Egito descobre mais 14 sarcófagos de 2.500 anos lacrados

sarcofagos egito descobertos

O ministério de antiguidades do Egito anunciou no domingo a descoberta de mais 14 sarcófagos na necrópole de Saqqara ao sul do Cairo, que permaneceram enterrados por 2,5 mil anos.

Os sarcófagos foram encontrados há dois dias durante uma escavação arqueológica no local do cemitério onde outros 13 sarcófagos de madeira foram encontrados na semana passada, disse o ministério em um comunicado.

Crédito: AFP Photo/HO/Ministério de Antiguidades do Egito

A vasta necrópole de Saqqara está localizada a cerca de 16 quilômetros ao sul das famosas pirâmides de Gizé. Faz parte da antiga cidade de Memphis, um Patrimônio Mundial da UNESCO, e abriga a colossal pirâmide de degraus de Djoser.

As fotos dos sarcófagos de madeira bem preservados mostram pinturas ornamentadas e complexas, com linhas marrons e azuis, bem como pictóricos hieroglíficos.

O ministério afirmou que mais escavações estão planejadas, na esperança de encontrar outras câmaras de tesouros na forma de sarcófagos no local.

Crédito: AFP Photo/HO/Ministério de Antiguidades do Egito

Em um vídeo com música no estilo Indiana Jones distribuído este mês anunciando as descobertas, o ministro do Turismo e Antiguidades, Khaled al-Anani, disse que as recentes descobertas em Saqqara foram “apenas o começo”.

O Egito tem procurado promover descobertas arqueológicas em todo o país em uma tentativa de reviver o turismo, que sofreu com as restrições de viagens devido à nova pandemia de coronavírus.

Crédito: AFP Photo/HO/Ministério de Antiguidades do Egito

Em julho, as autoridades reabriram as pirâmides de Gizé e outros sítios arqueológicos ao público após um fechamento de três meses e dispensaram as taxas de visto de turismo para atrair turistas.

O Egito também está planejando revelar seu projeto central do Grande Museu Egípcio nos próximos meses.

Crédito: AFP Photo/HO/Ministério de Antiguidades do Egito

O setor de turismo, atingido por anos de turbulência política e ataques terroristas, se recuperou para atrair o número recorde de visitantes, cerca de 13,6 milhões no ano passado, quando a crise do COVID-19 estourou. fonte:via [Science Alert]