Conheça os irresistíveis esquilos “voadores” do Japão e da Sibéria

 

Prepare o coração. Você está prestes a ver uns dos animais mais fofos do planeta. Estes esquilos são encontrados na região oeste do Mar Báltico até a Costa leste do Pacífico e são classificados como Esquilos Voadores do Velho Mundo.

Esses roedores costumam viver no Japão e Rússia. Considerados vulneráveis dentro da União Europeia, eles podem ser encontrados em países como Finlândia, Estônia e Letônia. Embora o nome, os esquilos não voam literalmente, eles deslizam por até mais de 100 metros através de uma membrana peluda encontrada entre as patas dianteiras e traseiras. Eles a usam para escapar de predadores ou para passear pelos galhos das árvores.

Os esquilos voadores não chegam a hibernar, porém podem chegar a dormir por dias durante o inverno. A dieta desses bichinhos consiste em folhas, sementes, brotos, nozes, frutas e, ocasionalmente, ovos de aves e filhotes.

esquilo2

esquilo1

Foto © Pop Shiretoko

esquilo3

Foto © Pop Shiretoko

esquilo4

Foto © Masatsugu Ohashi

esquilo5

Foto © Masatsugu Ohashi

esquilo6

Foto © Pop Shiretoko

esquilo7

Foto © Pop Shiretoko

esquilo8

Foto © Pop Shiretoko

esquilo9

Foto © Masatsugu Ohashi

esquilo12

Foto © Masatsugu Ohashi

Conheça os picos clássicos e indispensáveis do surf no Rio de Janeiro

Para além de possuir ou não as melhores ondas do Brasil, o Rio de Janeiro é um point clássico do surfe brasileiro. Foi a partir do Rio que o esporte se popularizou no Brasil, e só isso já justificaria a cidade maravilhosa como local incontornável para surfistas. Mas, melhor ainda, o Rio possui excelentes picos para o surfe.

EDIT_Surfe

De todos os tipos e tamanhos, a extensa costa carioca oferece ondas diversas para surfistas igualmente diversos. Dos profissionais aos iniciantes, as praias do Rio recebem surfistas diariamente, como um cardápio variado, que se transforma de acordo com as mais diversas condições meteorológicas, mas que consegue agradar mesmo aos mais exigentes surfistas – afinal, mar é o que não falta por lá.

Separamos aqui alguns picos clássicos para você se desfrutar nas ondas do Rio.

Arpoador

EDIT_Arpoador

O cenário entre a pedra do Arpoador e areia desse ponto turístico carioca se destaca não só pela beleza, mas também pela história: o Arpoador é adorado entre surfistas por ser, de certa forma, o ponto de partida do surfe no Brasil. Trata-se de um clássico que, por isso, costuma ficar cheio. É possível surfar à noite, devido à boa iluminação pública.

Diabo

EDIT_Diabo

A Praia do Diabo fica dentro de um espaço militar, por isso o acesso a ela é restrito. As ondas, no entanto, costumam ser fortes e grandes, o surfe por lá é liberado. Não é, dessa forma, um pico para iniciantes, por também possuir correnteza forte e formação irregular de ondas. O acesso é pelo Arpoador ou pelo parque Garota de Ipanema.

Prainha

EDIT_Prainha

A Prainha é uma das praias com ondas de qualidade mais constante da cidade. Longe da Zona Sul, a Prainha costuma encher aos finais de semana, e seu estreito trecho de areia faz com que as ondas possam ser concorridas, dificultando a vida dos iniciantes. Em um dia especial, as ondas podem chegar até 3 metros, e a vista é das mais espetaculares da cidade.

Grumari

EDIT_Grumari

Localizada numa região de floresta, dentro de um parque estadual, longe da bagunça da cidade, a Praia de Grumari é extensa e cheia de ondas fortes e tubulares. Em Grumari encontra-se ondas de todos os tamanhos, e só a natureza já valeria o passeio. A questão a se ficar atento é que o acesso à reserva é limitado.

Praia da Barra

EDIT_Barra

Toda a extensão da Praia da Barra pode ser um bom pico para o surfe, dependendo do dia – por isso, o recomendável é percorre-la e escolher o melhor ponto. A boa notícia é que raramente não se encontra algum lugar que ofereça boas ondas por lá. Intensamente frequentada nos finais de semana. Plena em ondas fortes, a praia da Barra não por acaso já foi cenário de diversos campeonatos mundiais.

