Homem paralisado com a medula espinhal partida anda novamente graças a implante

É a primeira vez que alguém que passou por um corte completo na medula espinhal consegue andar livremente.

A mesma tecnologia melhorou a saúde de outro paciente paralisado na medida em que ele conseguiu se tornar pai.

A pesquisa foi publicada na revista Nature Medicine.

Michel Roccati ficou paralisado após um acidente de moto há cinco anos. Sua medula espinhal foi completamente partida – e ele não sente nada nas pernas.

Mas agora ele pode andar – por causa de um implante elétrico que foi cirurgicamente conectado à sua coluna vertebral.

Ninguém com um ferimento tão severo foi capaz de andar assim antes.

Os pesquisadores enfatizam que não é uma cura para lesões na coluna vertebral e que a tecnologia ainda é muito complicada para ser usada na vida cotidiana, mas a consideram um passo importante para melhorar a qualidade de vida.

Michel disse que a tecnologia “é um presente para mim”.

“Eu me levanto, ando onde quero, posso subir as escadas – é quase uma vida normal.”

Não foi a tecnologia sozinha que impulsionou a recuperação de Michel. O jovem italiano tem uma determinação de aço. Ele me disse que, desde o momento do acidente, estava determinado a progredir o máximo que pudesse.

“Eu lutava boxe, corria e treinava na academia. Mas depois do acidente, não pude fazer as coisas que eu gostava, mas não deixei meu humor decair. Nunca parei minha reabilitação para resolver este problema.”

A velocidade da recuperação de Michel surpreendeu o neurocirurgião que inseriu o implante e conectou habilmente eletrodos a fibras de nervos individuais, Prof Jocelyne Bloch do Hospital Universitário de Lausanne.

“Fiquei extremamente surpresa”, ela disse. “Michel é absolutamente incrível. Ele deve ser capaz de usar essa tecnologia para progredir e ficar cada vez melhor.”

A pesquisa foi apoiada pelo Dr. Ram Hariharan, consultor do Hospital Geral do Norte em Sheffield, que é independente da equipe de pesquisa e também fala para a Spinal Injuries Association.

“Eles fizeram algo que nunca foi feito antes.”

“Eu não ouvi falar de nenhum estudo onde eles colocaram um implante [em um paciente com um corte completo da medula espinhal] e demonstraram movimentos musculares e melhora do equilíbrio, o suficiente para ficar de pé e andar”.

Mas ele acrescentou que mais ensaios clínicos precisam ser realizados antes que ele possa se convencer de que é um tratamento eficaz.

“Precisamos de maior número [de pacientes] para mostrar … que é seguro e que melhora significativamente suas vidas. Só então pode ser levado adiante”.

Os nervos da medula espinhal enviam sinais do cérebro para as pernas. Algumas pessoas ficam paralisadas quando os nervos são danificados por alguma lesão.

No caso de Michel, não há sinal para as pernas porque a medula espinhal está completamente cortada. Mas o implante envia sinais diretamente para as pernas, permitindo que ele ande, mas apenas quando o implante está conectado.

David M’zee pode andar usando um andador

David M’zee foi um dos primeiros pacientes a receber o implante. Assim como Michel, ele conseguiu andar com o implante enquanto usava um andador. A saúde de David melhorou a tal ponto que ele conseguiu ter uma menina com sua parceira Janine, algo que não foi possível após seu acidente em 2010.

“É muito divertido. É a primeira vez que ando com ela [sua bebê de um ano] dessa maneira – ela com seu andador infantil, eu com meu andador.”

Ter uma família deu a David uma enorme alegria. E o implante o ajudou de maneiras sutis, mas importantes.

“Ajuda com a hipotensão. Eu tive isso por tanto tempo. No começo eu não percebi que tinha. Eu estava ficando tão cansado de vez em quando.

“Uma vez que descobrimos que o implante pode aumentar a pressão arterial, foi como ‘Uau, é assim que a vida pode ser!’”

“São essas pequenas coisas que fazem uma grande diferença”, ele me disse.

Ainda há um longo caminho a percorrer antes que a tecnologia possa ser usada rotineiramente para ajudar pessoas paralisadas a andar, de acordo com o professor Grégoire Courtine, que liderou a equipe que desenvolveu a tecnologia na École Polytechnique Fédérale de Lausanne (EPFL).

“Não é uma cura para a lesão medular. Mas é um passo crítico para melhorar a qualidade de vida das pessoas. Vamos empoderar as pessoas. Vamos dar-lhes a capacidade de ficar de pé, de dar alguns passos. Não é suficiente, mas é uma melhoria significativa.”

A cura exigiria a regeneração da medula espinhal, possivelmente com terapias com células-tronco, que ainda estão em um estágio muito inicial de pesquisa. O professor Courtine acredita que sua tecnologia de implante pode ser usada em conjunto com os tratamentos de regeneração nervosa assim que estiverem prontos. [BBC]

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s