde então, o animal estava no Batalhão de Policiamento Ambiental (BPA).

Recebemos esse animal na Central de Flagrantes depois dele ter sido apreendido em uma ocorrência de tráfico de drogas. É muito comum que esse tipo de criminosos tenha esse tipo de animal, que é um crime ambiental”, explicou ao G1 o capitão Josué, do BPA.

Biólogos do Zoobotânico vão analisar se o animal tem condições de retornar à natureza

O papagaio pertencia a uma mulher conhecida como “Índia”, presa outras duas vezes por tráfico de drogas. Desta vez, no entanto, a PM afirma que não estava diretamente envolvida com a prática ilícita e por isso não foi presa. Um homem de 30 anos, identificado como Edvan, supostamente marido dela, foi preso no local, onde os policiais encontraram porções de crack. Uma adolescente de 16 anos, apontada como filha do casal, foi apreendida com maconha escondida em suas roupas íntimas. Ambos foram conduzidos para a Central de Flagrantes.

A jovem foi liberada após assinar um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO). Ao fim dos procedimentos legais, o papagaio foi encaminhado para o BPA.

Segundo o capitão Josué, a expectativa é que o animal, agora “desempregado”, seja analisado para verificar se possui condições de voltar à natureza.

Foto: Divulgação/ Polícia Militar Ambiental/fonte:via

Drone encontra flor que cientistas acreditavam estar extinta

Drones não foram criados apenas para ficarmos babando nas fotos aéreas que esses aparelhinhos são capazes de registrar. Eles também podem auxiliar no combate à caça ilegal, plantar árvores ou mesmo encontrar espécies de plantas que pareciam extintas.

O último caso aconteceu recentemente, quando três exemplares da flor Hibiscadelphus woodii foram encontrado em uma área remota do vale de Kauai Kalalau. A planta era considerada extinta desde 2011, mas sua (re)descoberta foi anunciada no dia 16 de abril pelo National Tropical Botanical Garden (NTBG).

Hibiscadelphus woodii encontrada no Havaí

Hibiscadelphus woodii. Foto: Kenneth R. Wood

Vista pela primeira vez pelos botânicos em 1991, a flor, que é exclusiva das ilhas havaianas, foi catalogada em 1995.  A Hibiscadelphus woodii cresce como um arbusto e possui flores amarelas ricas em néctar. Pesquisadores acreditam que elas sejam polinizadas por aves nativas do Havaí, visto que esforços realizados para propagar a espécie utilizando diversos métodos falharam.

Foto: Reprodução Youtube/NTBGSavePlants

A descoberta anima os cientistas, que esperam que outras espécies consideradas extintas possam ainda ser encontradas em áreas remotas do planeta. “Drones estão desbloqueando um tesouro inexplorado em penhascos, e, mesmo que essa seja a primeira descoberta do tipo, tenho certeza de que não será a última”, salienta o coordenador da NTBG e especialista em drones, Ben Nyberg.

Foto em destaque: Reprodução Youtube/NTBGSavePlants/fonte:via