Californiana é a 1ª skatista mulher a completar ‘manobra insana’ em pista de Tony Hawk

O lendário Tony Hawk, responsável por colocar o skate em outro patamar, possui uma das pistas mais desafiadoras para os praticantes deste esporte radical. Localizada em Vista, na Califórnia, o percurso foi alvo de um feito histórico.

A jovem Lizzie Armanto, de 25 anos, conquistou o posto de primeira skatista do sexo feminino a completar a famosa ‘manobra insana’ do percurso projetado por Hawk. O movimento é dos mais desafiadores e consiste em um giro completo de 360 graus em uma pista construída em formato cilíndrico.

O nome insano não nasceu de graça, pois durante a manobra, a norte-americana chegou a ficar de cabeça para baixo, fazendo muitas pessoas lembrarem do globo da morte. Apesar de ter caído no meio da primeira tentativa, Lizzie não se deu por vencida e botou pra quebrar na segunda volta.

A execução perfeita impressiona, principalmente no momento em que ela fica em pé, de cabeça para baixo, totalmente suspensa. O feito histórico foi celebrado com entusiasmo pela skatista de 25 anos.

Lizzie Armanto nasceu em Santa Mônica, Califórnia. Os passos iniciais no skate foram dados em 2007, quando conquistou o primeiro lugar na Copa do Mundo de Skate. Ao longo de 10 anos, ela ganhou mais de 30 prêmios, entre eles o ouro na primeira edição feminina do X Games, em Barcelona.

Foto: Commons Media/fonte:via

Anúncios

Dia do Amigo: 9 grandes amizades que mudaram a história para sempre

A amizade é um fenômeno das reações humanas que desperta muita curiosidade. Talvez pela não existência de regras para que ela aconteça. Você já deve ter se deparado com pessoas de personalidades distintas dividindo uma cerveja no bar e histórias décadas a fio.

Como o ser humano é um bicho curioso, recentemente uma pesquisa norte-americana encabeçada pela Universidade da Califórnia buscou entender os sentimentos gerados quando se está na presença daquela pessoa que mora do lado esquerdo do peito.

Os genes dos humanos exercem algum papel relevante na eleição das amizades? Sim e não. Vamos lá, a pesquisa avaliou seis genes humanos e entre eles dois ganharam mais destaque, o DRD2 – vinculado ao desenvolvimento do alcoolismo e o CYP2A, aqui relacionado com o metabolismo de defesa contra substâncias como a nicotina.

Bom, o DED2 interveio diretamente na produção de neurotransmissores como serotonina, associada ao estado de ânimo e a dopamina, fundamental para a conservação da motivação, do aprendizado e atenção. Conclusão, para os estudiosos, estes elementos comprovam que na amizade não se busca apenas humor ou carisma, mas sobretudo elementos que completem os sentimentos.

Trocando em miúdos, amigo é aquela pessoa que chega em para preencher a parte que falta. No sentido mais poético, afinal de contas mesmo que diga-se que a felicidade deve ser construída sem dependência dos outros, é muito melhor quando se tem companhia para seguir pela estrada.

Para celebrar o Dia do Amigo, o Hypeness elegeu os nove amigos mais inseparáveis. São figuras das artes, política, mas que em comum possuem a vontade de estar ao lado do outro. Isso não significa a ausência de brigas ou rompimento, mas como diria o poeta, o importante é o triunfo do amor.

1. Lennon & McCartney

Provavelmente a parceria mais frutífera da história da música pop. Os dois rapazes de Liverpool são um perfeito retrato das nuances da amizade. Um canhoto. O outro destro. De um lado a guitarra. Do outro o baixo. Não importa, Paul e John se uniram por meio da paixão pela música.

Responsáveis pela criação de uma das bandas mais importantes de todos os tempos, os Beatles, a dupla dividiu por quase uma década a composição dos maiores sucessos musicais. Sabe aquele lance de individualizar duplas? Com Lennon e McCartney é bem esta a pegada. Lado a lado por tanto tempo, é impossível desassociar a existência de um do outro.

Claro, houveram momentos de turbulência, especialmente nos últimos anos dos Fab Four. Quem não se lembra das brigas homéricas entre eles pela imprensa? Rolou até uma música, How do You Sleep, com John literalmente chamando Paul para a briga.

