Cientistas acabaram de descobrir um monte de novos animais

floresta-andes-zongo
A floresta nebulosa caracterizou grande parte da área pesquisada na expedição Zongo RAP. Espessas camadas de musgo, com orquídeas abundantes, samambaias e bromélias intercaladas entre bambu e árvores adaptadas ao clima. Foto: Trond Larsen/Conservação Internacional

Existem cerca de 8,7 milhões de espécies de animais conhecidas na Terra. Mas é sempre emocionante saber quando os cientistas encontram alguma criatura misteriosa que eles não sabiam que existia ou redescobrir uma que não era vista há anos. Quando se trata de biodiversidade, mais é sempre melhor.

O ‘sapo lilliputiano’ (Noblella sp. nov.) mede aproximadamente 1 cm de comprimento o que pode torná-lo o menor anfíbio dos Andes, e entre os menores do mundo. Devido ao seu tamanho minúsculo e hábito de viver em túneis sob as grossas camadas de musgo e húmus na floresta nebulosa, eles eram difíceis de encontrar mesmo rastreando seus chamados frequentes. Noblella é um gênero de sapos da família Craugastoridae. Eles são encontrados nos Andes e na Bacia Amazônica na Colômbia, Equador, Peru, Bolívia e oeste do Brasil.

Em uma viagem até a região do Vale do Zongo dos Andes, uma equipe de pesquisadores liderada pelo biólogo Trond Larsen, que trabalha com o grupo de defesa da proteção ambiental Conservation International, catalogou recentemente não uma, não duas, mas 20 espécies que os cientistas não sabiam que existiam. Eles se depararam com algumas espécies super raras, também, que não eram totalmente desconhecidas pela comunidade científica, mas não eram vistas há muito tempo, bem como algumas mais comumente vistas que são simplesmente incríveis.

A cobra da “bandeira boliviana” (Eutrachelophis sp. nov.), uma cobra terrestre esbelta com cores vermelhas, amarelas e verdes semelhantes à bandeira boliviana. Esta nova espécie de cobra diurna foi encontrada na espessa vegetação rasteira da floresta ao longo da crista da montanha na elevação mais alta pesquisada durante o Zongo RAP na Bolívia.

“Essas descobertas são o resultado de 14 dias de intenso trabalho de campo espalhados pelo terreno acidentado, florestas enevoadas e cachoeiras no Zongo, uma paisagem verdadeiramente bonita e diversificada”, disse Larsen em um comunicado enviado por e-mail. “A notável redescoberta de espécies outrora consideradas extintas, especialmente tão perto da cidade de La Paz, ilustra como o desenvolvimento sustentável que abraça a conservação da natureza pode garantir a proteção da biodiversidade a longo prazo, bem como os benefícios que os ecossistemas proporcionam às pessoas. Esta área tornou-se um porto seguro para anfíbios, répteis, borboletas e plantas que não foram encontradas em nenhum outro lugar da Terra.” [Gizmodo]

O sapo “olhos do diabo” acima (Oreobates zongoensis), que antes era conhecido apenas por um único indivíduo observado há mais de 20 anos no Vale do Zongo, foi redescoberto na expedição zongo RAP na Bolívia. Verificou-se que era relativamente abundante na floresta, onde não era visto há mais de 20 anos. Expedições anteriores tentando encontrar este sapo preto com olhos vermelhos chegavam de mãos vazias. Sua natureza esquiva pode ser em parte devida ao seu hábito de se esconder sob o musgo espesso e húmus ao redor das raízes do bambu.

Cientistas descobriram este sapo acima conhecido como um mercedesae Yunganastes, no alto dos sopés andinos da Bolívia. É um sapo super raro que antes só era visto em quatro locais na Bolívia e um no Peru. “Não sabemos muito sobre esse sapo, pois é tão raro, mas encontramos um indivíduo no solo da floresta enquanto caminhava à noite com uma lanterna durante uma chuva forte”, disse Trond. “Com base em sua aparência, é provável que este sapo suba em árvores, o que pode ser uma das razões pelas quais é difícil de encontrar, e o que encontramos pode ter caído de uma árvore na chuva.”

