Idoso entra na universidade e quer dar aulas em escola onde trabalha como vigia

Manoel Castro dos Reis passou quase cinco décadas fora das salas de aula. Hoje com 60 anos, o morador de Araguaína-TO precisou abandonar os estudos quando tinha 13, e há algum tempo trabalha como vigia em uma escola da cidade. Agora, ele espera voltar para a classe, dessa vez como professor.

Manoel parou de estudar em 1972, quando concluiu a quarta série e a família decidiu mudar de cidade e ele precisou começar a trabalhar. Em 2004, ele definiu que retomaria os estudos e realizou o Encceja (Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos), obtendo o certificado do Ensino Fundamental. Três anos depois, fez o mesmo com o Ensino Médio.

No ano passado, Manoel decidiu prestar o Enem e conseguiu a nota necessária para se matricular em História na Universidade Federal do Tocantins. Hoje ele concilia os estudos com o expediente em uma Escola Municipal, e tem como grande objetivo poder dar aulas por lá daqui a quatro anos.

Uma bonita coincidência foi seu filho, Ítalo, de 17 anos, ter prestado Enem no mesmo ano que o pai e também ser aprovado para estudar na Universidade Federal do Tocantins, no curso de Química. Os dois vão para a faculdade juntos e compartilham o sonho de mudar de vida graças aos estudos.

Fotos: Reprodução/TV Anhanguera / Rede Globo /fonte:via

Anúncios

ONG denuncia condições ‘brutais’ de frangos criados pela indústria

A ONG internacional Mercy for Animals acaba de divulgar vídeos e fotografias tiradas em granjas pelo Brasil mostrando frangos em condições consideradas ‘brutais’.

De acordo com BuzzFeed, a ONG não revela como as imagens foram feitas, por isso, a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) afirmou que não irá se manifestar enquanto não tiver acesso ao conteúdo.

A Mercy for Animals revela apenas que as imagens foram realizadas em cinco granjas, três na cidade de São Paulo e duas em Santa Catarina, no Sul do país. Os registros são de maio de 2017, entretanto, de acordo com o membros da organização, foram divulgados agora para evitar rastreamento das fotografias.

“Não é uma prática isolada de uma ou outra granja, mas de toda a indústria. Surpreendentemente, esse tratamento flagrado é praticado dentro do que é aceito pela legislação brasileira”, declarou Lucas Alvarenga, membro da ONG.

A ONG afirma que as imagens de maus-tratos foram feitas em criadouros da JBS, BRF, Friaves e Ad’oro. Até o momento, as empresas não se manifestaram sobre as acusações.

Segundo a FAO, órgão ligado à ONU, porcos, aves e vacas, são as maiores vítimas de maus-tratos no mundo. A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação atesta que, ao menos 67 bilhões de animais são expostos, todos os anos, a condições de crueldade.

No Brasil, mais de 70 milhões de galinhas são mantidas em cativeiro, nas chamadas “gaiolas em bateria”, espaços superlotados, que não permitem nem a abertura das asas das aves.

Fotos: reprodução/fonte:via

Ambiente tóxico no trabalho é contagioso feito vírus, aponta estudo

Um estudo da Universidade de Harvard comprovou cientificamente aquilo que todos que trabalham em grupo, em um escritório ou empresa, já sabem: o estado de espírito é uma força contagiante entre pessoas, e o humor dos colegas de trabalho ou do chefe, por exemplo, é capaz de condicionar não só o seu humor como o desempenho e a produtividade de uma empresa.

O resumo é simples e direto: um ambiente tóxico de trabalho contagia a todos e piora consideravelmente a qualidade e a quantidade da produção daquele local. O estresse é, portanto, contagioso, o que justifica a conclusão de que a principal razão para demissões no mundo não é o salário, mas sim o clima, a falta de relações interpessoais, o estresse. O custo de tal conclusão não se dá sobre a saúde somente do trabalhador: levantamentos estimam que tal problema custe anualmente cerca de 90 bilhões de reais à União Europeia.