© fotos: reprodução

Arquiteto projeta mini vilas em Bali para que as pessoas se reconectem com o corpo e a natureza

O arquiteto Kengo Kuma vislumbrou uma série de moradias localizadas na península de Bukit, o ponto mais meridional de Bali. No total, seriam seis vilas chamadas de ‘tsubomi’, palavra que significa flor em japonês.

O projeto incluí um pavilhão para práticas de yoga e uma estufa construída num local inclinado e empoleirada sobre um penhasco , com vista para a costa indonésia. Para garantir o a integração entre arquitetura e natureza, as casas têm persianas de madeira, que permitem contemplar a paisagem mesmo do lado de dentro:

Vila 3

Vila 2

Vila 1

Vila 4

Vila 7

Vila 6

Vila 5

Vila 8

Todas as fotos © kengo kuma & associates

Empresa vende insetos vivos como alimento para animais exóticos

Para a maioria das pessoas, basta ouvir ou mesmo ler a palavra “barata” para que uma sensação de asco e repúdio lhe tome conta. Pensar em entrar em contato com uma – ou, pior, de fato fazê-lo – é motivo para calafrios, náuseas, arrepios e horror. Insetos são alguns dos seres menos amados e desejados nesse mundo – e ao mesmo tempo são, com larga vantagem, os animais mais numerosos do planeta.

Safari5

Nada nessa vida é, no entanto, incontestável, e qualquer verdade absoluta para uns pode ser, para outros, o exato oposto. Se insetos costumam ser para humanos a coisa mais asquerosa do mundo, há animais que os veem como uma iguaria capaz de fazê-los salivar. E mais: há seres humanos que os veem como matéria prima para um lucrativo negócio – esses, ao invés de tentar afastá-los, criam insetos aos montes, para depois vendê-los como alimento para outros animais exóticos.

Safari3

Foi isso que reuniu os engenheiros agrícolas Eduardo Matos e João Paulo Ksouri: grilos, tenébrios, e principalmente baratas. Juntos eles fundaram a Safari, empresa que cria e comercializa insetos comestíveis para servirem como alimento de animais exóticos.

A Safari nasceu da própria necessidade de Matos, criador de dois lagartos, duas tartarugas-tigre e mais de 40 peixes, que, diante do desejo de alimenta-los não com ração (mas com a comida que buscariam caso estivessem na natureza), ele percebeu a carência de empresas que oferecessem os insetos.

Safari7

O amigo João Paulo se animou com a ideia, e eles então investiram em pesquisa e na criação, para fazer da Safari uma empresa de qualidade diferenciada. Boa parte da grana investida foi para o galpão de criação dos insetos, e para cuidar da parte legal do negócio, totalmente de acordo com as normas do Ministério da Agricultura e o IBAMA. Um terceiro sócio se reuniu aos dois amigos, e mais dois galpões foram construídos.

Safari6

Atualmente a Safari vende 50 mil insetos para mais de 30 clientes e, apesar do crescimento do mercado de animais exóticos, os sócios revelam que as dificuldade enfrentadas são quase todas conceituais – primeiro, o preconceito contra os insetos primordialmente, e depois, convencer que a atividade de venda de insetos não só não é criminosa, como não agride o meio ambiente, e são opções mais saudáveis e nutritivas para os animais.

Safari1

Safari8

Os pacotes custam entre R$ 20 e R$ 25, trazendo, por exemplo, 25 grilos ou 150 tenébrios (larvas de besouro). Os insetos produzidos e vendidos pela Safari são recomendados para a alimentação de répteis, anfíbios, peixes e pássaros, mas não somente: certos mamíferos, como macacos, furões e ratos, também salivam só de ver as baratas da Safari.

Safari2

Safari9

O planejamento par 2017 é de triplicar a venda de insetos, que Matos garante que não só suprem os nutrientes das rações vendidas em Pet Shop, como superam em fibras e vitaminas os preparados industrializados, trazendo mais energia para os animais, que se reaproximam com seus instintos e hábitos naturais. A ideia da empresa é que em breve também esteja vendendo os animais como aperitivos exóticos para seres humanos – sim, é isso mesmo: grilos, baratos e larvas como lanchinhos da tarde.

