Gato é abandonado com nós terríveis no pelo, mas ganha vida nova após uma boa tosa

Se algumas pessoas dedicam suas vidas para cuidar de animais desamparados, adotando gatos e cachorros que cruzam seus caminhos, outras são tão negligentes, que deixam um gato ter 4,5 quilos de puro nó nos pelos, impedindo até mesmo o seu caminhar. O gato – de 10 anos, foi deixado no abrigo Douglas County Animal Care & Services, em Nevada – EUA, por uma pessoa que ainda não foi reconhecida.

Liz Begovich – a supervisora do abrigo, disse que no início pensou se tratar de um cachorro, já que são menos cuidadosos e higiênicos do que os gatos, o que aumentou ainda mais o seu choque: Oh meu Deus, é um gato!’ Eu nunca vi um gato com esse tipo de condição, disse ao site The Dodo.

O gato recebeu o nome de Bob Marley por causa de seus dreadlocks e precisou ser sedado para que a equipe pudesse trabalhar em sua tosa, um pouco dolorida, devido ao emaranhado absurdo que possuía em seus pelos. A situação era tão extrema, que ele não conseguia se locomover e, acabou ficando com muitos quilos a mais do que é considerado saudável.

A boa notícia é que Bob foi adotado e agora está em boas mãos, porém o o próximo passo é encontrar seu antigo dono, que pode ser o homem que o deixou no abrigo, ou não. Por isso, toda a cidade de Gardnerville já está empenhada em identificar o homem que aparece nas câmeras de segurança do abrigo que salvou a vida de Bob. Sendo ele ou não, é difícil acreditar que uma pessoa possa fazer isso com um ser indefeso!

Anúncios

Bruno, o gato obeso, está em busca de um lar pra chamar de seu

Um gato muito descolado para viver sem um lar. Não que os outros não sejam, mas as peculiaridades de Bruno o transforma em uma figura irresistível. Instalado em um abrigo em Chicago, o felino até foi adotado por uma família, mas infelizmente não se deu bem com as crianças.

Bruno é um gato russo azul e atualmente sofre com obesidade. Talvez por causa de suas habilidades sedutoras na hora de pedir comida. Esperto, o bichano consegue se equilibrar em duas patas.

O felino pesa 11 quilos, quando o normal para gatos de sua raça e idade fica entre 3 e 4 quilos. Bruno também é um gato polydactyl. Isto é, ele nasceu com mais dedos nas patas do que o normal.

Mesmo com toda essa fofurice, Bruno não é um grande fã de longos abraços. Aliás, caso você tente, ele vai fazer de tudo para espantá-lo. Inclusive fingir que está mordendo. Mas não se preocupe, ele é um gato de família e gosta de brincar com os donos.

Com a divulgação de sua história, Bruno recebeu uma enxurrada de pedidos de adoção vindos de localidades variadas, como Austrália, País de Gales e Canadá.

Foto: Reprodução/fonte:via

O emocionante reencontro de gato com sua humana após 13 anos de separação

Constatar que seu animal de estimação desapareceu é terrível. Aviso aos amigos, anúncios em jornais e distribuídos por postes e, hoje, nas redes sociais, nem sempre resultam em final feliz. Foi assim com a inglesa Janet Adamowicz, que vive em Harrogate.

Em 2005, sua gatinha Boo, então com quatro anos, desapareceu. Janet fez tudo o que era possível para encontrá-la, mas não teve sucesso. Depois de um ano de busca, desistiu e aceitou que o melhor a fazer era acreditar que Boo estava em um novo lar onde recebesse carinho e atenção.

Hoje, ela cuida de dois gatos, Ollie, que adotou em 2008, e Tessie, desde 2014. Ao receber a ligação de uma clínica veterinária que dizia estar com seu gato perdido, ela estranhou. “Os dois estão comigo”, disse, antes de ser surpreendida com a notícia de que estavam falando de Boo.

A gatinha foi encontrada Pocklington, cidade a mais de 60 km de onde Janet vive. Ao analisar os dados contidos em um microchip instalado no animal, os veterinários localizaram Janet e seu telefone de contato. Foram quase 13 anos separadas.

De acordo com Janet, ao rever Boo ficou nítido que a gata se lembrava dela. “Apesar de ter só cinco anos quando se perdeu, ela ainda se recorda de mim e tem sido minha sombra desde que voltou para casa”, disse.

Boo reconheceu a dona na hora, e em poucos minutos ela estava esfregando o rosto, pedindo carinho e miando”, contou uma das pessoas que trabalha na clínica. “Garantimos que não houve um olho seco em todo o prédio”, completou.

Janet contou que Boo sempre gostou de sair e passear, mas que voltava para casa todas as vezes. É impossível saber como ela foi parar em uma cidade a mais de 60 km de distância, mas os veterinários acreditam que ela viveu nas ruas esse tempo todo, procurando comida ou sendo alimentada por humanos. Apesar de estar um pouco desidratada, ela foi encontrada em boas condições de saúde e passa muito bem.

Fotos via SWNS /fonte:via

Eles adotaram um gato de 14 kg e registram a luta dele com a balança

Mike Wilson e Megan Hanneman são um casal norte-americano dono de uma empresa de mobília de parede para gatos brincarem dentro de casa. Seus dois gatos costumavam testar os equipamentos desenvolvidos pelo casal, e o sucesso do trabalho os fez concluir que era hora de adotar um terceiro animal. Quando foram até o abrigo, o acaso os surpreendeu, e Mike e Megan rapidamente entenderam que teriam uma nova amorosa tarefa pela frente, ao se apaixonarem pelo gato Bronson, um “gigante gentil”, como se refeririam no post original, que aos três anos de idade pesa 14 quilos.

