As imagens mais divertidas inscritas em prêmio de fotografia da vida selvagem, de acordo com o júri

A competição The Comedy Wildlife Photography Awards apresentou os 40 finalistas selecionados. A fotografia vencedora do prêmio deve combinar, de acordo com a opinião do júri, excelência técnica com conteúdo divertido. Neste ano o prêmio chega a sua quinta edição.

Os fundadores são Paul Joynson-Hicks e Tom Sullman, que nomearam o prêmio dessa forma como lembrete de duas questões. Em primeiro lugar está a necessidade de uma competição de fotografia leve, otimista e focada em animais selvagens fazendo coisas engraçadas. Em segundo lugar, e muito mais importante, os fundadores consideram que a competição é sobre conservação.

Destaque para a preservação

São sugeridas três formas de como todos podem contribuir, em casa, para a conservação da natureza. A primeira delas é realizar compras de forma responsável, pensando no impacto no meio ambiente da produção dos produtos que consome, além das embalagens utilizadas.

A segunda sugestão é pensar no uso da água em casa: cada descarga usa 20 litros de água, por exemplo. É importante também diminuir o tempo gasto no banho e prestar atenção no volume utilizado para regar o jardim.

O terceiro ponto destacado é se tornar um “influenciador silvestre”, para isso basta conversar sobre essas questões com a família e amigos, ou levar essas questões para o local de trabalho e incentivar o engajamento em questões ligadas a preservação do meio ambiente.

Imagens selecionadas

Confira as 40 imagens finalistas:

Aguenta aí

Dá uma mãozinha

Dueto

Nado Sincronizado

Ele está bem atrás de mim, não está?

Isso é um pássaro, ou um avião?

Proposta indecente

Bom dia!

Olá!

Surfando no estilo do Atlântico Sul

Segunda-feira de manhã

Acordei com o cabelo ruim

Imperceptível

Faça um pedido

Nossa!

Com licença

Oizinho

De vagar e sempre

Essa foi hilária

Vou me esconder

Que tal esse movimento?

Querida? O que foi?

O que vocês estão procurando?

Acho que tem alguém lá

Zebras sorridentes

Hip Hop

Homem do espaço

Somos os campeões!

Agarre a vida pelo…

Perdidos

Bate aqui

Descontraído

Alerta: marcando território. Siga por sua própria conta e risco

Perdi meus óculos

Ser, ou não ser?

Um, dois, três, quatro… vou encontrar vocês

Alegria na neve

Desentendimento familiar

Pescaria

Estão avisados

Já escolheu sua favorita? Confira o site do prêmio. fonte:via[Bored Panda]

Rover lunar chinês examina “substância estranha” encontrada em cratera

No último dia 25 de julho o rover chinês lunar Yutu-2 encontrou uma substância parecida com um gel no centro de uma cratera.

Cientistas ficaram perplexos com a descoberta, mas agora sugerirem que o material foi criado pelo impacto de um meteoro, que deixou para trás a substância, que seria nada mais que vidro derretido.

Infelizmente a substância está bem no centro de uma cratera de dois metros de diâmetro, e estava escondida nas sombras no momento da primeira observação.

Logo depois da descoberta, a China colocou o Yutu-2 para fazer trabalho de Sherlock Holmes. No último dia lunar de exploração do rover (cada dia lunar dura 29,5 dias terráqueos), ele tentou examinar melhor a localização dessa substância.

Rastros do Yutu-2

Nesta segunda observação, a Yutu-2 chegou mais perto da cratera, em uma manobra arriscada. O risco valeu a pena, porque a aproximação permitiu que o espectrômetro a bordo do rover detectasse a substância.

Os cientistas chineses ainda não anunciaram exatamente o que eles encontraram, e eles podem levar até um ano para publicarem mais imagens da exploração. Mas eles  já distribuíram algumas delas que trazem informações novas: a imagem mais clara mostra duas das seis rodas do rover e o conteúdo da cratera.

A imagem em preto e branco mostra uma área retangular colorida de verde e uma área circular vermelha. Segundo o Space.com, o primeiro site de notícias científicas ocidental a receber informações da mídia chinesa, essas áreas coloridas podem indicar o campo de visão do Espectrômetro Visível e Infravermelho Próximo ao invés de mostrar a substância em si.

O cientista lunar Clive Neal, da Universidade de Notre Dame (EUA), afirmou ao Space.com que as imagens do material parecem com vidro de impacto encontrada na missão Apollo 17, em 1972.

A superfície do outro lado da lua tem permanecido fora de alcance dos exploradores humanos, mas o Yutu-2 tem feito um ótimo trabalho de coletar dados e panoramas dessas paisagens. Este rover chegou por lá em janeiro de 2019 e é o primeiro a explorar o lado escuro da lua. fonte:via [Space.com, CNet]