O túmulo humano mais antigo acabou de ser encontrado na África

Uma reconstrução virtual dos restos mortais da criança encontrada na caverna Panga ya Saidi no Quênia. Crédito: Jorge González / Elena Santos

Humanos modernos podem ter pouco em comum com os caçadores da Idade da Pedra que, há 78 mil anos, enrolaram uma criança morta na posição fetal e a enterraram em uma cova rasa em uma caverna queniana. Mas a humanidade de sua dor, e o cuidado que demonstraram com a criança, ainda podem ser sentidos olhando para esses pequenos restos humanos, organizados como se ainda dormissem. Os cientistas não sabem se a família ou comunidade da criança conectou seu enterro com pensamentos da vida após a morte. De certa forma, porém, suas ações garantiram que a criança teria outra vida. Inimaginavelmente longe de seu futuro, a criança não foi esquecida e oferece um vislumbre fascinante de como alguns humanos passados lidaram com a morte.

A criança de 2,5 a 3 anos, agora apelidada de Mtoto (“criança” em suaíli) foi encontrada em uma cova especialmente criada para ela e agora reconhecida como o mais antigo enterro humano na África. A equipe que descobriu e analisou a criança publicou suas descobertas na edição desta semana da Nature. Extensa análise forense e microscópica dos restos mortais e túmulo sugerem que a criança foi enterrada logo após a morte, provavelmente enrolada firmemente em uma mortalha, colocada em uma posição fetal até mesmo com algum tipo de travesseiro. O cuidado que os humanos tiveram ao enterrar essa criança sugere que eles anexaram algum significado mais profundo ao evento além da necessidade de se livrar de um corpo sem vida.

“Quando começamos a ver comportamentos em que há interesse real nos mortos, e eles excedem o tempo e o investimento dos recursos necessários por razões práticas, é quando começamos a ver a mente simbólica”, diz María Martinón-Torres, coautora do estudo e diretora do Centro Nacional de Pesquisa em Evolução Humana (CENIEH, na sigla em espanhol) em Burgos, Espanha. “Isso é o que torna [a descoberta] tão especial. Estamos olhando [para] um comportamento que nós consideramos tão típicos dos humanos — e único — que estabelece uma relação com os mortos.”

A caverna Panga ya Saidi, nas terras tropicais ao longo da costa queniana, é um local-chave para mergulhar na vida dos humanos antigos. Em 2013, escavações no local revelaram a borda lateral de um pequeno poço, e os pesquisadores usaram um tubo para recuperar uma amostra de sedimentos para datação. A amostra imediatamente revelou a presença de alguns ossos degradados e não identificados. Apenas quatro anos depois os cientistas começaram a suspeitar que tinham encontrado mais do que alguns restos aleatórios. Eles cavaram cerca de 3 metros mais fundo e encontraram um poço circular e raso bem preenchido com uma série de ossos. Mas essa surpresa foi seguida por outra; os ossos estavam em tal estado de decomposição que qualquer tentativa de tocá-los ou movê-los os transformou em pó.

Assim, a equipe removeu o poço por completo, protegeu-o com gesso e transferiu-o para o Museu Nacional do Quênia em Nairóbi, e mais tarde para um laboratório especializado no CENIEH.

No laboratório, os cientistas usaram uma série de ferramentas de técnicas e tecnologias para olhar no interior do poço e analisar os ossos e o solo do bloco de sedimentos. Ao escavarem cuidadosamente um pouco do bloco encontraram dois dentes cuja forma familiar forneceu a primeira pista de que os restos mortais poderiam representar o enterro de um humano. À medida que os cientistas se aprofundavam no bloco, eles encontraram mais surpresas. Eles encontraram grande parte do crânio e rosto bem preservados da criança, incluindo alguns dentes não inteiros ainda na mandíbula. Esses restos mortais ajudaram a verificar que a equipe estava explorando os restos mortais de um membro muito jovem de nossa própria espécie, Homo sapiens.

O grupo utilizou microtomografia, uma técnica baseada em raios-X de alta resolução, para determinar que havia mais ossos dentro do bloco. Mas os ossos eram frágeis; sua baixa densidade tornou-os muito difíceis de distinguir dos sedimentos. Para resolver este desafio, essas varreduras transversais foram analisadas por um software que os aguçou e finalmente reconstruiu imagens 3D dos ossos no bloco. A imagem de uma criança, aparentemente em repouso, começou a emergir.

Os ossos de Mtoto foram articulados quase nas mesmas posições que teriam em vida, anatomicamente conectados em alguns pontos, com apenas pequenos movimentos de assentamento do solo àqueles comumente vistos como um corpo se decompõe e o tecido e músculo desaparecem. Enquanto as costelas direitas, nas quais a criança estava deitada, são achatadas, a coluna vertebral e até a curvatura da caixa torácica permanecem incrivelmente intactas. Este e outros aspectos da condição do esqueleto fornecem uma linha de evidência convincente de que a criança havia sido enterrada logo após a morte, rapidamente coberta pelo solo e deixada para se decompor pacificamente na sepultura. Havia um forte contraste com vários ossos de animais da mesma idade encontrados nas proximidades — eles tinham sido quebrados, moídos e espalhados como resultado de terem sido deixados ao ar livre.

