Operação salva 120 cachorros de serem mortos para consumo ilegal de carne

O hábito de comer carne de cachorro em alguns países asiáticos causa polêmica,desta vez, uma operação de sucesso aconteceu em Chengdu, na China. A polícia local encontrou cerca de 120 cachorros presos por comerciantes de carne ilegal dos animais. Os cães foram achados amontoados, usando coleiras e focinheiras.

Roubados, eles foram levados para centros de proteção, como o Sichuan Qiming Small Animal Protection Center, que agora busca pelas famílias originais ou pessoas interessadas em adotar os animais.

Irene Feng é diretora da Animals Asia Cat and Dog Welfare e elogiou os esforços de autoridades e da polícia para combater a prática ilegal. “Nós precisamos agradecer a polícia por seu trabalho excelente em capturar a gangue brutal suspeita de ter roubado os animais de companhia de suas casas amorosas. Todos os cães estão à salvo e graças a vontade das autoridades em colaborar, grupos locais agora podem trabalhar no que eles fazem de melhor – cuidar dos animais e ajudá-los a encontrar seus guardiões originais.”

Apesar da insistência no consumo de carne de cachorro, o número de organizações de bem estar animal vem crescendo na última década. Para se ter ideia, em 2006 existiam apenas 30 grupos e atualmente são mais de 200 instituições criadas para a proteção dos animais.

Ao lado de autoridades e da polícia, elas trabalham pelo desenvolvimento de políticas avançadas de guarda legal dos cachorros ameaçados.

Apesar dos esforços o comércio ilegal de carne de cachorro ainda é forte na China. A Animals Asia diz receber denúncias atestando a prática em diversas regiões do país. Ao menos 250 relatos foram repassados às autoridades responsáveis, o que salvou a vida de milhares de cachorros.

O principal obstáculo é o Yulin Dog Meat Festival, que incentiva o consumo deste tipo de carne. Cerca de 10 mil cachorros são mortos por causa do festival de 10 dias. Ou seja, o evento representa por volta de 1% do total dos cães sacrificados.

O nível de preocupação sobe ao analisar os maus-tratos sofridos pelos pets. Os cachorros são mantidos em gaiolas e, em alguns casos, cozidos vivos.

Fotos: Reprodução/fonte:via

Anúncios

Projeto dá novos e positivos usos para gaiolas apreendidas da caça ilegal

 

Você provavelmente concorda que a caça ilegal de animais deve ser combatida e que é importante libertar os animais enclausurados para prazer humano, certo? Mas já parou para pensar no que fazer com as gaiolas que (ainda bem) ficam vazias depois disso?

A questão foi levantada no Grupo de Escoteiros de Treviso, uma cidade de Santa Catarina. Foi assim que nasceu o projeto “Quem ama deixa voar”, em parceria com a Polícia Militar Ambiental do estado e com o Instituto do Meio Ambiente.

Em conjunto com o ateliê Maria Lamparina, os escoteiros pegam as gaiolas, que antes estavam abandonadas em depósitos, e as transformam em luminárias, porta-velas, floreiras, comedouros para animais, jardins suspensos ou o que mais a imaginação permitir.

As gaiolas reformadas serão expostas na praça da cidade e posteriormente distribuídas em estabelecimentos comerciais de Treviso, para que sua utilidade seja permanente.

Além do aspecto lúdico da transformação dos materiais, é uma ação de conscientização ambiental importante para as crianças e adolescentes do Grupo de Escoteiros, que, antes de colocar a mão na massa, recebem explicações sobre as origens das gaiolas apreendidas e a importância de preservar a vida silvestre.

Fotos via Maria Lamparina /fonte:via

Tartaruga ganha cadeira de rodas de Lego pra se movimentar

Em julho, uma tartaruga foi encontrada com várias fraturas no casco. Depois de ser submetidas a cirurgias, o animal selvagem ganhou uma cadeira de rodas feita de blocos de Lego.

A ideia foi do veterinário Garrett Fraess, que na falta de cadeiras de rodas produzidas especialmente para tartarugas, resolveu improvisar.

Entusiasta do Lego, o profissional de saúde conta que a cadeira permitirá que o animal ande enquanto se recupera.

Neste momento, a tartaruga está em recuperação no zoológico de Maryland, nos Estados Unidos. Sua história correu o mundo e mostra que existem sim muitas possibilidades para ajudar. A previsão é que a tartaruginha ande por aí com sua cadeira de rodas de Lego durante seis meses.

Foto: Sinclair Miller/Zoológico de Maryland/Reprodução/fonte:via

Cão com tumor cerebral ganha crânio 3D e tecnologia poderá ser usada em humanos, dizem médicos

Patches é um salsicha canadense (Foto: Michelle Oblak/University of Guelph)

Quando tinha nove anos de idade, o pequeno Patches foi diagnosticado com um tumor osteocondrossarcoma multilobular, que de tão grave chegou a esmagar parte do cérebro, além de afetar a órbita ocular do cão.

O animal da raça Daschund, o famoso salsicha, estava num beco sem saída, pois segundo os médicos a retirada do tumor seria perigosa, pois o animal não tem condições de ficar muito tempo anestesiado.

Daí que a tecnologia exerceu um grande papel no processo de recuperação do cachorro. Os médicos conseguiram desenvolver um novo procedimento que, além de garantir a rápida recuperação do cão, pode ser aplicado em seres humanos no futuro.