Inicialmente a ideia do casal era levar Bronson para casa, a fim de ajuda-lo a perder o peso extra e cuidar de sua saúde. A doçura e o carinho do gato, no entanto, fizeram com que Bronson se tornasse um querido membro da família em questão de instantes, e levaram Mike e Megan a realmente criarem um plano para que o gato mudasse sua dieta e começasse seus exercícios.

Como gatos não podem perder peso muito rápido, ou acabam por desenvolver uma doença no fígado, o trabalho precisa ser realizado lentamente, com paciência e perseverança.

Por enquanto Bronson ainda não pode testar as divertidas mobílias de parede que o casal desenvolve, mas ele já está em uma calculada dieta de 375 calorias por dia, com uma série de exercícios em sua rotina.

Brinquedos, subir e descer escadas, e caminhar atrás dos potes de comida e água – que seus donos mudam de lugar constantemente para que ele tenha que se exercitar – são a malhação do gato, que já perdeu quase 1 quilo.

Como não poderia deixar de ser, o charme e a desenvoltura de Bronson fizeram dele um sucesso em seu perfil no instagram, com mais de 25 mil seguidores acompanhando esse blogueiro felino fitness em seu caminho rumo a uma vida saudável.

© fotos: instagram/divulgação/fonte:via

Ela faz retratos 3D do seu gato tão realistas que vão te deixar confuso

Uma foto, uma agulha, um pouco de lã e muitas horas de dedicação são tudo o que esta artista japonesa precisa para criar uma réplica perfeita do seu gatinho.

Wakuneco faz sucesso com retratos dos felinos em três dimensões, que são então transformados em quadros assustadoramente reais.

Para compor cada réplica, a artista usa técnicas de feltragem com agulha. Como se trata de um trabalho bastante detalhado, as criações levam cerca de um mês para ficarem prontas.

O resultado é tão incrível que fica difícil acreditar que Wakuneco trabalha dessa forma há apenas três anos.

São usadas fotos de gatos reais como referência para seus quadros. Quem olha para algum dos gatinhos esculpidos em lã quase não acredita não estar diante de um felino de verdade, tamanho o detalhe presente nas obras.

Seu processo criativo é mostrado em vídeos explicativos publicados em seu canal do Youtube. No entanto, quem tem interesse nas obras prontas pode se juntar aos mais de 28 mil seguidores que a artista possui no Instagram.

Infelizmente, o sonho de ver seu gatinho reproduzido pelas mãos de Wakuneco terá que esperar, já que ela não envia seus trabalhos para o exterior… Ou, quem sabe, essa é a desculpa que você estava esperando para viajar ao Japão?

Fotos © Wakuneco  /fonte:via

Gato gordo e fofo invade as obras mais famosas da história com muita atitude

A artista Svetlana Petrova transforma seu gato ruivo, Zarathustra, em muso inspirador e coloca o adorável felino gordo em algumas das obras mais conhecidas da história da arte. O bichano invade as pinturas para acrescentar sua própria dose de beleza, dando novo significado a elas.

Na explicação de Petrova sobre sua arte de gato, ela deu um giro divertido em como seu trabalho é feito. Ela apresenta como se Zarathustra fosse o verdadeiro gênio artístico que possui uma incrível capacidade de melhorar as pinturas. “Eu sou apenas uma assistente humilde de Sua Majestade Peluda”, ela diz, “que gentilmente me permite usar todas as minhas habilidades de pintura, fotografia e Photoshop para inserir suas preciosas imagens em obras-primas de renomados artistas do passado”.

Juntos, Petrova e Zaratustra “revisitaram” mais de 150 pinturas e as compilaram em um livro intitulado “Arte do Gato Gordo: Obras-primas famosas melhoradas por um gato ruivo com atitude”, disponível na Amazon.

Arte: Svetlana Petrova /fonte:via

Ela adotou um gato em 1988 e não esperava celebrar seu aniversário 30 anos depois

Em seu aniversário de 20 anos, Michele Foster adotou o gatinho Rubble. Ela havia saído da casa dos pais há pouco tempo e achou que o animal seria uma ótima companhia.

O que a humana não esperava é que essa parceria completaria 30 anos.

Adotado em maio de 1988, Rubble acaba de completar seu 30º aniversário. O gato teve direito a uma festa surpresa ao fazer uma visita de chek up em seu veterinário, o City Vets, Exeter.

Rubble é o paciente felino mais antigo do CityVets e provavelmente o gato mais velho do Reino Unido. Nós o surpreendemos quando ele veio para uma consulta de rotina com um balão e sua comida preferida“, escreveram os veterinários em sua página do Facebook. A publicação ainda acrescenta que, apesar de tomar remédios para a pressão, a saúde do animal é incrivelmente boa.

Embora possa ser considerado o gato mais velho ainda vivo, o recorde mundial pertence a Creme Puff, um animal nascido em 1967  e que viveu até 2005. Ao todo, ele teria vivido durante 38 anos e três dias, de acordo com a Fox News.

Fotos: SWNS /fonte:via