A lagarta de uma borboleta Morpho acima que se alimenta de bambu na floresta do Vale do Zongo, na Bolívia. A coloração azul brilhante das borboletas Morpho as torna muito procuradas por colecionadores, e essas espécies têm valor comercial e de ecoturismo. Foto: Trond Larsen/Conservational International

Acima uma mariposa (Euptychoides fida). Cientistas pensaram que ela tinha desaparecido da região. Esta espécie não era vista há 98 anos. Ela é conhecida por viver dentro e ao redor do Vale do Zongo. Pesquisadores usaram frutas podres e esterco para capturar este espécime. Foto: Yuvinka Valdez fonte via

Local de execução de João Batista foi encontrado por arqueólogos

Ruínas onde João Batista foi condenado

Parte dos restos de Machaerus. (Crédito da imagem: Győző Vörös)

Arqueólogos afirmam ter identificado a pista de dança mortal onde João Batista — um pregador itinerante que previu a vinda de Jesus — foi condenado à morte por volta de 29 a.C.

A Bíblia e o antigo escritor Flávio José (37-100 d.C.) descrevem como o rei Herodes Antipas, filho do rei Herodes, havia executado João Batista. Flávio especificou que a execução ocorreu em Maquiaéreos, um forte perto do Mar Morto na atual Jordânia.

Herodes Antipas temia a crescente influência de João Batista entre a população e assim ele o executou Fávio escreveu. A Bíblia, por outro lado, conta um conto muito mais elaborado, alegando que Herodes Antipas mandou executar João Batista em troca de uma dança.

trono de Herodes Antipas
Arqueólogos acreditam que este nicho representa os restos do trono de Herodes Antipas. A partir daqui, a decisão de executar João Batista pode ter sido tomada. (Crédito da imagem: Győző Vörös)

A história bíblica afirma que Herodes Antipas estava prestes a se casar com uma mulher chamada Herodias, e ambos eram divorciados, algo a que João Batista se opôs.

Em seu casamento, a filha de Herodias, chamada Salomé, fez uma dança que tanto encantou Herodes Antipas que o rei prometeu tudo o que ela quisesse como recompensa. Salomé, instigada por Herodias, pediu a cabeça de João Batista. Herodes Antipas estava relutante em conceder o pedido, de acordo com a Bíblia, mas ele finalmente decidiu cumpri-lo e teve a cabeça de João Batista trazida para Salomé em uma bandeja.

Megiddo morte joão batista
Megiddo, visto aqui, foi um dos muitos sítios arqueológicos onde as escavações foram suspensas ou reduzidas durante 2020. (Crédito da imagem: Shutterstock)

Pista de dança mortal encontrada?

Um pátio descoberto em Maquiaéreos é provavelmente o lugar onde a dança de Salomé foi realizada e onde Herodes Antipas decidiu decapitar João Batista, escreveu Győző Vörös, diretor de um projeto chamado Escavações e Pesquisas de Maquiaéreos no Mar Morto, no livro “Arqueologia da Terra Santa em ambos os lados: Ensaios Arqueológicos em Honra de Eugenio Alliata” (em tradução livre, Fondazione Terra Santa, 2020). O pátio, disse Vörös, tem um nicho em forma de apsidal que provavelmente são os restos do trono onde Herodes Antipas se sentou.

cidadela morte joão batista
Uma reconstrução da cidadela superior de Maquiaéreos. (Crédito da imagem: Győző Vörös)

Após a morte do rei Herodes, seu reino foi dividido entre seus filhos e Herodes Antipas controlavam um reino que incluía a Galiléia e parte da Jordânia. Ele controlava seu reino às vezes a partir de Maquiaéreos.

Arqueólogos descobriram o pátio em 1980, mas não reconheceram o nicho como sendo parte do trono de Herodes Antipas até agora, escreveu Vörös no artigo. A presença do trono ao lado do pátio solidifica as conclusões sobre a pista de dança, escreveu Vörös.