Safari10

É incontestável o sentido inovador da proposta da Safari – além de investir em um mercado ao mesmo tempo em crescimento e praticamente não explorado. Foi com essa proposta que a Safari participou do programa Shark Tank Brasil – Negociando com Tubarões, no Canal Sony. Para tentar pescar um dos tubarões-investidores (que compõem a banca responsável por escolher empresas para investirem), os insetos foram servidos como iscas, com tempero de sal e limão.

Safari4

O último episódio inédito do programa foi exibido dia 26 de janeiro, mas quem perdeu pode continuar assistindo às reprises dos episódios todas as quintas, às 21h, no Canal Sony – se você é capaz de vender até mesmo baratas, o Shark Tank Brasil é seu lugar.

Safari11

© fotos: reprodução

Como artistas usaram a criatividade para driblar a censura da ditadura militar brasileira nos anos 70

 pornochanchadas

“Hoje você é quem manda / Falou, tá falado / Não tem discussão / A minha gente hoje anda / Falando de lado / E olhando pro chão, viu / Você que inventou esse estado / E inventou de inventar / Toda a escuridão”. Quando o cantor e compositor Chico Buarque voltou para o Brasil em 1970, após passar um período exilado na Itália, ele se sentiu enganado. Enquanto que nas cartas que recebia era vendida a imagem de um país melhor, a realidade lhe trouxe o rígido governo de Emílio Médici, que escondia torturas e repressão com gols da Copa e slogans do tipo “Brasil, ame-o ou deixe-o”.

Chico decidiu escoar toda a sua angústia e frustração nos versos acima, que compõem a famosa música “Apesar de você”. Crente de que a canção seria vetada, o cantor se surpreendeu quando os censores acreditaram que os versos falavam de um simples desentendimento entre namorados e os liberaram. O compacto com as músicas “Desalento” e “Apesar” de você vendeu mais de 100 mil cópias e foi somente meses mais tarde, depois de ser publicada uma nota sobre a música em um jornal, que o governo sacou: o estado de que Chico falava era com “e” maiúsculo e a desavença era com Médici – em um interrogatório, contudo, o cantor bateu o pé ao ser questionado sobre quem era o “você” da canção. “É uma mulher muito mandona, muito autoritária”, teria dito.

julinho-adelaide3

Imagem/Reprodução

Se o primeiro período do regime militar, comandado pelo general Humberto de Alencar Castelo Branco, foi razoavelmente suportável para os artistas e também para os protestos, o bicho pegou com a vigência do Ato Institucional nº 5, em dezembro de 1968. Pode-se dizer que, a partir dessa data, a censura estava oficializada e toda peça cultural deveria ser submetida ao crivo dos censores, o que amordaçou a produção intelectual e artística do Brasil. Em uma briga estilo Davi e Golias, a censura da Ditadura Militar cortou e vetou muitas canções, livros, filmes, novelas e peças de teatro, mas foi, nos termos de hoje, trollada mais vezes do que gostaria.

Era na música que os protestos mais pungentes contra o regime estavam presentes. Na maioria das vezes, eles vinham mascarados por inversões, ironias, duplos sentidos e estratégias linguísticas que não raro passavam despercebidas pelo Departamento de Censura de Diversões Públicas (DCDP), mas nunca pelo público. Aos olhos dos censores, contudo, não era só o posicionamento contra o governo que chamava a atenção, mas também todo e qualquer termo ou situação que atentasse contra a moral e os bons costumes – o quão vago é isso?

“Tudo que era negócio de cama, corno, seio, não podia falar. Passei quatro anos dessa maneira“, conta Odair José, famoso pelas músicas bregas. Canções como “O Motel” e “A Primeira Noite” foram censuradas justamente por “ofenderem a moral e os bons costumes”. Por outro lado, a famosa “Pare de Tomar a Pílula” foi liberada e os censores só voltaram atrás quando uma campanha nacional pelo controle de natalidade foi patrocinada pelo governo.

