Aos 10 anos, este labrador se tornou pai adotivo de nove patinhos filhotes

Com 10 anos de idade, o labrador Fred mostrou que sempre é possível aprender novos truques.

Quando a equipe do Mountfitchet Castle, onde vive, encontrou nove patinhos abandonados, o cachorro logo se prontificou a adotá-los. Jeremy Goldsmith, diretor do castelo, contou ao Daily Mail que os funcionários do local sabiam que a mãe pato estava fazendo um ninho. Porém, quando os patinhos apareceram, não foi mais possível encontrá-la. A equipe acredita que o animal possa ter sido alvo de uma raposa.

Os patinhos absolutamente adoram Fred e ele agora se aposentou para cuidar dos nove bebês em casa. Eles estão ficando muito travessos e inclusive pegando carona nas suas costas e o seguindo até a água para nadar no fosso do castelo“, informa uma nota publicada no site da atração.

Mountfitchet Castle é um castelo de mota turístico localizado em Stansted, no Reino Unido. O local recria uma vila medieval e conta com diversos animais resgatados – entre eles, Fred e seus nove patinhos.

Fotos: Divulgação Mountfitchet Castle fonte:via

Anúncios

Operação salva 120 cachorros de serem mortos para consumo ilegal de carne

O hábito de comer carne de cachorro em alguns países asiáticos causa polêmica,desta vez, uma operação de sucesso aconteceu em Chengdu, na China. A polícia local encontrou cerca de 120 cachorros presos por comerciantes de carne ilegal dos animais. Os cães foram achados amontoados, usando coleiras e focinheiras.

Roubados, eles foram levados para centros de proteção, como o Sichuan Qiming Small Animal Protection Center, que agora busca pelas famílias originais ou pessoas interessadas em adotar os animais.

Irene Feng é diretora da Animals Asia Cat and Dog Welfare e elogiou os esforços de autoridades e da polícia para combater a prática ilegal. “Nós precisamos agradecer a polícia por seu trabalho excelente em capturar a gangue brutal suspeita de ter roubado os animais de companhia de suas casas amorosas. Todos os cães estão à salvo e graças a vontade das autoridades em colaborar, grupos locais agora podem trabalhar no que eles fazem de melhor – cuidar dos animais e ajudá-los a encontrar seus guardiões originais.”

Apesar da insistência no consumo de carne de cachorro, o número de organizações de bem estar animal vem crescendo na última década. Para se ter ideia, em 2006 existiam apenas 30 grupos e atualmente são mais de 200 instituições criadas para a proteção dos animais.

Ao lado de autoridades e da polícia, elas trabalham pelo desenvolvimento de políticas avançadas de guarda legal dos cachorros ameaçados.

Apesar dos esforços o comércio ilegal de carne de cachorro ainda é forte na China. A Animals Asia diz receber denúncias atestando a prática em diversas regiões do país. Ao menos 250 relatos foram repassados às autoridades responsáveis, o que salvou a vida de milhares de cachorros.

O principal obstáculo é o Yulin Dog Meat Festival, que incentiva o consumo deste tipo de carne. Cerca de 10 mil cachorros são mortos por causa do festival de 10 dias. Ou seja, o evento representa por volta de 1% do total dos cães sacrificados.

O nível de preocupação sobe ao analisar os maus-tratos sofridos pelos pets. Os cachorros são mantidos em gaiolas e, em alguns casos, cozidos vivos.

Fotos: Reprodução/fonte:via

Estas podem ser as imagens de cachorros mais antigas de que se tem notícia

Resultado de imagem para Maria Guagnin

A amizade entre humanos e cachorros é tão antiga que os pesquisadores acreditam que as duas espécies convivem desde o período Neolítico.

Recentemente, no entanto, foram encontradas o que podem ser as imagens mais antigas de nossos amigos peludos.

Resultado de imagem para Maria Guagnin

Tratam-se de pinturas rupestres gravadas em falésias localizadas no deserto da região norte de onde hoje se encontra a Arábia Saudita. Os painéis foram documentados pela arqueóloga Maria Guagnin, do Instituto Max Planck para a Ciência da História Humana na Alemanha, em conjunto com a Comissão Saudita de Turismo e Patrimônio Nacional. A descoberta foi publicada em março deste ano pelo Journal of Anthropological Archaeology.

Ao todo, foram documentados 1.400 painéis, com 6.618 representações de animais. Em alguns dos registros, os cães aparecem presos por uma espécie de coleira ligada à cintura dos humanos. De acordo com os pesquisadores, as imagens retratam os cachorros como companheiros de caça.

Resultado de imagem para Maria Guagnin

As estimativas dizem que as pinturas podem ter surgido entre o sexto e nono milênio antes da nossa era. Entretanto, as evidências de data das figuras ainda não são conclusivas. Se confirmado, estas podem ser as imagens mais antigas de cães já encontradas. Já pensou?

Resultado de imagem para Maria Guagnin

  imagens Maria Guagnin /fonte:via

Este cão achou um sósia a caminho do mercado e convenceu sua dona a adotá-lo também

De repente, você está passeando com seu cachorro e encontra um outro igualzinho a ele.

