Fotos que exprimem a beleza a partir da estética geométrica e surrealista

A beleza está nos olhos de quem a vê e, é exatamente isso que a fotógrafa Evelyn Bencicova, baseada na Eslováquia quer nos mostrar. Com apenas 26 anos ela possui uma capacidade única de misturar realidade com ficção, criando um todo um universo particular em suas fotografias.

A jovem começou a tirar fotos depois de uma cirurgia ocular que ela precisou fazer em decorrência de um grava acidente. Apesar de possuir um estilo muito característico e inovador, ela ainda não se considera fotógrafa e diz que usa sua arte como meio de expressão.

Cores, formas geométricas e alguns efeitos fazem parte da realidade de Evelyn, que ao site Cultura Inquieta, afirmou que desde criança sempre gostou de transformar as coisas a partir de sua alta criatividade.

Com uma estética conceitual, que une o clássico com o surreal, suas fotos são altamente hipnóticas e, um verdadeiro convite à imaginação!

Apesar da fotógrafa realizar diversos trabalhos para marcas de moda e publicidade, ela não abre mão se seu estilo que segundo ela, “reflete exatamente como eu sou”.

Fotos: Evelyn Bencicova  /fonte via

Anúncios

Dispositivo de limpeza do inventor de 24 anos deve remover 80 mil toneladas de plástico do Pacífico

Foram necessários apenas cinco anos para que o jovem Boyan Slat, de 24 anos, desenvolvesse um dispositivo de limpeza capaz de remover 80 mil toneladas de plástico do Oceano Pacífico.

O System 001 vai atuar entre a costa do Haiti e da Califórnia, considerada uma das áreas mais sensíveis na luta contra a poluição causada pelo despejo de objetos de plástico. O desastre ambiental se deu por causa do movimento provocado pelas correntezas, resultando em um acúmulo superior a 1 trilhão de pedaços de plástico.

A máquina criada pelo jovem holandês possui 600 metros de extensão e opera por meio de movimentos circulares – aproveitando os movimentos da correnteza para formar uma espécie de filtro capaz de concentrar e depois coletar os itens, que são levados por uma embarcação. O equipamento conta ainda com uma tela sólida em sua base, que vai concentrar os detritos.

Se der certo, a ideia é fabricá-lo em grande escala e se concentrar neste ponto do Oceano Pacífico pelos próximos cinco anos. Apesar do otimismo, oceanógrafos estão preocupados com os possíveis impactos na vida marinha. O receio é que os animais possam se prender em alguma parte do filtro.

Por isso, o System 001, em um primeiro momento, vai passar por uma fase de testes de duas semanas próximo da costa de São Francisco, antes de receber sinal verde para atuar no ponto pretendido no Oceano Pacífico.  

Boyan Slat está animado com as possibilidades de sucesso e por isso já criou a The Ocean Cleanup Foundation, organização sem fins lucrativos responsável pelo desenvolvimento das tecnologias. A expectativa é que a invenção auxilie no salvamento de centenas de milhares de animais aquáticos, além de diminuir os poluentes que se integram na cadeia alimentar.

Fotos: Reprodução /fonte via

Artista brasileira ‘conserta’ cadeiras com acrílico e cria verdadeiras obras de arte

Com a enxurrada de informações e novidades que recebemos todos os dias, realidade que fica mais evidente com as redes sociais, inovar tornou-se uma tarefa muito mais complexa do que você imagina. O grande desafio dos artistas de hoje é criar algo inédito e dar novo significado às coisas, o que a artista visual Tatiane Freitas faz com maestria em sua série My Old New Chair (Minha Velha Cadeira Nova).

A brasileira – baseada em São Paulo, possui formação em Moda, pela tradicional Faculdade Santa Marcelina, onde desde o início de seus estudos prezou pelo conforto, acima de tudo. Sua série, que ainda não foi totalmente finalizada, trata-se de reparar móveis antigos, porém com um elemento novo: o acrílico, trazendo a união do velho com o novo.

Com o objetivo de criar peças que ‘conversarão’ com diferentes gerações, suportando a passagem do tempo, suas peças são uma grande metáfora daquela luta constante entre passado e futuro, memória e transformação.

Fotos: Tatiane Freitas/fonte:via

Artista chantageia formigas com açúcar para criar obras de arte inusitadas

Dos macarrões usados para criar lembranças de dia dos pais ou das mães na escola ao reaproveitamento de tampas de garrafa ou até filtros de cigarro, muitos materiais diferentes podem ser utilizados para fazer arte. Mas dificilmente um será tão curioso como formigas.

