Ensaio fotográfico ilustra o que as crianças comem nas escolas ao redor do mundo

A educação alimentar é uma questão menos debatida do que deveria. Durante a juventude, crianças e adolescentes formam os hábitos que provavelmente os acompanharão por toda a vida, e terão impacto direto sobre sua saúde.

A Sweetgreen é uma rede de restaurantes norte-americana que serve comida saudável, e mantém um programa de educação alimentar em escolas para ajudar as crianças a aprender a fazer escolhas mais saudáveis na hora de se alimentar.

Para levantar o debate em torno da questão, a empresa preparou um ensaio fotográfico mostrando como seriam refeições típicas em escolas de diferentes países do mundo, em comparação com o que é servido nos EUA.

O ensaio foi criticado por dar a entender que as imagens representavam cardápios reais, servidos em escolas dos países. A Sweetgreen se defendeu, argumentando que o objetivo é mostrar que existem muitas opções de cardápios saudáveis para serem montadas baseando-se em alimentos disponíveis em cada região do mundo.

De acordo com a empresa, “para criar o ensaio foram consultadas fotos reais publicadas por estudantes na internet, além de terem sido feitas pesquisas sobre os programas de educação alimentar nas escolas dos países”.

Estados Unidos: Frango ‘pipoca’ frito, purê de batatas, ervilhas,  frutas e um biscoito de chocolate

Finlândia: Sopa de ervilha, salada de beterraba, salada de cenoura, pão e pannakkau (panqueca) com frutas frescas

Itália: Peixe local sobre uma cama de rúcula, macarrão com molho de tomate, salada caprese, pão e algumas uvas

França: Bife, cenoura, feijão verde, queijo e frutas frescas

Grécia: Frango assado sobre orzo, folhas de uva recheadas, salada de tomate e pepino, laranjas frescas e iogurte grego com sementes de romã

Espanha: Camarão salteado com arroz integral e legumes, gazpacho, pimentos frescos, pão e laranja

Brasil: Carne de porco com legumes mistos, feijão preto e arroz, salada, pão e banana assada

Ucrânia: Purê de batatas com salsicha, sopa de beterraba, repolho e syrniki (uma panqueca de sobremesa)

Coreia do Sul: Sopa de peixe, tofu com arroz, kimchi e legumes frescos

Fotos via Sweetgreen/fonte:via

Anúncios

Plantio tradicional de quilombolas se torna patrimônio cultural do país

Saber valorizar nossa própria cultura e reconhecer o que temos de bom é essencial para a construção de uma nação mais justa e preocupada com sua história. Nesta semana já demos um passo importante, quando a literatura de cordel foi declarada Patrimônio Cultural do Brasil e, agora podemos comemorar mais uma vez, já que o sistema tradicional agrícola da região do Vale do Ribeira – São Paulo, foi reconhecido como como Patrimônio Cultural do Brasil pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

As comunidades quilombolas são formadas predominantemente por negros, descendentes ou ex escravizados, que vivem em um sistema rural, dependem da terra para seu próprio sustento e valorizam muito a ancestralidade, tradições e práticas culturais próprias. Neste aspecto, reconhecer este sistema ancestral de agricultura é também valorizar pessoas que sempre habitaram nessas terras.

Estima-se que hoje existam cerca de 88 comunidades quilombolas na região do Vale do Ribeira, onde está os 7% que ainda restam da Mata Atlântica. Ivy Wies, assessora técnica do Instituto Socioambiental (ISA), afirma que isso dará segurança aos órgãos governamentais em relação à autorização ao plantio nessas terras, valorizando a alimentação saudável que este sistema oferece.

O Brasil é campeão mundial no consumo dos agrotóxicos, portanto declarar este tipo de agricultura patrimônio cultural do Brasil, é uma luz no fim do túnel, para que a gente volte a repensar a alimentação dos brasileiros, já que terra e diversidade é o que não faltam. O sistema de agricultura quilombola é baseado na permacultura, que não permite apenas uma alimentação balanceada e sustentável, como garante o sustento dessas pessoas e mantém o solo da região saudável, o que não acontece no sistema industrial.

