Mulher doa rim para ‘estranho’: ‘Quero que ele tenha uma vida bonita’

Estar na fila de espera por uma doação de um órgão, ou ver algum ente amado no aguardo de algo que separa muitas vezes literalmente a vida da morte, é angústia das mais agudas. Enquanto lamentavelmente muitas dessas histórias não trazer um final feliz, algumas são capazes de renovar as esperanças na humanidade – e foi o caso do estadunidense Jim Abed, que já estava com seu tempo à espera de um rim novo praticamente esgotado quando teve a vida salva ao receber o órgão de Crysti Shirley. O mais incrível, no entanto, é o fato de que Crysti e Jim não se conheciam. Crysti doou seu rim a um estranho.

Para ela, foi um chamado divino; para ele, o mais próximo de um milagre. Seu encontro com a vida se deu através de um post que uma prima realizou no Facebook em fevereiro passado, na esperança de assim encontrar um doador. Crysti havia trabalhado com a prima de Jim e, quando viu o post, se arrepiou. “Eu sabia em meu coração que estava destinada a dar meu rim a ele. Eu não posso explicar isso”, ela disse. Ela respondeu ao chamado, descobriu que era compatível com Jim – contrariando as expectativas dos médicos, que esperavam encontrar o órgão em um parente -, e o procedimento foi feito com sucesso no último dia 26 julho.

Mesmo tendo sido liberada antes de Jim do hospital, Crysti hospedou-se com o marido em um hotel próximo, a fim de esperar que ele também recebesse alta. Dois dias se passaram, e os dois agora encontram-se em casa, em recuperação – ambos com saúde. Enquanto a família de Jim não sabe como agradecer, Crysti diz que não há motivos para agradecimento – que a benção foi dela. “Minha esperança é que ele possa sair e viver uma vida plena e bonita”, concluiu.

© fotos: reprodução/fonte:via

Anúncios

Fundador da Amazon doa R$ 8 bilhões para criação de escolas em áreas em situação vulnerável

Resultado de imagem para Fundador da Amazon doa R$ 8 bilhões para criação de escolas em áreas em situação vulnerável

Você sabe quem é a pessoa mais rica do mundo? Se pensou em Bill Gates, está alguns anos atrasado. Hoje, o posto pertence a Jeff Bezos, norte-americano que fundou e preside a Amazon, uma das maiores empresas de comércio eletrônico do planeta.

De acordo com a revista Forbes, o patrimônio de Bezos está estimado em incríveis 159 bilhões de dólares. Além da Amazon, ele também investe em viagens espaciais e é dono do jornal Washington Post. Agora, a filantropia parece ser um de seus principais interesses.

Resultado de imagem para Fundador da Amazon doa R$ 8 bilhões para criação de escolas em áreas em situação vulnerável

Bezos anunciou que vai destinar 2 bilhões de dólares, cerca de R$8,2 bi, para ajudar famílias desabrigadas e construir pré-escolas em comunidades carentes. No ano passado, o empresário havia usado o Twitter para pedir sugestões de como doar parte de sua fortuna – ele já apoia pesquisas em busca de cura para o câncer e banca bolsas de estudos para imigrantes nos EUA.

A ideia de Bezos é criar um fundo (chamado Day One Fund, lembrando seu lema de que é preciso encarar todos os dias como se fossem o primeiro) para dar apoio financeiro a organizações sem fins lucrativos que oferecem abrigo e comida a pessoas sem-teto.

Bezos declarou que é “muito, muito difícil” para crianças que têm dificuldades em seus primeiros anos de vida alcançarem as outras em questões de saúde e educação, e que as doações “trarão dividendos gigantes por décadas”.

Vale lembrar que Bezos e a Amazon têm sido criticados constantemente por causa das condições de trabalho a que os funcionários da empresa são submetidos, com relatos sólidos de pessoas que precisam viver em barracas por não conseguir sequer pagar o aluguel com o salário que recebem.

Relatos de funcionários dos centros de distribuição que temem fazer pausas para ir ao banheiro ou faltar ao trabalho quando estão doentes por medo de serem punidos também são comuns e geraram debates nos EUA e em outros países onde a Amazon atua nos últimos meses.

Imagens: Reprodução/fonte:via

Menina de 9 anos vende cupcakes para comprar comida para pessoas em situação de rua

Resolver em definitivo os grandes problemas do mundo é sem dúvida uma tarefa árdua e complexa, mas muita coisa pode ser feita para amenizar o sofrimento alheio de forma mais simples e direta – e tal lição a respeito do mundo adulto muitas vezes vem justamente dos pequenos. É o que nos ensina BentLee Martinez, uma criança de 9 anos de idade que dedica seu tempo livre a fazer e vender cupcakes – o dinheiro que junta, no entanto, não é para si, mas sim para ajudar as pessoas em situação de rua de sua região.

Moradora do estado de Idaho, nos EUA, BentLee percebeu que não só devia como podia ajudar outras pessoas quando, voltando de uma viagem com sua família, percebeu um grupo de desabrigados no meio do deserto. A desoladora cena de seres humanos como ela recorrendo ao lixo para se alimentar fez a mãe de BentLee convocar os filhos a ajudarem aquelas pessoas. O primeiro gesto foi comprar 50 cheeseburgueres e distribuir entre o grupo, mas a centelha do altruísmo permaneceu acesa em BentLee, que passou a se perguntar o que poderia fazer na sua cidade.

