Artista revela a tristeza e solidão por trás da fama das pessoas mais conhecidas do mundo

Live+Fast,+Di+Young.jpeg

Você consegue imaginar como seria sua vida se você fosse um astro mundialmente conhecido? Ser célebre a este ponto implica muito mais do que ‘apenas’ a falta de liberdade. A vida editada que estamos acostumados a ver nas redes sociais das celebridades, não é a vida como ela é, cheia de medos, frustrações e muita solidão. É exatamente isso que o artista visual Saint Hoax quis mostrar em sua série, “MonuMental”.

The+Kennedy+Dream.jpeg

Através de suas pinturas a óleo, seu objetivo é retratar a efemeridade da fama e mostrar que, na verdade, o que vemos são os personagens que as pessoas incorporam, até para conseguirem lidar com a fama, pois a essência nós nunca saberemos.

Confessions+of+a+Moonwalker.jpg

Sua arte é ácida e, ele mesmo se define como politicamente incorreto. Fred Mercury, Lady Di, Michael Jackson e até a rainha Elisabeth II fazem parte de sua série. Pegando nos pontos fracos destas pessoas, Hoax nos faz refletir sobre a fama e nossa própria humanidade, afinal, somos todos iguais! Sua série será exibida a partir da próxima semana, em uma galeria de arte, em Beirute.

The+Two+Fridas.jpg

God+Save+The+Queens.jpeg

Blond+Ambition.jpeg

Donna Trumpette.jpg

static1.squarespace-5.jpg

The Future is Genderless.jpg

Jackie Monroe.jpg

Fotos: Saint Hoax /fonte:via

Anúncios

Conheça a arte em 2 dimensões do artista que transforma tudo o que vê em desenho

Apesar do mundo estar cada vez mais tecnológico e a arte receber novos estímulos a cada segundo, não podemos esquecer que para praticamente tudo que existe, antes existiu um esboço 2D, simples e preto e branco. O artista Joshua Vides não somente valoriza este tipo simples de arte, como tem se dedicado a modificar diversos objetos em esboços em preto e branco em apenas 2 dimensões.

Ele já transformou tênis, banheiros químicos, metrôs, placas de rua e, até mesmo um carro. A ideia é, justamente trazer à vida os conceitos, não somente o produto final. Um verdadeiro enaltecimento àquela primeira ideia que surge em nossa mente, antes que ela seja moldada e adaptada diversas vezes.

https://image-cdn.hypb.st/https%3A%2F%2Fhypebeast.com%2Fimage%2F2018%2F05%2Fjoshua-vides-the-crib-00000.jpg?w=960&cbr=1&q=90&fit=max

Para se inspirar em suas criações, o artista diz que o segredo é andar com seu material o tempo inteiro, pois uma ideia pode surgir tão de repente, como ir embora. Uma maneira de valorizar nossa criatividade, que tantas vezes deixamos esquecida. Seu trabalho tem feito tanto sucesso que ele já fechou parcerias com marcas de peso, como Nike, Campbell’s e Herschel.

https://kidonthetown.com/wp-content/uploads/2018/10/REIGN-Joshua-Vides-Reailty-to-Idea-Tour.jpeg

https://i1.wp.com/nothingmag.tv/wp-content/uploads/2018/10/IMG_3037-1198x800.jpg

https://media.wonderlandmagazine.com/uploads/2018/06/JosuaVides_NicceHQ.jpeg

https://assets-jpcust.jwpsrv.com/thumbnails/57bb5bxy-720.jpg

https://i.ytimg.com/vi/Jp_lP6Ds03k/maxresdefault.jpg

https://pmcfootwearnews.files.wordpress.com/2018/01/vans-old-skool-joshua-vides.jpg?w=700&h=437&crop=1

https://i1.wp.com/mechanicaldummy.com/wp/wp-content/uploads/2019/03/https___hypebeast.com_image_2019_03_meguru-yamaguchi-joshua-vides-faust-seibu-sogo-art-fair-tokyo-2019-3-870x580.jpg

https://cdn3.blovcdn.com/bloglovin/aHR0cHMlM0ElMkYlMkZoeXBlYmVhc3QuY29tJTJGaW1hZ2UlMkYyMDE4JTJGMDglMkZqb3NodWEtdmlkZXMtdGhlLWZvcmVzdC1iYXNrZXRiYWxsLWNvdXJ0LWludGVydmlldy01LmpwZw==?checksum=22ebdace3ec85c60fb743acebb8576ea88e7f839&format=j

Fotos: Joshua Vides /fonte:via

Artista espalha provocativas esculturas urbanas feitas com manequins

A arte urbana é uma das formas de expressão mais incríveis que existem, pois além de tudo é democrática. Ninguém precisa pagar entrada para ver um grande mural de grafite, uma poesia no muro ou, qualquer outra forma de arte que esteja nas ruas de uma cidade. Neste contexto, o artista norte americano, Mark Jenkins é especialista em espalhar sua arte pelas cidades do mundo inteiro.

Com diversas instalações, em cidades como Rio de Janeiro, Barcelona, Londres e Washington, ele utiliza manequins e os posiciona em lugares estratégicos, como telhados, latas de lixo ou até mesmo sentados em algum lugar público. Uma arte completamente inesperada, que faz qualquer cidade ficar mais interessante.

Muitas vezes, ele utiliza materiais encontrados no lixo, como o plástico. Coincidentemente (ou não!) tudo começou em uma viagem ao Rio de Janeiro, quando usou os lixões da cidade maravilhosa como fonte de pesquisa e, sobretudo de material.

Sua última série, em que mistura manequins humanizados com instalações de plástico, recebeu o nome de “Glazed Paradise”. Eu não sei você, mas eu gostaria muito de cruzar com uma destas instalações de Mark em meu caminho!