A pesquisa descobriu que 26% dos participantes tinham seus níveis de cortisol, o hormônio do estresse, elevados somente de olhar para alguém em estado de tensão. E tal contaminação se dá de forma ainda indireta: pelo cheiro. O suor de alguém em estado de estresse expele hormônios que são capturados por outras pessoas pelo ar – feito fosse de fato uma doença contagiosa.

© fotos: repdução/fonte:via

Ilustrador famoso na internet por desenhos geométricos lança tattoos temporárias vendidas online

O filipino Kerby Rosanes é um ilustrador multitarefa: coleciona quase 1 milhão de seguidores no Instagram por causa de seus desenhos geométricos, que também já viraram bem sucedidos livros de colorir e produtos como capinhas para celulares. Sua nova empreitada é fazer com que as pessoas registrem os desenhos na pele.

Para isso, Kerby está lançando uma linha de tatuagens temporárias, daquelas que são aplicadas na pele usando esponja úmida, contendo ilustrações de sua série Geometric Beasts (“Feras Geométricas”), em que “retrata sua interpretação da batalha para romper com normais sociais e se tornar indivíduos únicos”.

As tatuagens já estão sendo vendidas e fãs do ilustrador têm usado o próprio Instagram para mostrar o resultado. Cada tatuagem mede 15 x 10.5 cm e pode ficar na pele por até sete dias, e os desenhos são vendidos individualmente ou em pacotes.

Cada uma custa 5 dólares, o pacote com cinco custa US$20 e a coleção completa sai por US$60. São 25 ilustrações no total, incluindo desenhos de animais como águia, beija-flor, borboleta, leão, lobo, raposa e tigre. Elas podem ser adquiridas através da loja online de Kerby. O frete convencional para o Brasil gira em torno de 7 dólares.

Imagens: Divulgação/Kerby Rosanes /fonte:via

Mulher doa rim para ‘estranho’: ‘Quero que ele tenha uma vida bonita’

Estar na fila de espera por uma doação de um órgão, ou ver algum ente amado no aguardo de algo que separa muitas vezes literalmente a vida da morte, é angústia das mais agudas. Enquanto lamentavelmente muitas dessas histórias não trazer um final feliz, algumas são capazes de renovar as esperanças na humanidade – e foi o caso do estadunidense Jim Abed, que já estava com seu tempo à espera de um rim novo praticamente esgotado quando teve a vida salva ao receber o órgão de Crysti Shirley. O mais incrível, no entanto, é o fato de que Crysti e Jim não se conheciam. Crysti doou seu rim a um estranho.

Para ela, foi um chamado divino; para ele, o mais próximo de um milagre. Seu encontro com a vida se deu através de um post que uma prima realizou no Facebook em fevereiro passado, na esperança de assim encontrar um doador. Crysti havia trabalhado com a prima de Jim e, quando viu o post, se arrepiou. “Eu sabia em meu coração que estava destinada a dar meu rim a ele. Eu não posso explicar isso”, ela disse. Ela respondeu ao chamado, descobriu que era compatível com Jim – contrariando as expectativas dos médicos, que esperavam encontrar o órgão em um parente -, e o procedimento foi feito com sucesso no último dia 26 julho.

Mesmo tendo sido liberada antes de Jim do hospital, Crysti hospedou-se com o marido em um hotel próximo, a fim de esperar que ele também recebesse alta. Dois dias se passaram, e os dois agora encontram-se em casa, em recuperação – ambos com saúde. Enquanto a família de Jim não sabe como agradecer, Crysti diz que não há motivos para agradecimento – que a benção foi dela. “Minha esperança é que ele possa sair e viver uma vida plena e bonita”, concluiu.