A equipe arqueológica vem reconstruindo o pátio e publicou várias imagens no livro mostrando como era na época da execução de João Batista.

reconstrução pista de dança morte joão batista
Os pesquisadores criaram uma reconstrução do pátio onde a dança de Salomé pode ter ocorrido. (Crédito da imagem: Győző Vörös)

Estudiosos respondem

Mais de meia dúzia de estudiosos não envolvidos com as escavações conversaram com o Live Science sobre a alegação de que o trono de Herodes Antipas, e o pátio onde a dança mortal foi realizada, foram encontrados. Alguns estudiosos estavam convencidos, enquanto outros eram céticos.

“Acho que é historicamente provável que essa escavação tenha trazido à luz a ‘pista de dança’ de Salomé”, disse Morten Hørning Jensen, professor da Escola Norueguesa de Teologia, que escreveu o livro “Herodes Antipas na Galiléia” (Mohr Siebeck, 2010).

Alguns estudiosos não estavam convencidos, expressando dúvidas sobre se o nicho recém-identificado representa os restos do trono de Herodes Antipas. Jodi Magness, professora de estudos religiosos na Universidade da Carolina do Norte (EUA) em Chapel Hill, elogiou o trabalho de Vörös e sua equipe. MAs sobre a possibilidade de que Vörös tenha encontrado o trono de Herodes Antipas, ela tem dúvidas.

Por exemplo, o nicho encontrado em Maquiaéreos parece pequeno comparado com o trono de seu pai, o rei Herodes, encontrado no palácio de inverno de Jericó, disse Magness, referindo-se a um trono no palácio que é coberto com uma apse semi-circular. Ela acrescentou que o nicho em Maquiaéreos se parece com dois nichos encontrados no Alto Herodes, uma fortaleza-palácio construída pelo rei Herodes, mas esses dois nichos nunca foram identificados como restos de tronos.

Eric Meyers, professor emérito de estudos judeus na Universidade duke, disse que é bem possível que o trono de Herodes Antipas tenha sido encontrado e esteja ansioso para ler os relatórios finais no sítio. Resta saber se “uma combinação perfeita entre fontes literárias e arqueológicas que coloca a execução de João Batista naquele mesmo local. De qualquer forma, um argumento forte foi feito e estou ansioso pelos relatórios finais”, disse Meyers. fonte via[Live Science]

9 drásticas imagens que mostram a realidade da mudança climática

O planeta está passando por mudanças drásticas em relação ao clima. As calotas polares estão derretendo, furacões e tempestades estão se tornando mais intensos, vários locais estão experimentando inundações cada vez piores, incêndios florestais são uma ocorrência mais frequente, secas extremas estão eliminando gigantescas fontes de água — a lista é imensa.

Agora, muitas organizações e instituições estão de olho no que está acontecendo pelo mundo em termos climáticos, e a NASA é um dos maiores players. Ao longo dos anos, a NASA tem vigiado milhares de locais ao redor do mundo usando sua tecnologia espacial, procurando sinais de mudanças climáticas globais.

Para isso, lançou o site Imagens da Mudança, onde documenta os antes e depois de vários lugares pelo globo, destacando o derretimento das geleiras, resultados de incêndios florestais, desmatamento, secas extremas e uma série de outros fenômenos.

O site Bored Panda coletou algumas das mudanças mais veementes registradas ao longo dos anos e décadas.

1. Baixa da Cobertura do Gelo marinho do Ártico bate recorde

“A área do Oceano Ártico coberta de gelo aumenta durante o inverno e depois encolhe durante o verão, geralmente atingindo o ponto baixo do ano em setembro. A cobertura mínima para 2012 estabeleceu um recorde baixo desde ao menos 1979, quando as primeiras medições confiáveis de satélite começaram. Essas imagens comparam o mínimo de 1984, que era aproximadamente igual à extensão mínima média de 1979-2000, com a de 2012, quando o mínimo era cerca de metade disso. O mínimo de 2013 foi maior, mas continuou a tendência de queda a longo prazo de cerca de 12% da perda de gelo por década desde o final da década de 1970, um declínio que acelerou após 2007. A mínima de 2016 foi empatada pela segunda menor já registrada. “No ritmo em que estamos observando esse declínio”, disse o cientista da NASA Joey Comiso, “é muito provável que o gelo do mar de verão do Ártico desapareça completamente dentro deste século”.

