Crânio de Luzia, fóssil mais antigo das Américas, é localizado em escombros do Museu Nacional

O estilo se transforma ao longo das épocas, e o hipster de ontem pode se transformar no careta de amanhã e voltar a ser estiloso no futuro. Muitas das marcas mais características do que hoje entendemos como algo moderno e interessante foram determinadas e disseminadas por artistas do passado – e se artistas são estilosos quase que por definição, como seriam, por exemplo, alguns dos ícones da pintura se vivessem hoje? Ou mais: como seriam se fossem os hipsters de agora? Foi essa a pergunta que o ilustrador israelense Amit Shimoni se fez, e que ele próprio respondeu através de seus desenhos.

Salvador Dali com um coque masculino e coberto de tatuagens, Van Gogh de AirPod, barba feita e camisa estampada com seu próprio trabalho, Frida Kahlo de piercing e trança e Andy Warhol… bem, Andy Warhol já era um tanto hipster em vida, e sua mudança é a menos perceptível. As incríveis ilustrações, além de serem bem-humoradas, traçam também os sinais dos tempos sobre alguns dos rostos mais famosos – e estilosos – da história.

© arte: Amit Shimoni/fonte:via

Anúncios

Projeto entre artistas e arquitetos imagina como seria a vida na lua

A vida fora do planeta Terra sempre despertou curiosidade, porém agora o questionamento é outro. Se antes, nos perguntávamos sobre a possível vida extraterrestre, agora o homem tem planos reais de visitar e, quem sabe, morar em outro planeta. Depois de Elon Musk – CEO da Tesla Motors, anunciar o primeiro voo comercial da SpaceX, muitas empresas e pessoas começaram a ‘desenhar’ a vida no espaço e, isso tem tomado proporções inimagináveis.

O projeto de turismo lunar financiado pelo bilionário japonês, Yusaku Maezawa, chamado de Dear Moon, imagina e tem real interesse em levar a vida humana para habitar na lua. E, em resposta a isso, o jornal norte americano, New York Times, conversou com importantes nomes da arquitetura e da arte, para juntos tentarem imaginar e planificar a vida na lua. As respostas são surpreendentes. Vem ver!

Daniel Libeskind – arquiteto – Nova York

Minha proposta é transformar a própria Lua em um projeto de arte: é uma esfera e quero transformá-la em um quadrado perfeito. Esse é o sonho […] Pensamos que o melhor seria pintar seções de preto, para que não refletissem mais a luz do sol. Para dar conta da curvatura, você precisa pintar quatro tampas esféricas na superfície da lua […] Eu gosto da maneira como podemos transformar a lua em uma obra de arte contemporânea.”

Ai Weiwei – artista – Berlim

A intensidade da falta de vida na Lua, a impossibilidade das espécies existentes ali, é um espelho. Isso nos faz apreciar ainda mais o precioso milagre da vida neste planeta. Então, o que eu posso colocar na lua é uma observação: minha insignificância em relação ao universo, e usar isso como um ponto de vista do planeta Terra.”

Kara Walker – artista – Nova York

Eu comecei a pensar em uma colônia lunar, sobre a qual muita gente falou seriamente ao longo dos anos. Então, o que eu faço é isto: para cada criança nascida na Terra, um macho sexista, supremacista branco, seria enviado para a lua. Eles poderiam colonizá-lo para o conteúdo de seu coração e olhar para baixo a uma distância de um quarto de milhão de milhas. É um mundo monocromático lá em cima; Provavelmente eles adorariam.”

Eu participei das comemorações do centenário de John F. Kennedy no Kennedy Center no ano passado, e pensei muito sobre seus escritos sobre o programa espacial. Ele disse as coisas mais bonitas: “Estou ansioso para uma América que não tenha medo da graça e da beleza”. Eu mantenho isso em meu coração. É tão antiético o que está acontecendo agora“.

