Ele passou os últimos dois anos viajando pela China para reunir pessoas desabrigadas e suas famílias


 

O chinês Cai Yanqiu passou por uma situação que transformou sua vida quando tinha 30 anos de idade: pouco depois de montar sua barraquinha de vendas na cidade de Zhanjiang, ele viu um homem em situação de rua caminhando descalço pelo local.

A cena trouxe uma lembrança da infância: em 1994, o irmão de Cai, que sofria de epilepsia, sumiu de casa e só foi encontrado três dias depois, em péssimo estado de saúde, e acabou morrendo junto da família.

Cai lembrou da mãe, que passou dias de cama chorando pela perda do filho, e derrubou algumas lágrimas ao pensar em quantas famílias passavam por situações parecidas. E decidiu que não podia ficar sem fazer nada.

O momento de mudança aconteceu em 2016, e desde então Cai vem viajando pela China para ajudar desabrigados. Ele comprou uma van usada, a abasteceu com colchonetes e produtos de higiene, além de uma bicicleta dobrável e um pouco de comida, e deixou a própria família para trás para ajudar outras.

Cai já dirigiu por mais de 90 mil quilômetros e conseguiu reunir mais de 50 pessoas e suas famílias. À mídia chinesa, o homem contou que pode levar dias ou até semanas até que ele ganhe a confiança de alguém em situação de rua, e que algumas vezes ele tentou por quase um mês até desistir.

Apesar de algumas pessoas simplesmente não terem vontade de retornar para casa, Cai tenta ajuda-las de outras formas: ele carrega kits para cortar cabelos e aparar barbas, além de cozinhar refeições e fazer doações de roupas ou sapatos.

A jornada de Cai é apoiada por mais de 300 mil pessoas que seguem seus passos em redes sociais chinesas como a Huya. Ele começou fazendo vídeos ao vivo graças à sugestão de um amigo, e agora conta com doações de admiradores para que ele possa continuar com a missão.

Aliás, ele não pretende parar tão cedo: Cai garante que a família dele o apoia e que ele só pararia caso não conseguisse mais manter o próprio estilo de vida ou se chegar o dia em que ele simplesmente não encontrar ninguém vivendo em situação de rua.

 

Fotos: Reprodução/Cai Yanqiu/fonte:via

Homem em situação de rua dá seus últimos US$ 20 à moça. E ela arrecada mais de US$ 200 mil para ele

A norte-americana Kate McClure estava viajando até a Philadelphia quando a luz de reserva da gasolina do seu carro acendeu. Ela achou que conseguiria chegar até a cidade antes de o combustível acabar, mas acabou ficando na mão no meio da estrada. Foi aí que seu caminho se cruzou com o de Johnny Bobbitt Jr, um homem em situação de rua.

Ao ver a mulher sair do carro na estrada, ele percebeu que algo estava errado. “Nunca tinha ficado sem gasolina antes e meu coração saía pela boca”, relata Kate, que pretendia procurar o posto mais próximo. Johnny avisou que a região era perigosa e pediu que ela voltasse par ao veículo e trancasse as portas até ele voltar.

Homem em situação de rua dá seus últimos US$ 20 à moça. E ela arrecada mais de US$ 200 mil para ele

Algum tempo depois, ele retornou com um galão contendo o equivalente a 20 dólares em combustível. Era todo o dinheiro que ele tinha, e Kate não tinha como pagar de volta – algo que ele nem chegou a pedir. Nas semanas seguintes, ela pagou os 20 dólares, doou um casaco, luvas e um chapéu, e agora está prestes a ajudar em um recomeço.

Kate contou a história em uma campanha de arrecadação de fundos. Para ajudar o novo amigo a pagar o aluguel de um apartamento e procurar emprego, ela pretendia juntar 10 mil dólares, que bancariam também um veículo e alguns meses de despesas gerais. A história viralizou e já foram doados mais de US$200 mil!

Homem em situação de rua dá seus últimos US$ 20 à moça. E ela arrecada mais de US$ 200 mil para ele

De acordo com Kate, ela e o namorado encontraram um hotel para que Johnny durma até que eles achem um local permanente para ele, que também aproveitou um dinheiro que eles doaram para comprar lentes de contato. Ele ainda não sabe o que fazer com a quantia que vai receber, mas pretende ajudar alguns estabelecimentos da Philadelphia que o acolheram durante os dias mais difíceis na rua.

Fotos: Kate McClure/fonte;via