Restauração de tela de Rembrandt será transmitida ao vivo pela internet

As transmissões ao vivo, mais conhecidas como lives, têm feito cada vez mais sucesso na internet. Artistas, youtubers, empresas e até canais de TV têm apostado na ferramenta, e uma das lives mais interessantes de todas está programada para julho de 2019.

O Rijksmuseum, de Amdsterdã, é o museu nacional dos Países Baixos, com um enorme acervo de pinturas de grandes nomes da arte holandesa, incluindo, é claro, o mestre Rembrandt, e constantemente conduz processos de restauração das obras para manter tudo nos trinques.

As restaurações são complexas e geralmente feitas em salas especiais, com acesso restrito a especialistas nas técnicas. Nada que a tecnologia não dê um jeito: no ano que vem, a famosa tela A Ronda Noturna será restaurada com transmissão ao vivo pela internet.

O projeto é estimado em milhões de euros, e dará sequência à última restauração da obra, feita em 2014. A tela será restaurada dentro de uma câmara de vidro, e os visitantes do museu também poderão acompanhar o processo.

A tela A Ronda Noturna tem uma particularidade infeliz: em 1975, um homem com problemas psiquiátricos usou uma faca para causar danos à pintura, que foi restaurada e quase não apresenta traços do vandalismo – é possível perceber a descoloração onde a faca passou, especialmente perto do cachorro deitado.

Dez anos depois, um ácido em forma de aerossol foi usado em outra tentativa de arruína-la, mas a segurança agiu rápido e evitou maiores danos – mesmo assim, A Ronda Noturna foi novamente restaurada e logo voltou a ser exibida no Rijksmuseum.

Fotos: Domínio Público/fonte:via

Yang Yang, a panda artista cujas obras estão sendo vendidas a mais de R$ 2 mil cada

Yang Yang é uma artista de origem chinesa que começou a pintar há pouco tempo, mas cujas obras já estão sendo vendidas por mais de 550 dólares (mais de R$2200). Um detalhe importante: ela é uma ursa panda. 

Yang Yang vive no zoológico de Viena, na Áustria, e aprendeu a manejar pincéis de bambu há pouco tempo. Ela usa tinta preta para pintar e, segundo especialistas, tem um “estilo abstrato que lembra as primeiras tentativas de crianças pequenas”. 

Cem de suas obras estão à venda através de um crowdfunding que tem como objetivo arrecadar fundos para o lançamento de um livro sobre os pandas do zoológico de Viena. Até o momento, foram vendidas 23 telas, então se você estiver com vontade de adicionar um quadro feito por uma panda à sua coleção, a hora é agora. 

Fotos: Divulgação/Zoológico de Viena/fonte:via

Fotos mostram os cenários de pinturas icônicas na vida real

Você já se pegou admirando uma grande pintura e se perguntou se ela era inspirada em um lugar real ou apenas fruto da imaginação fértil de um artista genial? 

Os espanhóis do site Cultura Inquieta passaram por esse momento de dúvida e decidiram ir atrás de informações sobre os lugares que inspiraram obras de Van Gogh, Cézanne, Monet e outros célebres pintores: 

Vincent van Gogh – O Café à Noite na Place Lamartine 

Essa obra clássica de van Gogh foi pintada após uma viagem a Arles, no sul da França. O artista enviou uma carta para sua irmã dizendo que “no terraço há pequenas figuras de pessoas bebendo, uma grande lâmpada amarela ilumina o local e os efeitos de luz sobre os paralelepípedos da rua os deixam com tons de rosa”. 

Paul Cézanne – Natureza Morta com um Cupido de Gesso 

Cézanne também encontrou inspiração no sul da França: ele nasceu e foi criado na cidade de Aix-en-Provence, onde construiu um atelier para trabalhar. 

Foi lá que ele pintou diversas obras de natureza morta, como essa. Até hoje, os turistas que passam por Aix-em-Provence costumam visitar o atelier onde o artista criava. É possível conferir móveis, materiais de pintura e acessórios utilizados por Cézanne. 