Entretanto, o que ficam são os momentos de ternura. Por isso a história por trás de Hey Jude não pode ser deixada de lado. O final da relação entre John e Cynthia Lennon deixou muito abalado o filho do casal. Então com cinco anos, Julian não conseguia conviver com a ideia do fim do casamento do pai.

Percebendo a confusão na mente do garoto Paul, bastante próximo do jovem, resolveu visitá-lo em Londres. No caminho, como de costume,  tornou a pensar em uma nova canção. Ao chegar começou a cantarolar Hey Julian’, enquanto improvisava a letra.

“Hey Jules, don’t make it bad, take a sad song and make it better” (Ei Julian, não se sinta mal, ouça uma música triste para se sentir melhor). O tempo passou e Hey Jules se transformou no clássico Hey Jude. Falando com os repórteres, Macca admitiu sempre lembrar de John, assassinado na década de 1980, quando canta Hey Jude.

2. Tina Turner & Cher

Estamos diante de duas divas da música pop. Cada uma a sua maneira, a dupla conserva mais de 50 anos de companheirismo. Neste tempo todo foram tantos momentos de confidências que é difícil escolher. Claro, não dá pra deixar de lado Shame, Shame, Shame, que marcou o ano de 1975 com estas duas mulheres dividindo os palcos.

Outro momento interessante foi uma entrevista recente realizada no programa de Oprah Winfrey. O esperado encontro entre as duas rainhas do show biz foi marcado por uma resposta ‘mais Cher impossível’. Perguntada por Oprah sobre os efeitos da idade ela respondeu, “é uma merda”, arrancando risos efusivos de Tina.

“A primeira vez em que Tina e eu trabalhamos juntas ela veio ao estúdio e eu estava esperando, você sabe, algo mais Tina Turner. Mas ela me chega vestindo uma camiseta calça e sapatos de salto. Porém quando ela começou a falar e eu ouvi aquela voz!”, revelou Cher.

“Ela ficava olhando pra mim como se pensasse ‘nossa, de onde saiu essa pessoa?’, lembra Tina.

3. Roberto Carlos & Erasmo Carlos

“Em outra encarnação eu gostaria de novamente ser parceiro, amigo, compadre, companheiro e irmão do Roberto”. A emotividade presente na confidência de Erasmo sobre a amizade com Roberto Carlos dá o tom de uma das relações mais belas da música popular brasileira.

A proximidade é tanta que algumas pessoas chegam a se questionar se os dois não seriam irmãos. Não são. Na verdade, Roberto e Erasmo, como a própria música diz são ‘amigos de fé, irmãos camaradas’.

Atravessando boa parte do século 20, a história se inicia no Rio de Janeiro, especificamente na Tijuca. Eram os anos 1950, auge do rock e Elvis Presley. Por intermédio do amigo Arlênio Lívio, Roberto Carlos foi levado ao encontro de um grupo de amigos que curtiam rock no Bar do Divino.

Chegando lá esbarrou com outro fã de rock’n’roll, Erasmo. O resto é história. Mas vale dizer que deste companheirismo surgiu nada menos do que a Jovem Guarda, até hoje considerada o sustentáculo do rock brasileiro.

4. Serena Williams & Meghan Markle

Você pode até não saber, mas a amizade entre Serena e Meghan vem de muito tempo. Aliás, relação entre a tenista e a atriz – atual Duquesa de Sussex, está sendo descrita por aí como uma ‘amizade empoderadora’. Isso pelo tamanho da representatividade de ambas.

Com 35 títulos de Grand Slam, Serena Williams é considerada a maior tenista de todos os tempos. Mulher negra, sempre levou consigo a importância do combate ao racismo. Recentemente a norte-americana suscitou um importante debate sobre maternidade ao retornar ao esporte depois de ser mãe.

Meghan não deixa barato também. Famosa por sua trajetória como atriz, com direito a participações em séries como CSI, Markle defende conceitos feministas. “Tenho orgulho de ser mulher e feminista”. Depois do casamento com o príncipe Harry a Duquesa de Sussex é apontada como fundamental para a modernização da família real britânica.

Apesar dos laços de amizade, as duas não eram vistas em público desde o NY Fashion Week, por causa da distância física mesmo. Meghan se mudou para Londres e Serena vive na Flórida. Mas não há nada que a distância possa mudar e no tão esperado casamento real lá estava Serena Williams, exuberante com seu longo vestido, como uma das principais convidadas da amiga querida.