Alguns censores incluíam nesse difuso balaio dos bons costumes o dialeto padrão. Prova disso é o compositor paulista Adoniran Barbosa, que usava em suas músicas a forma coloquial de falar, e teve várias de suas canções vetadas – até mesmo as que não eram inéditas. O motivo? Palavras como “tauba” (tábua), “revorve” (revólver), “fumo” (fomos) e “artormove” (automóvel). Razões como “pésismo gosto” ou “gosto duvidável” também eram frequentemente usadas pelo DCDP para sustentar censuras.

adoniran-barbosa

Imagem/Reprodução

Quando Chico Buarque tapeou a censura com “Apesar de você”, ele despertou a ira dos censores, que passaram a vetar, sem mais nem menos, toda e qualquer canção cuja autoria era de Chico. Mas se eles achavam que dessa forma iriam barrar o cantor, estavam muito enganados. Em uma jogada pra lá de esperta, Chico usou um pseudônimo para driblar a implacável censura: Julinho da Adelaide. Foi assim que ele lançou o LP “Sinal Fechado” em 1974 e várias canções que se valiam de metáforas e dos artifícios já mencionados para se referir ao regime e lançar provocações. Uma delas foi “Jorge Maravilha”, cujo verso “Você não gosta de mim mas sua filha gosta” chegou a ser interpretado como pirraça ao então presidente Geisel, já que sua filha teria admitido gostar das músicas de Chico. Julinho chamou tanta atenção que Chico chegou a dar entrevista para o jornal Última Hora incorporando o personagem – vale a pena ler aqui o depoimento do jornalista e escritor Mário Prata sobre o episódio.

julinho-adelaide

Imagem/Reprodução

Passeata pelas Diretas J·

Foto © Agência Estado

E na falta de verso, o silêncio também poderia ser visto como ameaça. É o caso do álbum instrumental “Casa Forte”, lançado pelo compositor Edu Lobo, em 1971. Segundo o DCDP, se não há palavras, qualquer interpretação é possível e as faixas poderiam ser usadas como propaganda anti-regime. É mole? Bom, se o poeta Ferreira Gullar foi acusado de manter relações com Cuba após a polícia apreender em sua casa um livro com o título “Do Cubismo à Arte Neoconcreta”… Como bem pontua o jornalista e escritor Carlos Heitor Cony. “A gente contava com dois fatores, um a favor e outro contra. O a favor era o seguinte: os censores eram muito burros, então não percebiam certas nuances. Por sua vez, por serem muito burros, muitas vezes cismavam com coisas que não tinham nada demais e proibiam uma peça ou uma música”.

Se as canções traziam versos sagazes (ou possíveis silêncios) contra a ditadura, as capas traziam nudez e um bocado de deboche. No disco “Índia”, em 1973, Gal Costa aparecia de tanga, em close, e na contra capa posava com os seios à mostra. Vetada, a arte do disco só foi liberada recentemente. Já no álbum Jóia, de 1975, em que Caetano Veloso aparecia nu com sua mulher e seu filho, com pombas cobrindo a genitália, a censura só liberou as pombas.

gal-costa-ditadura

Imagem/Reprodução

caetano-veloso

Imagem/Reprodução

O caso mais pitoresco, no entanto, fica por conta da capa do disco Todos os Olhos, de Tom Zé. Para provocar o regime, o poeta Décio Pignatari deu ao músico a ideia de fotografar um ânus com uma bola de gude no centro, como se fosse um olho. Um assistente da agência de publicidade em que o poeta era sócio chegou a tentar algumas fotos com uma namorada. Sem sucesso: a bolinha não ficava parada. Uma nova tentativa foi feita com uma prostituta, mas novamente o resultado não ficou bacana. O jeito foi colocar a bolinha de gude (outra, esperamos) na boca da moça, que maquiou e contraiu levemente os lábios. O mais curioso é que o próprio Tom Zé acreditou por muito tempo que se tratava de um ânus na capa do disco. Os censores? Nem questionaram.

Nas apresentações do Secos & Molhados, de Ney Matogrosso, o problema não era a música, mas o visual andrógino e transgressor: tecidos coloridos, brilhantes, tules e uma certa nudez preocupavam os censores, que só liberavam as transmissões de shows se os corpos dos cantores não fossem mostrados, deixando apenas os rostos em close. Por ter se tornado o veículo de comunicação com maior audiência, a televisão ganhou certa prioridade da censura, que não media esforços para reformar e até vetar novelas e filmes. Populares, as novelas tinham o roteiro verificado pelos censores antes de ser rodada e, depois disso, os capítulos eram novamente analisados. Cortes de cena, mudanças no sentido original da trama e deturpação de personagens eram comuns, mas as emissoras faziam o possível para que o público não percebesse as mudanças.

secos-molhados-ditadura

secos-molhados-ditadura3

Fotos via Jornal GGN

“Selva de Pedra” teve seu enredo modificado quando já estava em exibição, em 1972. A primeira versão de “Roque Santeiro”, de Dias Gomes, foi proibida, bem como “Pedreira das Almas”, de Jorge Andrade. Pixote, de Hector Babenco, rodada em 1980, só foi liberada cinco anos depois e com diversas cenas tesouradas. A implicância dos censores era bastante arbitrária. Prova disso foi uma discussão que houve sobre a palavra “cocô”, dita na novela “Escalada”, de Lauro César Muniz, em 1975.

