Beleza incomparável do cabelo crespo de meninas negras ganha retratos de época


Ser negra e ser mulher é um desafio duplo. Além de raramente se verem retratadas na mídia (ou talvez justamente por causa disso), estas mulheres acabam enfrentando com frequência problemas de autoestima – no Blogueiras Negras tem um texto maravilhoso da Luara Vieira sobre o assunto.

Para bater de frente com essa realidade e empoderar meninas negras, o duo de fotógrafos do Creative Soul criou uma série de retratos inspiradores que exaltam a beleza dos cabelos crespos. O projeto ganhou o nome de Afro Art e mostra toda a versatilidade dos cabelos crespos.

Por trás da iniciativa estão Regis e Kahran, um casal de fotógrafos de Atlanta (EUA) que entende a importância da representatividade. Os dois viajaram por diversos estados do país para fotografar cabelos com um estilo próprio. Cada ensaio teve uma temática diferente (dos estilos barroco ao punk, você vai encontrar de tudo nas fotos da série).

Tentamos combater os estereótipos nas nossas fotografias mostrando uma imagem diversa de crianças que amam sua pele, os cachos naturais de seus cabelos e sua cultura. Histórias como esta são importantes para mostrar que podemos derrubar os padrões de beleza atuais“, escrevem eles na página do projeto.

Inspiração define as imagens abaixo. Vem ver!

fonte:via

Com 450 obras, mostra MASP-Tomie Ohtake exibe a linda herança cultural do povo africano

Museus e galerias são geralmente ambientados em um cubo branco. Das paredes ao público, essa é a cor que predomina nos espaços de arte. Em uma parceria, o Museu de Arte de São Paulo (MASP) e o Instituto Tomie Ohtake fazem o oposto ao reunir um enorme acervo de arte onde o povo negro é autor ou retrato exposto. Na mostra Histórias Afro-Atlânticas, que percorre cinco séculos em 450 obras de 210 artistas, questiona o lugar - literal, figurado e visceral  dos negros nas Américas. Os espaços te convidam a inverter papéis e a enxergar de uma vez por todas que ser latino é ter sangue negro fluindo nas veias.

Na exposição, os afrodescendentes são artistas que assinam as obras e/ou personagens retratados nas mesmas. Tapeçarias, esculturas, instalações e pinturas compõem a enorme coleção. O conjunto apresentado é, em sua maioria, oriundo de coleções diversas, particulares e mais de 40 museus internacionais, como o Metropolitan Museum de Nova York, Museo Nacional de Bellas Artes de Havana (que recomendo muito!) e a National Gallery da Jamaica. Dividida por núcleos, a mostra passa por Mapas e Margens, Cotidianos, Ritos e Ritmos, Retratos, Modernismos Afro-atlânticos e Rotas e Transes: Áfricas, Jamaica e Bahia. No Tomie Ohtake, entram ainda Emancipações e Resistências e Ativismos.

A artista Loïs Mailou Jones pega referências egípcias para compor Egyptian Heritage (Legado Egípcio), uma tela forte que coloca Cleópatra e outras duas mulheres negras na posição central, sendo que uma delas pode ser a própria artista, que olha diretamente para o espectador. É também uma maneira de lembrar que os povos egípcios foram igualmente embranqueados por livros, filmes e demais representações.

Todas as fotos por © Brunella Nunes/fonte:via