5. Gil & Caetano

‘Caetano das Luzes’ e ‘Gilberto Misterioso’. Gil é nascido em Salvador, mas cresceu em Ituaçu, cidade do interior da Bahia. Desde pequeno dizia querer ser ‘musgueiro e pai de menino’. Já Caetano nasceu em Santo Amaro da Purificação, cidade do Recôncavo Baiano. Ainda criança dava pistas de que seria um homem diferente dos outros. Aliás, foi ele quem escolheu o nome de sua irmã, Maria Bethânia.

A amizade entre os dois começou antes mesmo do primeiro encontro. Na década de 1960 um então jovem Gilberto Gil participava semanalmente de um programa de TV. Caê acompanhava com afinco e todo mundo sabia, inclusive sua mãe, Dona Canô, que dizia, “Caetano, venha ver aquele preto que você gosta”.

“Eu sentia a alegria por Gil existir, por ele ser preto, por ele ser ele, e por minha mãe saudar tudo isso de forma tão direta e tão transcendente”, escreveu Veloso em trecho de seu livro Verdade Tropical.

O tão esperado encontro aconteceu já nos tempos de Salvador, pouco antes da revolução iniciada nos palcos do Teatro Castro Alves. O contato entre Gil e Caetano foi intermediado pelo produtor Roberto Sant’anna e Caetano foi logo elogiando as canções e Gil. Daquele jeito que só ele sabe fazer. Nós aqui ficamos imaginando um sorriso cheio de ternura vindo de Gilberto.

Dali em diante são 50 anos de amizade, companheirismo e claro, criações artísticas. O primeiro passo dado por eles foi o movimento tropicalista, marcado por uma verdadeira revolução na música e também na estética. Jorge Ben, Tom Zé, Gal Costa, todos seguiram os comandos da dupla de baianos em um movimento marcado pela contracultura.

Ao final da década de 1960, Gil e Caê passaram por momentos difíceis. Com o aumento da repressão provocada pela ditadura militar foram presos no Rio de Janeiro e depois exilados em Londres. Apesar do momento difícil, especialmente para Caetano, os dois se apoiaram e dividiram a mesma casa com suas mulheres e filhos.

Na volta o Brasil, apesar de tudo, foi presenteado com nada menos do que os Doces Bárbaros, quando Caetano e Gil convocaram Gal e Bethânia para uma turnê nacional. Outro momento catártico da nossa música.

“Com relação a Caetano, o que sinto não chamaria de medo. É respeito”, Gilberto Gil.

6. Malala & Varaidzo Kativhu

A história de vida da jovem paquistanesa Malala é um exemplo para todos nós. A prêmio Nobel é um vento que sopra esperança em tempos tão complexos. Agora, assim como todo mundo, ela não deixa de ser uma mulher dando os primeiros passos na vida adulta. Ou seja, Malala também precisa dos amigos por perto.

As notícias são escassas, mas podemos assegurar que ela encontrou uma companheira daquelas nos corredores da Universidade de Oxford. Trata-se de Varaidzo Kativhu, uma youtuber com quem Malala passa horas saboreando pratos de comida indiana e ouvindo Beyoncé e Rihanna.

Elas são tão grudadas, que no Dia dos Namorados foram juntas em uma espécie de jantar das amigas. Não é lindo?

“Um ano e meio depois e minha melhor amiga é ninguém menos do que Malala Yousafzai, vencedora do prêmio Nobel!”

7. Angela Davis & Toni Morrison

Entre os nomes mais importantes do século 20, Toni Morrison e Angela Davis foram responsáveis por um pensamento feminista interseccional. A ideia era propor uma visão que fizesse um recorte para a realidade vivida pelas mulheres negras. Sempre com uma postura combativa, inclusive contra o FBI, estas duas mulheres negras se encontraram na militância há mais de 40 anos. Desde então cultivam uma das amizades mais notáveis do mundo.

A luta pelos direitos civis da população negra no mundo todo saiu ganhando. Veja, no caso de Davis, o pensamento de Morrison foi fundamental para o entendimento melhor sobre a escravidão, por exemplo.

