Hotéis dentro de cavernas na Capadócia criam experiência totalmente nova

A Capadócia, região localizada na área central da Turquia, é conhecida por sua natureza deslumbrante, pelo clima árido, pelos belos passeios de balão e também por suas incríveis formações rochosas, que atraem milhares de turistas todos os anos.

Estas formações são consequência dos vulcões que estiveram em atividade há 2 milhões de anos no local, fato que deixou toda a região coberta por tufo, uma espécie de rocha macia que pode ser facilmente moldada.

Por conta disso, muitas habitações antigas foram escavadas ali, e a maioria delas se transformou em hotéis e pousadas que fazem o maior sucesso entre os hóspedes. Hoje, a Capadócia é a região com o maior número de acomodações em cavernas em todo o mundo.

Abaixo, você confere uma lista com alguns desses encantadores quartos, feitas pelo site My Modern Met. Já dá pra ir sonhando com as próximas férias, sim ou com certeza?!  

Anitya Cave House – Ortahisar

Hezen Cave Hotel – Ortahisar

Museum Hotel – Uchisar

House Hotel Cappadocia – Ortahisar

Via © My Modern Met /fonte:via

Anúncios

Um sonho: casa móvel e amiga do ambiente permite viver em qualquer lugar

Já imaginou ter uma linda e confortável casa que pode ser levada para a beira da praia ou a um lugarzinho no meio das montanhas? Não é só você que já teve esse desejo, e finalmente estão conseguindo tirar a ideia do papel…

Uma startup alemã chamada LTG Lofts desenvolveu a Coodo, uma casa móvel que tem como objetivo justamente permitir uma vida mais próxima da natureza. a moradia tem versões de 36 a 96 metros quadrados, podendo ser vazia (apenas com instalação elétrica e piso), básica (com banheiro) ou completa (com cozinha, móveis e tudo mais).

Ela é construída em módulos, fazendo com que o cliente possa customizar a sua própria casa, retirando um incluindo espaços em relação ao projeto original.

Por isso, os arquitetos que a desenharam acreditam que a Coodo também possa servir como escritório, restaurante ou espaço durante eventos (num tipo de uso similar ao de contêineres, por exemplo).

O transporte pode ser feito com um caminhão e a instalação requer um guindaste, o que quer dizer que a mobilidade acaba ficando um tanto limitada – é preciso planejar um pouco quanto tempo passar em cada lugar. Ela já está sendo vendida para clientes da Europa, da Ásia e da América do Norte.

Uma das preocupações que os criadores ressaltam ter tomado é a de fazer do projeto o mais sustentável que conseguirem, aproveitando bastante materiais recicláveis e investindo em processos que economizem o máximo de energia possível durante a fabricação.

Apesar disso, placas de captação de energia solar, geradores elétricos ou turbinas de vento para gerar energia eólica ainda não estão disponíveis – embora eles garantam que vão disponibilizar isso em breve.

Mark Dare Schmiedel, fundador da LTG Softs, diz que a empresa “quer servir de exemplo ao provar que altos padrões ecológicos e de sustentabilidade não são opostos de qualidade, design e conforto”.

Os projetos da Coodo têm preços que variam de acordo com as características de cada encomenda. O modelo Coodo 18, de módulo único com 61 m², varia entre 49.900 euros na versão vazia, €53.900 na versão básica e €59.000 na versão completa.

 

fonte:via

Dream Team de fotógrafos do Instagram clica dançarinos em locais inesperados

Três anos atrás, o coreógrafo Jacob Jonas pensava em maneiras de divulgar a arte da dança às novas gerações, em especial aos jovens que passam boa parte do dia conectados à internet. Foi assim que surgiu a ideia de unir dança e fotografia, criando o projeto Cameras and Dancers.

Uma vez por mês, Jacob reúne dançarinos e fotógrafos conhecidos no Instagram em alguma locação icônica, como o Píer de Santa Mônica, na Califórnia, ou a Biblioteca Pública de Nova Iorque, para promover sessões fotográficas rápidas, com duração de 3 a 4 horas, em que os grupos pensam rápido para criar lindas imagens da forma mais espontânea possível.

A 30ª edição do encontro foi realizada em agosto passado. Jonas diz que o projeto surgiu da vontade de “fazer algo para que sua forma de arte tivesse mais visibilidade online” e que “as fotos trazem o peso do engajamento dos usuários, mantendo a dança relevante e conectada ao público jovem através dos influenciadores digitais”.

Ao longo dos três anos de existência do Cameras and Dances, participaram fotógrafos influentes no Instagram, como Dave Krugman, Jessica Zollman, Kyle Huber, Lauren Randolph, Omar Robles, Michael O’ Neal, Ravi Vora, Sam Horine, Terry McLaughlin e Tyson Wheatley.

 

Gostou? Acesse o site ou o Instagram do projeto para conferir mais fotos!

Fotos: Cameras and Dancers/Jacob Jonas/fonte:via

Cada parede deste restaurante de Hong Kong é especialmente desenhada por grafiteiros

Você já deve ter visto por aí alguns restaurantes com uma das paredes do estabelecimento grafitada, não é? Mas e um local onde todas as paredes fossem grafitadas, e por artistas diferentes? Esse restaurante existe, se chama Bibo, e fica em Hong Kong.

Projetado para ser muito mais do que uma experiência gastronômica, a ideia faz parte de uma colaboração entre uma agência de design e um misterioso coordenador de projetos, que atende pelo mesmo nome do restaurante.

O local foi totalmente decorado com obras de artistas mundialmente reconhecidos, como Banksy, JR, Damien Hirst, Daniel Arsham e Invader. O objetivo, de acordo com o restaurante, é oferecer aos clientes um novo olhar sobre a arte, ao mesmo tempo em que os artistas têm a oportunidade de mostrar seu trabalho de um jeito diferente.

“Convidei artistas de rua de todo o mundo para criar instalações, mesmo antes do restaurante ser finalizado. Portas, paredes e até o teto foram usados. A ideia era que tudo parecesse inacabado, mas de uma forma orgânica”, explicou Bibo.

A julgar pelas fotos abaixo, jantar no restaurante/galeria realmente deve ser uma experiência única e fascinante. Então, se você nunca pensou em ir pra Hong Kong, está na hora de reconsiderar, não é mesmo?!

Imagens © Nathaniel Mcmahon/Fonte:via