Patches foi diagnosticado com tumor no cérebro aos nove anos (Foto: Michelle Oblak/University of Guelph)

O crânio 3D foi criado por um engenheiro, que utilizou titânio para moldar o objeto. Para isso, veterinários da Universidade de Guelph mapearam a localização exata do tumor para aplicação da placa craniana, já que 70% do topo do crânio do animal precisava ser substituído.

O procedimento cirúrgico durou cinco horas e o cachorro permaneceu “alerta e olhando para os lados” 30 minutos depois. “Fui capaz de fazer a cirurgia antes mesmo de entrar na sala cirúrgica”, explicou em comunicado Michelle Oblak, oncologista do Colégio Veterinário de Guelph.

Molde 3D do crânio de Patches (Foto: Michelle Oblak/University of Guelph)

Para especialistas, o caso envolvendo o cachorro salsicha vai ajudar a entender a incidência de câncer em humanos. A oncologista do Colégio Veterinário Guelph acredita que a tecnologia, em um futuro próximo, poderá ser usada em seres humanos.

Patches ficou livre do câncer, mas infelizmente foi diagnosticada com uma hérnia de disco, que paralisou suas patas traseiras.

Crânio 3D de titânio que foi implantado em Patches (Foto: Michelle Oblak/University of Guelph)

Foto: Michelle Oblack/University of Guelph/reprodução/fonte:via

Cavalo pistola invade bar galopando e bota humanos pra correr

A natureza está revoltada com os seres humanos. Depois de um homem tomar uma polvada enquanto navegava em mar aberto, um cavalo fugiu de uma pista de corrida e foi parar dentro de um bar.

O caso aconteceu na França e as imagens capturadas pela câmera de segurança mostram o cavalo transtornado e galopando em meio aos clientes, que saem correndo assustados.

Distribuindo coices, o animal vai até o fundo do bar e volta. Ninguém se feriu, mas o susto foi grande. Assim que o bar é esvaziado, o cavalo sai galopando, da mesma forma que entrou.

Hypeness

E por mais incrível que pareça, o animal não quebrou nada, sequer tirou as cadeiras do lugar. Ironia ou não, o bar é especializado em apostas.

Sobre a polvada, a situação inusitada aconteceu na Nova Zelândia. Enquanto o rapaz navegava em seu caiaque, de repente, foi surpreendido com um tabefe de um polvo. O animal tinha acaba do ser capturado pela foca.

Foto: Reprodução/fonte:via

Golfinho abandonado em aquário fechado há meses gera mobilização na internet

O Inubosaki Marine Park Aquarium, em Choshi, no Japão, fechou as portas em janeiro deste ano devido ao declínio no número de visitantes.

Entretanto, o ativista Sachiko Azuma descobriu que, um mês após o fechamento do aquário, os animais ainda continuavam no local. A partir dessa informação, ele buscou conhecer mais da realidade do espaço e mobilizar a internet para que os animais tenhm um destino digno.

O caso mais impactante é o de um golfinho chamado Honey, que permanece sozinho em uma piscina abandonada. Além dele, dezenas de pinguins-de-humboldt aguardam uma nova chance.

Imagem relacionada

Embora estejam sendo alimentados regularmente, o golfinho já apresenta sinais de estresse devido à solidão, bem como queimaduras de sol durante o verão; enquanto o local de confinamento dos pinguins está desmoronado e eles permanecem entre os detritos. Há ainda centenas de peixes e répteis dentro do antigo parque.

Sachiko denuncia o descaso com os animais desde março deste ano, tendo sido ouvido pela imprensa internacional. A PEACE, organização de defesa dos animais com a qual trabalha, incitou a comunidade a enviar cartões postais pedindo providência às autoridades locais. Estas, no entanto, alegam não ser responsáveis pelo caso, visto que o aquário era de propriedade privada.

Um vídeo feito por ativistas mostra o golfinho nadando sozinho em um parque completamente abandonado:

https://player.vimeo.com/video/291921695

Duas iniciativas online já foram criadas pedindo a soltura de Honey, mas até agora nada foi feito. Para apoiá-las, assine a petição no Change.Org ou contribua para a campanha de financiamento lançada através da plataforma GoFundMe, cujo objetivo é comprar os animais para então transferi-los a um santuário.

Fotos: Reprodução Vimeo/fonte:via

Artista misturas diferentes espécies no Photoshop e cria novos e maravilhosos animais

Misturas, transformações, adaptações e mudanças são lei na natureza, conduzindo a manutenção e sobrevivência das espécies. O estudante norueguês Arne Olav Gurvin Fredriksen se valeu de suas habilidades no Photoshop para delirar um pouco na ideia, e misturar animais criando incríveis e um tanto bizarros híbridos entre espécies. Alguns resultados chegam a confundir o cérebro de tão bem feitos.

Qual o resultado da mistura entre uma foca e um passarinho? Uma focarinho? E entre um tubarão e um cavalo, nasce um tubavalo? O que acontece quando se mistura um urso polar e uma galinha? As montagens de Arne respondem a tais insólitas perguntas – e, a essa altura, até mesmo Darwin está confuso e maravilhado diante das imagens.

© fotos: Instagram/fonte:via