“Com ela foi possível imaginar a escravidão muito diferente. A escravidão não destruiu a humanidade dos escravizados. Claro que a escravidão foi terrível, mas com Morrison conseguir perceber que estas pessoas conseguiram encarar o sistema escravocrata ao manterem sua humanidade”.

8. Betty Davis & Jimi Hendrix

A relação entre eles é do tamanho do impacto causado por ambos na música mundial. Dono de personalidades fortes e uma presença de palco poucas vezes vista na história, Betty Davis e Jimi Hendrix nutriram uma amizade tão complexa quanto o momento revolucionário surgido na década de 1960.

Durante o período Betty foi bastante influenciada pelo modo de fazer música de Hendrix – naquele tempo já se mostrando um virtuoso guitarrista. Percebendo a importância do momento, esta mulher de voz forte e fundamental para o desenvolvimento do feminismo, bebeu na fonte do rock produzido pelo guitarrista norte-americano para criar um novo estilo: o Jazz Fusion.

Em 1969 os jornais debatiam o perfil violento e explosivo de Miles Davis e os efeitos de tais características no casamento com Betty. O destempero respingou na amizade entre ela e Jimi. Miles não tinha dúvidas, os dois eram amantes. Nem a insistência de Betty e Hendrix de formar uma colaboração entre os três mudava a cabeça do músico.

Para tristeza de todos Jimi Hendrix morreu aos 27 anos vítima do abuso de drogas. Com isso o trabalho entre os três não pode se materializar e a amizade complexa entre Davis e Hendrix teve um final melancólico. Aliás, a tristeza pode ser percebida na expressão consternada de Betty Davis durante o enterro do amigo.

9. Tina Fey & Amy Poehler

Estas duas são uma espécie de Thelma e Louise do século 21. Elas foram líderes de uma das fases mais gloriosas do clássico humorístico Saturday Night Live.

Mas a amizade entre Tina e Amy nasceu tempos antes da fama. É uma relação de outros carnavais e que foi germinada há mais de 20 anos. Estes dois rostos engraçadíssimos se cruzaram em uma escola de teatro. Aqui pra nós, imagine só a peripécias cometidas por estas mulheres antes da fama.

Um dos momentos mais engraçados e afetuosos protagonizados por Tina e Amy foi durante o Globo de Ouro de 2014. Era a terceira vez em que as duas comandavam a cerimônia deste célebre prêmio do cinema mundial, mas as expectativas permaneciam altas. Não deu outra, elas arrasaram.

Na ocasião as atrizes usaram da acidez proporcionada pelo humor para comentar as acusações de estupro contra Bill Cosby. “Em ‘Caminhos da Floresta’ Cinderela foge do príncipe, Rapunzel é salva da torre por seu príncipe e a Bela Adormecida pensa que estava só tomando um café com Bill Cosby”, disseram arrancando risos da plateia.

Fotos: Reprodução/fonte:via

Como a Copa de 1962 botou o Chile em pé mesmo após o mais forte dos terremotos

1956: Chile e Argentina duelam pela oportunidade de sediar a Copa do Mundo de 1962, após duas edições realizadas na Europa. Apesar de a Argentina ser mais poderosa, ter melhor infraestrutura e tradição esportiva, Carlos Dittborn, presidente da Federação Chilena, convence a Fifa, lembrando que o estatuto da entidade previa o papel da Copa como motor para países menos desenvolvidos. A frase “Porque não temos nada, então faremos tudo” se tornou um lema.

22 de maio de 1960: Com as obras para a Copa em estágio avançado, o Chile é atingido pelo terremoto mais forte já registrado pela humanidade. O Sismo de Valdivia atingiu 9,5 graus na escala Richter, atingindo dezenas de cidades chilenas.

Estima-se que de 1 mil a 6 mil pessoas morreram, enquanto dezenas de milhares ficaram feridas e mais de 2 milhões perderam suas casas. De acordo com dados da época, cerca de 25% da população chilena ficou desabrigada. O tremor foi tão forte que provocou tsunamis capazes de provocar estragos em Havaí, Japão e Filipinas.

Das oito cidades escolhidas para sediar as partidas da Copa, quatro (Talca, Concepción, Talcahuano e Valdivia) foram severamente afetadas pelo terremoto e precisaram sair da lista.

