A Islândia vista de cima é ainda mais fantástica do que você imagina

Conhecer a Islândia é sonho de muita gente que deseja encontrar paisagens insólitas ou se deparar com uma sociedade extremamente avançada em todos os sentidos. Algumas fotografias já se tornaram icônicas para representar o país nórdico, como seus exóticos cavalos, as casinhas coloridas, a aurora boreal e a Blue Lagoon. Porém, o fotógrafo alemão Tom Hegen superou todas as expectativas ao fotografar a Islândia vista de cima.

A série recebeu o nome de “The River Veins” (as veias do rio) e, mostra uma Islândia que quase ninguém conhece, cheia de cores e texturas. Tom é especializado em fotografias aéreas e, faz de seu trabalho, uma maneira de nos apresentar um mundo diferente, sob uma nova perspectiva.

O fotógrafo conseguiu captar o exato momento em que as geleiras derretem e entram em contato com a areia negra de origem vulcânica, criando padrões na paisagem, que parece mais uma pintura. Ele brinca também com o observador, que nunca sabe a exata distância em que a foto foi tirada, porém, não deixa de se encantar nem por um segundo.

Fotos: Tom Hegen /fonte:via

Anúncios

Cientistas descobrem cânion gigante sob gelo da Antártida

Um grupo de cientistas acaba de fazer uma descoberta que pode ajudar e muito no entendimento do fluxo do gelo. Durante um longo trabalho de pesquisas com o auxílio de radares, os cientistas encontraram cânions gigantes congelados abaixo das camadas de gelo da Antártida.

Ao todo são três cânions e o maior possui mais de 350 quilômetros de comprimento e 35 de largura. O trio está localizado próximo da alta cordilheira de gelo, uma divisão que vai do Pólo Sul em direção ao oeste da Antártida. As divisões são similares com as encontradas na América do Norte.

“Estes cânions canalizam gelo a partir do centro do continente, os transportando para a costa. Contudo, em função das mudanças climáticas, esperamos que este gelo derreta e deságue no mar mais rápido do que esperado”, explica para BBC Kate Winter, co-autora dos estudos.

Segundo o ensaio, capitaneado pelo projeto britânico PolarGAP, os cânions gigantes de gelo podem ter ganhado forma durante o período glacial, quando o continente gelado vivia uma outra configuração sistêmica.

“Esta descoberta é incrível. A região do Polo Sul é uma das mais conhecidas em toda a Antártida. Nosso trabalho vai incentivar novas pesquisas sobre o processo geológico de criação de montanhas antes mesmo da presença da camada de gelo na Antártida”, comemorou Fausto Ferraccioli, um dos principais nomes do PolarGAP.

Foto: Reprodução/Inhabitat/fonte:via

O lago mais profundo e limpo do mundo tem registros impressionantes de sua fase congelada

A fotógrafa russa Kristina Makeeva, que vive em Moscou, fez duas visitas ao Baikal, o lago mais profundo e limpo da Terra. Quando estava planejando a viagem, ela não tinha ideia que o lugar fosse tão maravilhoso, majestoso e encantado. “Nós fomos tão arrebatados por sua beleza, que quase não dormimos durante os 3 dias que estivemos aqui”, conta.

O Lago Baikal tem cerca de 600 km de comprimento. A espessura atinge de 1,5 a 2 metros, podendo suportar cerca de 15 toneladas nos lugares mais firmes. O gelo tem padrões diferentes em cada parte do lago, já que a água vai congelando camada por camada. “O gelo no Baikal é o mais transparente do mundo! Você pode ver tudo até o fundo: peixes, pedras e plantas. A água no lago é tão clara, que você pode ver tudo que está até 40 metros de profundidade.

Baikal também é o lago mais profundo do mundo. Sua idade certa ainda provoca debates entre cientistas, mas o certo é que este é o maior reservatório de água doce do planeta e sua profundidade é de 1.642 metros. Além de Baikal, existem apenas dois lagos com mais de 1000 metros de profundidade: o lago Tanganica, com 1.470 metros e o mar Cáspio, com 1.025 metros.

“Em algumas partes, o gelo é escorregadio como o espelho. Você pode fotografar reflexos ideais e capturar viajantes andando de patins, bicicleta ou trenó. Lugar maravilhoso”, conta Kristina.

Confira as imagens:












 

Fotos: Kristina Makeeva/fonte:via

10 formações de gelo e neve que parecem arte

Em regiões onde neva, ou onde as temperaturas são baixas o suficiente para criar belas formações de gelo, verdadeiras obras de arte podem ser desenhadas pela natureza.

Enquanto essas inesperadas criações são de fato lindas, o gelo também pode ser muito perigoso e até mortal. O inverno rigoroso causa muitos acidentes, desde estradas escorregadias até tempestades fortes de granizo.

Da segurança do verão brasileiro, no entanto, podemos nos contentar com observar imagens impressionantes de formações diversas, influenciadas por fatores que vão desde umidade e temperatura até velocidade do vento, gerando resultados extremamente diferentes:

Lago Baikal


Esse lago do sul da Sibéria, na Rússia, é responsável por 22% a 23% da água doce de degelo do planeta, e considerado Patrimônio Mundial pela UNESCO. Foto de Alexey Trofimov.

Bolhas congeladas


Essa é uma criação humana, feita com a ajuda do clima. Após a previsão do tempo anunciar temperaturas de menos 9° C a menos 12° C em Washington, nos EUA, a fotógrafa Angela Kelly decidiu aproveitar o frio inesperado para fazer bolhas de sabão com seu filho, enquanto as clicava à medida que congelavam e derretiam.

