Conheça o Scribit, o ‘robô grafiteiro’ que faz desenhos e decora paredes

É preciso muita convicção do que se quer fazer para pintar ou desenhar uma imagem ou um texto na parede de sua casa ou de seu negócio. E, uma vez que se começa, voltar atrás é praticamente impossível.

Quer dizer… mais ou menos por aí.

Para quem não quer passar apuros, basta utilizar o Scribit, e todos esses riscos e exigências desaparecem, e o que aparece é uma incrível ilustração feita em sua parede à perfeição e, melhor, que pode ser apagada e substituída.

O aparelho é um “robô grafiteiro”, capaz de reproduzir imagens a partir de um aplicativo em praticamente qualquer superfície vertical.

O Scribit foi inventado pelo professor da MIT Carlo Ratti, e oferece uma solução tão engenhosa e eficaz que seu projeto de financiamento coletivo no Kickstarter alcançou a meta em somente duas horas.

O Scribit é a solução perfeita para, por exemplo, um restaurante que precisa anunciar os pratos do dia, para quem quer escrever frases inspiradoras, decorar o quarto com um desenho do Van Gogh – ou um original criado por você mesmo. O robô permite apagar ou atualizar o desenho quando se quiser.

Sua tecnologia opera ao mesmo tempo com até quatro cores, e basta um par de pregos presos à parede, uma tomada e uma conexão à internet para a mágica acontecer. As superfícies mais indicadas são paredes comuns e vidros, mas o Scribit em princípio imprime sobre qualquer superfície vertical, e o robô vem com 24 cores diferentes para serem utilizadas. Para apagar ele usa o calor – fazendo a tinta simplesmente evaporar.

Não só o resultado final é incrível, mas como mostram as imagens, o próprio robô realizado o desenho já é uma atração e tanto.

A Claro tem vantagens do pré ao pós-pago. Uma rede novinha, com o 4.5G até 10x mais rápido e WhatsApp e ligações Ilimitados. E ainda Passaportes Américas Europa para navegar e falar no exterior como se estivesse no Brasil. E aí, tá dentro?

© fotos: reprodução/fonte:via

Professor primário ilustra seu dia a dia em quadrinhos sarcásticos e divertidos

Trabalhar como professor primário é, na mesma medida, uma das mais nobres profissões e uma árdua tarefa em qualquer lugar do mundo – tanto no Brasil quanto, por exemplo, na Irlanda. As histórias escritas e desenhadas pelo professor Colm Cuffe, do condado irlandês de Galway, são a prova disso. Com diferenças contextuais mas semelhanças essenciais com realidades de qualquer professor, Colm alivia as tensões do trabalho desenhando quadrinhos sobre as curiosidades e situações cômicas de seu ofício.

A relação com os alunos, as histórias reincidentes, as tensões e graças familiares entre professores, alunos e familiares são a matéria prima de suas histórias, publicadas no Facebook e no Instagram. Como mesmo quem não é professor já foi aluno em algum momento, trata-se de uma história para todos – se divertirem, se reconhecerem, refletirem e se divertirem.

© arte: Colm Cuffe/fonte:via

Artista misturas diferentes espécies no Photoshop e cria novos e maravilhosos animais

Misturas, transformações, adaptações e mudanças são lei na natureza, conduzindo a manutenção e sobrevivência das espécies. O estudante norueguês Arne Olav Gurvin Fredriksen se valeu de suas habilidades no Photoshop para delirar um pouco na ideia, e misturar animais criando incríveis e um tanto bizarros híbridos entre espécies. Alguns resultados chegam a confundir o cérebro de tão bem feitos.

Qual o resultado da mistura entre uma foca e um passarinho? Uma focarinho? E entre um tubarão e um cavalo, nasce um tubavalo? O que acontece quando se mistura um urso polar e uma galinha? As montagens de Arne respondem a tais insólitas perguntas – e, a essa altura, até mesmo Darwin está confuso e maravilhado diante das imagens.