Paul Cézanne – Montagne Sainte-Victoire 

Entre 1882 e 1906, Cézanne pintou ao menos 30 telas retratando a Montanha Sainte-Victoire, que cercavam a cidade de Aix-em-Provence. Ele costumava sair do atelier, caminhar algumas centenas de metros e procurar o lugar ideal para observar a natureza e registra-la com tinta. 

Claude Monet – Os Jardins de Monet em Giverny 

Em 1883, o impressionista Claude Monetse mudou para Giverny, no norte da França, e passou a viver numa casa com jardim inspirado nos do Japão. O local inspirou dezenas de suas pinturas, e hoje virou atração turística, atraindo mais de 500 mil visitantes a cada ano. 

Pierre-Auguste Renoir – O Almoço dos Barqueiros 

 

Mais uma grande obra que transformou um cenário em ponto turístico concorrido. O Maison Fournaise é um restaurante na Ilha de Chatou, nos arredores de Paris, que foi inaugurado no século XIX e retratado por vários artistas, mas a versão de Renoir é a mais famosa.  

Edvard Munch – O Grito 

Acredita-se que a ponte sobre a qual o grito mais famoso da arte foi proferido seja a Valhallvegen Road, na colina Ekeberg, em Olso, na Noruega. O artista costumava passear nos fins de tarde e escreveu o seguinte registro em seu diário, que fez especialistas se desdobrarem para descobrir de onde ele falava: 

“Uma noite caminhava por uma trilha, com a cidade de um lado e o fiorde abaixo. Me senti cansado e doente e parei para observar o fiorde. Nesse momento, senti um grito passar pela natureza, e então pintei aquela imagem”. 

Grant Wood – American Gothic 

Grant Wood criou em 1930 uma das obras mais conhecidas do modernismo norte-americano depois de ver uma casa “muito pintável” em Eldon, Ohio. A janela neogótica foi o que mais chamou a atenção de Wood.  

Apesar de praticamente todo mundo pensar que as pessoas retratadas são o casal que vivia por ali, na verdade elas foram inseridas na cena por Wood, que se inspirou em sua irmã e seu dentista para criar as personagens. 

Imagens: Reprodução/fonte:via

Obra de arte mais valiosa já vendida foi quase toda pintada por ajudante de Da Vinci, diz especialista

Salvator Mundi, é a obra mais cara da história. A peça foi arrematada em leilão realizado em Nova York por um colecionador russo por mais de 1 bilhão de reais, o dobro do valor anterior.

Contudo, surge agora a informação de que uma das criações mais célebres de Leonardo da Vinci tenha sido feita por um de seus ajudantes. Segundo o historiador Matthew Landrus, Salvator Mundi teve entre 5 e 20% de contribuição do pintor símbolo do Alto Renascimento.

Bernardino Luini trabalhou como assistente de estúdio do pintor italiano e suas obras foram vendidas por valores infinitamente menores ao longo dos séculos. Matthew Landrus, que atua como professor da universidade britânica de Oxford, embasa sua tese em uma simples comparação entre a pintura mais cara da história e outros trabalhos de Luini.

A convicção de Landrus sobre a autoria de Salvator Mundi é refutada por colegas historiadores, caso do acadêmico Martin Kemp, professor de história e artes do Trinity College e responsável pela curadoria de uma exibição sobre Da Vinci na Galeria Nacional de Londres.

A obra-prima de Leonardo da Vinci é cercada de controvérsias. Por muito tempo acreditou-se que o quadro finalizado em 1500 tivesse sido destruído. A pintura em óleo mostra Jesus Cristo como salvador do mundo e é considerada a maior redescoberta artística do século 21. Sua importância é tão grande, que no mundo das artes ganhou o apelido de Santo Graal.

O leilão da peça, última do catálogo de Leonardo da Vinci em posse de um colecionador particular, foi sacramentado pela bagatela de 450,3 milhões de dólares, cerca de 1,47 bilhão de reais.

Até então, o recorde pertencia ao quadro Mulheres de Argel, de Pablo Picasso – vendido por quase 540 milhões de reais há pouco mais de dois anos.