Foto 1 e 3: Unsplash

Foto 2: reprodução Incra/fonte:via

6 receitas de até 20 minutos que você deveria testar agora

A pressa é inimiga da fome, ou ao menos de uma boa alimentação. Para quem vê os minutos passarem feito segundos todos os dias, acumulando trabalho, frilas, tarefas, compromissos, a ideia de interromper a correria do dia para lentamente cozinhar um bom prato parece tão absurda quanto impossível.

O prazer de comer bem, o ritual de devorar um belo prato e até a saúde começam a ser colocadas de lado, como se não coubessem na luta contra as horas do dia.

Bem, isso tudo não precisa ser necessariamente verdade. Dá, sim, para resolver sua fome em alguns minutos.

A verdade é que com um pouco de organização e a receita certa, é possível cozinhar pratos dos sonhos no almoço, jantar e sobremesa gastando 20 minutos ao máximo em cada refeição. E é sobre essa “mágica” que nossos parceiros do Tudo Gostoso propõem e falamos nas próximas linhas.

Vamos à cozinha? A gente jura que é rápido!


1. Bife acebolado com molho de maionese

Um clássico, que precisa de pouco tempo e ingredientes para um máximo de sabor.

Ingredientes:

–       2 bifes

–       1 cebola em rodelas

–       Sal

–       2 alhos

–       4 colheres de maionese

–       ½ xícara de água

Modo de preparo

Tempere o bife a seu gosto e o frite em uma frigideira. Depois de pronto, resguarde-os em uma travessa, para o preparo do molho. Na mesma panela que os bifes foram preparados, doure as rodelas de cebola, adicione o alho e, quando prontos, adicione a água. Deixe tudo cozinhar até as cebolas amolecerem. Adicione a maionese para engrossar o molho e, quando ao ponto, coloque sobre os bifes com as cebolas e o prato está pronto.

2. Couve-flor gratinada

Essa parece uma receita difícil, mas que no entanto fica deliciosamente pronta em 20 minutos.

Ingredientes:

–       1 couve-flor média

–       1 copo de requeijão

–       2 ovos

–       50g de queijo ralado

–       200g de mussarela

–       Cheiro-verde

–       1 tomate picado

–       Manteiga para untar

Modo de preparo:

Cozinhe a couve-flor com sal até que fique macia. Escorra a água e coloque a couve-flor sobre uma forma untada, e acrescente o requeijão em colheradas espalhadas. Bata os ovos e misture com as 25g de queijo ralado, cheiro verde e tomate. Jogue tudo por cima da couve-flor. Cubra com mussarela e polvilhe o que tiver sobrado do queijo ralado. Leve ao forno até gratinar.

3. Salada de pote

Uma das mais rápidas no preparo, e ainda completamente portátil é uma das receitas mais saudáveis possíveis.

Ingredientes:

–       Suco de 1 limão

–       Azeite

–       Sal

–       Pimenta-do-reino

–       1 beterraba ralada

–       1 cenoura ralada

–       1 pepino cortado em rodelas

–       ½ pimentão picado

–       1 ramo de brócolis cozido

–       ½ xícara de feijão fradinho

–       1 tomate picado

–       ¼ de uma xícara de quinoa

–       2 folhas picadas de couve

–       2 folhas picadas de alface

–       linhaça (opcional)

Modo de preparo:

Escolha um pote de vidro para preparar a salada. Comece colocando suco de limão, azeite, sal e pimenta-do-reino a gosto. Coloque a beterraba, a cenoura, o pepino, o pimentão e o ramo de brócolis. Por cima, adicione o feijão fradinho, tomate, quinoa, folhas de couve, alface e, por último, a linhaça. Reserve na geladeira por 3 dias e devore onde quiser.

