Há anos, esta loja da Ikea serve como abrigo para cães que vivem na rua dormirem

Nenhum ser vivo merece dormir sem um teto sobre sua cabeça, e para oferecer abrigo e proteção contra o frio aos cachorros de rua da cidade de Catania, uma filial italiana da IKEA já há anos abre suas portas para que os animais possam descansar e tirar uma soneca devidamente sob o conforto de quatro paredes. E a visita dos cães não acontece fora do horário comercial: são os próprios clientes quem mais postam fotos dos animais deitados entre móveis à venda na loja.

Além do abrigo, os cães recebem comida da loja e, claro, carinhos e mimos, dos funcionários e clientes dentro da IKEA. A relação com os animais é de tal forma amorosa que até um grupo de veterinários mantém os cachorros saudáveis, vacinados e remediados. No verão, o ar condicionado alivia o calor; no inverno, o calor da loja protege os bichanos do frio.

O destino dos animais de rua não é, em Catania, alterado somente pela proteção que a IKEA oferece: não é incomum que, além do amor que recebem dos clientes, alguns dos cachorros encontrem uma família e uma nova casa, através de adoções que os clientes realizam. Abrir as portas, oferecer comida e carinho, há de ser um exemplo para todo mundo.

© fotos: reprodução/fonte:via

Anúncios

Lambidas de cachorros no rosto podem causar doenças?

Resultado de imagem para Lambidas de cachorros no rosto podem causar doenças?

A ciência já provou que o amor que sentimos por nossos catíoros é exatamente o mesmo que temos pelos nossos filhos, mas será que algumas pessoas exageram ao tratá-los como verdadeiros humanos, permitindo que eles durmam em suas camas, compartilhem sua comida e lambam o seu rosto? De acordo com Manuel Sánchez Angulo – Professor de Microbiologia da Universidade Miguel Hernández de Elche, sim.

Existem outras maneiras de demonstrarmos carinho e afeição pelos nossos cães, que não seja com lambidas no rosto, já que eles não possuem consciência do que tocam com seus focinhos. Os cachorros costumam lamber o chão, outros cães e até mesmo fezes e, isso pode nos transmitir bactérias, vírus, fungos e parasitas que podem causar doenças.

Isso não quer dizer que precisamos parar de brincar com nossos animais, porém devemos manter certos padrões de higiene: “Que as lambidas nunca toquem na boca, nos olhos, no nariz ou em uma ferida”, explica Ignacio López-Goñi – autor do livro ‘Microbiota: los Microbios de tu Organismo’.

Imagem relacionada

O estudo mostra que, se o animal e o humano estiverem saudáveis, as lambidas não representam perigo à saúde, porém, é essencial que a família todas as vacinas em dia, principalmente as contra raiva e leptospirose com seus diferentes sorotipos, o parvovírus, a cinomose e a hepatite.

https://p2.trrsf.com/image/fget/cf/940/0/images.terra.com/2015/04/27/1caeslambendo.jpg

Quando chegamos em casa e somos recebidos com festa e intensa demonstração de amor (que raramente recebemos dos humanos), não resistimos, certo? Mas não custa nada deixar seu cachorro longe das fezes de outros cães e lavar as mãos e o rosto depois de uns beijinhos, não é mesmo?

Fotos: Unsplash/fonte:via

Este carteiro é sucesso na internet com selfies com seus amigos caninos

A mitologia ao redor do nobre ofício do carteiro sugere como parte de sua rotina diária ter de fugir de cães de guarda que perseguem os entregadores de correspondência feito fossem inimigos ou deliciosa iguaria canina. A origem de tal suposta rixa provavelmente vem do instinto de proteção de seu próprio território pelos animais, mas um carteiro de Guaratinguetá, no interior de São Paulo, decidiu derrubar o clichê e mostrar que sua relação com os cachorros é a mais fraterna e carinhosa possível. Para mostrar sua boa relação com os animais, Angelo Cristiano da Silva, de 32 anos, publica selfies com os cães que cruza em sua rotina de trabalho diária – e suas fotos rapidamente bombaram na internet.

Angelo possui técnicas, como aproximar-se lentamente, oferecer a mão para os animais cheirarem, conversa e cria confiança, para desenvolver a amizade com os animais. Criar amizade e depois encontrar seus amigos caninos é, segundo ele, a parte mais feliz de seu dia, e não somente com cães: alguns gatos também fazem parte das relações do carteiro.

Suas fotos são publicadas em grupos no Facebook, e compartilhadas por milhares de pessoas como provas de que o clichê sobre carteiros e os animais não passa de uma lenda furada.

Segundo o carteiro, somente uma vez ele foi atacado por um cachorro, em seu primeiro ano de trabalho, mas não passou de um arranhão, mas ele já teve de se dedicar profundamente para superar inimizades iniciais com animais. Apaixonado por cães desde a infância, Angelo também dedica parte de seu dia aos cachorros abandonados, ajudando no resgate para serem adotados.

Seu sonho é construir um abrigo para cuidar de animais – mas, enquanto tal futuro não chega, seu carinho diário já é uma grande ajuda para a felicidade dos bichanos.

© fotos: arquivo pessoal/fonte:via

Ela achou que tinha adotado um cachorro… Meses depois, descobriu que não

Na província de Shanxi, na China, Ms Wang foi a um pet shop para comprar um filhote de spitz japonês. Ela pagou 140 libras (cerca de 680 reais) pelo mascote, mas quando o pequeno completou três meses de idade, parou de consumir ração para cachorros e sua cauda começou a mudar e ficar comprida e peluda.