Foto: Reprodução /fonte:via

Exposições internacionais podem desaparecer do Brasil por conta da taxas aeroportuárias

Qual a relação entre o mercado da arte e a aviação? Saiba que ela pode ser mais forte do que você imagina.

Com o reajuste das tabelas de preços para o armazenamento de mercadorias estipulado pelo governo, as concessionárias dos principais aeroportos do Brasil passaram a interpretar que obras de arte devem ser sobretaxadas.

Os aeroportos de Guarulhos (São Paulo), Viracopos (Campinas) e Galeão (Rio de Janeiro) passam a cobrar uma taxa de 0,75% sobre o valor da obra de arte para o armazenamento desta. Antes da mudança, a cobrança consistia em R$ 0,15 por quilo de peça guardada, segundo noticiou a Folha de S. Paulo.

Os valores mudaram de acordo com a nova interopretação da tabela que detalha como deve ser feita a cobrança do armazenamento de bens. Antes, as obras eram taxadas como bens de cunho cívico-cultural. Agora, passam a pagar os mesmos valores que bens comerciais. Segundo depoimento de Fernanda Feitosa, da SP-Arte, à Gaúcha ZH, o aumento pode chegar a 10.000%.

A alteração gera um aumento de custos infundado, que pode inviabilizar futuras exposições e mostras de arte internacionais em solo brasileiro. Um quadro de Van Gogh, vendido por US$ 66 milhões, pagaria o equivalente a quase R$ 2.000 somente em custos de armazenamento, segundo a nova interpretação.

Fotos via Unsplash /fonte:via

Cappucino ‘O grito’? 16 imagens que deixam claro que café pode ser uma forma de arte

Pense em uma forma de arte. Provavelmente pintura, escultura, teatro, dança ou música tenham vindo à cabeça. Mas, hoje em dia, há várias maneiras inovadoras de se expressar o talento artístico, e a internet nos ajuda a apreciá-las.O sul-coreano Kangbin Lee é barista, especializado em cafés de alta qualidade, e também um artista de mão cheia.

Ele batizou seu estilo de Cremart (junção de “creme” e “arte”) e costuma publicar seus trabalhos no Instagram, onde tem mais de 240 mil seguidores. Confira cafés inspirados em obras como O Grito e Monalisa, além de belas flores e outros personagens, como Pikachu e Jack Sparrow.

Fotos via Kangbin Lee /fonte:via

Para que filho autista se localize, pais pintam casa como a ‘Noite Estrelada’ de Van Gogh

O avanço do debate sobre o autismo está deixando de lado visões equivocadas do distúrbio. Com a exibição da rotina de pessoas autistas e contribuição dada por médicos, as coisas estão se transformando.

Ao invés do preconceito, a criatividade dos pais para tornarem a vida de pessoas com autismo ainda mais normal, nos brinda com iniciativas inspiradoras. Caso de uma família da Flórida, nos Estados Unidos, que simplesmente transformou sua casa numa obra de arte.

Para evitar que o filho autista se perdesse, o casal abusou da criatividade para resolver este problema ao mesmo tempo em que brindaram o garoto com ilustrações de seu artista favorito.

O jovem, de 25 anos, é fascinado pelo trabalho do pintor holandês Van Gogh, por isso, sua casa virou uma reprodução do icônico quadro ‘A Noite Estrelada’. “Assim, se ele mencionar esta casa de Van Gogh, as pessoas podem ajudá-lo a se localizar”, disse à Reuters a mãe Nancy Nemhauser.

Como já era esperado, a obra de autoria de Richard Barrenechea se tornou uma atração turística do bairro, atraindo milhares de visitantes. Mas nem tudo são flores, recentemente a prefeitura entrou com pedido de remoção da obra por supostamente violar o código de sinalização da cidade. Além disso, a municipalidade exigiu que o casal pagasse R$ 38 mil de indenização.

Após a contestação e o apoio popular, o Conselho Municipal de Mount Dora desistiu da ideia e obrigou o pagamento de indenização de R$ 56 mil para a família. O prefeito Nick Girone se desculpou publicamente.

Foto: Reprodução/People/fonte:via