As novas fotos de Jimmy Nelson, famoso por eternizar tribos remotas prestes a desaparecer

Jimmy Nelson dedica sua vida a registrar os hábitos de tribos remotas cujos costumes podem desaparecer a qualquer momento.

Em 2013, o fotógrafo lançava seu primeiro livro: Before They Pass Away (que poderia ser traduzido como “Antes que eles desapareçam“). A obra reunia imagens clicadas em 44 países pelo mundo documentando a vida de aldeias, etnias e tribos que podem deixar de existir do dia para a noite.

Já falamos sobre o trabalho do artista aqui. Este ano, ele retorna com um novo livro, intitulado Homage to Humanity (“Homenagem à Humanidade“).

O lançamento será acompanhado de um aplicativo mobile, permitindo uma experiência mais imersiva na vida destas comunidades. “O livro com o aplicativo móvel revelará uma visão intima para as pessoas de mais de trinta culturas icônicas ao redor do mundo“, define o site do fotógrafo.

Junto com a novidade, fotografias inéditas foram divulgadas e mostram o quão incríveis podem ser as sociedades ao redor do mundo. Vem ver algumas delas!

Foto © Jimmy Nelson /fonte:via

Mutação genética que permite mergulho livre é descoberta no povo Bajau, os “ciganos do mar” da Indonésia

Um novo estudo da Universidade de Copenhague (Dinamarca), em colaboração com a Universidade de Cambridge (Reino Unido) e a Universidade da Califórnia (EUA), descobriu que os Bajau, um povo que vive em partes da Indonésia, têm baços geneticamente aumentados que lhes permitem mergulhar livremente em profundidades de até 70 metros.A descoberta foi publicada na revista científica Cell.

Resposta de mergulho

Se você prender a respiração e mergulhar o rosto na água, seu corpo acionará automaticamente o que é chamado de “resposta de mergulho”.

Sua frequência cardíaca diminuirá, seus vasos sanguíneos e seu baço se contrairão – essas reações lhe ajudarão a economizar energia enquanto você estiver com pouco oxigênio.Anteriormente, foi levantada a hipótese de que o baço poderia desempenhar um papel importante ao permitir que seres humanos mergulhem livremente por períodos prolongados.

Essa relação – entre o tamanho do baço e a capacidade de mergulho – nunca foi examinada em indivíduos no nível genético, no entanto.Agora, temos provas de que uma adaptação genética do tipo realmente ocorreu em seres humanos, tornando-os melhores em mergulhar.

Povo Bajau

Por mais de mil anos, o povo Bajau, conhecido como “nômades do mar” ou “ciganos do mar”, viaja pelos mares do sudeste asiático em casas flutuantes, coletando alimentos no oceano usando lanças.

Agora instalados nas ilhas da Indonésia, são famosos em toda a região por suas extraordinárias habilidades de mergulho e retenção de ar. Os Bajau podem mergulhar até 70 metros usando nada mais do que um conjunto de pesos e um par de óculos de madeira.

Como eles nunca mergulham competitivamente, não se sabe ao certo quanto tempo podem permanecer debaixo d’água, mas um deles disse à pesquisadora Melissa Ilardo que já havia ficado submerso por 13 minutos consecutivos.

O estudo

A contração do baço cria um aumento de oxigênio pela ejeção de células vermelhas do sangue para a circulação. Estudos já descobriram que essa reação fornece um aumento de até 9% no oxigênio, prolongando assim o tempo de mergulho.

A fim de obter evidências para este estudo, Melissa Ilardo passou vários meses em Jaya Bakti, na Indonésia, colhendo amostras genéticas e realizando exames de ultrassonografia dos baços de membros do povo Bajau e de seus vizinhos terrestres, os Saluan.

Os resultados mostraram claramente que os Bajau têm um tamanho médio de baço 50% maior do que os Saluan. Os baços aumentados foram vistos até nos indivíduos Bajau que não mergulhavam.

Os cientistas, então, eliminaram a possibilidade de que os baços maiores fossem simplesmente uma resposta plástica ao mergulho e passaram a investigar os dados genéticos dos Bajau. Eles descobriram que esse povo tem um gene chamado PDE10A que os Saluan não possuem. Acredita-se que o PDE10A controle os níveis do hormônio tireoidiano T4.

