Estudante tatua bilhete escrito pela avó que está aprendendo a ler e escrever

Aprender a ler e escrever é uma mudança tão radical e importante que se torna-se uma marca indelével na vida de tal pessoa – feito uma tatuagem. Alfabetizar-se é um processo tão transformador quanto emocionante, especialmente quando se tratam de adultos que decidem enfim aprender a ler e escrever. Se somarmos a isso o amor entre uma avó e sua neta, chegamos enfim à história da estudante Marcella Martins e de sua avó, Gelsa Martins, que aos 73 anos pôde enfim escrever à Marcella seu primeiro bilhete, que a jovem decidiu tatuar em seu braço.

Segundo Marcella, desde muito cedo sua avó teve de trabalhar para ajudar em casa e, por isso, jamais aprender a ler. Munida dessa nova ferramenta, Dona Gelsa escreveu à neta um bilhete simples porém comovente: “Minha neta, eu te amo muito. Vó Gelsa”. Orgulhosa da avó e comovida com o gesto de amor, Marcella decidiu tatuar a caligrafia e a mensagem em seu braço, e postou uma foto da tatuagem em seu Twitter. A foto naturalmente viralizou.

Todo o relato trazido pela estudante na postagem é emocionante, contando um pouco da história da avó e dos percalços de sua vida, que não a impediram de se tornar “uma ótima pessoa que sempre ajudou as pessoas, sem querer ou pedir nada em troca”. Segundo Marcella, quando “Vó Gelsa” soube da repercussão, ela não só se emocionou como “mandou agradecer todos você e desejou muita saúde”.

© fotos: reprodução/fonte:via

Anúncios

Família inspiradora constrói casa biossustentável com as próprias mãos em apenas 3 meses

No Mato Grosso, uma família inteira vem ressignificando a questão de moradia sustentável através de princípios da permacultura e, construiu sua casa com as próprias mãos. A casa inteira foi feita usando materiais recicláveis e possui um sistema conhecido como círculo de bananeira, do qual a água é reutilizada em pias e chuveiros e, ainda por cima, beneficia a plantação de bananas.

família bioconstrução 3

A casa, localizada em Cáceres, a 220 km de Cuiabá, possui dois quartos, sala, banheiro, cozinha e sala de jantar. O aprendizado da permacultura, que não está limitada apenas ao design sustentável, mas sobretudo, à engenharia ecológica, começou há 10 anos, quando a família conheceu um grupo de argentinos e franceses. Desde então, se apaixonaram por este modelo ecológico e já construíram algumas casas através dele.

família bioconstrução 1

A primeira de todas, a Casa de Cupim, uma referência a um cupinzeiro que existia no local, hoje serve como local de separação do material industrial, que é incinerado. Os materiais orgânicos são todos devidamente separados e enviados para ser feita uma compostagem.

família bioconstrução 2

As vantagens deste tipo de construção são inúmeras. Além do custo baixíssimo, já que praticamente todos os materiais são recicláveis, ela ajuda a construir um mundo melhor, com princípios ecológicos que deixarão um legado importantíssimo na sociedade, beneficia a agricultura local, une a comunidade e, abraça a educação e a economia circular. Todos os ensinamentos que vêm sendo adquiridos há uma década são passados para a comunidade local, através de cursos e palestras.

casa de cupim

Fotos: Luana Santana / Centro América FM/fonte:via

Mãe decide desenhar para marido entender porque ela acorda irritada e exausta

Kirs é casado com Mattea Goff, com quem tem duas filhas, Seleste, de 5 anos, e Aurora, de 5 meses. Há pouco tempo, ele perguntou à mulher por que ela sempre acordava tão cansada e irritada.

Irritada, Mattea (que está amamentando) resolveu, literalmente, desenhar para o marido porque acorda sempre cansada. Os desenhos mostram Kris dormindo o tempo todo, enquanto a esposa tem o sono interrompido por vários fatores.

Mattea precisa acordar no meio da noite para amamentar a filha de 5 meses de hora em hora. Além disso, enquanto o homem sonha com os anjos, ela tem dificuldade de se concentrar no sono por causa de pensamentos variados. Todos relacionados com Aurora, claro.

Apesar de amadores, os desenhos publicados no Facebook mostram uma realidade vivida pela maioria das mulheres casadas e com filhos. A disparidade é provocada principalmente pela influência do machismo, que naturaliza o fato de mulheres assumirem todas as responsabilidades da casa.

“Quando mostrei os desenhos para o meu marido pela primeira vez, ele achou engraçado. Mas tanto ele quanto eu ficamos surpresos ao ver o quanto eles viralizaram!”, disse ao Buzzfeed.