© fotos: Instagram/fonte:via

Ele criou finais tristes para filmes da Disney que vão te fazer refletir sobre a vida

O trabalho de Jeff Hong tem o poder de nos encantar e incomodar ao mesmo tempo.

Um dos principais atributos do artista é a maneira como ele transporta personagens dos filmes da Disney para os dias de hoje. A presença destes seres icônicos em imagens que retratam problemas bastante atuais – e outros quase atemporais – nos convida a refletir sobre a sociedade em que estamos vivendo.

Já mostramos o trabalho de Jeff antes aqui e aqui, mas imagens mais recentes de sua série Unhappily Ever After (que poderia ser traduzida como “Infelizes para sempre“) chamam a atenção por trazerem novos personagens em situações que preferíamos que nem mesmo um desenho animado precisasse enfrentar…

Vem ver: 

Fotos: Jeff Hong  /fonte via

Este tatuador francês é o mestre do realismo em preto e cinza

O francês Eliot Kohek sempre gostou de desenhar, mas jamais teve educação formal ligada à arte. Nem tinha tanto interesse pela tatuagem até que, aos 19 anos, foi a um evento sobre o tema e descobriu que era aquilo que ele queria fazer pelo resto da vida.

Não demorou muito para ele se demitir do emprego e encontrar um tatuador que deixasse Eliot o observar trabalhando para pegar as manhas do negócio. Ele treinou os primeiros riscos em vários amigos que se dispuseram a ajudar, e logo se especializou no realismo feito apenas com tintas preta e cinza.

Em uma entrevista para o site francês Inkage, Eliot disse que o estilo hiper-realista o atraiu desde o início, porque é o “mais intrigante e que mais provoca reações nas pessoas”.

Ele já trabalha como tatuador há quase dez anos, e é capaz de criar obras tão incríveis que parecem que ganharão vida e saltarão da pele a qualquer momento.

Fotos: reprodução /fonte via

Incríveis insetos 3D são o tema do trabalho deste artista de rua português

Muros e paredes vazias são excelentes espaços para que artistas mostrem seu talento e, deixem as cidades mais coloridas e interessantes, como Sergio Odeith – popularmente conhecido por Odeith, que é um grafiteiro português, mestre em fazer representações gigantes de insetos.

Nascido em Carcavelos, cidade muito próxima de Lisboa, ele começou a deixar suas marcas de grafite na cidade, em meados dos anos 1990, quando aproveitava muros vazios e trilhos de trem para arriscar-se no mundo da arte de rua.

O português, que já teve estúdio de tatuagem e morou quase uma década em Londres, já criou murais em grande escala para gigantes como Samsung, Coca-Cola e o time de futebol Benfica e, é mundialmente conhecido por suas composições em perspectiva.

Aproveitando de cantos que criam perfeitos ângulos em 90º, ele denomina sua própria arte de ‘sombra 3D’, que é uma mistura de técnica, ousadia e muita ilusão de ótica, transformando os espaços públicos em ambientes muito mais agradáveis e variados.

Fotos: Odeith /fonte:via

Catzilla: Artista cria um Godzilla fofo e peludo para ‘apavorar’ as cidades

Se o lagarto gigante Godzilla levou terror a grandes cidades como Tóquio e Nova Iorque em seus filmes, como seria se no lugar de um lagarto o gigante fosse um gato? Pelas mãos do artista artista Fransdita Muafidin os gatos gigantes aterrorizam somente pela intensa fofura e diversão que provocam através das montagens do artista.

Imensamente fofos, os gatos de Fransdita são editados e inseridos contextos urbanos de modo a parecerem felinos gigantes atravessando as cidades – provocando engarrafamentos, pendurando-se em edifícios, nadando ao lado de barcos e carregando automóveis na boca feito fossem um mero inseto. Não há terror nos gatos de Fransdita, a não ser pela graça e a fofura que pode nos provocar suspiros fatais.

© fotos: Fransdita Muafidin/fonte:via