4. Macarrão com calabresa na panela de pressão

Esse é um prato que parece complexo e demorado, mas que no entanto fica pronto em cerca de 10 minutos.

Ingredientes:

–       1 pacote de macarrão curto – penne, parafuso ou gravatinha

–       1 caixinha de molho de tomate

–       2 caixinhas (a mesma medida do molho) de água

–       1 lata de creme de leite

–       1 cebola picada

–       3 gomos de calabresa picadas

–       Sal

–       Óleo para refogar a cebola e a calabresa

Modo de preparo:

Doure a cebola e a calabresa na panela de pressão. Quando feito, adicione sal, o molho, as 2 medidas de água, o macarrão e o creme de leite – é importante que o macarrão esteja completamente coberto, se isso não acontecer adicione mais água. Misture bem e feche a panela. Assim que a panela fizer pressão, conte 5 minutos e o prato estará pronto. Coloque queijo ralado se gostar, e delicie-se.

5. Brigadeirão de micro-ondas

O mais amado doce brasileiro, feito rapidamente e sem maiores esforços com a eficácia do micro-ondas.

Ingredientes:

–       1 lata de leite condensado

–       1 caixa de creme de leite

–       8 colheres de chocolate em pó

–       3 ovos

–       1 colher de manteiga sem sal

–       chocolate granulado

Modo de preparo:

Em um liquidificador, bata todos os ingredientes até alcançar uma consistência cremosa. Despeje a massa em uma forma para micro-ondas com furo central untada com manteiga. Leve ao micro-ondas por 10 minutos. Deixe a massa esfriar por 15 minutos e leve à geladeira por 1 hora. Tire da forma, cubra com granulado e leve à mesa.  

6. Panqueca doce

Essa receita típica das cozinhas dos EUA serve tanto para sobremesa quanto para um café da manhã especial.

Ingredientes:

–       1 lata de leite condensado

–       1 ovo

–       2 xícaras de chá de farinha de trigo

–       1 caixa de creme de leite

–       1 colher de sobremesa de fermento em pó

–       Manteiga para untar a frigideira

Modo de preparo:

Bata todos os ingredientes até alcançar uma massa homogênea. Derreta um pouco de manteiga em uma frigideira, e em seguida despeje um pouco da massa até cobrir todo o fundo, ou chegar à grossura que desejar. Frite dos dois lados até dourar. Repita o procedimento com quantas panquecas quiser. Coloque sobre as panquecas a cobertura que quiser.

© fotos: reprodução /fonte via

São Paulo ganha escola de hortas para pessoas em situação de rua

O Brasil tem mais de 100 mil pessoas oficialmente registradas como ‘Em situação de rua’. Só em São Paulo são ao menos 15 mil. Ao mesmo tempo, há um potencial pouco explorado nas grandes cidades: a agricultura urbana é capaz de empregar pessoas e fornecer alimento de qualidade a um preço acessível para a população.

Um projeto na capital paulista que tem como objetivo unir as duas pontas acaba de ser lançado: trata-se da Horta Social Urbana, que oferece formação em agricultura urbana para pessoas em situação de rua, atendidas nos Centros Temporários de Acolhimento (CTAs) e Centros de Acolhida.

O curso, cuja primeira turma terá aulas na Horta Escola Lucy Montoro, inclui capacitações em técnicas de permacultura e agroecologia, unindo os conhecimentos mais modernos em relação à cultura de alimentos à necessidade de usar a terra de forma sustentável e maximizar o uso de recursos naturais para evitar desperdício.

Além das aulas, o projeto também prevê a criação de hortas urbanas em terrenos baldios e telhados de condomínios comerciais e residenciais, sempre de forma orgânica e gerando renda para os trabalhadores.

O programa Horta Urbana Sustentável foi proposto pelo ex-prefeito Joao Dória e segue o modelo de parceria com empresas privadas, permitindo que o projeto saia do papel sem que a prefeitura precise investir recursos próprios.