Fotos: Reprodução/fonte:via

Mãe vira escudo humano para proteger bebê durante tempestade de gelo

Uma mãe passou por poucas e boas para garantir a segurança de sua pequena filha. Fiona Simpson estava dirigindo em Kingaroy, na Austrália, com a bebê  e a avó quando uma das janelas do carro acabou estilhaçada.

O vidro não resistiu a força dos ventos provocados por um tornado e se partiu. Com isso, a bebê ficou exposta ao frio, vidro e gelo. Fiona não pensou duas vezes e para protegê-la, a mãe envolveu a criança em seu corpo, se transformando em um verdadeiro escudo humano.

“A janela desapareceu, deixando pedaços de vidro espalhados pelo carro. Eu tirei meu cinto de segurança, sentei no banco de trás e fiquei em cima dela esperando a tempestade cessar”, declarou ao jornal Ten Daily.  

Com queimaduras provocadas pelas pedras de gelo (algumas do tamanho de uma bola de tênis), Fiona disse não ter tido tempo para sentir dor.

“Eu não podia focar na dor. Só tinha tempo de permanecer sobre a bebê e protegê-la. Não houve tempo para pensar em outra coisa”, finalizou. Apesar dos esforços da mãe, a criança acabou machucando a cabeça sem gravidade.  

Fotos: Reprodução/fonte:via

Irmãos recriam fotos da infância décadas depois para presentear a mãe pelos 50 anos

Recriar fotos da infância ou juventude é uma maneira divertida de relembrar os velhos tempos e um jeito interessante de observar as mudanças trazidas pelo tempo.

Para Simon Tester e seu irmão, foi também uma maneira criativa de homenagear a mãe em seu aniversário de 50 anos. Os dois escolheram nove entre as dezenas de fotos da dupla que ela mantém em retratos pela casa e refizeram tudo mais de 20 anos depois.

Além de emocionar a mãe revelando as fotos e as exibindo em grandes molduras, Simon diz que a experiência foi especialmente divertida porque seu irmão, apesar de ser dois anos e meio mais novo, ficou bem mais alto que ele.

Fotos: Reprodução/fonte:via

Mãe dá à luz a gêmeos gerados em dois ventres diferentes. Feito tem uma chance para 500 milhões de tentativas

Dez vezes mais improvável que ganhar na Mega-Sena. Em maio, a britânica Jennifer Ashwood deu à luz a duas crianças, Poppy e Piran, em um acontecimento tão raro que até seus obstetras não sabiam o que esperar antes do parto: a mãe tem útero duplicado, e cada bebê se desenvolveu em um dos ventres.

De acordo com os médicos, Jennifer tem duas cavidades uterinas, separadas por um colo, algo que não foi notado oito anos atrás, durante a gestação da filha mais velha da britânica. Após a descoberta, a equipe precisou tomar cuidados especiais, pois o risco de abortou ou nascimento prematuro aumentou.

Segundo a literatura médica, menos de 100 casos assim já foram reportados em todo o mundo. A chance de uma gestação do tipo acontecer é de 1 em 500 milhões. Os gêmeos de Jennifer ficaram por duas semanas na maternidade para tratar a icterícia neonatal, mas já estão plenamente saudáveis.

“Ter dois úteros já é raro, mas ter um óvulo em cada e que os dois sejam fecundados… É como um milagre. Você pode pensar que conhece bem o próprio corpo, mas nem sempre é verdade”, disse Jennifer. “Estamos muito ocupados em casa. É o dobro de abraços e o dobro de amor”, completou.

Fotos: Reprodução/Arquivo Pessoal/fonte:via

Esta mãe correu uma meia maratona empurrando os filhos

Correr é um grande desafio. A conquista dos primeiros quilômetros só é possível com muita disciplina e treinamento. Imagine só correr uma meia maratona com os três filhos.

Cynthia Lauren Arnold, de 34 anos, ficou em 14ª lugar no geral feminino e em terceiro na classificação de pessoas da sua idade na Meia Maratona de Missoula, nos Estados Unidos. Detalhe, ela fez todo o trajeto empurrando um carrinho com as três crianças a bordo.

A conquista rendeu para a atleta o recorde mundial para uma mulher empurrando um carrinho com três crianças. Cynthia concluiu a prova com folga, batendo a marca de 1h29min08, enquanto o antigo recorde era de 1h47min32.

“Ele disse: você deveria tentar esse recorde mundial triplo na meia maratona”, declarou à Runner’s sublinhando que a vitória veio por meio do incentivo do marido.

Mas não pense que tudo aconteceu da noite pro dia. Na verdade Cynthia Arnold sempre fez da corrida um estilo de vida. A motivação para correr com os filhos não foi só para bater o recorde, mas sobretudo para incentivá-los a adotarem um estilo de vida saudável.

Foto: Reprodução/Twitter/fonte:via