2 Desaparecimento gradual o Mar de Aral, Ásia Central

“O Mar de Aral foi o quarto maior lago do mundo até a década de 1960, quando a União Soviética desviou água dos rios que alimentavam o lago para que o algodão e outras culturas pudessem ser cultivados nas planícies áridas do Cazaquistão, Uzbequistão e Turquemenistão. O contorno preto mostra o litoral aproximado do lago em 1960. Na época da imagem de 2000, o Mar do Norte de Aral havia se separado do Mar do Sul de Aral, que se dividiu em lobos orientais e ocidentais. Uma represa construída em 2005 ajudou o mar do norte a recuperar grande parte do nível da água em detrimento do mar do sul. As condições secas em 2014 fizeram com que o lobo oriental do mar do sul secasse completamente pela primeira vez nos tempos modernos. A perda da influência moderadora de um corpo tão grande de água tornou os invernos da região mais frios e verões mais quentes e secos.”

3. Derretimento das geleiras de Muir, Alaska, EUA

“A fotografia de 1941 mostra os confins da geleira Muir e seu afluente, a Geleira Riggs. … Na fotografia de 2004, a Geleira Muir, continuando a encolher, está localizada a cerca de 7 quilômetros a noroeste, fora do campo de visão. A Geleira Riggs recuou cerca de 600 metros. Ambas as geleiras diminuíram substancialmente.”

Banner Cogumelos Mágicos

4. Desaparecimento do lago Poopó, Bolívia

“O Lago Poopó, o segundo maior lago da Bolívia e importante recurso pesqueiro para as comunidades locais, desapereceu mais uma vez por causa da seca e do desvio de fontes de água para mineração e agricultura. A última vez que secou foi em 1994, depois do qual levou vários anos para que a água voltasse e ainda mais tem para que os ecossistemas se recuperassem. Em tempos úmidos, o lago ocupou uma área que se chegava a quase de três mil quilômetros quadrados. Sua profundidade rasa — comumente não mais do que 3 metros — torna-0 particularmente vulnerável a flutuações [de umidade].”

5. Rara neve cai na borda do deserto do Saara

“Caiu na borda do deserto do Saara, no noroeste da África, em meados de dezembro de 2016, uma raridade para a região. O sensor Enhanced Thematic Mapper Plus (ETM+) do satélite Landsat 7 capturou a brancura da foto de cima de branco sobre uma paisagem cor de caramelo a sudoeste da comunidade argelina Ain Sefra, uma cidade às vezes referida como a porta de entrada para o deserto. Toda a neve desapareceu, exceto nas elevações mais altas, como mostrado na imagem certa capturada por Landsat 8. A última queda de neve de Ain Sefra ocorreu em fevereiro de 1979.”

6. Derretimento da geleira Ok, Islândia

“Essas imagens mostram os últimos estágios do declínio de Okjökull, uma geleira derretendo no topo do vulcão Ok, no centro-oeste da Islândia. (“Jökull” é islandês para “geleira”). Um mapa geológico de 1901 estimou que Okjökull se estendeu por cerca de 38 quilômetros quadrados. Em 1978, a fotografia aérea mostrou que a geleira havia encolhido para cerca de 3 quilômetros quadrados. Hoje menos de 1 quilômetro quadrado permanece.”

7. Redução recorde no gelo do Mar de Bering

“Menos gelo se formou no Mar de Bering durante o inverno de 2017-18 do que em qualquer inverno desde o início dos registros feitos desde 1850. Normalmente, o gelo cobre mais de 500 mil quilômetros quadrados do mar no final de abril, cerca da mesma área de toda a região sul do Brasil. A extensão do gelo naquela em 2018 era de apenas cerca de 10% do normal. Mudanças nos padrões de derretimento de gelo podem afetar o fitoplâncton que, por sua vez, podem afetar todo o ecossistema de Bering. Além disso, a água aberta absorve mais a energia do Sol do que o gelo, o que contribui para o aquecimento do planeta.”

