As cobras coloridas desta tatuadora Coreana são um show de originalidade

Talvez você associe tatuagens de cobras com um traço preto, carregado e, quem sabe, até meio mórbido. Mas a verdade é que, no mundo real, as cobras podem adquirir diversas aparências – afinal, existem mais de 3 mil espécies entre elas…

Quando se trata de arte no corpo, também existe variedade. É o que mostra a tatuadora coreana Zihee, de Seul.

Com um traço delicado, Zihee aposta em cores claras para criar cobras multicoloridas e dá um show de originalidade. Nos desenhos, as serpentes podem estar enroladas ou mesmo em círculos e, em alguns casos, suas estampas exibem lindas flores para mostrar que a natureza é uma só.

Através do Instagram, a artista compartilha suas criações e já conta com mais de 200 mil seguidores. Além das cobras, ela também tatua outros animais, elementos da natureza e até mesmo recria obras de arte famosas na pele de seus clientes.

Espia só que foda a arte da moça:

Anúncios

Cobra e centopéia travam uma luta improvável no deserto; veja o vídeo

Duas criaturas improváveis lutam no deserto do Vietnã em batalha final e surreal. Em um vídeo de três minutos postado no Live Leak, podemos ver uma luta mortal entre uma cobra píton e a uma centopéia gigante. Elas se mordem, imobilizam e tentam derrotar a oponente.

Nas filmagens raras, elas giram e se torcem em forma de um pretzel, girando e se retorcendo. À medida que a centopéia leva vantagem na batalha, aperta mais o corpo da serpente. A barriga branca do réptil aparece quando a centopeia rasteja por cima e parece estar roendo o pescoço da cobra.

Quando a serpente se contorce nos momentos finais, a centopéia pode relaxar, tendo vencido a improvável batalha da natureza.

Assista:

Foto: Tobias Nordhausen /fonte:via

As nove cobras mais mortais do mundo

Algumas das cobras mais mortais do mundo são agressivas e rápidas para o ataque, enquanto outras carregam potente veneno, mas só mordem como um último recurso.

Aqui está um olhar sobre as nove cobras mais mortais, criaturas temíveis por sua furtividade, bem como seu veneno.


9. Mamba Negra (Dendroaspis polylepis)

Região: África Oriental e Central
Comprimento médio: 7 a 9 pés (2 a 3 metros)

O veneno da mamba negra pode matar um ser humano entre o período de 30 minutos a duas horas, se a vítima não for tratada com uma injeção anti-veneno. Os primeiros sintomas incluem sonolência, problemas neurológicos, paralisia e dificuldade para respirar.

Esta serpente é agressiva e veloz. Ela habita em árvores e arbustos. A mamba negra não é realmente preta. Ela varia entre cor de oliva e marrom.

8. Terciopelo (Bothrops asper)

Região: Sul e leste do México, América Central, norte da Colômbia e Equador
Comprimento médio: 4.5 a 6 pés (1 a 2 metros)

O veneno da Terciopelo ataca o sangue, causando coágulos que são mortais. Tem muitos nomes, variando de região para região, incluindo barba amarilla, macagua, barba amarela, queixo amarelo, e fer-de-lance.

Os filhotes crescem dentro do corpo da fêmea, e uma única serpente pode parir até 100 filhotes.


7. Boomslang (Dispholidus typus)

Região: África do Sul e Central
Comprimento médio: 4 a 5 pés (1,2 a 1,5 metro)

Essa cobra mimetiza um galho de árvore quando caça, estendendo-se, quase imóvel, de uma árvore. A Boomslang é um raro exemplo de uma cobra cujos dentes se encontram na parte posterior do maxilar superior, que pode matar humanos, já que cobras com presas na parte traseira da boca geralmente inoculam pequenas quantidades de veneno lentamente.

A Boomslang normalmente só morde se manipulada. Ela habita em uma variedade de ecossistemas, embora tenda para áreas úmidas em vez de regiões desérticas, vivendo em arbustos baixos e árvores pequenas. Sua longevidade é de cerca de oito anos.

6. Serpente Tigre Oriental (Notechis scutatus)

Região: Partes do sul e leste da Austrália
Comprimento médio: 3 a 6 pés (1 a 1,8 metro)

O veneno da serpente tigre oriental é neurotóxico, atacando o sistema nervoso central. Ela também causa danos musculares e provoca coágulos sanguíneos. Desintegrando tecido muscular, pode levar à insuficiência renal.

Ela só vai morder como um último recurso. Quando sob pressão, ela primeiro vai achatar o pescoço e levantar a cabeça para intimidar seu adversário. Então blefará um ataque, silvando ou latindo ao mesmo tempo.

