Especialistas em vida selvagem ficaram sem palavras depois de ver um urso polar pichado

Um urso polar foi filmado andando na Rússia com a pichação “T-34” em sua pelagem. O vídeo foi compartilhado nas redes sociais russas, e agora autoridades estão tentando determinar em que região do país o vídeo foi gravado.

T-34 foi um tanque de guerra que teve papel muito importante na derrota dos nazistas alemães durante a Segunda Guerra Mundial.

O alerta inicial sobre a pichação foi dado no Facebook pelo ativista Sergey Kavry, do World Wildlife Fund (WWF), uma organização de proteção à natureza. Ele escreveu na legenda do vídeo que o material estava circulando em um grupo de Whatsapp de indígenas da etnia Chukotka, na região do extremo Leste da Rússia.  

Qualquer cientista monitorando a vida selvagem da região não teria marcado o animal desta maneira, já que a tinta atrapalha a camuflagem do urso na neve e dificulta a caça. Especialistas acreditam que a tinta vai acabar saindo sozinha, mas que o urso pode ter dificuldades para caçar até que isso aconteça.

O cientista Anatoly Kochnev, do Instituto de Problemas Biológicos do Norte, acredita que o responsável pelo crime provavelmente sedou o animal para conseguir escrever em sua pelagem. Isso porque as letras estão do mesmo tamanho e em linhas retas, o que não seria possível se o urso estivesse se movendo.

Anatoly aponta a remota região de Novaya Zemlya como possível localização do vídeo. Em fevereiro de 2019 um vilarejo da região foi invadido por dezenas de ursos polares famintos que vasculhavam lixões e tentavam entrar nas casas em busca de alimento.

fonte:via[BBC]

Os pássaros estão encolhendo, e você nunca vai adivinhar por quê

De acordo com um novo estudo americano, devido a mudança climática, os pássaros estão encolhendo em tamanho, embora a envergadura de suas asas esteja ficando maior.

“Descobrimos que quase todas as espécies estavam ficando menores. As espécies eram bastante diversas, mas respondiam de maneira semelhante. Essa consistência foi chocante”, disse o principal autor do estudo, Brian Weeks, professor de meio ambiente e sustentabilidade na Universidade de Michigan (EUA).

O estudo

Segundo Weeks, para entender como a mudança climática afeta os pássaros, é preciso levar em consideração três fatores: mudanças na faixa geográfica; eventos como migração e nascimento; e morfologia corporal.

Ele e sua equipe analisaram70.716 espécimes de 52 espécies de aves migratórias norte-americanas que morreram chocando-se contra prédios em Chicago, coletadas ao longo de 40 anos.

Os resultados indicaram que, de 1978 a 2016, o comprimento do osso da perna das aves (uma medida comum do tamanho corporal) diminuiu 2,4%, enquanto o comprimento das asas aumentou 1,3%.

Aquecimento global

Os cientistas não sabem exatamente por que, mas o aquecimento do planeta é o responsável pelo encolhimento dos pássaros.

Uma hipótese é de que animais menores são melhores em se refrescar, perdendo o calor corporal mais rapidamente.

Uma vez que a migração é um processo que custa muita energia, os pássaros teriam maior chance de sobrevivência caso compensassem a perda de tamanho corporal com uma asa maior.  

“Esforço hercúleo”

Weeks afirmou à BBC que esse estudo só foi possível graças ao “esforço hercúleo” de Dave Willard, um dos autores da pesquisa e ornitólogo do Field Museum em Chicago.

Willard começou a coleta de pássaros mortos por colisões com prédios em 1978, sem ter essa pesquisa exata em mente. Ele mediu todos os 70.716 espécimes usando os mesmos métodos, o “padrão ouro” para analisar esse tipo de dados.

Os resultados, ainda que sem explicação definitiva, estão alinhados com outras descobertas. Por exemplo, dois estudos concluíram que cabras alpinas e salamandras estão encolhendo em tamanho como resposta à mudança climática.

Um artigo sobre a nova pesquisa foi publicado na revista científica Ecology Letters. fonte:via[BBC]