8. Encolhimento das geleiras da Nova Zelândia

“A Nova Zelândia contém mais de três mil geleiras, a maioria nos Alpes Do Sul da Ilha Do Sul. As geleiras estão recuando desde 1890, com curtos períodos de pequenos avanços. Em 2007, cientistas do Instituto Nacional de Pesquisa em Água e Atmosfera (NIWA) do país atribuíram essa mudança principalmente ao aquecimento global. Sem um resfriamento climático substancial, disseram eles, as geleiras não voltariam aos seus tamanhos anteriores. As diferenças entre 1990 e 2017 podem ser vistas nestas imagens, que incluem a Geleira Mueller, a Geleira Hooker e a Geleira Tasman, a mais longa da Nova Zelândia.”

9. Desaparecimento de ilha do Havaí

“Até o furacão Walaka atingir em outubro de 2018, as Ilhas Havaianas do Noroeste incluíam a Ilha Leste, mostrada na imagem de setembro. Mas a tempestade levou embora a maioria dos 44,5 mil quilômetros quadrados de areia e cascalho que constituíam a ilha, deixando apenas duas lascas de terra, visíveis na imagem de outubro. A Ilha Leste fazia parte do Cardume da Fragata Francesa, um atol no Monumento Nacional Marinho Papahānaumokuākea.” fonte:via

Esse homem perdeu a senha de seus $236 milhões de dólares em Bitcoin

bitcoin perdida


Com altas recentes no preço do Bitcoin, um fenômeno infeliz está surgindo: pessoas que acumularam incríveis fortunas na criptomoeda estão percebendo que perderam as senhas das suas carteiras digitais criptografadas.

Stefan Thomas, um programador em São Francisco, disse ao The New York Times que possui 7.002 Bitcoin guardados — cerca de US$ 236 milhões (e quase 1,3 bilhões de Reais na cotação atual) — mas que não tem ideia de como acessá-los e só tem mais duas chances adivinhar a senha antes de ser bloqueado para sempre.

Mesmo ignorando as perspectivas de longo prazo das criptomoedas, a mensagem chave dessas histórias de terror é que tomar as finanças digitais em suas próprias mãos é um grande risco se você não for capaz de gerenciar suas senhas.

Startups de criptomoedas

O problema de comprar ou minerar cripto e depois esquecer como acessá-la é tão comum que há uma indústria emergindo para especialistas em segurança cibernética que pode ajudar os futuros investidores a realmente acessar suas fortunas depois de esquecer suas senhas.

“Mesmo investidores sofisticados têm sido completamente incapazes de fazer qualquer tipo de gerenciamento de chaves privadas”, disse Diogo Monica, cofundador da startup de segurança cripto Anchorage, ao NYT.

Enorme desânimo

Para Thomas e outros em sua situação, ter milhões de dólares fora de alcance azedou toda a ideia de usar uma moeda descentralizada como o Bitcoin, de acordo com o NYT.

“Toda essa ideia de ser seu próprio banco… deixe-me colocar desta forma, ‘Você faz seus próprios sapatos?’” Thomas disse ao NYT. “A razão pela qual temos bancos é que não queremos lidar com todas essas coisas que os bancos fazem.” fonte:via

Peixes encolhem durante o inverno rigoroso

Segundo uma nova pesquisa, os peixes podem se encolher durante invernos muito rigorosos. Baseados na Noruega e na Finlândia, os cientistas descobriram que trutas marrons jovens reduziram o comprimento do corpo em até 1 centímetro durante o inverno, uma retração de aproximadamente 10%.

Segundo os pesquisadores, isso pode ser uma forma de ajudar os peixes jovens a economizar energia em uma época que o alimento é escasso.

