Usando tutoriais do Youtube, casal construiu uma casa de dois andares sem experiência prévia

Foram três anos, do primeiro tijolo até os últimos retoques no acabamento, mas o casal Evandro Balmant e Ane Caroline Balmant conseguiram construir, a partir de consultas a tutoriais no YouTube, a própria casa, gastando 50% menos do que seria necessário contratando pessoas para fazer o serviço.

Os dois vivem em Almirante Tamandaré, na região metropolitana de Curitiba (PR), e estão morando na casa recém-construída, um sobrado de 200 metros quadrados – e ainda é preciso finalizar o andar superior.

Evandro, que é analista de sistemas, contou também com o auxílio de uma tia, técnica em edificações, e uma prima, arquiteta, para tirar o projeto do papel. O motivo da empreitada foi o orçamento curto que o casal possuía para comprar ou construir a própria casa.

Foram muitas manhãs antes do expediente e finais de semana que o casal dedicou a bater massa, empilhar tijolos e tudo mais que fosse necessário. Eles estão morando na casa há um ano e meio e, conforme o dinheiro possibilita, vão terminando de fazer o andar superior, onde ficará a suíte do casal.

O projeto custou, até agora, 150 mil reais, metade do que eles haviam orçado com arquitetos e construtoras. O pai de Evandro e um pedreiro também deram uma forcinha para que alguns detalhes pontuais não fossem prejudicados pela empreitada individual do analista de TI.

Créditos das fotos: Denis Ferreira Netto/Tribuna do Paraná

Com informações da Tribuna do Paraná /fonte:via

Este centro esportivo na Tailândia é totalmente feito de bambu

Localizada na cidade de Chiang Mai, na Tailândia, a Panyaden International School busca ensinar aos alunos valores humanos baseados no budismo ao mesmo tempo em que oferece um currículo educacional britânico.

O espaço escolhido para a instituição é um resumo destes valores, ao mostrar que o amor e o respeito à natureza merecem ser celebrados em cada aspecto da construção.

Dessa forma, o centro esportivo da escola foi construído apenas com bambu e nenhum outro material. O projeto ganhou o nome de Bamboo Sports Hall e aproximou as crianças ainda mais da natureza, ao mostrar que materiais naturais podem ser tão ou mais resistentes quanto os usados em contruções convencionais, além de oferecerem mais ventilação, mantendo os ambientes frescos. Graças a essas características, não há necessidade de ar condicionado nas instalações.

Tudo isso, aliado a uma sensação agradável que só a arquitura natural é capaz de oferecer. Mais importante do que a parte estética, é a funcionalidade da construção, capaz de suportar ventos de alta velocidade e até terremotos. Estima-se que a construção vá durar, pelo menos, 50 anos.

Com capacidade para 300 estudantes, a arena tem uma área total de  782 m². Nessa extensão encontram-se quadras de futsal, basquete, vôlei e badminton, bem como um palco, que pode ser levantado automaticamente durante a realização de espetáculos ou eventos esportivos.

Os prédios antigos da escola são feitos também em bambu, adobe ou taipa, de forma que o centro esportivo se conectou perfeitamente ao restante da construção. De acordo com o Ciclo Vivo, a escolha por materiais naturais reduziu em 90% a pegada de carbono da estrutura em um comparativo com construções convencionais.

Espia só mais algumas fotos da construção:

No meio do deserto do Atacama, ergueram esta verdadeira pérola da arquitetura

Em 2013, a dupla de arquitetos chilenos Emilio Marín e Juan Carlos López foi convocada para projetar CDI, Centro de Interpretação do Deserto, a ser construído no Atacama, o mais seco dos desertos do planeta.

Num terreno entre San Pedro de Atacama e Ayquina, no Chile, os dois foram desafiados a desenhar uma construção capaz de se integrar à paisagem. O resultado são seis pequenas construções, instaladas de forma circular, para lembrar as montanhas dos Andes.

O complexo é composto por um observatório, laboratórios de pesquisa e um pátio central protegido do vento, com vegetação própria. O exterior é todo em aço corten, que combina com o tom avermelhado do deserto.

Fotos: Felipe Fontecilla/fonte:[via]

Esta mini cabana foi construída em 3 semanas com apenas com apenas R$ 2.300

As mini casas estão em alta ultimamente, graças à capacidade de suprir necessidades em espaços pequenos e de economia durante a construção. A fotógrafa ucraniana Alla Ponomareva vive nos Estados Unidos com o marido e, ao planejar a construção de uma casa para hóspedes, decidiu testar um projeto de casa miniatura que havia visto na internet.

Esta mini cabana foi construída em 3 semanas com apenas com apenas R$ 2.300

Criado por Derek Diedricksen, especialista nas chamadas ‘Tiny Houses’ (literalmente “casas minúsculas”), o projeto original havia custado 1200 dólares (o equivalente hoje a pouco mais de R$ 4 mil), mas Alla e o marido conseguiram cortar o orçamento para 700 dólares (mais ou menos R$2300).

Isso graças ao reaproveitamento de alguns materiais que eles possuíam na casa em que vivem em Montana, no norte dos EUA. Janelas, tábuas e o telhado foram reutilizados para criar a estrutura da mini cabana, que mede nada mais que 7,4 metros quadrados.

Esta mini cabana foi construída em 3 semanas com apenas com apenas R$ 2.300 A construção levou três semanas, com Alla e o marido trabalhando praticamente todos os dias. O painel solar, capaz de garantir energia para acender lâmpadas ou carregar aparelhos eletrônicos, foi o elemento mais caro do projeto.

