Chilenos criam sacola solúvel em água e vão estagiar no Vale do Silício

Uma dupla de engenheiros chilenos apresentou ao mundo mais uma alternativa para conter o uso excessivo de produtos derivados do plástico. Roberto Astete e Cristian Olivares realizaram uma série de experimentos para enfim chegarem ao saco plástico solúvel em água livre de contaminação.

A combinação foi possível por meio de uma fórmula química à base de PVA (álcool polivinílico, solúvel em água) e que toma o lugar de derivados do petróleo, diga-se, um dos  elementos mais nocivos ao meio ambiente, pois ele contribui para a alta durabilidade das sacolas.

“Nosso produto deriva de uma pedra calcária que não causa danos ao meio ambiente. É como fazer pão. Para fazer pão é preciso farinha e outros ingredientes, nossa farinha é de álcool de polivinil e outros ingredientes”, explicou Roberto Astete, diretor-geral da empresa SoluBag, que pretende comercializar os produtos a partir de outubro no Chile.

Enquanto apresentavam a novidade, a dupla demonstrou com funciona o processo de decomposição. Basta diluir a sacola em um copo com água. Para provar que a água, mesmo turva, não é tóxica, Roberto e Cristian ingeriram o líquido, que segundo eles contêm apenas carbono e não oferece riscos aos humanos.

A notícia está em consonância com a preocupação de líderes mundiais com os altos índices de produção de plástico. Apenas em 2014 foram fabricadas 311 milhões de toneladas de plástico, ou seja, se continuar neste ritmo, até 2050 vão ser produzidas mais de 1 bilhão de toneladas.

Por causa da iniciativa inovadora, Roberto e Cristian Olivares ganharam uma bolsa a partir de setembro no Vale do Silício. A dupla também levou para casa o prêmio SingularityU Chile Summit 2018, pelo potencial transformador da invenção.

Foto: Pixabay/fonte:via

Anúncios

O consumo de abacates no Reino Unido está causando uma seca grave no Chile

O mundo se tornou obcecado por abacates. Eles estão simplesmente em toda a parte: no pãozinho, no café e até neste restaurante em Nova York em que tudo leva o fruto.

Abacate é mesmo considerado um ótimo alimento para saúde e, além disso, delicioso. Então qual o problema? Basicamente, está no fato de que ele precisa de condições climáticas bem específicas para crescer.

A planta natural do México e de países da América Central não se adapta bem a climas frios. Acontece que os britânicos também amam o fruto do abacateiro…

Segundo uma reportagem do The Guardian, o consumo de abacate no Reino Unido aumentou em 27% no último ano. Ao mesmo tempo em que os ingleses ganham em saúde comendo o alimento da moda, uma grave seca se manifesta no Chile. E as duas coisas podem estar interligadas.

A polêmica se concentra na província de Petorca, localizada na região de Valparaíso e considerada uma das maiores produtoras de abacate do mundo. Os moradores da área sugerem que foram instalados poços e tubulações ilegais para irrigar os abacateiros, que necessitam de muita água para crescer. Com isso, os níveis das águas subterrâneas caíram e os rios secaram, causando falta de água na região, ainda de acordo com o veículo.

Como o mundo é um só, para que um londrino coma sua torrada com abacate no café da manhã, um morador de Petorca é impactado pela falta de água potável.

Apenas em 2016, o Chile exportou mais de 17 mil toneladas de abacates para o Reino Unido, dos quais 67% cresceram em Valparaíso. No mesmo ano, o The Guardian já havia alertado sobre o aumento de roubos relacionados ao fruto na Nova Zelândia, desencadeado pela sua alta demanda no mercado.

Fotos: Unsplash /fonte:via

Premiação elege o Chile como melhor destino do mundo para turismo de aventura

Pelo segundo ano consecutivo, o Chile foi eleito o melhor destino do mundo para turismo de aventura.

O título foi entregue pelo World Travel Awards, um dos mais prestigiados eventos do setor, considerado o ‘Oscar do turismo’.

Nossos vizinhos sul-americanos bateram países como Austrália, Canadá, Equador, Japão, Nova Zelândia, Sri Lanka, Tailândia e Estados Unidos.

A 24ª edição do prêmio aconteceu em Phu Quoc, no Vietnã, no dia 9 de dezembro. O evento rola anualmente e homenageia quem mais se destacou durante a temporada anterior.

Com o passar dos anos, o Chile tem se consolidado como um dos mais atraentes e valorizados destinos do continente. O país passou de 2,8 milhões de turistas anuais em 2010 para 5,6 milhões em 2016, duplicando a estatística e com um crescimento médio por ano de 12,8%.

Segundo o Ministério da Economia, Fomento e Turismo, 51% dos estrangeiros que desembarcaram no Chile em 2016 disseram estar ali pela natureza, as paisagens, a flora e a fauna chilena.

O Lonely Planet, um conhecido guia de viagens, elegeu o país como destino imperdível para quem pretende viajar em 2018.

O Chile possui o deserto mais árido do mundo, o Atacama, a Cordilheira dos Andes, o oceano Pacífico, a Patagônia chilena, os vulcões e as geleiras como principais atrações. A principal porta de entrada é a capital Santiago, que tem voos diretos saindo dos principais aeroportos do Brasil.

 

Fotos: Pixabay/fonte:via

No meio do deserto do Atacama, ergueram esta verdadeira pérola da arquitetura

Em 2013, a dupla de arquitetos chilenos Emilio Marín e Juan Carlos López foi convocada para projetar CDI, Centro de Interpretação do Deserto, a ser construído no Atacama, o mais seco dos desertos do planeta.

Num terreno entre San Pedro de Atacama e Ayquina, no Chile, os dois foram desafiados a desenhar uma construção capaz de se integrar à paisagem. O resultado são seis pequenas construções, instaladas de forma circular, para lembrar as montanhas dos Andes.

O complexo é composto por um observatório, laboratórios de pesquisa e um pátio central protegido do vento, com vegetação própria. O exterior é todo em aço corten, que combina com o tom avermelhado do deserto.

Fotos: Felipe Fontecilla/fonte:[via]