As birras da censura atingiram o nível surreal diversas vezes, uma delas quando o então Ministro da Justiça Armando Falcão, do governo Geisel, proibiu que o ballet “O Lago dos Cisnes” fosse exibido na TV, pois seria performado pela companhia Bolshoi, que é russa – vale lembrar: a Guerra Fria dividia o mundo nesse período e o Brasil andava na panelinha dos EUA. Enquanto se importava com isso, a censura deixava passar novelas como “O Grito”, em 1975, de Mário Gomes, que contava a história de uma criança que gritava toda noite – uma metáfora sobre o silêncio e a censura.

“[Os censores] não tratavam a arte como forma de revolução. Mas os laudos da censura eram, muitas vezes, justificativas para vetos que já estavam definidos para determinados autores, atores e temas. A censura, antes de tudo, é uma relação de poder entre pessoas e não do censor quanto ao texto. O texto é só um pretexto. O Estado precisava achar algo para demonstrar que tinha poder. Então, nem sempre faz sentido porque não é o que importa. É a relação de poder, o medo da repressão e do prejuízo econômico”, explicou Cristina Costa, diretora do Observatório de Comunicação, Liberdade de Expressão e Censura da USP, em entrevista ao UOL.

Nos cinemas, Terra em Transe, filme de Glauber Rocha foi proibido no Brasil, em 1967. O teor da película foi considerado irreverente e subversivo e frases como “a praça é do povo e o céu é do condor” foram tidas como ameaças ao regime vigente. Pouco depois, entretanto, os censores mudaram de ideia e decidiram liberar o título. “Eles achavam que poderiam permitir a exibição de certos filmes porque eram incompreensíveis para o povo brasileiro, em um claro menosprezo pelo povo e pelos cinéfilos”, afirmou Fabiano Canosa, produtor cultural responsável pela programação do Cine Paissandu, no Rio de Janeiro (RJ), símbolo de resistência da época.

Para José Mojica Marins, o Zé do Caixão, a censura foi ainda pior, já que seu filme “À Meia Noite Encarnarei em teu Cadáver” não só foi proibido como a analista de censura deu uma justificativa no mínimo agressiva: “se não fugisse à minha alçada, seria o caso de sugerir a prisão do produtor pelo assassinato à Sétima Arte, pois não foi outra coisa que ele realizou ao rodar o presente filme“, teria escrito. Tempos depois, caso semelhante se deu no filme “Ritual dos Sádicos”, em que o censor avaliou que era necessário evitar “que se levasse algo indesejável e asqueroso ao público”.

Em 1969, o filme “Macunaíma“, baseado no livro de Mário de Andrade e dirigido por Joaquim Pedro de Andrade, teve uma cena cortada: o censor identificou na roupa de uma das personagens o símbolo da Aliança para o Progresso, organização à qual o regime era contra. E nem mesmo Stanley Kubrick passou incólume pelas garras da censura: Laranja Mecânica, lançado em 1971, só saiu no Brasil em 1978. E com um brinde da ditadura: nas cenas de nudez e sexo, bolinhas pretas cobriam as genitálias e os seios dos atores.

laranja-mecanica2

laranja-mecanica

Imagem/Reprodução

Assinando um certificado de falso moralismo, enquanto escondia mamilos nas cenas de Kubrick, a ditadura se esbaldava em um dos gêneros que mais faziam sucesso por aqui: a pornochanchada. O gênero, gravado principalmente em São Paulo (SP), em uma região do centro conhecida como Boca do Lixo, consistia em uma mistura de comédia e erotismo que não demorou para conquistar o público. Julgado como alienante por muitos intelectuais e participantes do movimento contrário ao regime, esses filmes tinham uma influência da revolução sexual, mas perpetuavam conceitos conservadores, como o machismo, o racismo e a homofobia. Algumas pornochanchadas foram baseadas nos livros de Cassandra Rios, a autora que mais foi censurada na ditadura e que usava desse título para alavancar as vendas – “Um novo sucesso da autora mais proibida na Brasil“, lê-se em uma das capas.

