Professora de 92 tem melhora de saúde após ensinar cuidadora a ler e escrever




Educação é mesmo a chave de tudo. Sabe o papo de que aprender e ensinar salva vidas? Pergunta para a professora aposentada Dona Ione. Aos 92 anos, a antiga dona do colégio Instituto Nóbrega, em Fortaleza, teve melhora expressiva de saúde ao auxiliar cuidadora a ler e escrever.

Ione dá aulas para Maria na própria casa. A senhora disse ter ganho novo ânimo diante dos progressos vivenciados nos encontros. “Há poucos dias estava doente e disse que quase foi para o buraco”, declarou a neta Manuela ao Só Notícia Boa.

Isso aqui é amor ao ensino. E amor em aprender. Viva!

A cuidadora Maria tem 35 anos e três filhos. Ela está com Dona Ione há pouco mais de um mês e não sabia nem ler e escrever.

“Quando a vovó soube disso, tratou logo de perguntar se ela queria aprender. Com a resposta afirmativa, vovó começou a ensinar”, relatou Manuela Praxedes, advogada de 32 anos.

A professora aposentada teve melhora na saúde

Todo mundo saiu ganhando. Maria teve o direito de qualquer ser humano: de se expressar. E Dona Ione, aos 92 anos, “parece até mais nova”, conta a Manu.

“Ganha a Maria com conhecimento, ganha a vovó com rejuvenescimento e ganhamos nós que podemos presenciar uma cena tão linda e edificante”, celebrou a advogada.

Fotos: Reprodução/fonte:via

Estudante tatua bilhete escrito pela avó que está aprendendo a ler e escrever

Aprender a ler e escrever é uma mudança tão radical e importante que se torna-se uma marca indelével na vida de tal pessoa – feito uma tatuagem. Alfabetizar-se é um processo tão transformador quanto emocionante, especialmente quando se tratam de adultos que decidem enfim aprender a ler e escrever. Se somarmos a isso o amor entre uma avó e sua neta, chegamos enfim à história da estudante Marcella Martins e de sua avó, Gelsa Martins, que aos 73 anos pôde enfim escrever à Marcella seu primeiro bilhete, que a jovem decidiu tatuar em seu braço.

Segundo Marcella, desde muito cedo sua avó teve de trabalhar para ajudar em casa e, por isso, jamais aprender a ler. Munida dessa nova ferramenta, Dona Gelsa escreveu à neta um bilhete simples porém comovente: “Minha neta, eu te amo muito. Vó Gelsa”. Orgulhosa da avó e comovida com o gesto de amor, Marcella decidiu tatuar a caligrafia e a mensagem em seu braço, e postou uma foto da tatuagem em seu Twitter. A foto naturalmente viralizou.

Todo o relato trazido pela estudante na postagem é emocionante, contando um pouco da história da avó e dos percalços de sua vida, que não a impediram de se tornar “uma ótima pessoa que sempre ajudou as pessoas, sem querer ou pedir nada em troca”. Segundo Marcella, quando “Vó Gelsa” soube da repercussão, ela não só se emocionou como “mandou agradecer todos você e desejou muita saúde”.

© fotos: reprodução/fonte:via