Este raro fenômeno já foi visto anteriormente em alguns pequenos mamíferos, como musaranhos, e em lagartos. O exemplo mais dramático é o da iguana marinha, um réptil de sangue frio (ou ectotérmico) que vive no arquipélago de Galápagos. Cientistas observaram que ele chega a encolher até 20% do seu comprimento ao longo dos anos do El Niño, quando a disponibilidade de alimentos diminui drasticamente devido ao aumento considerável da temperatura.

Mas este é o primeiro estudo a mostrar que peixes podem encolher. Os pesquisadores descreveram como isso ocorre. A condição que leva a essa retração foi chamada de “anorexia de inverno”, na qual o apetite diminui drasticamente ao longo do “período de transição” do outono.

Para chegar a essa conclusão, a equipe fez experimentos em laboratório. Os pesquisadores usaram salmonídeos – um grupo de peixes com raios nas barbatanas, que inclui salmão e truta – criados em incubadoras, e os colocaram em piscinas experimentais.

Para simular as condições de um inverno rigoroso, a temperatura da água e da corrente foram controladas, e uma cobertura de gelo foi adicionada para imitar a natural. Em face dessas condições, os salmonídeos jovens apresentaram uma diminuição significativa do comprimento do corpo, até 10% do comprimento inicial, ao longo do inverno.

Os cientistas ainda não sabem exatamente o que provoca essa contração. Mas eles acreditam que, como em musaranhos, a retração pode ser causada por uma redução no volume de uma substância gelatinosa no interior dos discos vertebrais da coluna vertebral.

Isso leva a uma série de consequências. A redução dessa substância gelatinosa leva a um achatamento dessas formações dos discos e, assim, leva ao encurtamento da coluna vertebral e, consequentemente, ao comprimento do corpo.

Os cientistas também não podem afirmar com certeza o motivo que desencadeou a contração, mas aparentemente, foi a escassez dos alimentos e o estresse alimentar em conexão com as condições ambientais em geral, que são ruins para o crescimento e para a sobrevivência.

Segundo os pesquisadores, os resultados levantam várias dúvidas sobre que tipo de consequências essa retração pode ter.fonte [BBC]

Soldado medieval encontrado com espada e facas no fundo de um lago

soldado medieval descoberto no fundo de um lago na lituânia

Mais de 500 anos atrás, o corpo de um soldado medieval assentou no fundo de um lago da Lituânia e por séculos ficou escondido sob a lama. Agora, esses restos submersos finalmente foram encontrados.

O esqueleto foi descoberto durante uma inspeção subaquática da velha ponte Dubingiai no lago Asveja, no leste da Lituânia. Embora o esqueleto estivesse sob uma camada de areia e lodo, a cena não era um cemitério, de acordo com a arqueóloga Elena Pranckėnaitė, pesquisadora da Universidade Klaipėda, Lituânia, de acordo com o Baltic News Service (BNS). Em vez disso, as correntes aquáticas provavelmente depositaram sedimentos que cobriram os restos mortais ao longo do tempo.

Cientistas da Faculdade de Medicina da Universidade de Vilnius, também na Lituânia, examinaram o corpo e relataram que a pessoa era do sexo masculino e que morreu no século 16, embora ainda não saibam por que morreu, segundo a BNS. Armas e outros itens recuperados do fundo do lago perto do corpo indicam a situação militar do morto, disse Pranckėnaitė ao portal Live Science.

Enterros humanos ligados à guerra já foram descobertos por toda a região, mas esta é a primeira vez que um soldado medieval foi descoberto debaixo d’água na Lituânia, disse Pranckėnaitė.

A ponte Dubingiai, uma das maiores pontes de madeira ainda em uso na Lituânia, foi construída em 1934, e suas vigas deterioradas estão sendo substituídas por metal, representantes da TEC Infrastructure, a empresa que supervisiona o projeto de reparo do Ministério dos Transportes e Comunicações, disse em um comunicado. Arqueólogos colaboraram com mergulhadores amadores para realizar o levantamento, e os mergulhadores localizaram os restos a uma profundidade de 9 metros enquanto inspecionavam o sistema de suporte da ponte de madeira, de acordo com o comunicado.