Entre os detalhes mais legais da cabana estão os degraus de entrada, feitos de toras cortadas do próprio terreno, e as paredes de vidro, que permitem aos convidados observar o céu estrelado de Montana à noite. Como a cabana é para hóspedes, o casal não se preocupou em construir banheiro ou cozinha, mas Alla observa que, pertinho dali, há um banheiro externo e um chuveiro aquecido por energia solar.

Esta mini cabana foi construída em 3 semanas com apenas com apenas R$ 2.300

Esta mini cabana foi construída em 3 semanas com apenas com apenas R$ 2.300

Esta mini cabana foi construída em 3 semanas com apenas com apenas R$ 2.300

Esta mini cabana foi construída em 3 semanas com apenas com apenas R$ 2.300

Esta mini cabana foi construída em 3 semanas com apenas com apenas R$ 2.300

Esta mini cabana foi construída em 3 semanas com apenas com apenas R$ 2.300

Esta mini cabana foi construída em 3 semanas com apenas com apenas R$ 2.300  Esta mini cabana foi construída em 3 semanas com apenas com apenas R$ 2.300

Alla escreveu dois posts em seu blog para explicar detalhes sobre a construção. Leia aqui e aqui.

Fotos via Alla Ponomareva/fonte;via

Esta casa incrível pode ser construída em praticamente qualquer lugar em apenas 6 horas

A casa M.A.Di. parece boa demais para ser verdade, mas é. Em uma época com preços imobiliários impeditivos, o italiano Renato Vidal criou uma brilhante alternativa que não é somente barata, mas também moderna e ecológica.

A casa pode ser construída em qualquer local plano, até sem uma base de concreto, em cerca de 6 horas.Criada com material de alta qualidade, é segura contra abalos sísmicos e vem em uma variedade de tamanhos, que vão desde uma casa de cerca de 27 metros quadrados por US$ 33 mil (aproximadamente R$ 106 mil, no câmbio comercial de hoje) até uma de 84 metros quadrados por US$ 73 mil (R$ 235 mil).

 

Todos os modelos básicos incluem banheiro com instalações sanitárias, conexões na cozinha, escada e instalações técnicas.

Uma vez montada, a estrutura de M.A.Di. pode suportar também painéis solares, iluminação LED e sistemas alternativos de água.

Por fim, o projeto é personalizável de acordo com suas necessidades. O tempo de entrega da casa é de até 60 dias após a aceitação dos desenhos finais.

Você pode obter mais informações no website da M.A.Di. /fonte:via[BoredPanda]

Esta mini cabana foi construída em 3 semanas com apenas com apenas R$ 2.300

As mini casas estão em alta ultimamente, graças à capacidade de suprir necessidades em espaços pequenos e de economia durante a construção. A fotógrafa ucraniana Alla Ponomareva vive nos Estados Unidos com o marido e, ao planejar a construção de uma casa para hóspedes, decidiu testar um projeto de casa miniatura que havia visto na internet.

Criado por Derek Diedricksen, especialista nas chamadas ‘Tiny Houses’ (literalmente “casas minúsculas”), o projeto original havia custado 1200 dólares (o equivalente hoje a pouco mais de R$ 4 mil), mas Alla e o marido conseguiram cortar o orçamento para 700 dólares (mais ou menos R$2300).

Isso graças ao reaproveitamento de alguns materiais que eles possuíam na casa em que vivem em Montana, no norte dos EUA. Janelas, tábuas e o telhado foram reutilizados para criar a estrutura da mini cabana, que mede nada mais que 7,4 metros quadrados.

 A construção levou três semanas, com Alla e o marido trabalhando praticamente todos os dias. O painel solar, capaz de garantir energia para acender lâmpadas ou carregar aparelhos eletrônicos, foi o elemento mais caro do projeto.

Entre os detalhes mais legais da cabana estão os degraus de entrada, feitos de toras cortadas do próprio terreno, e as paredes de vidro, que permitem aos convidados observar o céu estrelado de Montana à noite. Como a cabana é para hóspedes, o casal não se preocupou em construir banheiro ou cozinha, mas Alla observa que, pertinho dali, há um banheiro externo e um chuveiro aquecido por energia solar.

 

Alla escreveu dois posts em seu blog para explicar detalhes sobre a construção. Leia aqui e aqui.

Fotos via Alla Ponomareva/fonte:via

Ele transformou seu quintal num fantástico playground canino

Nós achávamos que nada poderia ser mais fofo do que esse quartinho construído para um cachorro, mas estávamos enganados. Aaron Franks é um tutor canino que foi além e decidiu transformar o quintal de casa em um incrível playground para seus quatro cães – Tessa, Bruno, Cooper e Mia.

Embora não tivesse nenhuma experiência prévia com construções, ele conseguiu criar uma área de lazer completa para os animais, com direito a piscina temática e outros luxos caninos. O espaço foi sendo feito aos poucos e demorou cerca de três anos para ficar pronto.

Com três andares no total, a área conta com um espaço de descanso, cordas para brincar e até um poste especial – porque a gente nunca sabe quando os bichanos vão precisar usar o banheiro. À noite, uma iluminação própria combina com a decoração do cantinho.

Ao The Dodo, Aaron contou que os seus dois cães mais velhos aproveitam os andares mais elevados do espaço para observar os arredores – e podem bisbilhotar o que acontece do outro lado da cerca. Em compensação, os dois cães mais novos se divertem brincando com as cordas e subindo e descendo pelos diversos andares do playground.

 

Todas as fotos: Aaron Franks/fonte:via