O que fazer nessa situação? 

Para Bethany Coleman, a resposta era apenas uma: adotar o sósia canino.

Foi essa a decisão da tutora quando passeava com o cãozinho Rogue.

Os dois iam apenas ao mercado e não passava pela cabeça de Bethany adotar outro cachorro, mas tudo mudou quando encontraram Beast.

Os cães parecem até gêmeos de tão parecidos. Os dois são SRDs, mistos de Cairn terrier com alguma outra raça.

Embora já convivesse com Rogue e mais dois gatos, Bethany se viu assinando os papéis de adoção de Beast. A coincidência era grande demais para que ela deixasse passsar.

Ao Bored Panda, a tutora contou que os dois demoraram um pouco para se habituar à companhia do sósia, mas tudo correu bem e hoje eles são melhores amigos. A duplinha divide até mesmo uma conta no Instagram, onde são compartilhadas suas aventuras.

As fotos dessa amizade vão deixar o seu dia mais feliz! Vem ver!

Fotos: Reprodução

Cão com tumor cerebral ganha crânio 3D e tecnologia poderá ser usada em humanos, dizem médicos

Patches é um salsicha canadense (Foto: Michelle Oblak/University of Guelph)

Quando tinha nove anos de idade, o pequeno Patches foi diagnosticado com um tumor osteocondrossarcoma multilobular, que de tão grave chegou a esmagar parte do cérebro, além de afetar a órbita ocular do cão.

O animal da raça Daschund, o famoso salsicha, estava num beco sem saída, pois segundo os médicos a retirada do tumor seria perigosa, pois o animal não tem condições de ficar muito tempo anestesiado.

Daí que a tecnologia exerceu um grande papel no processo de recuperação do cachorro. Os médicos conseguiram desenvolver um novo procedimento que, além de garantir a rápida recuperação do cão, pode ser aplicado em seres humanos no futuro.

Patches foi diagnosticado com tumor no cérebro aos nove anos (Foto: Michelle Oblak/University of Guelph)

O crânio 3D foi criado por um engenheiro, que utilizou titânio para moldar o objeto. Para isso, veterinários da Universidade de Guelph mapearam a localização exata do tumor para aplicação da placa craniana, já que 70% do topo do crânio do animal precisava ser substituído.

O procedimento cirúrgico durou cinco horas e o cachorro permaneceu “alerta e olhando para os lados” 30 minutos depois. “Fui capaz de fazer a cirurgia antes mesmo de entrar na sala cirúrgica”, explicou em comunicado Michelle Oblak, oncologista do Colégio Veterinário de Guelph.

Molde 3D do crânio de Patches (Foto: Michelle Oblak/University of Guelph)

Para especialistas, o caso envolvendo o cachorro salsicha vai ajudar a entender a incidência de câncer em humanos. A oncologista do Colégio Veterinário Guelph acredita que a tecnologia, em um futuro próximo, poderá ser usada em seres humanos.

Patches ficou livre do câncer, mas infelizmente foi diagnosticada com uma hérnia de disco, que paralisou suas patas traseiras.

Crânio 3D de titânio que foi implantado em Patches (Foto: Michelle Oblak/University of Guelph)

Foto: Michelle Oblack/University of Guelph/reprodução/fonte:via

Vídeo feito por cão com a GoPro do dono permite ver o mundo de outra perspectiva

Que cachorro não adora brincar e correr por aí?

Aposto que os tutores destes animais amariam ser uma mosquinha para ver o mundo através dos olhos dos peludos. E a família de Bonnie definitivamente conseguiu alcançar esse objetivo.

Carmen Michelle é uma das tutoras do bichano e decidiu fazer uma brincadeira: deixar o animal levar sua GoPro para um passeio.

A câmera foi posicionada apontando para o rosto de Bonnie, que deixa transparecer um olhar travesso enquanto corre com o objeto na boca.

Publicado pela primeira vez no Instagram em 2016, o vídeo conquistou a internet depois de ser compartilhado através do Reddit. O título resume bem o que os tutores do animal pensavam no momento que ofereceram a câmera para a brincadeira: essa é a única razão pela qual eles têm uma GoPro.

E tem motivo melhor do que esse?

Fotos: /fonte via Reprodução Instagram

Fotógrafo clica cães ao lado de donos para provar que a convivência os torna iguais

Tal cão, tal humano. Ok, esse não é um ditado popular famoso, mas, para o fotógrafo britânico Gerrard Gethings, bem que poderia ser. Especialista em clicar animais, ele preparou uma série divertida que mostra as semelhanças entre diferentes pessoas e seus bichinhos.

Além de publicar a série na internet, Gerrard a transformou em um divertido Jogo da Memória com 25 pares de pessoas e cães que se parecem entre si – o ensaio, com 10 imagens, é uma prévia promocional.

O item está em pré-venda, com distribuição prevista para setembro, e custa 12,49 libras – sem contar o frete para o Brasil.

Imagens via Gerrard Gethings /fonte:via