Minha ideia seria pegar os outros sete artistas e convencê-los a não decolar para a lua, mas criar um habitat espacial aqui mesmo na Terra. Há tantos lugares que atualmente não são habitáveis: zonas de conflito, áreas que sofrem com grande pobreza e devastação ambiental […] Nós criamos um ambiente rico em oxigênio, temos plantas crescendo, e os outros artistas e eu poderíamos trabalhar e crio. Trata-se de reciclar civilizações disfuncionais como habitats habitáveis.”

Eric Fischl – pintor e escultor – Nova York

A única maneira de entender o absurdo de ter pensado que eu queria estar lá em primeiro lugar é recorrer ao humor. Acho que meu primeiro ato criativo depois de pousar na lua seria abrir o zíper de meu traje espacial e fazer xixi em um espaço sem gravidade, em um esforço fútil para marcar meu território.”

Thomas Ruff – fotógrafo – Düsseldorf

“Para mim, a coisa mais interessante sobre a lua é o lado negro: o lado que nunca vemos da Terra. Os primeiros astronautas ficaram nervosos quando passaram pela lua, porque você perde o contato de rádio até que reapareça do outro lado. Então, eu gostaria de fotografar isso e continuar fotografando quando chegamos e quando a Terra ressurgiu.

Tacita Dean – artista e cineasta – Los Angeles

Eu coleciono pedras, então se eu chegasse na lua em vez de apenas orbitar, a superfície imediatamente me excitaria: a própria rocha da lua; todos esses meteoritos, bilhões de anos. Eu gostaria de fazer um filme sobre a experiência simplesmente de estar na lua, concentrando-se nos detalhes, exatamente como era. Eu não tentaria pré-imaginar a experiência; Eu apenas observaria. Absorva o máximo que puder.”

Foto 1: Daniel Libeskind

Foto 2: Ai Weiwei

Foto 3: Kara Walker

Foto 4: Laurie Anderson

Foto 5: Hito Steyerl

Foto 6: Thomas Ruff

Foto 7: Tacita Dean /fonte:via

Milhares de fotos de Andy Warhol nunca antes vistas serão divulgadas pela primeira vez

Andy Warhol tinha uma companheira quase inseparável: sua câmera fotográfica. “Uma foto significa que eu sei onde estive a cada minuto. É por isso que eu fotografo”, dizia. Ele manteve o hábito de registrar suas atividades por pelo menos 15 anos.

Poucas das imagens registradas pelo artista são conhecidas do público, mas isso está prestes a mudar. A Fundação Andy Warhol decidiu divulgar mais de 100 mil delas, incluindo fotos que mostram a relação do norte-americano com outros artistas e celebridades, como Truman Capote, Jean-Michel Basquiat, Debbie Harry e Liza Minnelli, além de Jon Gould, namorado de Andy.

A Universidade de Stanford, que mantém um acervo de 3600 rolos com mais de 130 mil fotos, está preparando uma mostra, prevista para setembro. A Fundação também prevê o lançamento de um livro e um projeto online para divulgar as fotografias.

“É Warhol como nunca visto antes. Sua vida diária pode ser vista de um modo nunca antes possível”, disse Richard Meyer, professor de Stanford que tem acesso ao acervo. “Esses filmes não apenas oferecem novas visões sobre a vida e o trabalho de Andy, mas também sobre questões que o cercaram, motivaram e preocuparam durante sua última década”, completou.

A Fundação liberou algumas imagens para matar a curiosidade:

Jean-Michel Basquiat

Andy Warhol

Debbie Harry

Coleção de negativos

Fotos: Andy Warhol Foundation/fonte:via

Como estariam hoje artistas consagrados se ainda estivessem vivos

Algumas pessoas parecem nos deixar cedo demais e, entre elas, estão artistas consagrados, como Bob Marley, Janis Joplin e Jim Morrison.

Maas como eles estariam se continuassem vivos? É o que o Sachs Media Group imaginou em uma série de fotografias criadas em parceria com a empresa Phojoe, que trabalha com restauro e manipulação de fotos.

O resultado é um verdadeiro tributo à nostalgia. Vem ver!

Bob Marley

O rei do reggae faleceu em 1981, com 36 anos – hoje, ele teria 73.

Janis Joplin

Falecida em 1970 com apenas 27 anos, Janis Joplin seria hoje uma senhora de 75.

