Esta empresa quer transformar lixo marinho em biocombustível

Hypeness

Desde 2000, a empresa canadense Enerkem se dedica a estudar e implementar maneiras de transformar lixo orgânico em biocombustível, ajudando ao mesmo tempo a diminuir a queima de combustíveis fósseis e a quantidade de detritos no planeta.

O mais novo projeto da companhia consiste em uma parceria com a The Ocean Legacy Foundation, que faz limpeza na costa do país, para aplicar a mesma tecnologia usada em detritos urbanos ao lixo que a organização retirar dos mares canadenses.

Hypeness

Marie-Hélène Labrie, vice-presidente da Enerkem, declarou que “A tecnologia inovadora que transforma lixo em biocombustível já aborda problemas relacionados ao lixo urbano, incluindo o plástico. Através dessa colaboração inovadora, o comprometimento é com iniciativas locais concretas para transformar resíduos plásticos de oceanos em produtos de valor”.

O chamado bioetanol produzido pela Enerkem é considerado até 3 vezes menos poluente que a gasolina, e a empresa também está trabalhando em alternativas para substituir o óleo diesel.

De acordo com o Fórum Econômico Mundial, há cerca de 150 milhões de toneladas de plástico flutuando nos oceanos do planeta. Mesmo com os esforços para reduzir a produção, consumo e descarte de materiais plásticos, estima-se que 8 milhões de toneladas cheguem aos oceanos a cada ano.

Fotos via The Ocean Legacy Foundation /fonte:via

São Paulo ganha escola de hortas para pessoas em situação de rua

O Brasil tem mais de 100 mil pessoas oficialmente registradas como ‘Em situação de rua’. Só em São Paulo são ao menos 15 mil. Ao mesmo tempo, há um potencial pouco explorado nas grandes cidades: a agricultura urbana é capaz de empregar pessoas e fornecer alimento de qualidade a um preço acessível para a população.

Um projeto na capital paulista que tem como objetivo unir as duas pontas acaba de ser lançado: trata-se da Horta Social Urbana, que oferece formação em agricultura urbana para pessoas em situação de rua, atendidas nos Centros Temporários de Acolhimento (CTAs) e Centros de Acolhida.

O curso, cuja primeira turma terá aulas na Horta Escola Lucy Montoro, inclui capacitações em técnicas de permacultura e agroecologia, unindo os conhecimentos mais modernos em relação à cultura de alimentos à necessidade de usar a terra de forma sustentável e maximizar o uso de recursos naturais para evitar desperdício.

Além das aulas, o projeto também prevê a criação de hortas urbanas em terrenos baldios e telhados de condomínios comerciais e residenciais, sempre de forma orgânica e gerando renda para os trabalhadores.

O programa Horta Urbana Sustentável foi proposto pelo ex-prefeito Joao Dória e segue o modelo de parceria com empresas privadas, permitindo que o projeto saia do papel sem que a prefeitura precise investir recursos próprios.

Fotos: reprodução/Prefeitura de São Paulo /fonte via

Imagens raras mostram o porco que era considerado ‘mais feio do mundo’ na Indonésia

Imagens raras do “porco mais feio do mundo” foram capturadas na Indonésia, oferecendo uma visão para uma espécie pouco conhecida que se acredita estar à beira da extinção.

O porco da espécie Sus verrucosus já poderia ser considerado extinto na natureza, pois seu número tem caído desde o início da década de 1980 devido a caça e perda de habitat florestal, de acordo com o Chester Zoo, com sede no Reino Unido.

Os machos são distinguidos por três grandes pares de verrugas nos rostos que crescem à medida que envelhecem, o que significa que os porcos mais velhos têm as verrugas mais proeminentes.

Para flagrá-los, pesquisadores britânicos e indonésios colocaram câmeras escondidas nas florestas da ilha de Java no Sudeste Asiático. O objetivo era obter um senso mais claro dos níveis populacionais e encontrar formas de impulsionar a conservação da espécie altamente ameaçada.

“Até se temia que todos estivessem extintos até que sua existência fosse confirmada pelas câmeras do zoológico”, informou o zoo ao lançar as imagens.

A pesquisa “poderia eventualmente ser usada para estabelecer novas leis de proteção para as espécies na Indonésia, pois, atualmente, elas são bastante falhas no país asiático”, acrescentou.

Os porcos – que são encontrados apenas em Java – são semelhantes em tamanho aos javalis europeus, mas são mais delgados e têm cabeças mais longas, disse o zoológico.

“Os machos têm três pares de enormes verrugas nos rostos”, disse Johanna Rode-Margono, coordenadora do programa de campo do sudeste do sudeste da Ásia.

“São essas características que os levaram a ser carinhosamente rotulados como” o porco mais feio do mundo “, mas certamente para nós e nossos pesquisadores, eles são bastante bonitos e impressionantes”.

 

Imagens: Reprodução/fonte:[via]