© fotos: reprodução/fonte:via

Como um retrato feito no Renascimento ajudou a acabar com uma guerra

Um dos mais importantes acontecimentos da história, a tomada de Constantinopla pelo império Otomano representou o auge de uma revolucionária expansão territorial sem precedentes que varreu o ocidente no ano de 1453. Em questão de meses o jovem sultão Mehmed II (ou Maomé II, em português) passou a ser conhecido como Mehmed, o Conquistador, tornando-se então o homem mais poderoso do mundo. A expansão do império Otomano de Mahmed II não só significou o fim da chamada Era das Trevas, como também uma grande ameaça para Veneza, então uma cidade-estado estrategicamente localizada na rota para a Ásia e a África. A pulsante e próspera vida cultural e mercantil parecia ameaçada pelo poderio do Conquistador.

Depois de conseguir resistir por mais de duas décadas, em 1479 Veneza, com um exército e uma população muito menores que os Otomanos, se viu na situação de ter de aceitar o acordo de paz oferecido por Mahmed II. Para tal, além de tesouros e territórios, o sultão exigiu dos venezianos algo inusitado: que o melhor pintor da região viajasse a Istambul, então capital do império, para realizar um retrato seu. O escolhido pelo senado de Veneza foi Gentile Bellini.

A viagem de Bellini, pintor oficial e mais aclamado artista de Veneza à época, durou dois anos, e acabou por se tornar um dos mais importantes catalisadores da influência oriental sobre as artes europeias de então – e uma abertura fundamental para a presença da cultura oriental no ocidente até hoje. Mais do que isso, porém, ajudou a impedir que os Otomanos tomassem Veneza.

Bellini pintou diversos quadros durante a estadia em Istambul, mas o principal deles realmente foi O Sultão Mehmet II, retrato do Conquistador, hoje exposto na National Gallery de Londres (o retrato, no entanto, passou por severa reforma no século XIX, e já não se sabe mais o quanto do original sobreviveu).

Trata-se, de toda forma, de um dos únicos retratos contemporâneos do homem mais poderoso do mundo de então – e de um verdadeiro documento da mistura entre cultura oriental e ocidental. Mahmed viria a falecer meses depois da volta do pintor a Veneza, e seu filho, Bayezid II, ao assumir o trono viria a desprezar o trabalho de Bellini – que, no entanto, permanece na história como um marco incontestável.

Outros exemplos de quadros pintado por Bellini em sua viagem

Até hoje arte é utilizada como arma indireta da diplomacia e da afirmação cultural de um povo – no caso de Bellini, no entanto, ela foi realmente um escudo, uma força capaz de impedir uma guerra e mudar o mundo em suas relações para sempre.

©artes: Gentile Bellini /fonte:via

Quando os filhos e netos de Bob Marley se reuniram para um retrato pela primeira vez em uma década

Bob Marley, a lenda do reggae, deixou um legado vivo: foram 11 filhos com sete mulheres diferentes, e essa é só a conta oficial. Ele também assumiu a criação de dois filhos de uma relação anterior de sua esposa, Rita Marley.

Alguns deles seguiram os passos musicais do pai e até alcançaram algum sucesso – casos de Ziggy, Stephen, Julian e Damian -, enquanto outros atingiram sucesso de outras maneiras, ligadas ou não à música – Cedella é uma empresária bem-sucedida e Karen se deu bem na indústria fashion.

Nem todos os descendentes de Bob são próximos, mas alguns deles, incluindo os netos Skip, que também é músico, e Joseph, se reuniram há algum tempo para participar de uma sessão fotográfica registrada pela GQ. O resultado é um ensaio de família pra lá de estiloso.

Cedella Marley

Ziggy Marley

Stephen Marley

Rohan Marley

Robert “Robbie” Marley

Karen Marley

Julian Marley

Ky-Mani Marley

Damian “Jr. Gong” Marley

Joseph “Jo Mersa” Marley (filho de Stephen)

Skip Marley (filho de Cedella)

Fotos por Eric Ray Davidson via GQ fonte: via