John Lennon

Ele tinha quatro décadas de vida quando foi assassinado, em 1980. Hoje, o beattle teria 77 anos.

Elvis Presley

Embora digam que ele não morreu, seu obituário data de 1977 – e ele estaria com 83 anos caso continuasse vivo.

Jimi Hendrix

Falecido aos 27 anos, um dos melhores guitarristas que o mundo já conheceu teria completado seu 75º aniversário caso ainda estivesse vivo.

Kurt Cobain

Outro que faleceu aos 27 anos, Kurt Cobain teria hoje 51.

Keith Moon

O baterista do The Who faleceu em 1978 e teria completado seu 71º aniversário em 2018 caso continuasse vivo.

Dennis Wilson

Membro dos Beach Boys, ele seria hoje um senhor de 74 anos.

Jim Morrison

O ídolo teria hoje 75 anos caso não houvesse falecido em 1971.

Karen Carpenter

A baterista dos The Carpenters teria 68 anos caso continuasse viva.

Fotos: Sachs Media Group /fonte:via

Não deixe seus olhos te enganarem: isso não é uma foto

Tá vendo essa foto aí em cima e essas aqui embaixo? Não são fotos. É isso mesmo. São pinturas muito, muito realistas. O artista sul-coreano Young-Sung Kim possui um talento incomum: ele consegue pintar fotografias. Isso pode parecer um exagero, mas apenas dê uma olhada no que ele pode produzir com um pincel, alguns acrílicos e muito talento e paciência.

A arte de Youn-Sung Kim é desafiadora para os olhos. É possível olhar suas pinturas incrivelmente detalhadas por horas e ainda não conseguir diferenciá-las de fotografias digitais de alta resolução. Kim é tão bom no que faz que, às vezes, ele mesmo tem problemas para separar suas pinturas hiper-realistas das fotos que as inspiraram. Uma vez, ele erroneamente enviou à imprensa o arquivo de uma foto que ele tirou, em vez da pintura que ele fez, porque elas pareciam virtualmente idênticas a olho nu.

O artista de 43 anos, que nasceu em Seul, na Coréia do Sul, mas atualmente mora em Nova York, disse recentemente que quase todas as pessoas que viram suas pinturas, em algum momento, perguntaram se ele apenas imprimia fotos na tela. Tendo problemas ele mesmo para diferenciar suas obras de arte das fotos, ele toma isso como um elogio, não um insulto.

A maioria das pinturas de Kim é de pequenos animais que interagem com objetos artificiais, e o artista admite que ele era fascinado por insetos, répteis e anfíbio desde que era uma criança. Ele conta que os mantinha em seu quarto e os pintava. Naquela época, o resultado de seu trabalho árduo não estava perto do nível de suas obras mais recentes, mas isso só o fazia querer se tornar um pintor melhor.

“Não era fácil pintar bem a sua estrutura e sua cor. Era muito mais difícil do que eu esperava. Eu prometi a mim mesmo que iria treinar na escola de arte quando crescesse e pintá-los perfeitamente”, conta o artista.

 

Infelizmente, seus pais não aprovavam sua decisão de concentrar seus estudos na arte, temendo que ele não fosse capaz de conseguir um bom trabalho. No ensino médio, a oposição deles apenas fez Kim se rebelar ainda mais, desafiando seus pais, entrando em brigas e, basicamente, desperdiçando seu tempo. Dois anos depois disso, sua família finalmente cedeu e permitiu que ele fosse atrás do seu sonho.

“Meus pais perceberam que eu não estava apenas protestando e que eu simplesmente não posso viver sem pintar”, explica Young-Sung Kim.

Kim acabou convencendo seus pais de que eles tomaram a decisão certa. Não só ele ganha a vida fazendo o que mais ama, mas ele se tornou um dos pintores hiper-realistas mais admirados do mundo, ganhando entre 10.000 e 130.000 dólares por cada obra de arte.

