Esta ministra foi de bicicleta até o hospital para dar à luz

A Nova Zelândia é realmente um lugar de mulheres inspiradoras. Primeiro, o país da Oceania elegeu a chefe de governo mais jovem do mundo. Como se não fosse suficiente, Jacinda Ardern se tornou a primeira ocidental a dar à luz enquanto está no poder.

A estrelinha da inspiração desta vez vai para Julie Anne Ganter, que na 42ª semana de gravidez, pedalou até hospital para o nascimento de seu filho. A Ministra para as Mulheres foi atendida por uma parteira no centro médico de Auckland – maior cidade do país – e publicou um texto sobre a experiência na página do Instagram.

“Estamos muito felizes em anunciar a chegada do nosso filho. Depois do longo trabalho de parto, passamos por um procedimento tranquilo e prático. Queremos agradecer aos funcionários do hospital e a todos que nos apoiaram”, encerrou.  

Com carreira centrada no ambientalismo e no uso da bicicleta como meio de transporte, Julie decidiu pedalar por volta de 1 quilômetro de sua casa até o hospital municipal para destacar suas propostas de políticas públicas. A história repercutiu positivamente entre os veículos de comunicação e nas redes sociais.

A primeira-ministra neozelandesa Jacinda Ardern, que acaba de retornar ao trabalho depois de seis semanas, aproveitou para elogiar a atitude da colega. A Ministra para as Mulheres vai tirar três meses de licença.

“Muito feliz em saber da chegada de um novo integrante ao grupo de brincadeiras do Parlamento. Espero que aproveite os primeiros dias muito especiais”, publicou no Twitter.

Foto: Reprodução/fonte:via

Ela não podia engravidar, então sua sogra decidiu carregar o bebê por ela

O pequeno Kross Allen Jones vai ter uma história no mínimo intrigante para contar sobre seu nascimento. Nada de partos complicados ou qualquer coisa do gênero. Difícil mesmo foi encontrar um útero para que ele fosse concebido.

A mãe de Kross, Kayla Jones, teve seu útero removido em uma histerectomia parcial quando tinha apenas 17 anos, para retirada de um tumor. Segundo contou ao site Love What Matters, seus ovários não precisaram ser removidos, de forma que ela ainda poderia ter um filho biológico, mas não conseguiria gestá-lo.

Em 2012, Kayla se casou com Cody e os dois queriam muito ter filhos, mas sabiam que seria necessário encontrar uma pessoa disposta a realizar uma gestação de substituição – que, aqui no Brasil, muitas vezes chamamos erroneamente de “barriga de aluguel”. Não foi preciso procurar tão longe: a mãe de Cody, Patty, já estava pronta para realizar o procedimento e engravidar no lugar de sua nora.

A gravidez foi confirmada em maio de 2017 e, em dezembro do mesmo ano, o pequeno Kross nascia. “Estou tão impressionada com este pequeno milagre. Ter ele dessa forma não foi sempre fácil e definitivamente não foi fácil para Patty, mas tê-lo aqui faz com que todos os dias difíceis tenham valido a pena“, disse Kayla ao Bored Panda.

Foto 1, 9: Kayla Jones/Reprodução Facebook

Fotos 2-8 © Helms Photography /fonte:via