Ele captou imagens fantásticas da Via Láctea nos pontos mais isolados da Finlândia

O céu muitas vezes nos traz visões tão belas que merecem ser registradas para sempre. Mas na maioria das vezes a imagem fica ruim e nós, fotógrafos amadores, precisamos nos contentas com a memória de uma bela noite estrelada. Ainda bem que há profissionais como Oscar Keserci para nos brindar com incríveis imagens.

I finlandês tem se dedicado a fotografas estrelas há quase quatro anos, viajando por horas para chegar aos pontos que permitem a visão desejada. Se antes sair por aí sozinho durante a escuridão da noite era um desfio, hoje é um de seus maiores prazeres.

Autodidata, Oscar, que nasceu na Finlândia, mas foi criado na Grécia, diz estar sempre em busca de novas ideias e técnicas para aprimorar suas fotografias. Depois das sessões, ele costuma dormir no próprio carro, em meio à imensidão e sob as estrelas.

No Instagram, Oscar também publica imagens de outras maravilhas da natureza que ele encontra rotineiramente na Finlândia.

Todas as fotos © Oscar Keserci /fonte:via

Anúncios

Sorvete hiper realista de cachorro é a atração principal deste restaurante em Taiwan

Que Taiwan é mestre dos restaurantes temáticos e inusitados a gente já sabe e já falamos sobre isso aqui e aqui. Porém, o que anda fazendo sucesso no J.C.co não é a decoração, mas um sorvete bem realista.

Um perfeito Shar-Pei – raça de cachorro oriunda da China, vem sendo cuidadosamente modelado pelos funcionários deste restaurante nos sabores chocolate, chá de leite ou amendoim e é justamente o sabor que determina a cor da pelagem.

Bizarro e nada apetitoso, não podemos negar que ele é extremamente bem acabado, tanto que vem sendo compartilhado nas redes sociais das pessoas que tem coragem de come-lo. Conta pra gente! Você teria coragem?

Fotos: reprodução J.C.co /fonte:via

Artista ilustra as doces memórias de sua infância e o resultado vai te emocionar

O artista ítalo-inglês Omario2d faz sucesso por suas ilustrações capazes de transmitir emoções e nos transportar para lugares imaginários ou guardados na memória.

Embora a infância de cada um tenha dezenas de particularidades, também há lembranças que muita gente compartilha. É difícil pensar em alguém que não se identificaria com ao menos uma das ilustrações que Omario criou inspirado em suas próprias infância e adolescência.

Se quiser acompanhar o trabalho de Omario você pode segui-lo no Instagram ou no Facebook, ou até mesmo comprar suas artes no Etsy.

Imagens: Reprodução/Omario2d /fonte:via

Yang Yang, a panda artista cujas obras estão sendo vendidas a mais de R$ 2 mil cada

Yang Yang é uma artista de origem chinesa que começou a pintar há pouco tempo, mas cujas obras já estão sendo vendidas por mais de 550 dólares (mais de R$2200). Um detalhe importante: ela é uma ursa panda. 

Yang Yang vive no zoológico de Viena, na Áustria, e aprendeu a manejar pincéis de bambu há pouco tempo. Ela usa tinta preta para pintar e, segundo especialistas, tem um “estilo abstrato que lembra as primeiras tentativas de crianças pequenas”. 

Cem de suas obras estão à venda através de um crowdfunding que tem como objetivo arrecadar fundos para o lançamento de um livro sobre os pandas do zoológico de Viena. Até o momento, foram vendidas 23 telas, então se você estiver com vontade de adicionar um quadro feito por uma panda à sua coleção, a hora é agora. 

Fotos: Divulgação/Zoológico de Viena/fonte:via

Fotos mostram os cenários de pinturas icônicas na vida real

Você já se pegou admirando uma grande pintura e se perguntou se ela era inspirada em um lugar real ou apenas fruto da imaginação fértil de um artista genial? 

Os espanhóis do site Cultura Inquieta passaram por esse momento de dúvida e decidiram ir atrás de informações sobre os lugares que inspiraram obras de Van Gogh, Cézanne, Monet e outros célebres pintores: 

Vincent van Gogh – O Café à Noite na Place Lamartine 

Essa obra clássica de van Gogh foi pintada após uma viagem a Arles, no sul da França. O artista enviou uma carta para sua irmã dizendo que “no terraço há pequenas figuras de pessoas bebendo, uma grande lâmpada amarela ilumina o local e os efeitos de luz sobre os paralelepípedos da rua os deixam com tons de rosa”. 

Paul Cézanne – Natureza Morta com um Cupido de Gesso 

Cézanne também encontrou inspiração no sul da França: ele nasceu e foi criado na cidade de Aix-en-Provence, onde construiu um atelier para trabalhar. 

Foi lá que ele pintou diversas obras de natureza morta, como essa. Até hoje, os turistas que passam por Aix-em-Provence costumam visitar o atelier onde o artista criava. É possível conferir móveis, materiais de pintura e acessórios utilizados por Cézanne. 