Além da qualidade da arte de Kim, o preço condiz também com o tempo do trabalho. Youn-Sung Kim pinta por mais de 12 horas por dia, mesmo nos fins de semana, mas, mesmo assim, ele às vezes gasta até um ano em suas obras-primas de grande escala.

“Mesmo que eu trabalhe das 9 da manhã até a meia-noite, demora um ano para terminar algumas pinturas”, conta o talentoso artista. “Como eu quero pintar da maneira mais realista possível, leva uma eternidade para completar uma peça com a qual eu esteja satisfeito”.

Apesar do impressionante realismo de suas pinturas, Young-Sung Kim nunca está completamente feliz com seu trabalho. Ele classifica suas obras de arte em uma escala de 100 pontos, e nenhuma de suas dezenas de pinturas já marcou acima de 90 pontos. Kim espera melhorar e obter o máximo possível dessa marca de 100 pontos.

“Se você ampliar uma foto para observá-la, você perceberá que não é muito realista”, diz ele. “A tecnologia avança a uma velocidade excelente e é difícil acompanhar, mas meu objetivo é superar uma TV de alta definição ou um monitor de computador”. Esse é um objetivo bastante ambicioso, mas olhando para suas incríveis obras de arte hiper-realistas, se alguém pode chegar lá, é esse cara.

Fonte:[ via ][Oddity Central]

veja grande artistas boêmios em seus inspiradores ateliês

Diga-me onde você cria que eu te direi quem és. A boemia e certa desorganização parecem ser elementos fundamentais para a maioria dos artistas se inspirarem, seja hoje seja há mais de cem anos.Olhar os ateliês de grandes artistas do passado é também passear pelas cabeças brilhantes por trás de tantas grandes obras.

Entre Monet, Picasso, Frida Kahlo, Giacometti e tantos outros parece haver certa urgência, certa hierarquia de importâncias, que faz com que um pouco de bagunça seja inevitável ao redor enquanto trabalham.

Não há, de modo geral, muito luxo nem regalias – Picasso parece não ter sequer aquecimento em seu ateliê: tudo em nome da arte, da criação, da obra, da próxima grande ideia.

O ateliê do artista francês Jules Thulot, em Paris

Claude Monet em seu estúdio em Giverny

Alphonse Mucha no estúdio parisiense onde ajudou a criar, junto de Sarah Bernhardt e outros, a art noveau

Frida Kahlo em seu ateliê no México

O pintor Gustave Boulanger em seu estúdio em Paris

Picasso, claramente com frio, em seu ateliê em Paris

Alberto Giacometti em frente ao seu ateliê em Paris

O retratista inglês John Singer Sargent, em Paris, em seu ateliê

O pintor, escultor e ceramista Louis-Robert Carrier-Belleuse em 1910 em seu ateliê

Leonor Fini, uma artista esquecida porém muito importante no meio artístico e boêmio parisiense da época

Henri de Toulouse-Lautrec com uma modelo em seu ateliê, em 1894

O escultor Auguste Rodin em seu estúdio, em Paris

Camile Claudel esculpindo em seu ateliê

Com suas naturezas e uma modelo, Henri Matisse

O estúdio de Willy Maywald em Paris

Alberto Giacometti em seu estúdio, em Paris

© fotos: reprodução/fonte:via

Neta de Bob Marley e outros artistas negros em retratos fortes e sensíveis

O fotógrafo Jack McKain nasceu e cresceu na Virgínia, nos Estados Unidos. Após estudar publicidade, ele criou uma carreira em torno da fotografia. O sucesso de seus retratos não é por acaso. Jack consegue criar imagens fortes e sensíveis ao mesmo tempo, com um resultado impactante.

Seja em cores ou em preto e branco, um dos assuntos que mais o interessa é retratar artistas negros, alguns quase desconhecidos, outros ligados a grandes celebridades, como a modelo Selah Marley, filha de Lauryn Hill e neta de Bob Marley; e a atriz e cantora Willow Smith, filha de Will Smith. Há ainda retratos poderosos de artistas como Sampha, Melo-X, Asap Ferg, Leon Bridges, entre outros.

Espia só o trabalho do cara:

 

 

Todas as fotos © Jack McKain /fonte:via