pornochanchadas

Imagens/Reprodução

Muitos diretores de pornochanchadas adotavam estratégias curiosas para proteger suas obras da censura: inseriam cenas de nudez e sexo muito mais explícitas do que gostariam. Assim, os censores costumavam cortar essas cenas, liberando as mais contidas que, na verdade, eram as que o diretor queria. Ao analisar filmes do gênero, muito mais do que procurar ameaças ao regime, era a moral e os bons costumes que estavam em jogo. Mas nessa missão, talvez esses profissionais se vissem em um confronto entre liberdade e a repressão e entre desejos e proibições.

Mais do que trazer filmes e séries incríveis para telinha, há 10 anos a HBO tem se preocupado em criar produções originais no Brasil. Este ano, o canal traz mais uma série nacional que promete encantar o público brasileiro, a Magnífica 70.

Na história, Vicente é um dos vários funcionários que trabalham na censura federal. Todos os dias ele assiste a filmes, entre eles, diversas pornochanchadas. É num desses títulos que ele se apaixona por Dora Dumar, uma garota que se aproxima da produtora Magnífica com o objetivo de cometer um golpe, mas se apaixona pela possibilidade de se tornar atriz e passa atuar nos filmes produzidos na Boca do Lixo. Mas como um respeitado censor federal cai de amores por uma atriz de filmes eróticos? Paixões e embates morais rendem uma grande história de amor e sonhos.

A série Magnífica 70 estreou no dia 24 de maio só na HBO e vai ao ar sempre aos domingos, às 21h. O primeiro episódio da série ficará disponível gratuitamente, por 30 dias, no YouTube, HBO GO e HBOMAX.TV.

Gêmeas nascem com cores de pele diferentes e é impossível não amar essa raridade genética

Pais orgulhosos sempre publicam fotos de seus rebentos na internet e é raro alguém conseguir resistir às fofuras que aparecem na timeline. Thomas Dean e Whitney Meyer são pais de primeira viagem e também não adoram exibir fotos de suas meninas, as gêmeas Kalani e Jarani.

Apesar de gêmeas, as meninas não são idênticas e possuem uma característica que não passa despercebida pelas pessoas: as pequenas possuem cores de pele diferentes, uma é caucasiana e a outra é negra.

16142994_10155755161109418_7127538982918332939_n

Kalani e Jarani são gêmeas fraternas: resultado da fertilização de dois óvulos por dois espermatozoides. Gêmeos assim partilham até 50% da informação genética, podem ou não ser do mesmo sexo e ter ou não o mesmo fator sanguíneo. No caso das garotas, elas também não possuem a mesma cor da pele.

A mãe orgulhosa tem compartilhado várias fotos de suas garotinhas em Facebook na esperança de educar a Internet sobre esta bela raridade genética.

14900438_10155439557784418_4725317433372212044_n

Há apenas 1 chance em 500 de que gêmeos fraternos de um casal inter-racial nasçam com cores de pele diferentes.

Thumb27

Segundo os papais, elas compartilham a data de aniversário, mas estão desenvolvendo personalidades e hábitos únicos. Enquanto Kalani é dinâmica e já está engatinhando, Jarani está mais focada em comer e ainda não tem interesse em engatinhar.

Todas as imagens: Reprodução

Ela finalmente fez um álbum de casamento com seu grande amor: uma fatia de pizza

Marcy Ortiz, fotógrafa norte-americana, estava de bobeira pelo seu feed do Facebook quando viu a foto de uma antiga cliente vestida de noiva. Até aí, nada de diferente. Foi quando Marcy leu a legenda que veio a surpresa: “Vou me casar, mas é com uma pizza. Me desculpem meninos, mas sou uma mulher comprometida”.

A fotógrafa achou a situação inusitada, e imediatamente teve a ideia de propor um divertido ensaio de noivos a Christine, a garota da foto. “Isto é impressionante! Nós devemos fazer fotos suas nesse vestido pronta para se casar com uma pizza!”, disse.

Foram dias planejando o casamento dos sonhos, onde várias ideias surgiram. Como a do noivo (vulgo, pizza), usar uma gravata borboleta, por exemplo. “Nós queríamos ter rosas feitas de bacon, mas como a mãe da noiva estava um pouco preocupada com o vestido, decidimos ficar com apenas alguns adereços básicos”, contou Marcy.

