Egito vai inaugurar em breve a maior fazenda de energia solar do mundo

Apesar de ser um produtor de combustível fóssil, e de historicamente depender quase que totalmente de tais fontes poluentes de energia, o Egito decidiu recentemente por uma guinada radical em tal preocupante realidade. Diante da confirmação de que sua capital, Cairo, é a segunda cidade grande mais poluída do mundo, o governo egípcio começou recentemente a construção da maior fazenda de energia solar do mundo. A ideia é que o Benban Complex possa alimentar centenas de milhares de residências e locais comerciais.

Localizado a 400 quilômetros de Cairo, o projeto custará 2,8 bilhões de dólares como parte de uma medida ainda maior por parte do governo do país, de migrar pelo menos 42% do consumo de energia do Egito para fontes renováveis. As 30 usinas solares do Benban Complex serão operadas por cerca de 4 mil trabalhadores, e será capaz de gerar até 1,8 gigawatts de eletricidade.

O presidente egípcio Abdel Fattah Sisi vem trabalhando para mudar a poluente realidade do país, que consome atualmente quase 90% de sua energia de combustíveis fósseis. Para isso, o governo vem incentivando outros projetos, como fazendas de energia eólica, e se valendo da ajuda de outros países para treinar profissionais e desenvolver o ensino de energia solar e eólica em escolas técnicas. Se o glorioso passado egípcio é ainda hoje admirado em espanto pelo mundo, quem sabe em tal campo seu presente também não venha a se tornar em breve também uma realidade a se admirar.

© fotos: repdorução/fonte:via

Canoa solar ajuda comunidades a navegar sem gasolina pela Amazônia

Que a gasolina não é lá muito amiga do meio ambiente eu imagino que você já saiba. Agora resta descobrir alternativas para não ficar queimando combustível fóssil por aí.

Quem sabe uma canoa movida a energia solar, por exemplo?

Ela existe, se chama Tapiatpia e está ajudando comunidades indígenas a navegar pela Amazônia. A canoa percorre 67 km pelos rios Capahuari e Pastaza, no Equador, ajudando na locomoção de cerca de mil pessoas que vivem em nove assentamentos.


Segundo a BBC, este seria o primeiro sistema fluvial comunitário solar a existir nesta parte da Amazônia. A canoa, feita em fibra de vidro, utiliza 32 painéis solares em seu teto e se inspira no desenho de embarcações usadas por indígenas que vivem no norte do país.

Em funcionamento há apenas um ano, o sistema ainda se encontra em uma etapa inicial. Se der certo, pode ser expandido para outras áreas da Amazônia, oferecendo uma alternativa de transporte sustentável para comunidades que antes viviam quase isoladas.

O projeto, conhecido como Kara Solar, foi desenvolvido pelo americano Oliver Utne, que conviveu com a comunidade beneficiada pela iniciativa durante anos. Antes, o transporte entre as aldeias achuar era realizado majoritariamente por barcos movidos a gasolina e diesel.

Porém, além de os combustíveis serem mais caros na região, pois chegam de avião, eles também contaminam a água a afugentam os animais, base do sustento das comunidades que vivem na área. Por outro lado, a construção de estradas promoveria o desmatamento e afetaria a biodiversidade do entorno.

Harmonizamos conhecimentos anscestrais indígenas com tencologia moderna em busca de uma solução real para nossa casa em comum, o planeta terra

O projeto foi uma iniciativa da Asociación Latinoamericana para el Desarrollo Alternativo (ALDEA) em conjunto com a Nacionalidad Achuar del Ecuador (NAE). Todas as decisões relativas aos horários, rotas e ao ponto central de embarque foram tomadas pela comunidade com o auxílio da organização Plan Junto.

 

Fotos: Divulgação Kara Solar/fonte:via

Primeiro trem 100% movido a energia solar é lançado na Austrália

O primeiro trem do mundo movido 100% a energia solar já existe e está circulando em fase de testes pelos trilhos de Byron Bay, na Austrália. A companhia ferroviária da cidade remodelou um trecho de três quilômetros e restaurou uma antiga locomotiva dos anos 70, equipando-a com painéis solares flexíveis de 6,5 kilowatts (kW).

O passeio foi inaugurado em dezembro de 2017, com serviço parcial. O funcionamento total começou em janeiro de 2018 e já é um sucesso. Já nos primeiros 19 dias, a novidade já tinha transportado 10 mil pessoas.

O trem comporta 100 passageiros sentados, com espaço para outros tantos em pé, além de bagagem, motos e pranchas de surfe. A tarifa para uma viagem de ida é de US $ 3 para pessoas maiores de 14 anos, US $ 2 crianças de 6 a 13 anos e gratuita para crianças até cinco anos.

O serviço funciona das 10h às 17h, de segunda a sábado, com saídas de hora em hora. Este cronograma está programado para se expandir, dizem os organizadores, quando os novos motoristas e atendentes recebem treinamento.

A Byron Bay Railroad Company gastou US $ 4 milhões para entrar em operação, incluindo US $ 1,8 milhão para restaurar os trilhos de 3 km e reconstruir a ponte sobre Belongil Creek. Mais US $ 1 milhão foi gasto nas duas plataformas e galpão de trem, como $ 750 mil na restauração do trem e sua conversão para energia solar.

 

Foto 1 e 2: Divulgação/ Byron Bay Railroad Company
Foto 3: Bob Richardson/fonte:via

Estas casas autossuficientes são impressas em 8 horas

Ter uma casa completamente movida a energia solar pode até parecer um daqueles sonhos distantes, mas uma nova tecnologia já está pronta para tornar isso uma realidade. E o melhor: o projeto de moradia cabe no seu bolso!

A proposta do engenheiro ucraniano Max Gerbut foi chamada de PassivDom. Tratam-se de residências pequenas, mas completamente autossuficientes, com um sistema de energia solar. Se isso já não fosse motivo de sobra para amar o projeto, então é bom saber que essas casas podem ficar prontas em apenas 8 horas, com a maioria de suas partes sendo desenvolvidas com uma impressora 3D.

De acordo com o Ciclo Vivo, a casa conta ainda com uma bateria para armazenar a energia extra. Graças à tecnologia, ela pode permanecer com energia suficiente para até duas semanas sem sol. Além disso, janelas especiais com isolamento térmico reduzem a necessidade de uso de ar condicionado e aquecedores.

Os primeiros modelos desenvolvidos pela empresa ganharam o nome de ModulOne e ModulTwo e, segundo seus criadores, podem ser instalados em qualquer superfície. Uma moradia de um dormitório com cozinha, sala e banheiro equipados pode ser reservada por US$ 64 mil (cerca de R$ 205 mil) na página da empresa, enquanto um modelo semelhante com dois dormitórios custa a partir de US$ 97 mil (aproximadamente R$ 315).

 

Fotos: Reprodução PassivDom/fonte:via