Houve discussão sobre a capacidade do país de receber a competição, além de debates sobre a importância de insistir na ideia enquanto a reconstrução do país era a prioridade óbvia. “O Mundial, senhores, será no Chile, sim ou sim”, disse o presidente do Chile, Jorge Alessandri Rodríguezo, à FIFA.

A ideia do mandatário era que a Copa poderia dar uma injeção de ânimo na população, cujo estado de espírito estava abalado pelas mortes e pela destruição de casas e estabelecimentos comerciais.

Depois do terremoto, o governo chileno praticamente não investiu mais nos preparativos para a Copa, focando suas verbas na reconstrução das cidades mais afetadas e nos esforços para abrigar novamente as pessoas que perderam suas moradias.

No fim das contas, se decidiu que o Mundial seria realizado em apenas quatro sedes: Arica, Rancagua, Santiago e Viña del Mar. Graças à união do país, foi possível trabalhar, em paralelo, na ajuda às vítimas, na reconstrução do país e nos preparativos finais para a Copa.

Carlos Dittborn, símbolo dos esforços para garantir que o Mundial acontecesse no Chile, sofreu um ataque cardíaco um mês antes da abertura da competição e morreu. O estádio de Arica, que recebeu seis jogos da primeira fase e um das quartas de final, foi batizado com seu nome.

Dentro de campo, a seleção do Chile também foi motivo de orgulho para a população. Sem muita tradição futebolística, conseguiu passar pela Itália na fase de grupos, se classificando junto com a Alemanha Ocidental. Nas quartas, passou pela União Soviética.

O estilo de jogo físico, às vezes até desleal, fez com que a seleção chilena fosse mal falada por muitos torcedores e jornalistas, mas, para a população local, não importava. Eles entravam em campo para defender o país.

A semifinal seria contra o atual campeão Brasil, que, mesmo sem Pelé, tinha Garrincha, Vavá e tantos outros craques capazes de decidir a partida, que acabou em 4 x 2.

A seleção chilena venceria a Iugoslávia, com um gol de Eladio Rojas no último minuto, para garantir o terceiro lugar, melhor colocação do Chile em Copas até hoje. A competição realmente serviu para animar o espírito do país, e a frase célebre de Dittborn se tornou um símbolo da reconstrução. “Porque não temos nada, então faremos tudo”.

 

Fotos: Reprodução/fonte:via

Matthias Sindelar, o jogador que ousou vencer a Alemanha e comemorar um gol contra Hitler

A seleção da Áustria não vai estar presente na Copa do Mundo da Rússia, assim como aconteceu nas últimas quatro edições. A participação mais recente aconteceu na França, em 1998, mas, mesmo com apenas sete participações em mundiais, o país merece ser lembrado ao revisitar as grandes histórias das Copas.

Tudo graças a Matthias Sindelar, o grande craque austríaco da década de 30. Alto e magro, o atacante se destacava em campo pela velocidade, leveza e habilidade, ganhando o apelido “Der Papierene”, ou “Homem de Papel”.

Sua presença foi fundamental para que a seleção austríaca recebesse o apelido Wunderteam, ou “Time Maravilha”. Campeã da Copa Internacional da Europa Central em 1932, espécie de torneio precursor da Eurocopa, a Áustria chegou à Copa de 1934 como uma das favoritas, tendo vencido ou empatado 28 das 31 partidas anteriores ao Mundial.

Apesar do bom futebol do Wunderteam, que bateu França e Hungria nas oitavas e quartas de final, respectivamente, a Áustria caiu frente à anfitriã e futura campeã Itália na semifinal, partida que os especialistas europeus definiram como final antecipada.

Nascido em 1903, a participação de Sindelar na Copa de 1938 poderia ser considerada improvável, afinal, a carreira dos atletas não era tão longeva naquela época. Apesar disso, aos 35 anos, o craque seguiu como titular da equipe, sendo importante na campanha vice-campeã da Olimpíada de 1936, novamente com derrota para a Itália.

A Áustria se classificou para a Copa de 1938, mas não pôde jogar. O motivo? A três meses do Mundial, a Alemanha de Hitler invadiu e anexou a Áustria ao território do Terceiro Reich.

Assim, os jogadores deveriam jogar pela Alemanha, que na época era uma seleção de segundo nível, mas ganharia muito com a presença dos atletas austríacos.

