Leopardo camuflado é mais difícil de achar do que uma agulha no palheiro

Segundo a National Geographic, leopardos-das-neves são um dos felinos mais elusivos do planeta.

Ao explicar como são perfeitamente equipados para prosperar em habitas extremos de muito frio e altitudes elevadas, a revista especializada em vida selvagem chama esses animais de “fantasmas das montanhas”.

E as pessoas estão descobrindo por que ao tentar encontrar o leopardo-das-neves camuflado na imagem abaixo. Já adianto: é quase impossível.

A fotografia frustrou milhares de usuários ao ser compartilhada na rede social Twitter algumas semanas atrás. Enquanto a postagem original foi perdida, a usuária “MJMcCume” fez o favor de mostrar para a maioria de nós, meros mortais, onde está o leopardo.

Esqueça cobras, camaleões, cavalos-marinhos, sapos, polvos, borboletas, corujas. Mestre em camuflagem, mesmo, é o leopardo-das-neves.

Então, se você ainda não conseguiu achar o bichinho mais dissimulado do planeta, confira a resposta na foto abaixo.fonte:via [BoredPanda, NatGeo]

China publica informações sobre a primeira planta nascida na lua

Quando a sonda chinesa Chang’e-4 pousou no lado mais distante da lua no dia 3 de janeiro de 2019, ela entrou para a história. Ela foi a primeira nave a explorar este lado da lua, e em sua carga estava uma mini-biosfera de 2,5kg chamada Micro Ecossistema Lunar.

Este cilindro tem apenas 18 cm de comprimento e 16 cm de diâmetro, e contém seis formas de vida que foram mantidas por 20 dias em condições parecidas com as da Terra, exceto pela microgravidade e radiação lunar. São elas: sementes de algodão, sementes de batata, semente de canola, levedura, ovos de mosca-das-frutas, e um mato comum da espécie Arabidopsis thaliana.

Apenas as sementes de algodão produziram resultado positivo em janeiro do ano de 2018. O brotamento de duas folhas de uma mudinha foi registrado nos 14 dias terráqueos do primeiro dia lunar que a semente passou na lua. Ao final deste período a região ficou na escuridão e no frio de -190ºC, e a mudinha morreu.

A imagem disponibilizada pela China é uma reconstrução em 3D baseada em analise e processamento de imagem.

O pesquisador responsável por este experimento, Xie Gengxin do Instituto de Pesquisa Tecnológica da Universidade de Chonguing, avisa que não haverá um artigo científico publicado sobre o evento, mas que ele pretende continuar o trabalho.

Na etapa de planejamento, a equipe pretendia enviar um pequeno cágado para a lua, mas acabou optando pelos outros organismos por conta do limite de peso da esfera, que não poderia ser mais do que 3 kg. Caso o animal tivesse sido enviado, ele teria um final sofrido, morrendo de frio e de falta de oxigênio ao final dos 20 dias de suprimento do experimento.

A missão Chanc’e-4 foi a primeira a levar organismos terráqueos para a lua, sem considerar os astronautas das missões lunares de 1969 a 1972.

Xie e sua equipe esperam enviar mais formas de vida nas próximas missões para a lua, mas eles ainda não especificaram que tipos de organismos seriam esses. A China já planejou a Chang’e-6, uma missão de retorno de amostragem que devem acontecer em meados de 2020. fonte:via[Science Alert]