A barraca de cupcakes originalmente seria para que ela juntasse dinheiro para uma viagem à Disney, mas a necessidade dos desfavorecidos passou a falar mais alto, e a pequena passou a trabalhar para ajudar o maior número de pessoas possível. Desde então BentLee já arrecadou mais de 2 mil dólares. Agora, semanalmente ela e sua mãe preparam pacotes de cuidados para adultos e crianças e distribuem itens como água, roupas, artigos de toalete e primeiros socorros.

A empreitada de BentLee conta também com doações, tanto para os pacotes quanto para a própria confecção dos cupcakes, que são vendidos na frente de sua casa. O compromisso da garotinha é tanto que ela possui uma página no Facebook para arrecadar dinheiro para sua campanha. “Eu tento lhes oferecer esperança e amor”, ela diz. Sua mãe garante que a iniciativa mudou a vida de sua filha – que, com isso, vem também mudando a vida de muita gente que tanto precisa.

© fotos:  acervo pessoal/fonte:via

Miles 4 Migrants: Pessoas estão doando milhas aéreas para reunir famílias de refugiados

O direito a uma vida digna, segura e feliz move a luta e o esforço dos muitos refugiados que migram de seus países a fim de tentar encontrar tal vida em outro país. Quando um refugiado enfim consegue asilo e um lugar melhor para recomeçar, no entanto, sua felicidade está ainda longe de ser garantida: muitas vezes, afinal, o resto de sua família permanece em locais de conflito e, além da imensa burocracia para conseguir trazer os familiares, há o custo que quase sempre se revela impeditivo. Foi para justamente ajudar a resolver tais casos que a ONG Miles 4 Migrants foi criada.

Fundada em 2016, a ONG trabalha reunindo doações de milhas aéreas convertidas em passagens para imigrantes e refugiados poderem trazer seus familiares a se reunirem – o trabalho da ONG, portanto, é o de reunir famílias separadas pela guerra. O projeto começou quando um de seus fundadores, o pesquisador estadunidense Nicholas Ruiz, enquanto morava na Europa, decidiu custear pela viagem de duas famílias paquistanesas.

Ao compartilhar essa história e perceber o entusiasmo das pessoas, compreendeu que na transferência de milhas havia uma excelente oportunidade de ajudar.

Desde então a Miles 4 Migrants já ajudou 151 pessoas em 57 famílias, vindas de países como Somália, Afeganistão, Síria, Irã e Etiópia. Foram doadas cerca de 5,8 milhões de milhas, convertidas em cerca de 9,3 milhões de quilômetros voados a partir da ONG. Quem quiser participar, a explicação detalhada está no site da instituição, que também aceita doações em dinheiro ou via Paypal.

© fotos: reprodução/fonte:via

Homem em situação de rua dá seus últimos US$ 20 à moça. E ela arrecada mais de US$ 200 mil para ele

A norte-americana Kate McClure estava viajando até a Philadelphia quando a luz de reserva da gasolina do seu carro acendeu. Ela achou que conseguiria chegar até a cidade antes de o combustível acabar, mas acabou ficando na mão no meio da estrada. Foi aí que seu caminho se cruzou com o de Johnny Bobbitt Jr, um homem em situação de rua.

Ao ver a mulher sair do carro na estrada, ele percebeu que algo estava errado. “Nunca tinha ficado sem gasolina antes e meu coração saía pela boca”, relata Kate, que pretendia procurar o posto mais próximo. Johnny avisou que a região era perigosa e pediu que ela voltasse par ao veículo e trancasse as portas até ele voltar.

Homem em situação de rua dá seus últimos US$ 20 à moça. E ela arrecada mais de US$ 200 mil para ele

Algum tempo depois, ele retornou com um galão contendo o equivalente a 20 dólares em combustível. Era todo o dinheiro que ele tinha, e Kate não tinha como pagar de volta – algo que ele nem chegou a pedir. Nas semanas seguintes, ela pagou os 20 dólares, doou um casaco, luvas e um chapéu, e agora está prestes a ajudar em um recomeço.

Kate contou a história em uma campanha de arrecadação de fundos. Para ajudar o novo amigo a pagar o aluguel de um apartamento e procurar emprego, ela pretendia juntar 10 mil dólares, que bancariam também um veículo e alguns meses de despesas gerais. A história viralizou e já foram doados mais de US$200 mil!

Homem em situação de rua dá seus últimos US$ 20 à moça. E ela arrecada mais de US$ 200 mil para ele

De acordo com Kate, ela e o namorado encontraram um hotel para que Johnny durma até que eles achem um local permanente para ele, que também aproveitou um dinheiro que eles doaram para comprar lentes de contato. Ele ainda não sabe o que fazer com a quantia que vai receber, mas pretende ajudar alguns estabelecimentos da Philadelphia que o acolheram durante os dias mais difíceis na rua.

Fotos: Kate McClure/fonte;via