A mistura de sedimentos do poço também difere em cor e textura dos sedimentos ao redor, revelando que ele foi cavado e depois preenchido. E a terra trouxe ainda mais pistas. A análise geoquímica do solo mostrou níveis elevados de óxido de cálcio e óxido de manganês, sinais químicos consistentes com os esperados na decomposição de um corpo.

A criança estava deitada do lado direito, com os joelhos puxados para o peito. A clavícula direita e a primeira e segunda costelas foram giradas cerca de 90 graus, um estado consistente com o que ocorre quando a parte superior do corpo é envelopada por algum material. A criança pode ter sido preparada e bem enrolada com uma mortalha de folhas grandes ou peles de animais; um ato que faria pouco sentido para um corpo considerado simplesmente um cadáver sem vida.

Finalmente, a posição da cabeça sugere um toque de ternura. As três primeiras vértebras cervicais, ainda presas à base do crânio, colapsaram e giraram a um grau que sugere que a criança foi colocada para descansar com um travesseiro de material biodegradável sob sua cabeça. Quando este travesseiro mais tarde se decompôs, parece que a cabeça e as vértebras inclinaram-se.

Interpretação artística do enterro de Mtoto. Crédito: Fernando Fueyo

O arqueólogo da Universidade de Durham Paul Pettitt, especialista em práticas funerárias paleolíticas que não esteve envolvido com a pesquisa, chamou o estudo de um exercício exemplar na escavação e análise forense moderna. A totalidade das evidências parece mostrar que alguma pessoa ou pessoas cuidou da criança mesmo após a morte. Mas o que os humanos antigos sentiram sobre os mortos é uma pergunta intrigante que pode nunca ser respondida.

“O ponto em que os comportamentos em relação aos mortos se tornam simbólicos é quando essas ações transmitem um significado para um público mais amplo, que seria reconhecido por outros membros da comunidade e poderia refletir um conjunto compartilhado de crenças”, diz Louise Humphrey, arqueóloga do Centro de Pesquisa em Evolução Humana do Museu de História Natural de Londres. “Não está claro se esse é o caso aqui, é claro, porque não sabemos quem compareceu ao enterro, se foi a ação de uma única mãe aflita ou um evento para a comunidade maior”, acrescenta Humphrey, que não estava envolvido na pesquisa.

A comunidade de Mtoto estava se tornando cada vez mais sofisticada. Os solos circundantes da caverna da mesma idade da sepultura estão repletos de uma série de ferramentas de pedra. Isso sugere que o Homo sapiens pode ter realizado este enterro durante uma era em que eles estavam gradualmente se desenvolvendo e usando tecnologias de ferramentas mais avançadas.

Curiosamente, a criança foi enterrada em casa. A caverna Panga ya Saidi é um local-chave habitado por humanos por cerca de 78.000 anos, até 500 anos atrás, e também abriga outros enterros muito mais recentes. Continua sendo um lugar de reverência para os humanos locais até os dias atuais, disse o arqueólogo Emmanuel K Ndiema, dos Museus Nacionais do Quênia, em uma coletiva de imprensa revelando o achado.

O corpo também foi encontrado em uma parte da caverna que era frequentemente ocupada por humanos vivos. Martinón-Torres diz que isso sugere uma espécie de relação entre os mortos e os vivos, em vez do ato prático de simplesmente descartar um cadáver.

Os ossos foram datados de 78 mil anos atrás. Embora a data coloque Mtoto como o enterro humano mais antigo conhecido na África, a criança não é o enterro mais antigo do registro arqueológico. Os enterros de Homo sapiens na Caverna de Qafzeh, Israel, cerca de cem mil anos atrás, incluíam pedaços de ocre vermelho, que era usado para pintar ferramentas e pode ter sido empregado em algum tipo de ritual funerário. A famosa Caverna Shanidar do Iraque, que viu enterros de neandertais, sugere outra maneira pela qual o Homo sapiens e neandertais podem ter sido mais parecidos do que os cientistas acreditavam.

Se a morte de Mtoto causou um luto excepcional, o enterro cuidadoso da criança e a improvável sobrevivência do túmulo até os dias atuais de alguma forma criam uma conexão igualmente excepcional entre humanos modernos e antigos. No mundo físico, os humanos antigos também tiveram que enfrentar a morte, e esses enterros poderiam sugerir que eles também tinham pensamentos simbólicos sobre aqueles que morreram?

“De alguma forma, esses tipos de ritos e enterros funerários são uma maneira que os humanos ainda têm de se conectar com os mortos”, diz María Martinón-Torres. “Embora tenham morrido, eles ainda são alguém para os vivos.” [Smithsonian]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s