O bizarro experimento sócio-sexual que reuniu pessoas casadas num barco nos anos 1970 vai virar filme

Muito antes de programas de reality show se popularizarem na televisão, o Big Brother já tinha um antecessor de peso: um experimento social realizado em um barco em alto mar. O objetivo da embarcação era responder o que fazia com que as pessoas odiassem umas às outras.

Para chegar a uma conclusão, o antropólogo mexicano Santiago Genovés reuniu 11 pessoas em um barco para velejar o Atlântico durante um período de 101 dias, em 1973. O experimento ficou conhecido como Expedição Acali e acaba de ganhar um documentário que registra sua história.

Na época, Santiago teria dito à Associated Press que não poderia fazer um experimento como esse em terra, “porque as pessoas iriam querer escapar”. O perfil dos participantes foi planejado justamente para gerar discórdia e incitar o sexo.

Foram escolhidas pessoas casadas que estivesses dispostas a deixar seus parceiros durante a experiência. O pesquisador deu preferência a participantes considerados por ele como “atrativos” e que tivessem entre 25 e 40 anos.

Outra característica importante era a formação de um grupo diverso étnica e culturalmente – havia inclusive um padre católico entre eles. Um ingrediente feminista foi usado para despertar a ira dos homens: a capitã do barco era uma mulher, a sueca Maria Björnstam, considerada a primeira mulher a ter uma licença marítima.

Embora tenha ganhado a atenção da mídia como uma “experiência sexual”, o barco foi muito mais do que isso. Santiago pretendia provocar brigas entre os participantes para entender quais são os elementos essenciais para a criação da paz. Porém, há indícios de que ele teria ido longe demais nessa empreitada…

Pensando em incitar a revolta do grupo, ele chegou a ler para todos respostas que lhe haviam sido dadas em segredo, inlcuindo coisas como “quem você gostaria de tirar do barco” ou “com quem gostaria de transar”. O pesquisador também criou um ambiente em que a privacidade fosse minimizada ao extremo: livros eram proibidos e até mesmo o ato de “ir ao banheiro” era público.

Em dado momento, os participantes chegaram a planejar em conjunto o assassinato de seu mentor – felizmente, a ideia foi deixada de lado antes de que o sangue fosse derramado.

Apesar de tudo, o diretor do documentário que narra a história da embarcação contou ao Independent que a maior parte do tempo foi vivida em paz pelos participantes. Marcus Lindeen conseguiu reunir todas as sete pessoas do grupo que ainda estavam vivas – uma tarefa exemplar, visto que a pesquisa usava pseudônimos para proteger suas identidades.

Em um cenário que recria o ambiente da embarcação, suas memórias se tornam vivas nas telas, criando um retrato fiel de como foram os dias a bordo da Expedição Acali.

Lançado em 2018, o filme ganhou o nome de The Raft e mescla memórias destas pessoas com os documentos deixados por Santiago, que faleceu durante a fase de pesquisa para o roteiro.

Espia o trailer abaixo (em inglês):

Fotos: Reprodução/The Raft/fonte:via

Esta casa vai te fazer querer morar em uma casa barco imediatamente!

casa barco 2

Se você sempre sonhou em ter uma casa incomum, ama a liberdade e a ideia de poder mudar sempre que quiser, você deveria começar a pensar seriamente em viver em uma casa barco, como esta. Grande, confortável e muito estilosa, ela rompe com a noção de que morar em um barco não nos oferece o conforto que esperamos de uma casa. Localizada no canal de Seattle – Estados Unidos, esta incrível casa flutuante possui lounge ao ar livre, banheira e até elevador!

casa barco 1

É impressionante o poder da criatividade, que transforma lugares pequenos em casas espaçosas, como por exemplo, esta ideia genial de fazer um gaveteiro na escada. Com espaços muito bem aproveitados, armários e prateleiras em praticamente em todas as paredes, espaço é o que não falta nesta casa móvel.

casa barco 2

A casa possui dois quartos e alguns segredos divertidos, como uma das camas que pode ser levantada e guardada, transformando-se em sala de jogos ou escritório. Perto do centro de Seattle, hoje ela está estacionada no canal, mas nada impede de mudá-la de lugar, afinal, esta é uma casa barco!

casa barco 3
casa barco 4
casa barco 5
casa barco 6
casa barco 7
casa barco 8
casa barco 15
casa barco 16
casa barco 17
casa barco 19


/fonte:viaFotos: Diwas Photography

O barco movido a energia solar que é também um coworking para aventureiros

O sucesso de diversos espaços de coworking se dá justamente pela iniciativa de transformar espaços de trabalho em locais mais agradáveis e humanos. E se os melhores locais de coworking trazem um pouco da natureza para nossa antiga noção de “escritório”, o mais novo projeto de local de trabalho colaborativo leva essa máxima a novos patamares: que tal trabalhar em pleno mar? É essa a proposta do Coboat, um barco oferecendo espaço não só de coworking, mas de coliving, para além de trabalhar à deriva, se aplicar em diversas atividades oferecidas pelo serviço.

