O lago na Indonésia que é um concorrido ponto turístico para os entusiastas de selfies subaquáticas

Localizado na região de Java Central – na Indonésia, o pequeno lago de Umbul Ponggok possui apenas 20 x 50 metros e uma água tão cristalina que chegamos a duvidar. Ele é continuamente alimentado com água fresca vindas 40 fontes diferentes e tornou-se o mais novo paraíso asiático das selfies. No entanto, sem sempre foi assim. Um belo exemplo de como o esforço conjunto das pessoas, somado com a imensa capacidade regenerativa da natureza podem transformar um lugar, há 15 anos Ponggok era uma vila pobre e obscura, e seu lago uma fossa poluída e suja, onde os moradores costumavam tomar banho e lavar suas roupas.

Se antes a região possuía uma altíssima taxa de desemprego, hoje a vila se orgulha de estar entre as 10 mais ricas da Indonésia. Com índice de desemprego quase inexistente, foi graças ao turismo consciente ao sucesso do lago no Instagram, que hoje a economia da cidade caminha a passos largos. 

Tudo começou quando Junaedi Mulyono foi eleito prefeito da vila, em 2006. Ele começou levando estudantes de uma universidade próxima e pedindo que eles criassem um banco de dados dos problemas da vila, com uma lista de recursos potenciais e possíveis soluções. Com base nas informações oferecidas pelos alunos, Mulyono fundou uma empresa pertencente e pediu aos moradores locais que investissem nela, prometendo que colheriam as recompensas por muitos anos.

Enquanto muitos relutaram em aceitar suas ideias revolucionárias, cerca de 430 das 700 famílias se tornaram investidores, sendo que aqueles que não investiram no começo mudaram de idéia depois que o lago foi limpo e os turistas começaram a chegar. O resultado é que cada uma das famílias investidoras acumulou 5 milhões de rúpias e obteve retornos de 400.000 a 500.000 rúpias por mês, nos últimos 10 anos. A renda extra ajudou os habitantes locais a melhorar sua qualidade de vida e oferecer melhor educação aos filhos.

Além disso, a economia – basicamente toda construída em torno da popular lagoa, praticamente eliminou o desemprego. Hoje, conhecida como uma das atrações turísticas imperdíveis da Indonésia, o lago é um ímã para influenciadores do Instagram em busca de selfies arrasadoras. E, como as selfies subaquáticas são as mais populares entre os visitantes, os moradores da vila montaram todos os tipos de acessórios no fundo do lago, como motocicletas, bancos e até aparelhos de TV antigos, tudo isso para criar a selfie perfeita.

E o melhor de tudo é que a atração ainda possui sua própria conta no Instagram, com mais de 40 mil seguidores, onde as melhores fotos subaquáticas são exibidas. Definitivamente, suas selfies nunca mais serão as mesmas!

Fotos: Umbul Ponggok /fonte:via

Brasileiros e venezuelanos unem forças para coletar 1 tonelada de lixo de igarapé

A Amazônia, suas matas e suas águas, são o maior tesouro nacional do Brasil, mas sua importância é para todo o planeta – e por isso cuidar dela deve ser uma tarefa de primeira importância nacional. Quando tornaram o Brasil seu novo lar, um grupo de refugiados venezuelanos decidiu retribuir pela recepção calorosa que tiveram por aqui retirando lixo das margens do igarapé no meio do Parque Municipal do Mindu, o maior parque urbano da cidade de Manaus – de onde as águas do igarapé correm para desembocar na maior bacia hidrográfica do planeta.

Os cerca de 30 venezuelanos aderiram à iniciativa “Igarapés Limpos” para promover mutirões de limpeza das margens dos rios da bacia amazônica. “O que me motiva a ser um promotor comunitário é poder ajudar pessoas, especialmente refugiados que têm muitas necessidades; e assim eu posso também colaborar com o país que me acolhe”, afirmou Omar, refugiado de 70 anos que vive por aqui desde setembro de 2017. Plástico, papel, borracha, metal e mesmo lixo eletrônico são retirados da area de preservação ambiental do parque.

O grupo retirou cerca de 1 tonelada de lixo das margens, em uma media de 17 quilos por pessoa. O grupo mobiliza familiares, amigos e voluntários para participar da iniciativa, reunindo brasileiros e estrangeiros em cada grupo. Além de retribuir a recepção da comunidade, o projeto é também uma maneira de melhor integrar as pessoas com a cidade, os vizinhos, o meio-ambiente e o próprio país – além de ilustrar mais uma vez a importância de oferecer ajuda para as pessoas que mais precisam.

© fotos: divulgação/fonte:via