Conheça o Dynamoterror Dynastes, recém descoberto parente do T-Rex

Se você viajasse no tempo para a pré-história imaginando que nada poderia ser pior do que um encontro com um Tiranossauro Rex, é possível que tivesse uma grande surpresa.

Os cientistas descobriram recentemente que o T-Rex tinha um primo bem mais malvado. Até o nome deste lagarto já mostra que ele não tem nada de bonzinho: Dynamoterror dynastes.

Este mês, os pesquisadores publicaram sobre o achado na revista científica PeerJ. Entretanto, a ossada pertencente ao Dynamoterror foi encontrada em 2012, durante uma escavação no Novo México, nos Estados Unidos. Desde então, paleontologistas buscavam resolver o quebra-cabeças e entender qual era o animal responsável pelos resquícios.

Acredita-se que o dinossauro tenha vivido há cerca de 80 milhões de anos, enquanto o T-Rex teria habitado a terra há cerca de 66 a 68 milhões de anos. O Dynamoterror era um pouco menor do que seu sucessor e provavelmente esteve no topo da lista de predadores da sua época.

Alguém duvida?

Leia mais sobre a descoberta no artigo publicado pela PeerJ.

Créditos sob as imagens/fonte:via

Este pai surpreendeu a filha fã de dinossauros da maneira mais incrível

Lyle Coram definitivamente merece um prêmio de melhor pai do ano.

Depois de transformar o quarto de sua filha Shelby em um verdadeiro castelo da Disney, ele decidiu surpreendê-la novamente – desta vez, com uma aventura radical.

Lyle transportou a filha diretamente para o tempo dos dinossauros. Segundo contou ao Bored Panda, a menina de 7 anos é fã da saga Jurrasic Park e ama dinossauros.

Em um vídeo que mostra a brincadeira, um dos animais parece até mesmo brincar com a bola que Shelby está segurando, mas o pai garante que foi apenas uma coincidência: o experimento não era interativo.

Depois de se encantar com a projeção, que ocupou todas as janelas da sala, a menina finalmente se assusta quando o Tiranossauro Rex aparece em cena e lança uma olhada furtiva para ela, que sai correndo do cômodo.

Olha só que coisa mais fofa!

Fotos: Reprodução /fonte:via

Rastros de dinossauros são encontrados em estacionamento da NASA

O primeiro centro espacial da NASA, localizado em Greenbelt, Maryland, parece destinado a grandes descobertas da ciência: inaugurado em 1959, o local uniu a era espacial à era dos dinossauros.

Isso porque, em 2012, um caçador de fósseis chamado Ray Stanford estava saindo do estacionamento do centro espacial quando percebeu um traço da presença de nodossauro em uma rocha.


Retirada da rocha de terreno da NASA

Anos de escavações e pesquisas depois, Ray e outros cientistas divulgaram um estudo para relatar o que descobriram: a rocha, cuja área tem cerca de 2 metros quadrados, guarda 70 vestígios de oito espécies diferentes de animais, entre dinossauros e mamíferos.

Trata-se de uma das primeiras evidências capazes de indicar que as duas classes de animais conviveram no passado, já que a datação dos sinais, de 100 milhões de anos atrás, mostra que eles foram feitos em períodos próximos.

Martin Lockley, paleontólogo da Universidade do Colorado, explicou que a equipe acredita que o local tenha sido um pântano, por isso tantas marcas foram preservadas.

Além de indicar a presença de dinossauros como um nodossauro adulto (um herbívoro quadrúpede) acompanhado por um filhote e espécies parecidas com o velociraptor, o T-rex e um pterossauro (um réptil voador que não é exatamente um dinossauro), as marcas também indicam a presença de mamíferos, do tamanho de cachorros ou de esquilos, andando juntos, provavelmente em busca de alimento.

 

Fotos via NASA

Foto de capa via Wikimedia Commons/fonte:[via]