Adivinhe qual é “a violação mais generalizada e persistente dos direitos humanos” no mundo

Os calçados vermelhos fazem parte de uma instalação pública de arte denunciando a violência contra as mulheres. A foto foi tirada na praça principal de Durresi, em Tirana, Albânia, no dia 8 de março — Dia Internacional da Mulher.

Os números são gritantes – e surpreendentes.

No mundo todo, quase uma a cada 3 mulheres sofreram violência física ou sexual pelo menos uma vez na vida, de acordo com um novo relatório divulgado pela Organização Mundial da Saúde. Esse número permaneceu praticamente inalterado na última década, disse a OMS.

O relatório, que a OMS afirma ser o maior estudo já feito sobre a prevalência de violência contra a mulher, baseia-se em dados de 161 países e áreas sobre mulheres e meninas de 15 anos ou mais coletados entre 2000 e 2018. Por isso não explica o impacto da pandemia. Bloqueios e restrições relacionadas ao movimento levaram a relatos generalizados de uma “pandemia sombria” — uma onda de violência contra mulheres e meninas em todo o mundo, já que muitos se viram presos em casa com seus agressores.

Os números “realmente trazem à tona o quão amplamente prevalente esse problema já era” mesmo antes da pandemia, disse a Dra Claudia Garcia-Moreno, da OMS, uma das autoras do relatório. Ela diz que os pesquisadores não saberão o verdadeiro impacto da pandemia na violência contra as mulheres até que possam realizar novas pesquisas de base populacional novamente no futuro.

De acordo com o relatório, a violência entre parceiros íntimos foi a forma mais prevalente – e começa cedo. Quase uma a cada 4 meninas e mulheres que estavam em um relacionamento já sofreram violência física e/ou sexual aos 19 anos, segundo o relatório.

Globalmente, 6% das mulheres relataram ter sido abusadas sexualmente por alguém que não seja um marido ou parceiro — embora o número real seja provavelmente maior, porque o abuso sexual ainda é altamente estigmatizado e pouco divulgado pela mídia, de acordo com a análise.

“Os resultados pintam um quadro horrível” da escala da violência contra as mulheres, disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em uma coletiva de imprensa na terça-feira. Em um comunicado, ele chamou de um problema “endêmico em todos os países e culturas que foi exacerbado pela pandemia COVID-19”.

“Mas ao contrário do COVID-19, a violência contra as mulheres não pode ser interrompida com uma vacina. Só podemos combatê-la com esforços profundos e sustentados — por governos, comunidades e indivíduos — para mudar atitudes prejudiciais, melhorar o acesso a oportunidades e serviços para mulheres e meninas e promover relacionamentos saudáveis e mutuamente respeitosos”, disse Tedros.

A diretora executiva da ONU Mulheres, Phumzile Mlambo-Ngcuka, chamou a violência contra as mulheres de “a violação mais generalizada e persistente dos direitos humanos” no mundo.

Embora o problema da violência contra as mulheres seja generalizado globalmente, não é distribuído igualmente. A desigualdade social e econômica é um dos maiores fatores de risco, e as mulheres em nações e regiões baixa renda são desproporcionalmente afetadas, segundo o relatório. Por exemplo, na Melanésia — região do oceano Pacífico sudoeste — 51% das mulheres sofrerão violência de um parceiro íntimo durante a vida, em comparação com 25% das mulheres na América do Norte.

As disparidades são particularmente surpreendentes quando se trata de violência recente: A análise constatou que 22% das mulheres residentes em países designados como “menos desenvolvidos” haviam sido sujeitas à violência de parceiros íntimos nos últimos 12 meses antes de serem pesquisadas, muito acima da média mundial de 13%.

“Eu sei que este relatório apresenta um quadro muito sombrio e que os números são muito chocantes”, disse Garcia-Moreno. Ela diz que os dados fornecerão uma linha de base que as Nações Unidas podem usar para acompanhar o progresso futuro. “Nomear e contar o problema é, muitas vezes, um primeiro passo para a ação e para o diálogo tanto no nível político quanto na sociedade com o público em geral.”

O relatório pede intervenções como a reforma de leis que discriminam a educação das mulheres, o emprego e os direitos legais e a melhoria do acesso das mulheres aos cuidados de saúde, incluindo o pós-estupro. A prevenção também inclui desafiar estereótipos de gênero, começando pela forma como educamos crianças desde muito jovens, disse a diretora-geral assistente da OMS, Dra. Princess Nothemba Simelela.

E agora é a hora que o mundo precisa ter essas conversas, disse Mlambo-Ngcuka, da ONU Mulheres. “A violência de gênero é parte do que precisa ser enfrentado quando saímos da pandemia”, disse ela. fonte via [NPR]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s