A serpente tigre é mais comum na Tasmânia, Austrália. Até 26 serpentes jovens foram encontradas hibernando no mesmo lugar. A serpente tigre é propensa a vagar; ela geralmente não vai ficar no mesmo lugar por mais de 15 dias.


5. Víbora Serrilhada (Echis carinatus)

Região: Sudoeste e Centro da Asia, da India, através do Afeganistão e até o leste do Irã.
Comprimento médio: 1 a 2 pés (0,4 a 0,6 metro)

Esta cobra é muito agressiva, o que significa que muitas vezes morde. Apesar de seu veneno matar menos do que 10 por cento das vítimas não tratadas, acredita- se que tenha matado mais humanos do que qualquer outra cobra do mundo, porque ela morde com tanta frequência.

4 . Banded Krait (Bungarus fasciatus)

Região: Sudeste da Ásia, da Indonésia até o sul da China e até leste da Índia
Comprimento médio: 5,5 pés (1,6 metro)

O veneno da Banded Krait induz paralisia, atacando o sistema nervoso central. Ela foi chamada de “cobra de cinco passos ” durante a Guerra do Vietnã, porque se disse que uma pessoa iria morrer dentro de cinco passos depois de ser mordido. Na verdade, pode levar oito horas ou mais para que o veneno mate.

Uma banded krait do tamanho de um lápis matou o pesquisador de cobras Joe Slowinski na Birmânia em 2001.

Esta serpente prefere lugares úmidos, campo aberto, pastagens, plantações ou selvas baixas esparsas.

3. Cobra Real (Ophiophagus hannah )

Região: Leste e Sudeste da Ásia
Comprimento médio: 10 pés (3 metros)

A cobra real é a maior cobra venenosa do mundo, crescendo até 18,5 pés (5,6 metros) de comprimento e até um peso de 45 quilos. Ela pode injetar sua presa com grandes quantidades de veneno, que podem matar um ser humano dentro de meia hora. Os sintomas iniciais são principalmente neurológicos.

Esta serpente é um boa nadadora e pode ser encontrada principalmente perto de lagos e riachos. É ativa durante o dia e passa a maior parte de seu tempo na terra, embora passe algum tempo em árvores, água e arbustos.

2. Taipan Costeira (Oxyuranus scutellatus)

Região: Norte da Austrália, sul da Papua Nova Guiné, e sul da Indonésia
Comprimento médio: 6,5 pés (2 metros)

A mordida dessa cobra é letal em mais de 80 por cento dos casos, e seu veneno pode matar uma vítima humana dentro de meia hora. A vítima primeiro experimenta sonolência, visão turva, convulsões e dificuldade para respirar.

1. Taipan Ocidental ou Inland (Oxyuranus microlepidotus)

Região: Interior da Austrália
Comprimento médio: 6 pés (1,8 metros)

O veneno em uma picada dessa cobra é suficiente para matar 100 homens adultos ou mais de 200.000 camundongos. Também chamada de “cobra feroz”, a Inland Taipan é a cobra mais venenosa do mundo. Felizmente, os casos de humanos serem mordidos pela cobra são raros, e os tratamentos anti-veneno têm sido bem sucedidos na maioria dos casos.

fonte:via

Conheça a mamba-negra, uma das serpentes mais mortais do planeta

A Mamba-negra (Dendroaspis polylepis) é uma das cobras mais venenosas do continente africano. Ao contrário do que diz o teste em cobaias, a Dose Letal Mediana (LD50) não reproduz o efeito do veneno em seres humanos e sim em ratos. O organismo do rato é diferente do ser humano e por isso reage diferentemente ao seu poder. Seu tamanho varia de 2,5 m a 4,5 m. É a cobra mais rápida do mundo, capaz de se deslocar a 20 km/h. No entanto, usa essa velocidade para escapar do perigo e para atacar as suas presas.

Ao contrário das outras espécies do mesmo gênero, vive a maior parte do tempo no solo, mas pode escalar árvores com facilidade. Sua dieta consiste de pequenos mamíferos e aves. Tem um bote muito rápido e seu veneno neurotóxico causa paralisia. Com o veneno da mamba negra a vítima pode falecer em menos de 20 minutos. Sem o tratamento é mortal em 100% dos casos. No verão, a fêmea coloca de 12 a 18 ovos. A expectativa média de vida da mamba-preta é de 12 anos.

A mamba-negra não tem este nome devido à cor do seu corpo, já que tem uma cor acinzentada(variável), mas ao interior preto da sua boca, que ela exibe em sinal de ameaça. Ao contrário do que por vezes se diz, não ataca voluntariamente o homem. No entanto, se torna ferozmente agressiva ao se sentir ameaçada. Sintomas: Formigamento na região da picada e nos lábios, logo em seguida visão dupla, depois o corpo paralisa, ocorrem convulsões e por fim a morte.