Mergulhadores escavam os vestígios e as armas medievais do fundo do Lago Asveja
Mergulhadores escavam os vestígios e as armas medievais do fundo do Lago Asveja, perto da Ponte Dubingiai. Crédito: G. Krakauskas

Uma pesquisa de 1998 havia revelado que outra ponte ficava no mesmo lugar, datando do século 16 ou 17, na época em que o soldado medieval morreu, acrescentou Pranckėnaitė.

“Por enquanto, presumimos que os restos mortais descobertos podem estar ligados à antiga ponte que levava ao castelo Dubingiai, que ficava no topo da colina às margens do Lago Asveja”, disse ela.

Encontrar os restos mortais do soldado foi uma grande surpresa, mas igualmente surpreendente foi a notável preservação do esqueleto e dos artefatos. Os mergulhadores recuperaram um par de botas de couro com esporas; um cinto de couro com fivela; uma espada de ferro; “e duas facas com cabos de madeira”, escreveu Pranckėnaitė no e-mail. Uma equipe de arqueólogos, antropólogos e historiadores do Museu Nacional da Lituânia agora está trabalhando para conservar e interpretar os objetos.

Essa descoberta e os dados “são realmente ‘recentes’ e ainda precisam ser analisados ​​com cuidado”, disse Pranckėnaitė. “Esperamos ‘contar a história’ deste soldado pelo menos em um ano.” fonte via [Live Science]

Fóssil de luta mortal entre Tricerátops e T. rex é levado ao público

Quando você imagina dinossauros lutando, o primeiro confronto que vem à mente é Triceratops vs. T. rex. Em nossa imaginação coletiva, eles estão lutando eternamente. É um confronto de titãs. Mas essas batalhas realmente aconteceram?

Sim. Sim eles lutaram. Temos um fóssil para provar isso e, pela primeira vez, o público poderá ver.

O fóssil — apelidado de “Duelo de Dinossauros” — foi descoberto em 2006, mas até agora só foi visto por poucos. Mostra um T. rex e um Triceratops em batalha, literalmente lutando até a morte. O par está preservado em um fóssil que está em exibição pela primeira vez no Museu de Ciências Naturais da Carolina do Norte, EUA, relatou o The Charlotte Observer em 17 de novembro.

O fóssil mostra o Triceratops e o T. rex até o momento, preservados juntos em um encontro singular entre predador e presa.

Ao contrário de outras exibições de museu onde os esqueletos de dinossauros são preservados e montados para ficarem orgulhosos, o Museu de Ciências Naturais da Carolina do Norte planeja exibir este fóssil envolto em arenito, enquanto os paleontólogos da equipe lentamente removem o sedimento que envolve os ossos.

Os visitantes do museu também poderão fazer perguntas aos paleontólogos em atividade enquanto trabalham na exposição.

“Há uma grande mina de ouro de informações científicas a ser descoberta”, disse o diretor do museu Eric Dorfman ao The Charlotte Observer. “Já temos uma reputação fantástica por permitir que as pessoas vejam a ciência se desdobrar em tempo real. As pessoas podem se aproximar e ver os pesquisadores fazerem o trabalho que fazem. Este fóssil nos permite levar essa ideia com pessoas engajadas na ciência em tempo real para o próximo nível.”

Os fósseis foram adquiridos por US $ 6 milhões pela organização sem fins lucrativos Amigos do Museu de Ciências Naturais da Carolina do Norte por meio de fundos privados e serão doados à Coleção de Paleontologia de Vertebrados do Museu.

“Ainda não estudamos este espécime; é uma fronteira científica. A preservação é fenomenal e planejamos usar todas as inovações tecnológicas disponíveis para revelar novas informações sobre a biologia do T. rex e do Triceratops. Este fóssil mudará para sempre nossa visão dos dois dinossauros favoritos do mundo”, disse Lindsay Zanno, chefe de paleontologia do Museu de Ciências Naturais da Carolina do Norte, em um comunicado. fonte via[c|net]