Artista cria postais inspirados na obra de Banksy que se autodestruiu

A designer gráfica Lesha Limonov – sediada na Bielorrússia, criou um divertido conjunto de cartões postais apelidado de ‘Hello From Banksy’, especialmente para o Rijksmuseum, em Amsterdã. A coleção foi inspirada na obra do artista que se autodestruiu, quando foi leiloada por mais de 1 milhão de libras, o equivalente a 5 milhões de reais.

postal banksy 1

Diversas teorias rondam o imaginário popular a respeito da identidade de Banksy. Até então, ele é tido como um homem britânico, porém algumas pessoas acreditam trata-se de um coletivo. O fato é que, ele espalha suas obras em ruas de diversas cidades pelo mundo fazendo críticas ácidas à sociedade, não gosta da mercantilização da arte e, definitivamente (isso já sabemos!), se recusa a aparecer.

postal banksy 2

Os postais possuem obras de arte retráteis, que quando movimentadas apresentam um espaço em branco para que possamos enviar uma mensagem ao remetente e, já estão sendo vendidos na loja de souvenirs do museu ou online, por 10 euros.

postal banksy 3

postal banksy 4

postal banksy 5

postal banksy 8

postal banksy 9

https://giphy.com/embed/vxM0TaIBmKNnQRCmhh

Fotos: Lesha Limonov /fonte:via

Anúncios

Banksy começa série de grafites em Paris sobre crise dos refugiados

Através de sua conta no Instagram, o mais famoso e misterioso grafiteiro do mundo confirmou serem de sua autoria dois novos trabalhos que apareceram nas ruas de Paris. Banksy postou as imagens e, na legenda de outra imagem, ainda explicou em parte a razão de ter decidido por tomar as ruas da capital francesa: “50 anos dos levantes de 1968 em Paris. O local de nascença da arte do estêncil moderna”. Como de costume, os novos grafites de Banksy tocam sem dó e com força em algumas das mais profundas chagas sociais e políticas da cidade – em especial, na questão dos imigrantes e refugiados.

Um intenso apoiador da causa imigrante, Banksy em seus novos trabalhos aponta para os paradoxos e problemas da dura política de imigração francesa. No primeiro, uma criança negra cobre com um padrão de estampa uma suástica, tendo a seus pés um saco de dormir e um ursinho. Esse trabalho foi feito próximo a um abrigo para refugiados que foi recentemente fechado. No outro, o artista realiza um pastiche de um histórico quadro de Napoleão sobre um cavalo – mas com o imperador francês coberto por uma túnica vermelha.

Um terceiro trabalho também já foi confirmado, dialogando diretamente com o tributo à Maio de 1968 – mas sempre com o olhar crítico inclemente do artista. Debaixo de uma inscrição em que se lê “1968”, o seu tradicional rato veste um laço na cabeça como o da Minnie Mouse, e usa o “8” do ano deitado como as orelhas da ratinha da Disney. Outros trabalhos que surgiram recentemente em Paris ainda estão para serem confirmados.

© fotos: Instagram/reprodução/fonte:via

Novo grafite de Banksy em Nova York transforma pessoas em escravas das metas

Recentemente o artista inglês Banksy esteve em Nova York para grafitar um muro em homenagem à artista e jornalista turca Zehra Dogan, que foi presa e condenada a quase três anos de prisão em seu país por simplesmente pintar um quadro. O mural foi realizado no East Village, em Manhattan, com as devidas autorizações legais.

Como não poderia deixar de ser, Banksy aproveitou a estadia para também trabalhar em seu estilo – sem autorização nem anúncio, grafitando um local inesperado, deixando sua marca e desaparecendo em seu célebre anonimato. Um novo grafite em Nova York já foi confirmado como sendo de Banksy, em sua conta no Instagram.

O grafite já confirmado foi feito em Coney Island, e traz um empresário – um tanto similar à silhueta de Donald Trump – “chicoteando” a população com uma daquelas setas indicadoras dos movimentos nas bolsas de valores, como que expulsando as pessoas em nome do mercado. Banksy postou uma foto do trabalho em sua conta no Instagram.

Já há um outro trabalho, porém, bastante ao estilo do artista inglês, que ainda não teve sua autoria confirmada, mostrando um homem carregando dinheiro, com a legenda: “Você saqueia, nós registramos”.

Antes disso, ainda nesse ano, o primeiro Banksy comprovado feito em Nova York mostra um rato dentro de um relógio, correndo como se estivesse em uma daquelas rodas de exercício em uma gaiola.

Esse trabalho, no entanto, já foi removido pelos donos do prédio.

Um dos mais importantes artistas da atualidade, Banksy ainda mantém sua identidade verdadeira desconhecida. Muito se especula sobre quem estaria por trás dos grafites em estêncil, e até o vocalista da banda Massive Attack, Robert Del Naja, tornou-se um dos maiores suspeitos.

 

© fotos: Banksy/Divulgação/fonte:via

Em nova arte de Banksy, anjinhos abrem fenda em muro que separa Israel de território palestino

Imagem relacionada

A segregação racial fisicamente representada pelo muro da Cisjordânia, construído pelo governo israelense e que separa Israel do território palestino em uma das regiões mais problemáticas do mundo, voltou a ser tema do conhecido artista alternativo inglês Banksy.

No novo trabalho, o artista, que possui um hotel com vista para o muro na região, colocou o clima natalino que toma todas as regiões do mundo dentro do contexto social conflituoso da Cisjordânia.

Um dos desenhos mostra dois anjos tentando abrir uma saída no muro com ferramentas.

Para este trabalho, Banksy se aproveitou de uma rara falha na construção e casou a obra com seu conceito.

Resultado de imagem para Em nova arte de Banksy, anjinhos abrem fenda em muro que separa Israel de território palestino

O outro trabalho traz a mensagem Peace on Earth (paz na Terra em tradução) escrita em uma das portas da Gruta do Leite, um dos lugares mais sagrados da Cidade Antiga de Jerusalém.

As obras foram desenvolvidas neste domingo (3) e fazem parte do projeto Alternativity.

 

Fotos: Banksy/Reprodução/fonte:[via]