Essa adaptação genética pode aumentar os níveis de tal hormônio da tireoide, o que, consequentemente, aumenta o tamanho do baço. Em pesquisas com ratos, uma alteração genética que eliminou o hormônio tireoidiano T4 levou a uma redução no tamanho do baço.

Esta é a primeira vez que uma adaptação genética ao mergulho foi identificada em seres humanos.

Hipóxia

O estudo também tem implicações para a pesquisa médica.

A resposta ao mergulho humana simula as condições de hipóxia aguda em que o tecido corporal sofre um rápido esgotamento de oxigênio. Essa é uma das principais causas de complicações e mortes nas salas de emergência hospitalares.

Estudar os Bajau poderia efetivamente funcionar como um novo laboratório para entender a hipóxia.

Povos incríveis e ameaçados: valor cultural e científico

Essas descobertas também abrem a possibilidade de mais pesquisas em outras populações nômades marinhas, como o povo tailandês Moken e as mulheres Haenyeo de Jeju, na Coréia do Sul.

Estudar grupos de pessoas semelhantes poderia lançar mais luz sobre a natureza da conexão entre fisiologia humana e adaptações genéticas a estilos de vida extremos.

Essa, aliás, é uma tarefa um tanto urgente, já que formas tradicionais de vida estão sob ameaça em muitas comunidades.

“Este estudo é um exemplo maravilhoso do valor de estudar essas pequenas populações que vivem sob condições extremas”, disse o professor Eske Willerslev, orientador de Ilardo. “Muitas estão ameaçadas e isso não é apenas uma perda cultural e linguística, mas para a genética, medicina e ciências em geral. Ainda há muita informação a ser coletada dessas populações pouco estudadas”.

fonte:[via][Phys, NatGeo]

Série de fotos retrata tribo na Amazônia acreana para lembrar quem vive e luta pelas florestas

Quando uma motosserra corta uma árvore no coração da Amazônia, não é só a floresta e o meio ambiente que são atacados, mas também as tradições, crenças, culturas e religiões ancestrais caem ao chão junto com o tronco.

A morte da floresta é também a morte das próprias entidades espirituais que guiam a vida e a luta de povos como a tribo Huni Kuin, que vive à beira do rio Envira, no Acre, e que luta contra o desmatamento em nome de sua própria espiritualidade ancestral – e foi essa tribo, sua luta, seu conhecimento e religiosidade que o fotógrafo Danilo Arenas registrou no ensaio Huni Kuin – Os Últimos Guardiões.

HuniK12

HuniK13

A fotografia é o meio que encontrei para acessar o plano espiritual”, diz Danilo, que realizou o trabalho em parceria com o Coletivo Tribo e o Centro Cultural Yurabaka Naibai Yuxibu Baibu.

Enquanto eu via as crianças livres brincando no rio, lembrava que ali mesmo já havia morrido outras por metais pesados que vinham de garimpos ilegais no Peru. Enquanto via aquela floresta gigantesca e linda, ouvia aquele som das serras elétricas cortando as Samaúmas, a árvore mais importante da floresta”, ele diz.

HuniK2

A importância de cada ser que vive na floresta é reconhecida pelos Huni Kuin, segundo Danilo, como a casa dos seres espirituais que guiam a vida da tribo – e é essa casa que é atacada diariamente por fazendeiros e garimpeiros.

HuniK10

HuniK11

O ensaio, registrando a luta e vida desse povo e sua floresta, transformou-se em um documentário, premiado recentemente no festival Impact Doc Awards, nos EUA.

Se o respeito às diversas religiões que compõem o sincretismo brasileiro é pauta tão importante no país, é fundamental olhar também para a destruição imaterial de culturas e tradições, que junto com as árvores, são derrubadas em nome somente da ganância e do dinheiro de alguns.

O filme foi dirigido por Danilo, e realizado pela produtora paulistana La Casa de La Madre.

HuniK9

HuniK8

HuniK7

HuniK6

HuniK5

HuniK4

HuniK3

HuniK2

HuniK1

Todas as fotos © Danilo Arenas fonte