Paul Cézanne – Montagne Sainte-Victoire 

Entre 1882 e 1906, Cézanne pintou ao menos 30 telas retratando a Montanha Sainte-Victoire, que cercavam a cidade de Aix-em-Provence. Ele costumava sair do atelier, caminhar algumas centenas de metros e procurar o lugar ideal para observar a natureza e registra-la com tinta. 

Claude Monet – Os Jardins de Monet em Giverny 

Em 1883, o impressionista Claude Monetse mudou para Giverny, no norte da França, e passou a viver numa casa com jardim inspirado nos do Japão. O local inspirou dezenas de suas pinturas, e hoje virou atração turística, atraindo mais de 500 mil visitantes a cada ano. 

Pierre-Auguste Renoir – O Almoço dos Barqueiros 

 

Mais uma grande obra que transformou um cenário em ponto turístico concorrido. O Maison Fournaise é um restaurante na Ilha de Chatou, nos arredores de Paris, que foi inaugurado no século XIX e retratado por vários artistas, mas a versão de Renoir é a mais famosa.  

Edvard Munch – O Grito 

Acredita-se que a ponte sobre a qual o grito mais famoso da arte foi proferido seja a Valhallvegen Road, na colina Ekeberg, em Olso, na Noruega. O artista costumava passear nos fins de tarde e escreveu o seguinte registro em seu diário, que fez especialistas se desdobrarem para descobrir de onde ele falava: 

“Uma noite caminhava por uma trilha, com a cidade de um lado e o fiorde abaixo. Me senti cansado e doente e parei para observar o fiorde. Nesse momento, senti um grito passar pela natureza, e então pintei aquela imagem”. 

Grant Wood – American Gothic 

Grant Wood criou em 1930 uma das obras mais conhecidas do modernismo norte-americano depois de ver uma casa “muito pintável” em Eldon, Ohio. A janela neogótica foi o que mais chamou a atenção de Wood.  

Apesar de praticamente todo mundo pensar que as pessoas retratadas são o casal que vivia por ali, na verdade elas foram inseridas na cena por Wood, que se inspirou em sua irmã e seu dentista para criar as personagens. 

Imagens: Reprodução/fonte:via

O olhar aéreo e dramático do fotógrafo Tobias Hägg

Um mesmo lugar pode ter diferentes perspectivas, dependendo do ângulo ou da posição que o enxergamos e, neste sentido apenas a fotografia aérea nos permite observar uma paisagem do ponto de vista dos pássaros. Uma casa vista do chão é completamente diferente de quando vista do céu e, observar as fotografias do fotógrafo e cineasta sueco Tobias Hägg, nos faz refletir o quão pequenos somos frente a esse imenso mundão.

Em entrevista para o site Fubiz, o artista revelou que sempre foi um espírito criativo, o que o fez se interessar pelo cinema e pela fotografia, desde sua infância. Aos 14 anos já realizava curtas metragens e começava a criar efeitos visuais em seus filmes. Com o tempo outros interesses foram surgindo, como o jornalismo e a literatura e foi a união de tudo isso que ajudou a construir a sua arte.

O fascínio pelas fotos aéreas começou a surgir quando ele estreou no mundo do cinema, período em que se encantava facilmente pelas fotografias tiradas dos sets hollywoodianos. Queria fazer o mesmo, mas ainda não sabia como. A resposta surgiu quando finalmente surgiram os drones!

Com a ajuda da tecnologia, ele busca inspiração em filmes, músicas, livros e momentos do cotidiano, que os instiga a buscar a paisagem perfeita para fazer essas fotografias incríveis!

Fotos: Tobias Hägg /fonte:via

Arquitetura impossível é tema de série de colagens surrealistas de artista alemão

O designer gráfico alemão Matthias Jung passou boa parte de sua infância no laboratório de fotografia de seu pai, onde se aventurava fazendo os mais diversos recortes e colagens, sempre beirando o impossível. Como a afinidade com a arquitetura sempre existiu, em 2015 ele passou a trabalhar em sua série de edificações impossíveis e imaginárias e o resultado é tão enigmático quanto encantador.

Através de fotografias de viagens, o artista cria efeitos surrealistas com o uso do Photoshop e, ainda afirma que, “a grande vantagem de usar o programa de edição é poder voltar atrás se alguma coisa der errado”.

Com um misto de fantasia e realidade, ele se aproveita de algumas lembranças de sua infância, criando efeitos únicos, como este telhado de ovelhas: “Eu amo ovelhas. Tê-las na cobertura simboliza uma reconciliação com a natureza”.

Suas composições são definidas por ele mesmo como “pequenos poemas arquitetônicos” e suas casas flutuantes são verdadeiras metáforas, onde ele mistura sonho, realidade, paisagens e muita criatividade!

Fotos: Matthias Jung /fonte:via