É encontrada na Africa do sul, Quênia, Tanzânia, Zâmbia, Zimbábue, Moçambique, Botswana, Angola e Namíbia.

[Google imagens]:fonte:via

Fotógrafo capta cobra dentro da boca de um sapo

A última coisa que essa infeliz serpente viu provavelmente foi o flash da câmera quando o fotógrafo capturou a incrível imagem de sua cabeça aparecendo dentro da boca desse sapo. O flagrante foi provavelmente ao acaso. A câmera foi disparada em um momento em que o sapo estava boquiaberto. E, de forma inesperada, dentro da garganta do sapo estava outra cabeça, pertencente a uma pequena cobra, suas mandíbulas também estendidas, no que talvez fosse o seu último suspiro.

O usuário do Reddit EstusFiend compartilhou a foto em 16 de outubro, com o título “One Last Scream In the Abysssss (Um último grito no abismo – os “sss” são uma brincadeira com o sibilar feito pelas cobras)”. Um usuário do Google Plus publicou a foto em novembro de 2016 e reivindicou a propriedade da imagem, mas como a foto apareceu sem crédito na internet antes dessa afirmação, é incerto quem é realmente o fotógrafo.

A serpente engolida provavelmente não se manteve viva por muito tempo – embora a presa de um sapo geralmente seja engolida com vida e lute para sobreviver, uma vez que a boca do sapo fecha, o fim vem rapidamente, diz Jonathan Kolby, diretor do Centro de Resgate e Conservação Anfíbia de Honduras.

“É fácil imaginar que engolir um animal vigorosamente lutando prejudicaria o sapo”, explicou Kolby. “Mas, depois de ser engolida, a maioria das presas provavelmente sufoca e morre dentro de um minuto ou dois enquanto são espremidas e mantidas no lugar pelos músculos no trato digestivo do sapo”.

 

E não é incomum que uma cobra esteja no menu de um sapo, acrescenta Kolby.

“Os sapos de árvores costumam consumir uma grande variedade de presas, incluindo cobras e até roedores, tudo de acordo com o tamanho da boca deles”, disse ele.

O sapo foi identificado como uma sapo de árvore verde australiano (Litoria caerulea) em um tweet postado em 16 de outubro por Jodi Rowley, curador de Biologia de Conservação de Anfíbios e Répteis do Museu Australiano e da Universidade de Nova Gales do Sul. Em outro tweet, Rowley sugeriu que o esôfago do sapo parecia menor do que se poderia esperar para um animal com uma boca tão grande, mas provavelmente ele estava contraído porque a cobra ainda estava sendo engolida.

A cobra parece ser um filhote, de acordo com Paul Oliver, pesquisador de pós-doutorado na Universidade Nacional Australiana. Isso faz com que essa interação seja incomum, já que muitas cobras são diurnas – ativas durante o dia – e os sapos são noturnos, explica ele.

“Parece improvável que tenha ocorrido naturalmente, mas várias coisas improváveis ​​acontecem na natureza”, disse Oliver ao site Live Science em um e-mail.

Uma possibilidade é que a ação humana “pode ter desempenhado um papel no encontro da cobra com o sapo, mas, posteriormente, os instintos do sapo para comer qualquer coisa pequena assumiram o controle”, disse Oliver, que estuda a sistemática e a evolução dos sapos e lagartos.

Na verdade, sapos de árvores são chamados por alguns de “labradores do mundo dos sapos”, por causa de seus hábitos alimentares indiscriminados. Eles são conhecidos por tentar comer “quase qualquer coisa que eles possam colocar em suas bocas”, diz Kathleen Doody, pesquisadora da Escola de Ciências Biológicas da Universidade de Queensland, na Austrália.

Independentemente disso, da perspectiva do sapo, ter sua refeição tentando fazer o caminho de volta pela sua garganta provavelmente não é uma experiência agradável. Mas há exemplos ainda mais extremos de uma refeição tornando-se desastrosa para sapos, Kolby disse ao Live Science.

As larvas de besouro Epomis, que se parecem com larvas tentadoras para um sapo com fome, são na verdade carnívoros mortais que se alimentam de seus futuros predadores, conta Kolby. As larvas atraem os sapos agitando suas antenas, depois atacam suas poderosas mandíbulas, prendendo-se no sapo e consumindo-o vivo, relata ela.

A serpente na foto de alguma forma conseguiu sair da boca do sapo e alcançar o caminho da liberdade? Provavelmente nunca saberemos. Mas por um momento ela lutou, de acordo com a lente do fotógrafo.

Fonte:[via][Livescience]