Sim, formigas. A artista sul-africana Iantha Naicker gosta de desenhar e pintar animais, especialmente insetos. E um dia decidiu incorporar formigas de verdade às suas obras.

Para isso, ela começa os desenhos de forma convencional, mas reserva espaços para ser preenchidos com formigas, que são atraídas para o local exato por pequenas quantidades de açúcar estrategicamente colocadas.

Como as formigas obviamente não ficam no mesmo lugar por muito tempo, Iantha precisa ser rápida para registrar os desenhos enquanto os animais ainda estão no ponto que ela gostaria.

Imagens via Iantha Naicker/fonte:via

Arquitetura impossível é tema de série de colagens surrealistas de artista alemão

O designer gráfico alemão Matthias Jung passou boa parte de sua infância no laboratório de fotografia de seu pai, onde se aventurava fazendo os mais diversos recortes e colagens, sempre beirando o impossível. Como a afinidade com a arquitetura sempre existiu, em 2015 ele passou a trabalhar em sua série de edificações impossíveis e imaginárias e o resultado é tão enigmático quanto encantador.

Através de fotografias de viagens, o artista cria efeitos surrealistas com o uso do Photoshop e, ainda afirma que, “a grande vantagem de usar o programa de edição é poder voltar atrás se alguma coisa der errado”.

Com um misto de fantasia e realidade, ele se aproveita de algumas lembranças de sua infância, criando efeitos únicos, como este telhado de ovelhas: “Eu amo ovelhas. Tê-las na cobertura simboliza uma reconciliação com a natureza”.

Suas composições são definidas por ele mesmo como “pequenos poemas arquitetônicos” e suas casas flutuantes são verdadeiras metáforas, onde ele mistura sonho, realidade, paisagens e muita criatividade!

Fotos: Matthias Jung /fonte:via

Alguém resolveu provar que fotos do Instagram são todas iguais e é assustador

Algumas vez você já teve a sensação de ter visto uma foto antes?

Ao deslizar pelo feed do Instagram, esse sentimento parece se tornar mais e mais comum. A explicação é simples: as fotos postadas na rede social realmente se parecem bastante.

O perfil Insta Repeat faz montagens com fotos similares justamente para mostrar a falta de originalidade na plataforma. Criado em junho deste ano, o perfil soma mais de 43 mil seguidores.

Os culpados são geralmente perfis de pessoas ou contas profissionais que buscam propagar um estilo de vida autêntico, livre e criativo. Irônico, não?

A compilação de fotos é feita por um fotógrafo anônimo de 27 anos, que vive no Alaska. Graças a isso, a maior parte das imagens reflete cenários gélidos ou invernais – mas a sensação é de que muitas dessas paisagens seriam substituídas facilmente por praias e piscinas aqui no Brasil.

Quando postas lado a lado, as imagens expõem mais do que a falta de criatividade. Muitas vezes, as pessoas por trás do clique sequer percebem que estão apenas repetindo uma fórmula ao invés de se ocupar em criar algo novo e realmente original.

Estou interessado em explorar a escolha de fazer uma imagem que já foi, em essênca, feita antes. A coisa mais incrível que aconteceu desde que comecei essa conta são as pessoas se engajando no debate crítico sobre originalidade e criação da mídia“, disse o autor das compilações ao Bored Panda.

Espia só algumas destas fotos que são mais do mesmo – e confessa que você já curtiu muitas iguais a elas na rede social!

Burger King aproveita calor de 50 graus do Kuwait para grelhar seus hambúrgueres

Sabe aquela história de estar tão quente que daria até para fritar um ovo no asfalto? Acredite se quiser, mas o pessoal do Burger King fez algo bem parecido, aproveitando a presença em um país que parece estar mais próximo do Sol que o resto da Terra…

Claro que não foi no asfalto, e no lugar do ovo, eram hambúrgueres. A ação foi criada no Kuwait, um dos países mais quentes do planeta, onde as temperaturas podem chegar a 54° Celsius, colocar fogo em plantas e até derreter o asfalto.

Eles criaram uma estrutura capaz de convergir os raios solares, e, quando a temperatura passa dos 50°C, é capaz de esquentar a grelha a 280°C, o suficiente para preparar a carne dos Whoppers.

Os chamados Sun Flame-Grilled Whoppers (“Whoppers Grelhados em Chama Solar”) estão sendo servidos de verdade em algumas unidades do Burger King no Kuwait. A novidade, é claro, tem tempo limitado: até o verão acabar e as temperaturas baixarem.

Fotos: reprodução/fonte:via