Os gols e a comemoração da revolta

Mas Sindelar foi um dos jogadores que se recusaram a vestir o uniforme alemão, que inclusive ostentava uma suástica como escudo. Não sem antes dar um jeito de expressar seu descontentamento com a questão política que marcava a Europa.

Um mês após a indexação, e dois antes da Copa, em 3 de abril, Hitler resolveu celebrar a anexação com uma partida entre Áustria e Alemanha, supostamente a última dos austríacos como nação soberana.

O resultado fora encomendado pelos generais alemães: há quem diga que eles foram ao vestiário austríaco exigir que a partida terminasse empatada, enquanto outra versão dá conta de que eles determinaram que os alemães sairiam vitoriosos.

Mas, em campo, Sindelar se recusou a se dobrar. Ele marcou o primeiro gol da partida, comemorando efusivamente – segundo relatos, ele fez questão de celebrar em frente à tribuna em que figuravam autoridades militares nazistas. A partida, que terminou 2 a 0, seria a última oficial do “Homem de Papel”.

Apesar da rebeldia, os alemães mantiveram o “convite” para que Sindelar atuasse por eles na Copa. Ele recusou, alegando estar lesionado ou velho demais para competir em alto nível, ainda que seu histórico recente indicasse o contrário. Quatro atletas austríacos (Josef Stroh, Rudolf Raftl, Johann Mock e Franz Wagner) acabaram jogando o Mundial pela Alemanha.

A recusa de Sindelar teve consequências: ele foi proibido de jogar futebol profissionalmente e de viajar para além das fronteiras alemãs. Para seguir a vida, o craque abriu uma cafeteria, mas há relatos de que membros do exército nazista atrapalhavam seu funcionamento com frequência.

Em 22 de janeiro de 1939, cerca de seis meses após o término da Copa, Sindelar e sua companheira, a italiana Camilla Castagnola, foram encontrados mortos no apartamento onde viviam, em Viena.

A versão oficial apontou a causa da morte como asfixia por vazamento de monóxido de carbono, um acidente relativamente comum naquela época. Apesar disso, não faltou quem suspeitasse que se tratara de suicídio por causa da pressão exercida pelos alemães, ou mesmo de assassinato cometido pelos nazistas – anos depois, foi revelado que a Gestapo investigou Sindelar por suspeitas de que ele fosse “”pró-judeu” e “social-democrata”.

Estima-se que o funeral do craque levou de 15 mil a 20 mil pessoas ao Cemitério Central de Viena. Em 1998, Sindelar foi eleito o maior atleta austríaco do século, e segue imortalizado na história do esporte. Há um vídeo no Youtube que reúne algumas das raras filmagens do Homem de Papel.

Fotos: Reprodução/fonte:via

Como um aparelho de tortura medieval ajudou este atleta britânico a voltar a competir

Nadar 3800 metros, pedalar por 180 km e correr 42 km. A sequência era um desafio que o triatleta britânico Tim Don conhecia e dominava: em maio de 2017, ele veio ao Brasil para competir na etapa de Florianópolis do Ironman, batendo o recorde mundial da prova: 7 horas, 40 minutos e 23 segundos, mais de 4 minutos mais rápido que o recordista anterior.

Mas vencer o Ironman seria algo até simples em comparação com o que estaria por vir. Tim, que havia competido em três Olimpíadas, estava há meses no Havaí se preparando para o Campeonato Mundial de Ironman, em Kona.

Favorito ao título, ele nem chegou a iniciar a prova: na antevéspera do dia tão esperado, ele fazia um treino de ciclismo quando foi atropelado por uma caminhonete, resultando em ferimentos de menor e maior gravidade, incluindo uma fratura na vértebra C2, que costuma quebrar em casos de enforcamento.

O médico de Don lhe ofereceu três opções: usar um colar cervical, que o imobilizaria até que a fratura se cicatrizasse sozinha, opção pouco recomendada devido à gravidade da lesão; passar por uma cirurgia, que lhe garantiria o retorno da saúde, mas provavelmente acabaria com sua carreira como atleta profissional; ou usar um equipamento igual a um aparelho de tortura medieval.

Don escolheu a terceira opção. Passou seis meses com o instrumento, chamado de ‘Halo’, ou auréola. Quatro pinos de titânio foram colocados em seu crânio, dois na parte da frente e dois na parte de trás da cabeça. Eles estavam presos a barras de metal ligadas a um colar. Seu pescoço não poderia estar mais imobilizado.