Farol congelado


O farol do lago Michigan, nos EUA, congelou no inverno passado. A visão parece quase inacreditável, não é mesmo? Foto de Thomas Zakowski e Tom Gill.

Flores congeladas


Essa foto foi feita por João Paglione, como resultado de uma tempestade de neve em Atlanta, nos EUA, em janeiro de 2005.

Lago McDonald e Lago Abraham


Esses cliques são do fotógrafo Phillips Chip. À esquerda, uma imagem feita ao pôr do sol no Lago McDonald (EUA), enquanto o artista literalmente assistia essas folhas de gelo congelarem. À direita, bolhas congeladas fotografas no Lago Abraham, no Canadá.

 

Teia congelada


Essa foto incrível foi clicada por Robert Felton em 2013.

Árvore congelada


A fotógrafa desta imagem literalmente se machucou por ela. Svetlana Kazina passeava pelas margens do Lago Teletskoye, na Sibéria, quando notou a frágil e bela árvore de gelo. No caminho de volta, escorregou nas rochas congeladas deslizantes, mas considerou seu clique perfeito um bálsamo para seu joelho dolorido.

Gelo na cerca


Essa imagem de autor desconhecido é um belo retrato de uma árvore, de ângulo gelado diferente.

Pinheiros brancos


Cindi Girard é a autora dessa bela foto de pinheiros congelados.

Macieira congelada


Essa imagem de Thomas Zagler mostra água congelada em temperatura fria (abaixo de 0° C) nas flores de uma macieira.

fonte:via[BoredPanda]

O que são estes blocos de gelo na Antártida?

Nós costumamos imaginar a Antártida como um grande deserto de gelo, mas o continente frio possui formações naturais tão incríveis quanto todos os outros. A imagem acima, intitulada “Icy Sugar Cubes” (algo como ‘cubos de açúcar gelados’), foi tirada na Antártida em 1995, em um voo sobre a costa inglesa na península da Antártida do Sul.

O British Antarctic Survey, organização responsável pelas pesquisas britânicas no continente gelado, digitalizou recentemente a foto e ganhou o prêmio geral na competição de fotografia científica anual da Royal Society em 2017 (veja os outros vencedores aqui). Mas como essas enormes formações retangulares apareceram na paisagem do continente?

De acordo com Ted Scambos, glaciologista e cientista principal da equipe de ciência do Centro Nacional de Dados sobre Neve e Gelo dos EUA, a foto parece representar uma área de “gelo de fluxo rápido e flutuante”, em entrevista ao portal Live Science.

O que faz as formações aparecerem são os constantes movimentos das massas de gelo, que estão sempre fluindo e esbarrando umas nas outras. “Uma enorme placa de gelo começa a flutuar”, diz Scambos, “e, inicialmente, porque ela é muito espessa, ela se espalha lateralmente [de lado a lado], criando profundas covas de fluxo. Mais tarde, com mais fluxo, o gelo começa a esticar longitudinalmente, e a superfície da neve se rompe perpendicularmente às primeiras calhas”, explica.

É como se o gelo procurasse por onde seguir seu caminho. Ao fazer isso e esbarrar em outras placas, ele acaba formando estes caminhos entre os blocos que são vistos na imagem. Primeiro, as fendas aparecem paralelamente ao movimento para a frente do gelo, criando uma série de fendas horizontais. Mais tarde, outra série de rachaduras aparece perpendicular à direção do fluxo de gelo, completando a grade estranhamente regular.

A imagem oferece pistas que podem ajudar a sabermos em que direção o gelo estava fluindo. “As calhas que correm mais perpendiculares à aeronave são um pouco mais antigas, mais cheias de neve – eu acho que elas são paralelas à direção do fluxo”, aponta Scambos. A explicação é que estas aberturas existem a mais tempo, portanto mais tempestades de neve passaram por elas, preenchendo-as.

“Os cortes mais acentuados que fazem os blocos, mais na direção do voo do avião, são mais novos”, acredita o pesquisador. Ou seja, o gelo provavelmente fluía ao longo dos caminhos mais rasos, e os cortes mais profundos e retos apareceram mais recentemente.

Quantos segredos como esse o continente gelado ainda esconde?

fonte:[via] [Live Science]

Que tal se hospedar num quarto de gelo em pleno verão?

42FC7DB700000578-4763616-image-a-7_1501943939395

Se você curte um friozinho mesmo no verão, vai gostar deste hotel na Suécia. Pelo nome, já dá para deduzir: o IceHotel foi todo construído com gelo, e recebe cerca de 50 mil visitantes por ano.

Localizado em uma vila de pouco mais de mil habitantes, foram necessários 1000 toneladas de gelo para a sua construção, retiradas do Rio Torne, no norte do país. Seu gelo não derrete nem mesmo no calor por conta de painéis solares instalados por toda a superfície que ajudam a manter a temperatura a 5 graus negativos.

“A natureza e o ambiente não são somente uma enorme fonte de inspiração para o Icehotel, mas também uma necessidade para criar o hotel ano após ano. Antes, nós dizíamos adeus a nossos hóspedes toda primavera, mas graças à ajuda do sol nós agora podemos convidá-los durante o ano inteiro”, contou Yngve Bergqvist, fundador do local, ao Design Boom.

O Ice Hotel é o primeiro hotel de gelo permanente do mundo, e caso você queira viver esta experiência e se hospedar em uns dos 20 quartos congelantes do loca, vai precisar desembolsar uma quantia razoável. Para saber mais, acesse o site.

658046-970x600-1

42FC7DB700000578-4763616-image-a-7_1501943939395

42FC82DD00000578-4763616-image-a-12_1501944055261

42FC885800000578-4763616-image-a-14_1501944068348

default-3

default

default-1

default-4

Imagens © Divulgação/fonte:via