Além de ser equipado com wi-fi, o Coboat oferece yoga, aulas diversas e mergulho monitorado em seu pacote. Segundo o cofundador Gerald Schömbs, o projeto é mais um “acampamento de coworking” e colaboração, e melhor: o Coboat é todo movido por energia solar. Há também um equipamento no barco que transforma a água do mar em água potável através da dessanilização. A capacidade do barco é de até 20 pessoas por vez.

O Coboat já saiu de diversos portos do mundo, como a Tailândia e as Maldivas, e em novembro percorrerá a Espanha, Sardinha e Grécia. O preço não é barato: uma semana no barco sai por cerca de 2.500 reais. A colaboração, o encontro com pessoas do mundo todo, e a experiência de trabalhar em cenários espetaculares, porém, vale ouro.

© fotos: reprodução/fonte:via

Primeiro veleiro de expedições científicas oceanográficas do Brasil está prestes a zarpar de Florianópolis

O Veleiro ECO, construído pela Universidade de Santa Catarina demorou seis anos para ser construído. Mas, finalmente, o barco está pronto para seguir em expedições científicas oceanográficas pelo Brasil.

Precursor na prática, o Veleiro vai ser lançado na quarta-feira (10), no Trapiche da Beira-Mar Norte, em Florianópolis e ficará aberta para visitação até o próximo dia 20.

Antes de encarar em alto mar, o Veleiro vai passar por uma espécie de batismo, que consiste em uma bênção religiosa e a quebra de um espumante no mastro principal. O ritual é uma oferenda aos deuses do mar. Na sequência, uma coletiva de imprensa com os responsáveis pelo projeto inédito no país.

Participam da conversa com os jornalistas o professor Orestes Alarcon, coordenador do Veleiro, Andrea Piga, engenheiro responsável pela construção do barco, e Andrea Green, gerente de operações.

A programação de zelo pelos oceanos se encerra com um estande voltado para alertar sobre a importância do combate ao lixo marinho, uma das maiores ameaças ao ecossistema na atualidade.

O evento faz parte do projeto Juntos por um Oceano Saudável, que pretende debater os dilemas da sustentabilidade marinha para despertar a conscientização sobre a importância da preservação da biodiversidade.  

O Veleiro ECO foi inteiramente desenvolvido por professores, pesquisadores e estudantes da Universidade Federal de Santa Catarina. Além de ser o primeiro em expedições científicas oceanográficas no Brasil, o ECO se caracteriza como um verdadeiro laboratório marinho.

Durante as viagens, a embarcação levará pesquisadores de áreas diversas do conhecimento científico, tecnológico, ambiental e social. O barco tem casco de alumínio soldado do quilha retrátil, permitindo a navegação com segurança em águas rasas, como mangues e águas profundas.

Fotos: reprodução/fonte:via

Este hotel-barco na China parece saído de um sonho

O rio Fuchun corre pela província chinesa de Zhejiang e reserva uma bela surpresa aos seus visitantes.

Além da paisagem natural do entorno, quem visita a região também pode aproveitar a incrível estrutura oferecida pelo Fuchun New Century Wonderland Resort.

O resort conta com cinco casas de madeira que funcionam como verdadeiros barcos – e inclusive reproduzem a estrutura das embarcações tradicionais usadas para a pesca. Dois terços da estrutura flutuam sobre a água e permitem uma completa sintonia com a natureza.

Do seu quarto, os hóspedes podem ter uma vista completa da região repleta de natureza. As cabanas foram criadas pelo Design Institute of Landscape and Architecture China Academy e são feitas de vidro e madeira, segundo o site Ignant.

O vídeo abaixo promete te transportar diretamente para esse paraíso. Vem ver!

Fotos © Aoguan Performance of Architecture/fonte:via