Fotos: Mark Jenkins /fonte:via

Artista imagina as princesas da Disney em capas de filmes de mistério da década de 1940

Nós estamos acostumados com as princesas clássicas da Disney sendo lindas mulheres perfeitas, vivendo em castelos, andando em carruagens ou cavalos e, rodeadas de súditos. Vários artistas já trouxeram essas personagens para os dias de hoje, tentando imaginar como elas seriam se vivessem em 2018 ou, até mesmo se tivessem algum tipo de distúrbio ou deficiência. Porém, você já parou pra pensar se elas fossem personagens principais de filmes de suspense?

Foi isso que o ilustrador, Astor Alexander, baseado em São Diego – Califórnia fez ao imaginar como seriam as princesas vivendo em filmes da década de 1940, na série “Noir Princesses“. Dessa vez, as princesas não são nada certinhas e utilizam sua beleza e sensualidade para lidar com dinheiro, crime e política. Mais uma maneira criativa de falar sobre o ideal de perfeição, que tanto ronda as mulheres, sobretudo as princesas da Disney.

Fotos: Astor Alexander /fonte:via

Poderosa série de instalações mergulha na vida dos refugiados

DSC_7831 edited white (1).jpg

Já não é de hoje que o mundo vive uma grave crise humanitária, que tem forçado milhares de pessoas a se refugiarem em outros países. Se ser imigrante em condições normais já não é simples, imagina então como deve ser quando as pessoas são obrigadas a deixar casa e família, para fugir da guerra? É sobre isso que fala a série de instalações UNPACKED: Refugee Baggage, do artista e arquiteto, Mohamad Hafez, de origem síria.

DSC_7778 (1).jpg

Baseado em New Haven – Connecticut, ele vem colecionando sucata e objetos encontrados aleatoriamente para constituir paisagens e construções do Oriente Médio. Com a ajuda de Ahmed Badr – refugiado iraquiano, o objetivo é trazer um questionamento ácido, sobre as tristezas e perdas destas pessoas e todas as dificuldades causadas pelas guerras.

DSC_7788 (2).jpg

Para desenvolver sua série, Mohamad se inspirou em testemunhos em áudio de refugiados do Afeganistão, Congo, Síria, Sudão e Iraque. Uma arte que não é fácil, porém a intenção é exatamente esta, afinal, chega de guerras, não é mesmo?

DSC_7794 (2).jpg

DSC_7796 (2).jpg

DSC_7783.jpg

DSC_7811.jpg

DSC_7817 (3).jpg

DSC_7818 (2).jpg

DSC_7839.jpg

DSC_7855.jpg

Fotos: Mohamad Hafez /fonte:via

França inaugura museu a céu aberto dedicado apenas à Street Art

Street art é uma manifestação artística importantíssima, não somente no contexto de expressão de ideologias e críticas, mas também na maneira que ela incorpora a cidade, deixando-a mais bonita, colorida e engajada. Imagina a cidade de São Paulo – hoje considerada a capital mundial do grafite, sem sua arte, como seria muito mais cinza e triste?

Com o objetivo de celebrar esta forma de arte que nós amamos, um museu dedicado apenas à arte de rua, foi inaugurado no mês de julho, na França. O MAUSA Vauban Museum fica na cidadela Vauban, localizada dentro da cidade de Neuf-Brisach – na região da Alsácia e conta com mais de 2 quilômetros de galeria.

Sua inauguração foi para inaugurar os 10 anos da inscrição da cidadela como Patrimônio Mundial da UNESCO e, por enquanto, conta com 12 artistas residentes, como Seth, Mesnager, Levalet, Guy Denning e Denis Meyers.

Fotos: Guy DenningLe Parisien – Vincent Roy/France 3 Alsace /fonte:via

Vida e arte de Basquiat vão se transformar em um musical na Broadway

Apesar de muita gente torcer o nariz para musicais, temos de admitir que eles podem ser excelentes maneiras de nos mostrar mais sobre a vida de um artista, de maneira lúdica e simples. Foi pensando nisso que o músico e premiado diretor de espetáculos musicais – John Doyle, decidiu transformar a vida de Jean-Michel Basquiat em musical da Broadway.

Resultado de imagem para Vida e arte de Basquiat vão se transformar em um musical na Broadway

A vida do artista foi rápida, intensa e marcada por altos e baixos. Hoje, 30 anos após sua morte, ela ainda é forte influência para artistas, grafiteiros ou simples mortais, como nós. Quando morreu – em 1988, de overdose, ele já era uma estrela no pulsante cenário artístico de Nova York e, hoje suas obras costumam ser adquiridas por altíssimos preços em leiloes de arte pelo mundo inteiro.

https://www.geledes.org.br/wp-content/uploads/2018/02/basquiat2.jpg

Basquiat deixou 2 irmãs, que afirmam terem recebido diversas propostas para apresentar a vida de seu irmão nos palcos, mas somente a ideia de Dolye que as encantou: Ao longo dos anos, muitas pessoas nos abordaram sobre contar a história de nosso irmão no palco. Nosso interesse foi despertado quando entendemos que sua abordagem de contar a história de nosso irmão trata sua vida, sua arte e seu legado com respeito e paixão“, disseram ao site It’s Nice That.

https://i2.wp.com/ranieririzza.com.br/wp-content/uploads/2018/06/Basquiat-imagem-livro.jpgA estreia ainda não tem data para acontecer, mas uma coisa já podemos adiantar: este provavelmente será o musical mais disputado dos últimos tempos!

https://jornalorebate.com.br/images/jean_michel_basquiat.jpg

Fotos: Reprodução/fonte:via