Foram quatro meses difíceis, especialmente para alguém tão acostumado a estar em movimento. Mas valeu a pena: Don voltou a treinar na academia ainda com a auréola, e finalmente pôde retirar o equipamento, que quase o fez desmaiar de dor – sua cabeça inchou e os buracos ficaram apertados, fazendo escorrer sangue. A esposa do triatleta usou uma esponja para limpar a testa, e ele chegou perto de apagar.

Em abril, 6 meses depois do acidente, ele participou da maratona de Boston. Correu os 42195 metros em 2 horas, 49 minutos e 42 segundos, bem perto de seu objetivo, 2h50. E já pensa em competir numa edição do Ironman em junho.

Por enquanto, o grande desafio parece ser a natação. Ele não tem conseguido movimentar o pescoço satisfatoriamente para respirar entre uma braça e outra, precisando usar um snorkel. Mas, se a história de Don ensina alguma coisa, é que não se deve duvidar da sua força de vontade.

 

Fotos: Reprodução/Instagram/fonte:via

Escola de surf na Noruega tem neve, aurora boreal e temperaturas negativas

Montanhas e areia branquinhas ao redor do mar podem fazer parte do imaginário quando se pensa em um bom pico para surfar, mas, em Lofoten, na Noruega, a cor é justificada pela neve. Com temperaturas negativas durante boa parte do ano, o local abriga a Unstad Arctic Surf, a escola de surf mais ao norte do planeta.

A escola foi fundada em 2003, mas o esporte é praticado na região desde a década de 60, quando os jovens Thor Frantzen e Hans Egil Krane, que trabalhavam viajando o mundo em navios, conheceram o surf na Austrália e resolveram leva-lo para casa.

Como não havia pranchas no país, eles mesmos as criaram, usando como base a capa do álbum Surfin’ Safari, dos Beach Boys. A região ficou esquecida para o esporte até a década de 90, quando surfistas voltaram ao local inclusive gravando o filme E2K (veja trecho abaixo).

A retomada inspirou o já idoso Thor Frantzen a voltar ao local e fundar a escola junto à sua esposa, Randi. Hoje a escola é comandada por Marion, filha do casal, e disponibiliza, além das aulas de surf, expedições para pesca, caminhada, escalada, mergulho e rolês de skate. A prancha original feita por Thor na década de 60 também está lá para exibição.

Até o tricampeão mundial Mick Fanning chegou a conhecer as ondas de Lofoten. Além de surfar em temperaturas negativas no inverno, quem tem coragem de cair na água gelada pode ter a sorte de surfar enquanto observa a aurora boreal, um dos maiores espetáculos da natureza.

Outra curiosidade interessante é a chance de surfar com luz do sol a qualquer hora do dia – ou da noite. Isso porque, de 27 de maio a 17 de julho, durante o verão norueguês, o sol nunca se põe em Lofoten. Ou seja, dá para pegar a prancha de madrugada e cair na água sem medo de ser feliz.

 

Fotos sem crédito: Divulgação/Unstad Arctic Surf  /fonte:via

Este campo na Noruega é tudo que os amantes do futebol sonharam

O futebol continua sendo o esporte mais praticado do mundo, com fãs e jogadores encontrados nos quatro cantos do planeta. Não é diferente em Henningsvær, uma pequena vila de pescadores da Noruega, onde fica um dos campos mais legais já vistos.

Henningsvær conta com apenas 0,3 km² de área, e em 2013 a população oficial era de 444 pessoas. Mesmo assim o campo de futebol, chamado Henningsvær Idrettslag Stadion, segue firme, forte e bem cuidado, recebendo jogos amadores e treinamentos para crianças e adolescentes.

Para fazer o campo foi necessário aterrar o terreno rochoso ao sul da ilha de Hellandsøya antes de instalar a grama artificial por onde rola a bola. O estádio, se é que se pode chamar assim, não tem arquibancada, apenas faixas de asfalto ao redor do campo, de onde é possível ver os jogos, mas conta com geradores capazes de alimentar refletores para partidas noturnas.

Apesar de os jogadores terem uma vista especial de dentro do campo, ter que buscar uma bola chutada para longe não deve ser das tarefas mais divertidas…

 Fotos: Reprodução/fonte:[via]