Fotos: reprodução/Prefeitura de São Paulo /fonte via

Eles criaram um poster deles mesmos para ensinar representatividade ao McDonald’s

Embora esteja em alta falar sobre representatividade, são poucas as empresas que ainda aplicam isso à sua estratégia de marketing.

O jovem Jevh Maravilla sentia esse incômodo ao reparar nas propagandas que estampavam as paredes de uma unidade do McDonald’s na cidade de Houston, nos Estados Unidos. Jevh é americano de origem filipina e percebeu que nenhum dos posteres nas paredes da lanchonete representava pessoas asiáticas – mas ele já tinha uma boa solução para esse problema…

Ao lado do amigo Christian Toledo, Jevh criou um poster falso para pendurar no local. Os dois posaram para uma foto como se fossem estudantes. Ao final, o jovem também editou a imagem para inserir elementos gráficos presentes em outros materiais de divulgação da empresa.

A parte mais difícil veio depois: colar o poster na parede. Jevh comprou um uniforme antigo do McDonald’s e fez um crachá falso da empresa, para passar desapercebido no dia da ação. Junto com mais duas amigas, os jovens penduraram disfarçadamente o poster na parede, em um horário de pouco movimento na loja.

Todo o processo foi gravado e mostrado em um vídeo do Youtube. Espia só o resultado:

Colado no dia 13 de julho, o cartaz continua na parede do restaurante, mostrando que os jovens conseguiram o que queriam: mais representatividade para pessoas asiáticas.

Genial, não acham?

Sorvete hiper realista de cachorro é a atração principal deste restaurante em Taiwan

Que Taiwan é mestre dos restaurantes temáticos e inusitados a gente já sabe e já falamos sobre isso aqui e aqui. Porém, o que anda fazendo sucesso no J.C.co não é a decoração, mas um sorvete bem realista.

Um perfeito Shar-Pei – raça de cachorro oriunda da China, vem sendo cuidadosamente modelado pelos funcionários deste restaurante nos sabores chocolate, chá de leite ou amendoim e é justamente o sabor que determina a cor da pelagem.

Bizarro e nada apetitoso, não podemos negar que ele é extremamente bem acabado, tanto que vem sendo compartilhado nas redes sociais das pessoas que tem coragem de come-lo. Conta pra gente! Você teria coragem?

Fotos: reprodução J.C.co /fonte:via

Uma a cada três frutas é desperdiçada simplesmente por ser ‘feia’, aponta estudo

Se a escassez de alimentos costumava ser vista como um dos grandes problemas da humanidade diante da imensa quantidade de famintos no mundo, hoje fica claro que o problema não é bem esse – e que o desperdício e as exigências do mercado são alguns dos grandes responsáveis pela manutenção da fome. Basta se debruçar sobre o resultado de uma nova pesquisa, que aponta que mais de um terço das frutas e legumes cultivadas na Europa nem sequer chegam às prateleiras dos supermercados e vão direto para o lixo simplesmente por serem “feias” – trazendo deformações ou variações de tamanho que não alteram em nada seus valores nutritivos ou mesmo o sabor.

O estudo foi realizado pela Universidade de Edimburgo, no Reino Unido, e concluiu que mais de 50 milhões de toneladas de frutas e vegetais são jogadas fora no continente simples e absurdamente pela aparência. O cálculo realizado pela pesquisa foi publicado no periódico Journal of Cleaner Production, e aponta uma realidade já denunciada como prática comum no mundo todo – o desperdício acontece em escala criminosa nos quatro cantos do planeta.

O desperdício se dá, segundo o estudo, por uma soma de fatores como as regulamentações governamentais excessivamente rígidas, os padrões determinados pelos mercados e às expectativas dos clientes a respeito da aparência dos legumes e frutas, muitas vezes estimuladas pela publicidade. Mudar tais padrões e diminuir a seletividade, além de estabelecer regras eficazes para combater o desperdício é urgente no mundo todo – tanto quanto a necessidade de comer para os que tem fome.

© fotos: reprodução/fonte:via