O resultado é maravilhoso! Confira abaixo:

ChristineLovesPizza_FearlessFreeSeniors_01152017-58_collage-5886b1ac0bac7__880

ChristineLovesPizza_FearlessFreeSeniors_01152017-59_collage-5886b1a74be30__880

ChristineLovesPizza_FearlessFreeSeniors_01152017-66_collage-5886b1a3345cb__880

ChristineLovesPizza_FearlessFreeSeniors_01152017-44_collage-5886b1b47e912__880

ChristineLovesPizza_FearlessFreeSeniors_01152017-103_collage-5886b1973869f__880

ChristineLovesPizza_FearlessFreeSeniors_01152017-112_collage-5886b1933f499__880

ChristineLovesPizza_FearlessFreeSeniors_01152017-124_collage-5886b18f2c70f__880

ChristineLovesPizza_FearlessFreeSeniors_01152017-133_collage-5886b18b48829__880

ChristineLovesPizza_FearlessFreeSeniors_01152017-150_collage-5886b17f1c816__880

When-you-want-to-marry-pizza-5886b38104de1__880

When-you-want-to-marry-pizza-588723f215a16__880

When-you-want-to-marry-pizza-588723f575608__880

Todas as fotos © Marcy Ortiz

Antes das selfies: 10 autorretratos curiosos de celebridades feitos em cabines fotográficas

Antes de existir a selfie, as selfies já existiam. Podia não ser com uma câmera digital portátil dentro de um telefone igualmente portátil, presa a um pauzinho ou com o braço esticado, mas a verdade é que autorretratos existem desde que o homem primeiro empunhou um pincel.

Ok, não era possível visualizar e compartilhar instantaneamente as imagens, mas havia uma maneira bem charmosa (e praticamente instantânea) de tirar uma foto de si, e que até pouco tempo atrás eram bastante populares inclusive no Brasil: as cabines automáticas de fotografia, que hoje servem somente para oferecer souvenirs em festas e eventos, abarrotando pessoas e suas caretas dentro da cabine.

Um dia, porém, essas cabines fotográficas já foram uma excitante novidade. Tecnicamente, é uma foto de si, que você próprio podia realizar, e que oferecia o resultado instante depois – e uma coleção de grandes nomes do século XX passou por elas, registrando a própria face para a posteridade. Não são tão ágeis ou perfeitas como as fotos de hoje, mas são definitivamente muito mais charmosas.

Miles Davis aos 9 anos

Elvis Presley

Robert Johnson

Luis Buñuel

Marylin Monroe

Marguerite Duras

René Magritte

André Breton

Mel Ferrer, Audrey Hepburn e Truman Capote

Yves Tanguy

© fotos: reprodução

Os melhores parques de São Paulo para uma caminhada matinal

Sem preguiça! Você sabia que a prática de exercícios pela manhã estimula a circulação, o que te deixa com mais energia durante todo o dia? A caminhada é o segundo esporte mais praticado no país, e São Paulo está cheia de parques convidativos para uma volta.

Além do benefício físico do esporte, a cabeça também agradece: se exercitar de manhã, especialmente se for ao ar livre, deixa a mente mais arejada e ajuda a evitar o estresse. Você já deve conhecer o Ibirapuera e o Villa Lobos, não é? Que tal experimentar um parque diferente?

Parque da Água Branca

agua branca

Localizado na zona oeste, com entrada principal na Av. Francisco Matarazzo, o Parque da Água Branca pode te fazer esquecer que está em São Paulo por alguns momentos: ao longo da caminhada você pode encontrar galinhas, patos, pavões e outros bichos que vivem soltos por lá. Tanques abrigam carpas e tartarugas, e às vezes dá até para ver saguis nas árvores!

Parque do Carmo

carmo

Lagos, arquitetura colonial, cafezal e cerejeiras impressionantes: tem tudo isso no Parque do Carmo, em Itaquera, zona leste da capital.  O bosque tem mais de 6 mil árvores, incluindo eucaliptos remanescentes da mata-atlântica. Além disso, 135 espécies de animais vivem por ali, incluindo 118 aves diferentes.