O animal também causava estranheza por não latir, mas as suspeitas aumentaram somente quando Wang decidiu passear em um parque com a mascote. Outros visitantes apontavam o até então suposto cachorro e foi então que ela descobriu que se tratava de uma raposa.

“Outros cachorros ficavam com medo do meu animal de estimação, então eu andava com ele em uma coleira”, contou a mulher. Com as suspeitas, ela levou o ‘cachorro’ ao Taiyuan Zoo, onde confirmaram se tratar de uma raposa e não um cão.

“É uma raposa domesticável, por causa do tamanho. Ela tem um cheiro forte que pode ficar ainda mais forte conforme ela cresce”, explicou Mr. Sun, o responsável pelo atendimento.

Quando descobriu que o animal se trata de uma raposa-do-ártico, Wang decidiu doá-la ao zoológico onde ela poderá visitá-lo sempre que tiver saudades.

Imagens: Reprodução/fonte:via

Série fotográfica prova que animais com deficiência também são o máximo

Foi o grande físico britânico Stephen Hawking quem decretou: nada no universo é perfeito, e não fosse pela imperfeição, nenhum de nós estaria aqui. Tal máxima vale não só para o universo como também para a Terra, o ser humano e os animais em geral. Foi para a celebrar essa maravilhosa imperfeição que nos constitui que o fotógrafo de animais australiano Alex Cearns decidiu retratar os mais singulares, charmosos, únicos e imperfeitos cachorros.

“Um dos meus mais apaixonados objetivos como fotógrafo de animais é capturar as adoráveis sutilezas que tornam todas as criaturas preciosas e únicas”, afirma Alex. “Eu amo cada animal, mas esses possuem um lugar especial no meu coração. São cães que perderam uma pata, nasceram sem os olhos, que estão inda cicatrizando feridas de abusos. Eles adaptam seus corpos sem reclamar e com determinação”, disse o fotógrafo, trazendo para seu trabalho a certeza da beleza e da inspiração nas imperfeições.

O nome do projeto, que será lançado em livro no próximo dia 19, é preciso: “Perfect Imperfection – Dog portraits of Resilience” (Imprecisão Perfeita – Retratos Caninos de Resiliência). A inspiração é imediata, assim como a sensação de ternura e afeto que cada foto nos provoca, feito fossem os cães que nos afagassem.

 

© fotos: Alex Cearns/fonte:[via]

Mulher e cachorra lutam unidas contra a mesma doença: o câncer de mama

Sara Page, de 54 anos, ficou com o coração partido quando descobriu que sua amada cadela, Freyja, de nove anos, tinha câncer de mama terminal. Os veterinários disseram que a situação era tão grave, que provavelmente o tratamento com quimioterapia não adiantaria e deram apenas 6 meses de vida para ela.

Sara e seu marido decidiram lhe dar o máximo de amor e atenção para fazê-la feliz em seus últimos momentos de vida.

“Notavelmente, foi devido a Freyja que Sara foi diagnosticada, enquanto ela pulava, pegando seu peito e lembrando-a de reservar uma mamografia – algo que as mulheres são automaticamente convidadas a fazer a cada três anos, depois de completar 50 anos. Ela continuou: “Nós estávamos assistindo TV, quando um gato apareceu na tela e Freyja ficou louca.

“Ela pulou e estava latindo como louca, mas quando ela fez isso, ela pegou meu peito esquerdo com sua pata. Pensei em mim mesmo “Eu devo perseguir minha mamografia”.

Foi então que ela descobriu que também estava com câncer de mama agressivo e um tumor de 33 cm no seio esquerdo.

Ao longo de sua radioterapia e quimioterapia, Sara temia perder Freyia: “Era tão cruel que Freyja e eu estivéssemos lutando contra o câncer de mama ao mesmo tempo”, disse ao Jornal Metro.

Sara, que vive com seu marido, Rob, 44 anos, acredita que seu fiel animal de estimação desafiou seu prognóstico de seis meses para ajudá-la a melhorar. “Eu realmente acredito que os cães tenham um sexto sentido. Eu acho que Freyja sobreviveu para ficar e me ajudar a batalhar contra o câncer”, contou.

“Se ela tivesse morrido, não sei o que eu teria feito sem ela. Eu teria estado tão sozinho com Rob trabalhando tanto. Essa cachorra é minha melhor amiga e eu precisava dela ao meu lado.

Atualmente o câncer de Sara está em remissão e, surpreendentemente já se passaram 4 anos e Freyja continua a seu lado.

Imagens: Reprodução/ fonte:[via]

Viajante encontra filhotes abandonados no deserto e decide levá-los numa jornada sem volta

Jordan Kahana, de 30 anos, sempre foi apaixonado por cachorros e estava prestes a adotar um quando seu escritório fechou para as festas de fim de ano. Ele planejou então uma viagem de carro pelos Estados Unidos.

Quando estava dirigindo por uma estrada mais afastada no deserto do Arizona, o viajante encontrou dois pequenos filhotes de cachorro abandonados. Sem pensar, ele levou os cães ao veterinário e, assim que os cãezinhos tiveram a forte desidratação curada, Jordan os adotou.

Isso tudo aconteceu em dezembro de 2016 e, daquele dia em diante, o trio tem sido uma equipe inseparável, viajando juntos pelos Estados Unidos. Jordan deu aos filhotes os nomes Sedona e Zeus e já viajou com os dois por mais de 48 mil km, passando por 35 estados do país.

Desde então, ele compartilha os momentos mais lindos e memoráveis de suas jornadas no Instagram e no YouTube e é claro por que as pessoas estão amando o “esquadrão da aventura”.

Dê uma olhada em algumas das imagens dessa linda história:

 

Fotos – Jordan Kahana | @jordankahana: fonte:via