Parque Burle Marx

burle marx

Inaugurado há relativamente pouco tempo, em 1995, há quem diga que esse é o parque mais bem cuidado de São Paulo. Fica no Panamby, zona sul da capital, e parte do projeto foi feita pelo famoso arquiteto que batiza o lugar. Relaxe a mente caminhando entre os jardins criados por Burle Marx e esqueça que está na cidade ao explorar três trilhas do parque.

Parque Anhanguera

anhanguera

Esse é considerado o maior parque municipal de São Paulo, com mais de 9 milhões de metros quadrados. Na sua caminhada, porém, você terá que se contentar “apenas” com os 400 mil m² abertos para visitação: o resto do espaço é restrito para preservação do ecossistema e diversidade biológica. Fica na zona norte, perto do Pico do Jaraguá, e as trilhas permitem apreciar a mata atlântica como em poucos outros lugares.

Jardim da Luz

Parque_Jardim_da_Luz_09

O mais antigo parque público do município foi criado em 1825, originalmente como Horto Botânico. Fica no centro da cidade, em frente à Estação da Luz, e abriga animais como os bichos-preguiça e várias espécies de beija-flores. No centro do parque há um belo lago em formato de cruz de malta, decorado com oito esculturas que representam as estações do ano.

Artista cria tatuagens de uma linha só para mostrar a beleza das coisas simples

Para o tatuador Mo Ganji uma linha parece ser o suficiente para criar desenhos simples e elegantes. Nascido no Irã, o artista vive em Berlim, na Alemanha, e conta: “criar algo simples é muito mais desafiador para mim do que criar algo complexo”.

Com apenas um traço contínuo, Mo Ganji compõe impactantes tatuagens. Seu estilo singular é resultado de muita reflexão sobre nossa jornada nesta vida; ele acredita que é mais fácil “adicionar e adicionar” do que usar ferramentas limitadas para criar algo básico. O artista trabalhava como gerente no mercado da moda em produção de larga escala para empresas globais antes de se tornar tatuador. “Minha carreira anterior foi baseada em valores nos quais eu não acreditava”.

“Quando se trata da vida, eu aprecio as coisas simples”. Aprecie você também as tatuagens desse artista que busca transparecer seus valores na pele.

tatuagem1

tatuagem2

tatuagem4

tatuagem5

tatuagem7

tatuagem8

tatuagem9

tatuagem10

tatuagem11

tatuagem12

tatuagem13

tatuagem14

tatuagem15

tatuagem16

tatuagem17

tatuagem18

Para saber mais sobre Mo Ganji, não deixe de ler esta entrevista com ele.

Todas as imagens © Mo Ganji

Brasileiros criam projeto fotográfico divertido que discute os limites entre ficção e realidade

Você já imaginou como seria a rotina dos super-heróis e personagens fictícios fora das obras da qual fazem parte? O divertido projeto fotográfico brasileiro The Fantastic Reality traz à tona os limites entre ficção e realidade colocando figurinhas conhecidas do mundo pop em situações cotidianas nem um pouco românticas ou fantasiosas. 

A ideia partiu das fotógrafas Maristela Acquaviva e Renata Mello, e do publicitário Nicholas Acquaviva Galvez, que criaram 30 imagens mostrando personagens como a Branca de Neve, a Mulher Maravilha, o The Flash e até o malígno Darth Vader em suas rotinas que fogem um tanto do imaginário lúdico infantil. Afinal, a realidade não é assim tão fantástica e certamente é um tanto sarcástica.

O olhar do projeto nos leva a um cenário bem distante dos livros e roteiros, e mais próximos da nossa própria realidade. O Coringa, por exemplo, ganha a vida como palhaço num circo, enquanto o apressado The Flash espera um busão na caótica São Paulo. Para a série de fotografias foram convidados atores, blogueiros, apresentadores, cantores, cosplayers e jornalistas, que deram vida aos personagens.

O trabalho foi transformado em exposição e num livro homônimo que terá parte da venda destinada à ONG Super Heróis da Alegria que trabalha com humanização em hospitais através de personagens da ficção, conhecidos no mudo geek como cosplayers. Confira algumas fotos abaixo:

the-fantastic-reality10

the-fantastic-reality7

the-fantastic-reality9

the-fantastic-reality8

the-fantastic-reality6

the-fantastic-reality5

the-fantastic-reality4

the-fantastic-reality3

the-fantastic-reality2

the-fantastic-reality

Todas as fotos © Maristela Acquaviva e Renata Mello